Introdução à Economia - N. Gregory Mankiw.pdf

Introdução à Economia - N. Gregory Mankiw.pdf

(Parte 2 de 7)

1.Dez Principios de Economia 2.Pensando como um Economista 3.Interdependencia e Ganhos Comerciais 4.As Forcas de Mercado da Oferta e da Demanda 5.Elasticidade e Sua Aplicacao 6.Oferta, Demanda e Politicas do Governo 7.Consumidores, Produtores e Eficiencia dos Mercados 8.Aplicack: Os Custos da Tributa0o 9.Aplicacao: Comercio Internacional 10.Externalidades

1.Bens PLIblicos e Recursos Comuns12.0 Projeto do Sistema Tributario 13.Os Custos de Produck 14.Empresas em Mercados Competitivos 15.Monopolio 16.OligopOlio 17.Competicao Monopolistica 18.Os Mercados de Fatores de Producao 19.Ganhos e Discriminacao 20.Desigualdade de Renda e Pobreza 21.A Teoria da Escolha do Consumidor 2.Fronteiras da Microeconomia 23.Medindo a Renda Nacional 24.Medindo o Custo de Vida 25.Produck e Crescimento 26.Poupanca, Investimento e Sistema Financeiro 27.As Ferramentas Basicas das Financas 28.Desemprego e Sua Taxa Natural 29.0 Sistema Monetario 30.Crescimento da Moeda e Inflacao 31.Macroeconomia das Economias Abertas: Conceitos Basicos 32.Teoria MacroeconOrnica da Economia Aberta 3.Demanda Agregada e Oferta Agregada 34.A Influencia das Politicas Monetaria e Fiscal sobre a Demanda Agregada

35.0 Tradeoff entre Inflack e Desemprego no Curto Prazo 36.Cinco Debates sobre Politica Macroeconornica

Obs.: Os numeros dos capitulos referem-se a obra completa, Introducao a Economia

A Editora Pioneira Thomson ag,radece aos professores citados a seguir por seuscomentEirios, criticas e sugestes 1,-)ara esta edi "a-o F-mblicada no Brasil: Manuel José Nunes PintoReitor do Centro Universitrio Alvares Penteado — Unifecap josé Francisco Vinci de MoraesChefe do Departamento de Economia da Escola Superior de Propaganda eMarketing — ESPM

Sim-a-o Davi Silber Professor Doutor do Departamento de Economia — FEA/USP

Juarez Alexandre Baldini Rizzieri Professor Doutor do Departamento de Economia — FEA/USP

Sth-gio GoldbaumProfessor EAESP — Funclao Geffilio Vargas

Nuno de Almeida Professor do Ibmec

Ao escrever este livro, beneficiei-me do apoio de muitas pessoas talentosas.Foram realizadas pesquisas de mercaclo na preparac5o desta edicao. Agradecoi,-)elo tempo que meus colegas dedicaram fazendo comentarios e pelas informac6esclue prestaram.Agradecimentos especiais a Karen Dynan, Douglas Elmendorf e Dean Croushore,que criaram muitos dos problemas e exercicios de aplicacdo apresentados ao final decada capitulo. Yvonne Zinfon, rninha assistente ern Harvard, foi, como de habit°,acima e alem do dever enquanto esta edicao estava sendo preparada. Sou tambemgr, ato a Fuad Haridi, um estudante de Harvard, por sua ajuda nos estagios finais desteprojeto.A equipe de eclitores que trabalhou neste livro fez clele algo muito melhor. JaneTufts, editora de desenvolvimento, e — como costuma ser — a responsavel por estaedic-ao realmente espetacular. Peter Adams, editor senior de aquisicoes em econo-mia, fez un-' excelente trabalho na supervisao das diversas pessoas envolvidas numprojeto g,rande como este. Sarah Dorger, editora de desenvolvimento, criou umaexcelente equipe para escrever os suplementos, ao mesmo tempo em que adminis-trava milhares de detalhes relacionados a eles. Dan Plofchan, editor de iproduc5o,juntamente com o pessoal da Thistle Hill Publishing Services e da GACIndianapolis, teve a pacie.ncia e a dedicac5o necessilrias para transformar meumanuscrito neste livro. Janet Hennies, gerente senior de marketing, trabalhoumuito para se comunicar com usuitrios em potencial do livro, mesmo enquantodava a luz um futuro leitor. Tom Gay foi fundamental nos estlig,ios iniciais de pla-nejamento. Jeff Gilbreath foi editor de desenvolvimento ate sua morte prematura;sentiremos sua falta. 0 restante da equipe tambem foi sempre profissional, entu-siasmado e dedicado: Jon Schneider, Jenny Fruechtenicht, Terron Sanders, CarrieHochstrasser, Vicky True, Peggy Buskey, Pam Wallace e Sandee Milewski.Devo tambem ag,radecer a minha editora "in-house"— Deborah Mankiw. Comoa primeira leitora de quase tudo o que escrevo, ela oferece sempre a mistura corre-ta de critica e incentivo.Finalmente, agradeco a meus filhos, Catherine, Nicholas e Peter. Suas visitasimprevisiveis ao meu escritorio representaram um alivio bem-vindo apos longashoras escrevendo e reescrevendo. Embora aincla tenham apenas 10, 8 e 4 anos deidade, alg-um dia crescera-o e estudarao os principios da economia. Espero clue estelivro proporcione a seus leitores parte da educacao c do esclarecimento que desejopara meus proprios filhos. N. Gregory MankiwOutubro de 2002

"Economia é o estudo da humanidade em sua vida rotineira." Assim escreveuAlfred Marshall, o grande economista do seculo XIX em seu livro Principios deEcononn a. Embora tenhamos aprendido muito sobre a economia desde os dias deMarshall, essa definiao da economia é tão verdadeira hoje quanto o era em 1890,quando foi publicada a primeira edição de seu texto.Por que voce, um estudante no início do seculo XXI, deveria embarcar no estu-do da economia? Ha tres razes.A 1,-)rimeira razao para estudar economia é o fato de que ela o ajudara a enten-der o n-lundo em que voce vive. Existem muitas questes relativas à economia quepodem despertar sua curiosidade. Por que é tao difícil encontrar apartamentos nacidade de Nova York? Por que as companhias aereas cobram menos por um bilhe-te de ida e volta se o viajante passar um sabado à noite em seu destino? Por queRobin Williams ganha tanto para estrelar filmes? Por que os padr6es de vida sa-o t'aobaixos em muitos paises africanos? Por que alguns paises tem taxas de inflação ele-vadas, enquanto outros tem preos estaveis? Por que e facil encontrar emprego emalguns anos e em outros é t'ao Estas s-ao apenas algumas das perg,untas queum curso de economia ajudara voce a responder.A seg,unda raz'ao para estudar economia é que isso o tomara um participantemais perspicaz da economia. Durante sua vida, voce devera tomar muitas decisesecon6micas. Enquanto voce e um estudante, precisa decidir quantos anos quer pas-sar na escola. Depois que tiver um emprego, decidira quanto de sua renda gastar,quanto poupar e como aplicar sua poupaNa. Algum dia, voce podera se ver diri-gindo uma pequena empresa ou uma grande corporK'ao e devera decidir que pre-ços cobrar por seus produtos. Os conhecimentos que voce ira adquirir nos capitu-los que seg,uem Ihe dar-ao uma nova perspectiva a respeito da melhor maneira detomar essas decises. Estudar economia nao o tornara rico, mas lhe fornecera algu-mas ferramentas que podem ajudar nesse sentido.A terceira raz'ao para estudar economia é o fato de que ela lhe proporcionarauma melhor compreens.ao dos potenciais e limites da politica econmica. Comoeleitor, voce ajuda a escolher as politicas que orientam a alocao dos recursos dasociedade. Ao decidir quais politicas apoiar, voce podera fazer a si mesmo variasperguntas sobre a economia. Quais os Onus associados a formas altemativas de tri-butacfao? Quais os efeitos do livre-comercio com outros paises? Qual a melhormaneira de proteger o meio ambiente? Como um deficit oNamentario do govemoafeta a economia? Essas e outras quest6'es similares esta-o sempre na mente dosformuladores de politica econOmica nos escritrios dos prefeitos, na mans.ao dosoovernadores e na Casa Branca.Portanto, os principios de economia podem ser aplicados em muitas situa(;6'esde nossas vidas. No futuro, esteja voce lendo um jomal, administrando umaempresa ou sentado no Saffio Oval, ficara contente por ter estudado economia. N. Gregory Mankiw

1 Dez Principios de Economia0 estudo da economia guia-se por algumas grandes ideias.

Pensando como um EconomistaOs economistas veem o mundo como cientistas e legisladores.

3 Interdependencia e Ganhos Comerciais A teoria da vantagem compamtiva explica como as pessoas se beneficiam da interdependencia economica.

fc)

4 As For-gas de Mercado da Oferta e da Demanda 5 Elasticidade e Sua Aplicacao

6 Oferta, Demanda e Politicas do Governo

7 Consumidores, Produtores e

Eficiencia dos Mercados 8 Aplicacao: Os Custos da Tributacao 9 Aplicacao: Comercio Internacional

10 Extemalidades 1 Bens Ptiblicos e Recursos Comuns

12 0 Projeto do Sistema Tributario

COMO a economia coordena ageiztes econornicos interdependentes? Por meio das foros de oferta e demanda de mercado. As ferramentas de oferta e demanda seio empregadas para examinar os efeitos de diversas politicas governamentais.

Por que o equilibrio da ofrrta e da demanda é desejdvel para a sociedade

COMO um todo? Os conceitos de excedente do consumidor e excedente do produtor explicam a eficiencia dos mercados, os custos da tributac-do e os beneficios do comercio internacional.

resultados dos mercados nein sempre

Isão eficientes e os governos por vezes atenuam as falhas do mercado.

Para financiar setts programs, os governos levantam receitas por meio de seus sistenzas tributdrios, criados corn o objetivo de equilibrar eficiencia e equidade.

t15Os Custos de Producao 14 Empresas em Mercados Competitivos

Monopolio 16 Oligopolio 17 Competicao Monopolistica teoria da empresa esclarece as deciscies

I que esta o por trds da oferta nos rnercados competitivos.

Empresas com poder de mercado podem

—fazer que os resultados do mercado sejam ineficientes.

18 Os Mercados de Fatores de Producao

19 Ganhos e Discriminacao 20 Desigualdade de Renda e Pobreza

Estes capitulos exaininanz as —caracteristicas peculiares aos mercados de trabalho, em que a inaioria das pessoas obtem a maior parte de sua renda.

PREFACIO XXI TPlCOS DE ESTUDOS AVANCADOS

21 A Teoria da Escolha do ConsumidorL Outros tcipicos de microeconomia sifio a22 Fronteiras da MicroeconomiaT tonzada de decises nas famílias, aassimetria de informa(do, a economiapolftica e a economia comporta3nental.

A MACROECONOMIA DAS ECONOIVIIAS ABERTAS 31 Macroeconomia das Economias Abertas: Conceitos 1Msicos

A quantidade total de produ(-:do e o nivelI geral de prcTos s'do usados paramonitorar desdobramentos na ecozzomia.

Estes capftulos descrevem as forvas que,110 longo prazo, determinam varidveisreais chave, incluindo crescimento doPIB, poupawa, investimento, taxas dejuro real e desemprego. 0 sistema monetdrio é crucial para deterrninar o comportamento do ru'vel depreffis no longo prazo, a taxa de infia0oe outras varidveis nominais.

As interaOes econ6micas de uma na(docom outras na(des sifo descritas por suabalawa comercial, investimento externoh'quido e taxa de cdnzbio.Uin modelo de longo prazo da economiaaberta explica os determinantes dabalawa comercial, da taxa de c'dmbioreal e outras varidveis reais.

0 nwdelo de demanda agregada e ofertaagregada explica as flutua.5esecon3micas no curto prazo, os efeitos decurto pmzo da polftica monetdria efiscal e a liga(do no curto prazo entrevaridveis reais e zzominais. Este capftulo de encerramento apresentaos dois lados de cinco inzportantes debatessobre polftica econ'dmica.

DADOS MACROECONM1COS 23 Medindo a Renda Nacional24 Medindo o Custo de Vida

25 Procluo e Crescimento 26 Poupangi, Investimento eSistema Financeiro27 As Ferramentas IM.sicas das FinaNas28 Desemprego e Sua Taxa Natural MOEDA E PRECOS NO LONGO PRAZO

29 0 Sistema Monetrio 30 Crescimento da Moeda e Inflao

32 Teoria Macroecon6mica daEconomia Aberta FLUTUAOES ECONMICAS NO CURTO PRAZO

3 Demanda Ag,regada e Oferta Agr, egada 34 A Influ&icia das Politicas Monetria eFiscal sobre a Demanda Agregada35 0 Tradeoff entre Inflg-a"o e Desempregono Curto Prazo

CONSIDERACES FINAIS 36 Cinco Debates sobre PoliticaMacroeconmica

PARTE 1INTRODKAO CAPiTULODEZ PRINCiPIOS DE ECONOMIA 3

Como as Pessoas Tomam Decisoes 4Principio 1: As Pessoas Enfrentam Tradeoffs 4Principio 2: 0 Custo de Alguma Coisa E Aquilo deque Voce Desiste para Obte-la 6Principio 3: As Pessoas Racionais Pensam naMargem 6Principio 4: As Pessoas Reagem a Incentivos 7

(Parte 2 de 7)

Comentários