Artigo -Pós-graduação-Jussara Hercília Portela Soares de Oliveira

Artigo -Pós-graduação-Jussara Hercília Portela Soares de Oliveira

(Parte 1 de 2)

1 A importância do aleitamento materno para o recém-nascido

The importance of breastfeeding for newborn Jussara Hercília Portela Soares de Oliveira1; Prof.ªAlayna de Araújo Rocha2

Resumo - Este estudo trata-se de uma revisão de literatura sobre a importância do aleitamento materno para o recém-nascido, visto que o leite materno é o alimento e fonte de nutrientes para as funções biológicas do recém-nascido, no ponto de vista nutricional, sendo a principal vantagem para a saúde da criança, e não necessitando de outros tipos de alimentos, ou seja, ele atende a todas as necessidades nutricionais das crianças até os 06 meses de vida. Amamentar não é uma tarefa intuitiva para os humanos, mas superados as dificuldades iniciais, o aleitamento materno traz inúmeros benefícios para o bebê e a mamãe.

Palavras-chaves: Leite. Leite humano. Leite materno

Abstract - This study deals with a review of literature on the importance of breastfeeding for the infant, since breast milk is the food and nutrient source for the biological functions of the newborn, in terms of nutrition, and the main advantage for the child's health, and not requiring other types of food, ie, it meets all the nutritional needs of children up to 06 months of life. Breastfeeding is not an intuitive task for humans, but overcome the initial difficulties, the breastfeeding has many benefits for baby and mom.

Key words: Milk. Human milk. Breast milk.

1 Aluna do curso de Pós-Graduação em Programa Saúde da Família do Instituto Florence. 2 Orientadora. Professora Especialista em Saúde da Família e Saúde Pública pela Faculdade Internacional de Curitiba – FACINTER.

2 A importância do aleitamento materno para o recém-nascido

The importance of breastfeeding for newborn

1 Introdução

O leite é a primeira alimentação humana e fonte de nutrientes para as funções biológicas, sendo considerado o melhor alimento para criança, por ter papel muito importante na proteção imunológica contra doenças infecciosas (OMS, 2000).

O aleitamento materno é a mais sábia estratégia natural de vínculo, afeto, proteção e nutrição para a criança que constitui a mais sensível, econômica e eficaz intervenção para redução da morbimortalidade infantil (GIULIANI, 2004).

Sabe-se que o leite materno é o alimento ideal para o bebê, sendo, portanto fundamental para a saúde e o desenvolvimento da criança, devido suas propriedades nutricionais, psicológicas, imunológicas, além de trazer importantes vantagens para as mães (UNICEF, 2007).

Muitas acabam abandoando essas práticas por não encontrar apoio no momento em que surgem algumas dificuldades, alguns problemas enfrentados pelas nutrizes durante o aleitamento materno, se não forem precocemente identificados e tratados, podem ser importantes causas de interrupção da amamentação (ABRÃO, 2006).

Sendo, portanto, que nem sempre as mães têm facilidades de amamentar seus filhos devido à falta de conhecimentos sobre como amamentar (BRASIL, 2000).

A importância do leite para o desenvolvimento é sustentável e equitativo de uma nação, para a promoção da alimentação saudável em consonância com os direitos humanos fundamentais e para a prevenção de distúrbios nutricionais de grande impacto em Saúde Pública (REA, 2004).

Amamentar é muito mais do que nutrir a criança. É um processo que envolve interação profunda entre mãe e filho, com repercussões no estado nutricional da criança, em sua habilidade de se defender de infecções, em sua fisiologia e no seu desenvolvimento cognitivo e emocional, além de ter implicações na saúde física e psíquica da mãe (CARMO, 2000).

O aleitamento materno pode melhorar a qualidade de vida das famílias, uma vez que as crianças amamentadas adoecem menos e necessitam de menos atendimento médico, hospitalizações e medicamento (DINIZ, 2001).

O leite materno tem tudo o que o bebê precisa inclusive água, e é de mais fácil digestão do que qualquer outro leite, porque foi feito para ele, funciona como uma verdadeira vacina, protegendo a criança de muitas doenças (BITAR, 1995).

O leite ao seio é um alimento vivo, completo e natural, adequado para quase todos os recém-nascidos, salvo raras exceções. As vantagens do aleitamento materno são múltiplas e já bastante reconhecidas, quer a curto, quer a longo prazo, existindo um consenso mundial de que a sua prática exclusiva é a melhor maneira de alimentar as crianças até aos 6 meses de vida (VITOLO, 2005).

Em função da elevada significância deste alimento na vida do RN, objetiva compreender o conhecimento e informações adquiridas durante os estudos teóricos sobre a importância do aleitamento materno para os recémnascidos.

5 2 Material e Métodos

Trata-se de um estudo exploratório com abordagem qualitativa utilizando como método de pesquisa bibliográfica realizada através de livros, monografias, artigos e endereços eletrônicos: Google, Firefox e sites acadêmicos referentes ao tema.

A abordagem qualitativa aprofunda-se em compreender as variáveis históricas de transmissão de conhecimento da amamentação, tendo como base a importância do aleitamento materno para o RN (recém-nascido).

6 3 Referencial Teórico

O aleitamento materno é considerado um dos pilares fundamentais para a promoção e proteção da saúde das crianças em todo o mundo. A superioridade do leite humano como fonte de alimento, de proteção contra doenças e de afeto fazem com que especialistas do mundo inteiro recomendem a amamentação exclusiva por 4-6 meses de vida do bebê e complementado até pelo menos o final do primeiro ano de vida (UNICEF, 2007).

O leite humano representa a resposta que a natureza deu à pergunta do melhor alimento para o homem que se desenvolve. Durante décadas de existência da espécie humana, com exceção dos últimos anos, a alimentação ao seio foi considerada a forma natural e praticamente exclusiva de alimentar a criança em seus primeiros meses de vida (DINIZ E VINAGRE, 2001).

A lactação acarreta no organismo materno uma demanda similar à da gestação. Após o nascimento da criança, o alimento começa a ser produzido pelas glândulas mamárias, como o substituto sanguíneo para a criança e para o desenvolvimento do bebê (LANA, 2001).

O leite ao seio é fundamental para a saúde das crianças por ser um alimento completo, fornecendo componentes para hidratação, fatores de desenvolvimento e proteção como anticorpos, leucócitos e outros contra infecções comuns da infância, isento de contaminação e perfeitamente adaptado ao metabolismo da criança (VENTURA, 2001).

O aleitamento materno, pelas inúmeras vantagens que traz tanto para a mãe como para o recém-nascido, é reconhecido como a melhor forma de alimentação da criança. Nessas circunstâncias, é importante que o profissional tenha habilidade, conhecimento técnico e atitude acolhedora para avaliar adequadamente a viabilidade do aleitamento (OMS, 2000).

A nutriz, ao apresentar sintomas de uma doença, geralmente já expôs seu filho ao agente patogênico, e a orientação geral é manter o aleitamento. Se a mãe suspende a amamentação quando surgem os sintomas da doença, a proteção ao lactente fica diminuída, aumentando a chance da criança adoecer, pois ela deixará de receber anticorpos específicos e demais fatores de proteção do leite humano (ALMEIDA, 2004).

Portanto, recomenda-se que a mulher lactante receba, através de sua alimentação, grande quantidade de água, glicídes, prótides, lípides, sais minerais e vitaminas, elementos que serão utilizados para a formação do leite, com a finalidade de não desfalcar suas reservas orgânicas (CÁNEPA, 2002).

Já foi demonstado que a complementação do leite materno com água ou chás é desnecessária, inclusive em dias secos e quentes. Recém-nascidos normais nascem suficientemente hidratados para não necessitar de líquidos, além do leite materno, apesar da pouca ingestão de colostro nos dois ou três primeiros dias de vida (OLIVEIRA, 2002).

Colostro é a primeira secreção láctea produzida pelo seio materno, podendo ter uma coloração translúcida (transparente) ou amarelada. Por meio do colostro a mãe transfere anticorpos para o recém-nascido, que possui um sistema imunitário ainda imaturo, podendo apresentar os níveis mais altos de proteína (BITAR, 1995).

Aleitamento materno é o leite muito nutritivo assim tendo uma quantidade de agentes protetores muitas vezes maiores que a do leite maduro, produzido posteriormente o que pode apresentar uma suplementação de vitaminas, sais minerais, gorduras, açucares e proteínas, onde todos são apropriados para o organismo do bebê (BRASIL, 2000).

O leite, em virtude das suas propriedades antiinfecciosas, protege as crianças contra infecções desde os primeiros dias de vida. Além de diminuir o número de episódios de diarréia, encurta o período da doença quando ela ocorre e diminui o risco de desidratação (HORTA, 1996).

Portanto, a mãe do lactente tem a oferecer de sua mama o leite mas adequado, completo, equilibrado e suficiente para o seu filho, incluindo que também no leite encontra-se, cálcio, fósforo, zinco e vitaminas B6, B12, C e D, além disso, a formulação do leite humano modifica-se durante a mamada, no inicio é acizentado, logo depois nota-se no final vai ficando mas claro porque contém mais gordura, tornando-se mais rico em energia (VITOLO, 2005).

O aleitamento materno é considerado como único alimento capaz de atender de maneira mais adequada a todas as peculiaridades fisiológicas do metabolismo do lactente. Bebês que são amamentados ficam menos doentes e são mais bem nutridos do que aqueles que ingerem outro tipo de alimento (REA, 2004).

Tendo em vista todos os benefícios apresentados a promoção do leite materno exclusivo, é considerando uma das mais vantajosas intervernções em saúde do recém-nascido, ajudando na primeira descarga intestinal do RN, preparando o aparelho digestório do bebê para receber o leite transicional e o leite amadurecido, é portanto, o alimento ideal para o bebê, sendo fundamental para a sua saúde e seu desenvolvimento (BRASIL, 2000).

No bebê, o ato de se alimentar acontece através da sucção que é o primeiro estímulo responsável pelo crescimento facial no que ajuda na mandíbula a se desenvolver devido ao estímulo que a sucção oferece. Quando o bebê suga, ele

para o seu desenvolvimento saudável (GIULIANI, 2004)

exercita toda sua musculatura orofacial e esta mesma musculatura que, mais tarde, ele utilizará para articular os fonemas, ou seja, o leite é o alimento que prepara o RN

O leite materno é fundamental para a saúde da criança pela sua disponibilidade de nutrientes e substâncias imunoativas. Sendo que, amamentação favorece a relação afetiva mãe-filho e o desenvolvimento da criança, do ponto de vista cognitivo e psicomotor. Apresenta, também, a propriedade de promover o espaçamento das gestações e de diminuir a incidência de algumas doenças na mulher (BITAR, 1995).

Abordamos que o aleitamento materno tem sido principalmente no que diz respeito ao desenvolvimento da criança, pois amamentação supre todas as necessidades desde o nascimento, para o bebê crescer e desenvolver sadio, também precisa destacar, que não só as mães, mas também os pais devem incentivar as mães, no processo de amamentar seu bebê (SOUZA, 2011).

A importância do leite da mãe ao desenvolvimento da criança frequentemente esta divulgação é realizada por pediatras, obstetras, enfermeiros, psicólogos e até mesmo por órgãos mundiais ligados à saúde como o Fundo das nações Unidas para Infância (UNICEF) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) (UNICEF, 2007).

Visto a importância do aleitamento materno para o recèm-nascido, preconiza a amamentação exclusivo até aos 6 meses e ápos esses meses, assim, podendo depois começar a introduzir gradualmente a água e alimentos sólidos, pois por esta altura o bebê já exige uma outra necessidade nutricional (NÓBREGA, 2001).

Diante disso, a OMS calculou que a amamentação conseguiu reduzir em 30% os índices de mortalidade infantil. Além do mais esta sublime prática proporciona o contato físico da mãe com o filho, possibilitando a troca de afeto que repercutirão ao longo da vida de ambos (ESCUDER, 2003).

Segundo (OMS, 2000), é muito importante conhecer e utilizar as definições de aleitamento materno adotadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e reconhecidas no mundo inteiro. Assim, o aleitamento materno costuma ser classificado em:

• Aleitamento materno exclusivo – quando a criança recebe somente leite materno, direto da mama ou ordenhado, ou leite humano de outra fonte, sem outros líquidos ou sólidos, com exceção de gotas ou xaropes contendo vitaminas, sais de reidratação oral, suplementos minerais ou medicamentos;

• Aleitamento materno predominante – quando a criança recebe, além do leite materno, água ou bebidas à base de água (água adocicada, chás, infusões), sucos de frutas;

• Aleitamento materno – quando a criança recebe leite materno (direto da mama ou ordenhado), independentemente de receber ou não outros alimentos;

• Aleitamento materno complementado – quando a criança recebe, além do leite materno, qualquer alimento sólido ou semi-sólido com a finalidade de complementá-lo, e não de substituí-lo;

• Aleitamento materno misto ou parcial – quando a criança recebe leite materno e outros tipos de leite.

Sendo assim, o leite humano caracteriza-se como instrumento de grande importância nesse estudo para o aprofundamento nas idéias e ações sobre o conhecimento teórico quando ao componente vital e crescimento no desenvolvimento sádio do recém-nascido.

12 4 Quadro resumo

Este quadro resume de forma explicatória a importância do aleitamento materno para o recém-nascido.

GIULIANI, Elsa Regina Justo

O aleitamento materno é a mais sábia estratégia natural de vínculo, afeto, proteção e nutrição para a criança que constitui a mais sensível, econômica e eficaz intervenção para redução da morbimortalidade infantil.

Colostro é uma forma de leite de baixo volume secretado pela maioria dos mamíferos nos primeiros dias de amamentação pós-parto. Composto de vários fatores para o desenvolvimento e proteção como água, leucócitos, proteínas, carboidratos e outros.O colostro é rico em células imunologicamente ativas, anticorpos e proteínas protetoras, funciona como uma primeira vacina, protegendo o bebê contra várias infecções.

Christianne Souza de Oliveira

urinárias e respiratórias, alergias,

Contribui para o desenvolvimento psicomotor e emocional; É alimento completo até 6 meses de idade; É de fácil digestão; Facilita a eliminação de mecônio e reduz o risco de icterícia; Protege contra resfriados, infecções diarréia e problemas na arca dentária; Promovem melhor desenvolvimento intelectual; Evita desidratação; Diminui a taxa de desnutrição protéicocalórica; Melhora as respostas às vacinas e capacidade de combater doenças; Promove, movimentos dos músculos, da face, proporcionando melhor flexibilidade na articulação das estruturas participantes da fala; A amamentação é uma forma muito especial e fortalecedora do relacionamento entre mãe e filho, que transmite segurança, carinho e amor ao bebê.

CÁNEPA, Laura

Christianne Souza de Oliveira

aquisição, está natemperatura ideal e

Promove e aumenta o vínculo afetivo, entre mãe e filho; Favorece a regressão do útero e das mamas aos tamanhos normais; Protege contra a depressão pós-parto; Facilita o retorno do peso pré-gestacional; Reduz as chances de engravidar; Reduz o risco de câncer de ovário, mama e útero. O leite materno não custa nada, é de fácil livre de contaminações externas.

(Parte 1 de 2)

Comentários