A Segurança do Trabalho com as Instalações Elétricas em uma Construção Civil

A Segurança do Trabalho com as Instalações Elétricas em uma Construção Civil

(Parte 1 de 6)

Ibotirama – Bahia – Brasil 2012

2 JOCÉLIO HÉRCULES CORNEAU

Monografia apresentada ao corpo docente da Faculdade Integrada de Jacarepaguá, em cumprimento às exigências e requisitos para a conclusão do Curso de Pós-Graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho.

Área de Concentração: Construção, Segurança e Instalações Elétricas.

Profª. Thereza Christina Imbuzeiro Horta Galhardo Orientadora

Ibotirama – Bahia – Brasil 2012

3 JOCÉLIO HÉRCULES CORNEAU

Avaliação
(1º Examinador)

BANCA EXAMINADORA Prof.

Dedico este trabalho aos meus grandes amores: minha esposa Leila e meu filho Henrique.

A Deus, o nosso Grande Arquiteto Do Universo, pela paz interior. A minha esposa Leila, pela eterna compreensão e momentos marcantes.

Ao meu filho Henrique, pelo novo sentido em minha vida. Aos meus pais, Julio Henrique e Maria do Carmo, que sempre colocaram a educação em primeiro plano. Às minhas irmãs, Jussara, Jeovana, Joselita e Poliana, pelo eterno companheirismo familiar. Aos meus sogros, Sr Carlos Guanais e D. Nilta Macedo, pela nova forma de enxergar o mundo. Às minhas queridas cunhadas, Carla, Gilka e Luana, pela compreensão e recepção em sua família.

Ao meu caro amigo e concunhado Fabio Kadis, por sua prestatividade e pelos estudos sobre astronomia. Ao meu estimado amigo Daniel Paes, pelas longas conversas, prosas e cantigas sobre diversos temas, “então diga que valeu”.

Aos nobres colegas de profissão, Eng. Anselmo, Eng, Wilson e Eng. João

Kleber, por compartilhar comigo as arestas da engenharia. Ao pessoal da COELBA – Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia, na pessoa do Gerente Regional Janilson Bomfim, por compartilhar informações sobre normas e procedimentos.

das instalações elétricas

Aos clientes e colaboradores da JHC ENGENHARIA, que servem como base para colocar em prática todos os ensinamentos sobre a segurança

A todos aqueles que direta ou indiretamente me proporcionou a galgar meus objetivos, contribuindo para o meu conhecimento e minha formação profissional, pessoal e espiritual. Muito obrigado.

“O verdadeiro sinal de inteligência não é o conhecimento, e sim a imaginação”

Albert Einstein

7 RESUMO

Todo e qualquer assunto que diz respeito à segurança do trabalho, analisa não somente os aspectos que envolvem o trabalhador e sua relação com o trabalho, mas também como isso influencia na sua relação com as demais atividades, por menor ou mais complexa que ela seja. Mas, quando este tema trata da construção civil, além dessas relações, há uma integração com várias outras atividades e segmentos de uma sociedade, pois é através de uma obra civil que as demais atividades se pronunciam. Ou seja, uma família para ter uma casa como moradia, teve que primeiramente alguém construir essa moradia, um prédio com escritórios e vários profissionais exercendo varias atividades distintas, para exercê-las, vários outros profissionais tiveram que dar sua contribuição para que isso fosse uma realidade, e isto se aplica a vários outros exemplos. Porém independemente do tipo de obra que foi executado, com certeza a energia elétrica esteve presente no decorrer da construção de tal empreendimento, e com mais certeza ainda, fará parte eternamente entre seus usuários. E neste caso, tratar com a segurança do trabalho com as instalações elétricas, é não somente pensar na segurança do profissional que estará utilizando a energia elétrica no momento da execução da obra, mas como também, garantir que essas instalações estejam conformes os padrões estabelecidos para a segurança de seus usuários no futuro. Este trabalho faz uma abordagem sobre como manter os parâmetros para este tipo de segurança no trabalho, durante e após a execução de uma atividade que envolve eletricidade.

PALAVRAS-CHAVE: Segurança; Eletricidade; Construção Civil.

8 RELAÇÃO DE FIGURAS

Figura 1 - Gráfico Segurança da População - Nº de Mortes23
Figura 2 - Gráfico Segurança da População - Lesão Grave24
Figura 3 - Efeitos da Corrente Elétrica32
Figura 4 - Percurso da Corrente Elétrica3
Figura 5 - Pirâmide de Acidentes47
Figura 6 - Modelo Causal de Perdas48
Figura 7 - Representação de Quadros de Distribuição53
Figura 8 - Placas de Sinalização54
Figura 9 - Quadro Principal de Distribuição54
Figura 10 - Quadros Fixos e Moveis5
Figura 1 - Exemplos de Quadro de Distribuição56
Figura 12 - Tipos de Proteção para Quadro de Distribuição56
Figura 13 - Chaves Blindadas57
Figura 14 - Plugs e Tomadas58
Figura 15 - Proteção de Luminárias59
Figura 16 - Distância de Segurança entre Veículos e Rede Elétrica60
Figura 17 - Bota de Segurança60
Figura 18 - Luvas Isolantes61
Figura 19 - Luvas de Coberta em Vaqueta61
Figura 20 - Óculos de Segurança61
Figura 21 - Capacete de Segurança62
Figura 2 - Cinto de Segurança62
Figura 23 - Gráfico de Acidentes de Origem Elétrica65
Figura 24 - Interação da NR-10 com as NBRs 5410 e 1403968
Figura 25 - Relação de Irregularidades NR -1071
Figura 26 - Fios expostos e sem proteção72
Figura 27 - Condutor sem isolamento e em contato direto com a parede72
Figura 28 - Ato inseguro ao executar a atividade73
Figura 29 - Situação de risco por negligência e imprudência74
Figura 30 - Situação de imperícia74

Figura 31 - Situação de risco por imprudência ............................................................. 75

Figura 32 - Instalações com risco de curto circuito75

9 Figura 3 - Negligência no uso da eletricidade ............................................................ 76

10 RELAÇÃO DE TABELAS

Tabela 1 - Classificação de Tensão34
Tabela 2 - Tensão de Contato x Tempo de Duração - CA35
Tabela 3 - Tensão de Contato x Tempo de Duração - C36
Tabela 4 - Efeitos da Duração de Contato38
Tabela 5 - Freqüência - Limiar de Sensação39

Tabela 6 - Chances de Salvamento .............................................................................. 40

1 INTRODUÇÃO14
1.1 JUSTIFICATIVA19
1.2 OBJETIVOS20
1.2.1 Objetivo Geral20
1.2.2 Objetivos Específicos20
1.3 METODOLOGIA APLICADA E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO21
2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA2
2.1 SEGURANÇA NO TRABALHO2
predial:25
2.2 RISCOS DA ELETRICIDADE27
2.3 CHOQUE ELÉTRICO29
2.3.1 Choque produzido por contato com circuito energizado29
2.3.2 Choque produzido por contato com corpo eletrizado30
2.3.3 Choque produzido por raio (Descarga Atmosférica)30

2.1.1 Acidentes mais comuns nas atividades de elétrica relacionados à área

Energizado30
2.3.5 Efeitos da Eletricidade no Corpo Humano31
2.3.5.1 Limiar de Sensação (Percepção)31
2.3.5.2 Limiar de Não Largar31
2.3.5.3 Limiar de Fibrilação Ventricular32

2.3.4 Avaliação da Corrente Elétrica Produzida por Contato com Circuito

fatores que interferem são:32
2.3.6 Trajeto da corrente elétrica no corpo humano3
2.3.7 Tipo da corrente elétrica34

O choque elétrico pode variar em função de fatores que interferem na intensidade da corrente e nos efeitos provocados no organismo, os 2.3.8 Tensão nominal ................................ ................................ ............................. 34

2.3.9 Intensidade da corrente36
2.3.10 Duração do choque38
2.3.1 Resistência do circuito38
2.3.12 Freqüência da corrente38
2.3.13 Primeiros Socorros à Vítima de Choque Elétrico39
vítimas de choque elétrico40

2.3.14 Método da respiração artificial "Hoger e Nielsen", para reanimação de

vítimas de choque elétrico42
2.3.16 Método da respiração artificial Boca-a-Boca42
2.4 PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM ELETRICIDADE4
2.5 REGRAS BÁSICAS45
2.6 ATERRAMENTOS45
3 ACIDENTE DO TRABALHO46
3.1 ESTUDO DOS ACIDENTES E INCIDENTES47
3.2 MODELO CAUSAL DE PERDAS48
3.4 LOCALIZAÇÃO DOS RISCOS ELÉTRICOS53
3.4.1 Quadros de distribuição53
3.4.2 Quadro principal de distribuição54
3.4.3 Quadros terminais: fixos ou móveis5
3.4.4 Chaves elétricas57
3.4.5 Plugs e tomadas57
3.4.6 Iluminação provisória58
3.4.7 Máquinas e equipamentos59
3.5 EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL – EPI60

2.3.15 Método de salvamento artificial "Hoger e Nielsen", para reanimação de 3.3 RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL NO ACIDENTE DO TRABALHO 52 3.6 Gráfico de acidentes de origem elétrica em 2011 ....................................... 64

AS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS72
4 CONCLUSÀO7

3.8 EXEMPLOS DE NÃO APLICAÇÃO DAS NORMAS DE SEGURANÇA COM REFERÊNCIAS ................................ ................................ ................................ .......... 78

14 1 INTRODUÇÃO

A construção civil é uma das atividades que mais gera emprego em nosso país, mas consequentemente é onde ocorre o maior número de acidentes, e grande parte na área das instalações elétricas, pois a eletricidade não admite precariedade e improvisações, quer seja nas instalações e seus componentes, quer seja nos serviços, ela não dá avisos, não tem cheiro, não tem cor, não faz ruído, não vaza de forma aparente, não é quente nem fria, mas é fatal, (Eng. Joaquim Gomes Pereira MTE / SRTE / SP).

Em uma obra civil, a instalação elétrica se inicia de forma improvisada, pois, seja no momento de uma demolição, de uma reforma, de uma ampliação ou mesmo de uma nova construção, muitas vezes, por ser uma instalação onde seus usuários estarão em contato temporariamente, muitos cuidados não são devidamente analisados e as devidas normas de segurança não são atendidas, e desta forma, o risco de acidentes é eminente.

Para a Previdência Social, Acidente de Trabalho é o “acidente que ocorre pelo exercício do trabalho e a serviço da empresa (fora do local de trabalho), ou durante o trajeto (residência/ trabalho/residência), provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte, a perda ou redução da capacidade para o trabalho permanente ou temporária” (Brasil, 1991). No entanto, acidentes de trabalho são eventos que ocorrem e que poderia ser evitado de forma a ser evitada a perda temporária ou permanente do trabalhador ou usuário e dessa forma reduzir os custos sociais proporcionados pela ocorrência do acidente. Ainda pouco se conhece sobre o custo real para o País da ocorrência de acidentes e doenças relacionados ao trabalho. Estimativa recente avaliou em R$ 12,5 bilhões anuais o custo para as empresas e em mais de R$ 20 bilhões anuais para os contribuintes (Pastore 1999).

Em serviços de construção civil, muitos pedreiros, serventes, eletricistas, carpinteiros, pintores, são operários que não possuem formação técnica, e muitos provem do meio rural, e ao adentrarem em uma obra onde existem inúmeras atividades que devem ser conciliadas, esses trabalhadores se deparam um mundo totalmente adverso do que anteriormente freqüentavam, e associado ao também não conhecimento dos riscos a que estão sujeitos, o contratante também ignora as possíveis causas de acidentes.

Seja utilizando de uma ferramenta inadequada, ou mesmo executando uma atividade próxima de uma rede elétrica, sem o devido EPI, a possibilidade de ocorrência de uma situação de risco é muito grande, e nestes casos as normas de segurança principalmente na área de eletricidade são desconhecidas, ou mesmo não são aplicadas.

A NR 10 - Instalações e serviços em eletricidade, trata das diretrizes básicas para a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, destinados a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores que direta ou indiretamente interajam em instalações elétricas e serviços com eletricidade. Já a NR18 – Condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção, é uma Norma para aplicação nos processos, nas condições e ambientes de trabalho da construção civil, incluindo instalações elétricas provisórias. 18.21 – Instalações elétricas (18.21.1 a 18.21.20) e ainda a NBR-5410 – Instalações elétricas de baixa tensão é um a norma técnica específica em baixa tensão (50 Vca ou 120 Vcc até – 1000 Vca ou 1500 Vcc) para garantir segurança das pessoas.

O que muitos dos usuários de uma instalação elétrica também desconhecem, é o tipo de riscos em potenciais em eletricidade, que são os dos tipos diretos e dos tipos indiretos, sendo este segundo tipo o mais perigoso, pois ao desconhecer onde está energizado os acidentes que ocorrem pode causar impactos, queimaduras, ou mesmo incêndios ou explosões.

Muitas medidas podem ser tomadas para evitar os riscos de acidentes causados pela eletricidade, na qual sempre começa por um planejamento e avaliação dos riscos, passando por uma contratação de um profissional habilitado, e utilizando os EPIs adequado para cada atividade específica.

Procedimentos de execução das atividades também devem ser adotados, e evidenciados através de instruções de serviços e controle das ações de trabalho, sejam elas de forma individual ou mesmo coletivas.

Outro agravante na ocorrência de acidentes, principalmente em cidades de menor porte, é o descaso com que o poder público tem diante de uma atividade na área da construção civil, pois mesmo sendo necessário um alvará para iniciar uma obra ou serviços de qualquer natureza, seja na área urbana ou na área rural, tais atividades são iniciadas sem a devida fiscalização das condições de trabalho, sem um planejamento adequado, sem projeto, e sem cumprir as etapas necessárias a uma execução com menor risco de acidentes, e no estagio atual do crescimento da construção civil, as moradias estão crescendo verticalmente, onde as redes de eletrificação, instaladas a muitos anos de forma desordenada, essas edificações ao alcançarem o termino do pavimento térreo, muitas das vezes os serviços são interrompidos por estar muito próximo a rede elétrica, o que geralmente ocorrem, quando não, a negligencia é observada a todo instante, devido ao operário de baixa qualificação profissional ignorar os riscos que está sendo submetido.

Umas das providencias a ser tomadas, para reduzir o número acidentes com as instalações elétricas, e sob quaisquer circunstancias, é a aplicação ao que determina a NR 10, pois é uma norma que existe desde 1974, e poucos conhecem sua importância ou possui conhecimento do seu conteúdo. Embora em vigor desde o final de 2004, a mesma foi revisada e alguns prazos de implementação da NR foram estendidos, devido às dificuldades de interpretação que as empresas vêm encontrando, principalmente quanto aos os itens que vêm gerando mais dúvidas são os itens: 10.8 que diz respeito sobre a capacitação dos profissionais, o anexo I referente aos treinamentos, o item 10.2.4 que estabelece o prontuário de instalações elétricas e o item 10.2.9 que trata sobre vestimentas de proteção.

Devido ser os serviços de instalações elétricas em uma construção, uma das atividades que possui melhor remuneração, menos concorrente entre os diversos profissionais e com menor esforço físico, em relação aos serviços, o eletricista prático, geralmente inicia esta atividade como um simples ajudante, que logo se intitula como um profissional habilitado, porém sem nunca ter freqüentado um curso de capacitação profissional, e quando existe certa complexidade nas instalações elétricas, esse profissional, que até então era um ajudante de outro profissional também sem grande conhecimento sobre eletricidade, ao se deparar com tais tipos de instalações, não consegue dimensionar as implicações e conseqüências de uma prática sem os devidos cuidados e precauções quanto à sua segurança e a de terceiros, onde muitas vezes se submetem a realizar sua atividade praticando vários atos inseguros, e com isso aumentando a possibilidade de um acidente.

Constantemente assistimos ou lemos nos noticiários acidentes que ocorrem devido à eletricidade, e isto ocorre das mais diversas formas, seja pelo contato direto ou indireto, seja com profissionais já habituados a lidar com a energia elétrica ou mesmo quem nunca trabalhou ou lida diretamente com ela. O fato é que constantemente pessoas perdem a vida ou fica com seqüelas quando ocorre um acidente envolvendo eletricidade, e muitos desse acidentes por ter a sua ocorrência em locais fora do ambiente de trabalho, eles não são registrados como acidentes de trabalho, então as estatísticas sobre este tipo de ocorrência não reflete em sua totalidade a abrangência dos perigos que envolvem esta atividade. Como por exemplo:

Morre homem que recebeu descarga elétrica em Petrolina, Sertão de PE

Morreu, na madrugada desta terça-feira (29), um homem que estava internado no Hospital de Urgências e Traumas de Petrolina, no Sertão de Pernambuco, após sofrer uma descarga elétrica na última segunda-feira (28). Durante o incidente, o tio dele morreu no local e outros dois homens ficaram feridos – o primo dele e um tenente do Corpo de Bombeiros que prestava socorro às vítimas. De acordo com testemunhas, pai, filho e sobrinho faziam um serviço com ferragens, quando o arame tocou no fio de alta tensão. O homem de 39 anos, que estava com a máquina de solda na mão, foi o primeiro a receber a descarga elétrica e morreu no local. O corpo dele foi liberado ainda na segunda-feira pelo Instituto de Medicina Legal (IML), em Petrolina. O filho da vítima está na clínica médica e passa bem. O pintor Rivaldo da Cunha Pessoa trabalha na frente da obra e viu quando tudo aconteceu: “Ele [o pai] estava colocando a escada da proteção, aí o arame pegou no fio de alta tensão. Ele estava soldando, aí pronto, a energia pegou e queimou os três. O filho ficou „pregado‟ quando foi tocar no pai”.O tenente do Corpo de Bombeiros, de 26 anos, que participava da ocorrência, foi atingido pelo choque e sofreu uma parada cardíaca. “A parada foi revertida a caminho do hospital. Ele foi socorrido e, graças a Deus, temos a notícia de que ele está estabilizado e em observação”, afirma o chefe de Operações dos Bombeiros, major Charles Costa.

Fonte: G1 PE POSTADO POR EDSON MARTINHO ÀS 21:41

Dessa forma a segurança envolvida em uma instalação elétrica envolve não questões técnicas, mas também sociais, e econômicas, e geralmente os prejuízos causados por instalações elétricas inadequadas, sejam elas novas ou antigas, comprometem para os inúmeros acidentes já aconteceram, até levando até a morte de pessoas.

(Parte 1 de 6)

Comentários