Trabalho do Professor Péricles

Trabalho do Professor Péricles

(Parte 4 de 5)

Para se efetuar o cálculo do __ dessa pilha, podemos utilizar a equação:

= (+0,34 V) – (-1,68 V) = +2,02 V

2. OBJETIVOS:

  • Compreender que reações de oxirredução podem ser usadas para produzir trabalho útil (corrente elétrica).

3. MATERIAIS E REAGENTES:

  • Béquer de 250 mL;

  • Lâmpada de 1,5 V;

  • Lixa;

  • Vela de filtro;

  • Bastão de zinco;

  • Chapa de cobre;

  • CuSO4 0,1M;

  • KMnO4 0,1M;

  • ZnSO4 0,1M;

4. PROCEDIMENTO EXPERIMETAL:

4.1. Montou-se a pilha descrita na introdução I. e a de zinco metálico e íons de zinco ,e cobre metálico e íons de cobre,na montagem do sistema usou-se o sistema de parede porosa para diminuir a resistência do circuito cujo modelo similar (ilustrativo) segue-se abaixo:

Figura: 13.2

Znº + CuSO4 ZnSO4 + Cuº

4.2. Colocou-se em um béquer de 200 ml até 2/3 de sua capacidade ,uma solução de CuSO4 0,1 mol/l e mergulhou-a nela uma lâmina de cobre metálico.

4.2-Em seguida, encheu-se um recipiente poroso (vela de filtro) com uma solução de ZnSO4 0,1 mol/l e mergulho-se nela uma lamina de zinco metálico.(Ambas as laminas foram cuidadosamente limpas com lixa, antes de se proceder as etapas descritas acima)

4.3. Colocou-se a vela de filtro dentro do béquer, de acordo com o esquema mostrado na figura 13.2.

4.4. Mediu-se a voltagem com um aparelho chamado de voltímetro e a voltagem do sistema (circuito) foi 0,71V.

PROCEDIMENTO 02

4.6. O outro tipo de pilha foi montado com base na redução de íons MnO4 e na oxidação do zinco metálico de acordo com a reação apresentada pela equação:

5Zn +2MnO4 + 16H+ 5Zn2+ + 2Mn2+ +8H2O

4.7. Em seguida foram colocados em um béquer de 200 mL até cerca de 2/3 de sua capacidade, uma solução de KMNO4 0,1 M previamente acidulada com H2SO4 a 2 mol/L. Posteriormente mergulhou-se bastões de carvão e zinco nesta solução sem deixar que os dois entrassem em contato direto.

5. RESULTADOS E DISCUSSÃO:

PROCEDIMENTO 1.

Durante a realização do experimento mediu-se a voltagem do sistema, a qual mostrou-se uma condutividade de 0,71 volt. O cobre perdeu o brilho, pois estava se desfazendo e o zinco tornou-se mais escuro, pois o mesmo estava passando da solução para a barra. Assim, a solução de cobre tornou-se mais diluída e a de zinco mais concentrada, pois á medida que as duas semi-reações ocorrem, um excesso de íons positivos (Zn2+) tendem a se formar na solução de zinco ,enquanto a solução de cobre tende a se tornar deficiente em íons positivos ,já que os íons de Cu2+ vão se neutralizar.

PROCEDIMENTO 2.

Durante a realização do experimento mediu-se a voltagem a qual mostrou 0,9 volts. A solução tornou-se mais escura, com forte odor.A barra de zinco se oxidou,tornando-se mais clara .Sobre a solução criou-se uma película .

6. CONCLUSÃO:

Este trabalho experiemental serviu para o aprimoramento do conhecimento e técnicas sobre células galvânicas (pilhas), cujo, conhecimento adquirido servirá para toda a minha vida acadêmica.

A teoria da prática foi comprovada no experimento, e foi de grande proveito, pois proporcionou uma melhor compreensão sobre pilhas.

7. BIBLIOGRAFIA:

BRADY, James E. & HUMISTON, Geraldo, E. 2° ed. Vol. 2, LTC - Livros Técnicos e Científicos, Rio de Janeiro, 1993.

FELTRE, Ricardo. Físico-Química, - 6. Ed. São Paulo: Moderna 2004.

FONSECA, Martha Reis Marques da. Completamente Química: Físico-Química,São Paulo: FTD. 2001.

MOORE, W.J. Físico-Química, Trad. 4°. ed. Edgard Blücher, São Paulo, 1976.

USBERCO, João. Química – volume único/ João Usberco, Edgard Salvador – 5. ed.reform. – São Paulo: Saraiva 2002

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO – UEMA

CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE CAXIAS – CESC

DEPARTAMENTO DE QUIMICA E BIOLOGIA – QUIBIO

CURSO: QUIMICA LICENCIATURA

DISCIPLINA: CINÉTICA E ELETROQUÍMICA

PROFESSOR: Ms. PERICLES NUNES

ELETRÓLISE

CAXIAS-MA

DEZ-2012

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO – UEMA

CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE CAXIAS – CESC

DEPARTAMENTO DE QUIMICA E BIOLOGIA – QUIBIO

CURSO: QUIMICA LICENCIATURA

DISCIPLINA: CINÉTICA E ELETROQUÍMICA

PROFESSOR: Ms. PERICLES NUNES

ELETRÓLISE

Acadêmico: Noé Nonato dos Santos Filho

CAXIAS-MA

DEZ-2012

SUMÁRIO

  1. INTRODUÇÃO ............................................................................................... 04

  2. OBJETIVOS .....................................................................................................08

  3. MATERIAIS E REAGENTES ........................................................................09

  4. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL..........................................................10

  5. RESULTADOS E DISCUSSÃO ......................................................................11

  6. CONCLUSÃO ..................................................................................................12

  7. BIBLIOGRAFIA ..............................................................................................13

  1. INTRODUÇÃO:

A eletrólise é um processo não-espontâneo, em que a passagem de uma corrente elétrica através de um sistema líquido, no qual existam íons, produz reações químicas. (USBERCO E SALVADOR, 2002).

Para BRADY (1983) “em uma célula eletrolítica, ocorre um processo chamado de eletrólise, no qual a passagem de eletricidade através da solução fornece energia sulficiente para promover, desse modo, uma reação não-espontânea de oxirredução.

Para Martha Reis (2001) “A conversão de energia elétrica em energia química é um processo não-espontâneo, denominado eletrólise. As eletrólises são realizadas em cubas eletrolíticas, nas quais a corrente elétrica é produzida por um gerador (pilha). Nesse sistema, os eletrodos são geralmente inertes, formados por platina ou grafita (carvão). As substâncias que serão submissas à eletrólise podem estar liquefeitas (fundidas) ou em solução aquosa”.

Na eletrólise ignea, a substância pura está no estado líquido (fundida) e não existe água no sistema (FELTRE, 2004). Um exemplo desse tipo de eletrólise, é a que ocorre com o cloreto de sódio (NaCl), utilizando eletrodos de platina.

As semi-reações que ocorrem no eletrodo são:

Estabelecendo a igualdade entre o número de elétrons perdidos e recebidos e somando as semi-reações, obtemos a reação global da eletrólise:

Pela análise da reação global, podemos conclui que a eletrólise ígnea do cloreto de sódio produz sódio metálico (Na) e gás cloro (Cl2).

Na eletrólise em meio aquoso, deve-se considerar não só os íons provenientes do soluto, mas também os da água, provenientes de sua ionização (FELTRE, 2004). Genericamente:

Experimentalmente verificou-se que somente um dos cátions e um dos ânions sofrem descarga nos eletrodos e que essa descarga segue a seguinte ordem de prioridade:

Na eletrólise aquosa do Cloreto de Sódio (NaCl) em solução temos:

Somando as quatro equações, temos a reação global do processo:

A eletrólise do NaCl (aq) é um processo que permite obter soda cáustica (NaOH), gás hidrogênio (H2) e gás cloro (Cl2). A presença de OH- na solução final da eletrólise caracteriza soluções básicas.

(Parte 4 de 5)

Comentários