Gestao de Custos - Prof. Dalmy Freitas de Carvalho

Gestao de Custos - Prof. Dalmy Freitas de Carvalho

(Parte 2 de 9)

Na visão de Atkinson et al. (2000, p. 45): “a Informação Gerencial Contábil participa de várias funções organizacionais diferentes – controle operacional, custeio do produto e do cliente, controle administrativo e controle estratégico”. O referido autor, no quadro nº 1, faz uma síntese das funções citadas.

Fornece informação (feedback) sobre a eficiência e a qualidade das tarefas executadas.

Mensura os custos dos recursos para se produzir, vender e entregar um produto ou serviço aos clientes.

Fornece informação sobre o desempenho de gerentes e de unidades operacionais.

Fornece informações sobre o desempenho financeiro e competitivo de longo prazo, condições de mercado, preferências dos clientes e inovações tecnológicas.

Quadro 1 - Funções da Informação Gerencial Contábil. Fonte: Atkinson, Anthony A. et al. 2000, p. 45.

Por mais específicas que possam ser as informações fornecidas por este ramo da Contabilidade, por mais divergente que seja seu enfoque, algumas diretrizes podem e devem ser seguidas com intuito de alcançar seu objetivo de auxílio à administração.

A Contabilidade de Custos integra a Contabilidade Gerencial, ou seja, um sistema cujo objetivo é gerar informações úteis à administração das empresas.

Para atender a legislação do imposto de renda das pessoas jurídicas, as funções da contabilidade de custos se tornaram mais abrangentes, pois o Fisco, com base no Decreto-lei nº 1.598/7, passou a exigir, dentro de certas características, que a empresa mantenha um sistema de custos integrado e coordenado com o restante da escrituração. (Perez Junior, Oliveira & Costa, 1999).

dalmycarvalho.pro.br 7

Os autores afirmam que essa obrigatoriedade exige uma formalização da Contabilidade de Custos, no que diz respeito aos seguintes aspectos principais:

sistemática de análise dos gastos;

classificação e contabilização e;

geração de relatórios e informações sobre os custos de produção.

Assim, concluem os autores, a idéia de se manter um sistema formal de contabilização dos custos dos produtos fabricados em uma empresa decorre de duas necessidades básicas:

Gerencial - na qual os controles poderão ser totalmente extra contábeis e não existe a preocupação de se atender aos princípios contábeis geralmente aceitos e muito menos às diversas regulamentações legais e fiscais;

Fiscal e Societária - em função das exigências feitas pelas autoridades fiscais e pela Legislação Comercial e Societária, a empresa deve manter uma contabilidade de custos integrada e coordenada com o restante da escrituração mercantil. Caso contrário, o fisco poderá arbitrar o valor dos estoques para efeito de cálculo do imposto de renda e da contribuição social, desconsiderando a escrituração contábil.

As características básicas das contabilidades financeira e gerencial são descritas, conforme quadro nº 2, por Atkinson, et al (2000, p. 38):

CLIENTELA Externa: Acionistas, credores, autoridades tributárias.

Interna: Funcionários, administradores, executivos.

PROPÓSITO Reportar o desempenho passado às partes externas; contratos com proprietários e credores.

Informar decisões internas tomadas pelos funcionários e gerentes; feedback e controle sobre desempenho operacional; contratos com proprietários e credores.

DATA Histórica, atrasada. Atual, orientada para o futuro.

RESTRIÇÕES Regulamentada:

dirigida por regras e princípios fundamentais da contabilidade e por autoridades governamentais.

Desregulamentada: sistemas e informações determinadas pela administração para satisfazer necessidades estratégicas e operacionais.

Somente para mensuração financeira.

Mensuração física e operacional dos processos, tecnologia, fornecedores e competidores.

Objetiva, auditável, confiável, consistente, precisa.

Mais subjetiva e sujeita a juízo de valor, válida, relevante, acurada.

ESCOPO Muito agregada; reporta toda a empresa.

Desagregada; informa as decisões e ações locais.

Quadro 2 - Características da Contabilidade Financeira e Contabilidade Gerencial.

Fonte: Atkinson, Anthony A. et al. 2000, p.38.

É importante ressaltar, que a Contabilidade Gerencial em todo seu desenvolvimento deve estar preocupada em auxiliar a organização disponibilizando informações com enfoque no planejamento, no controle ou na tomada de decisão, mas deve considerar também, que estes objetivos organizacionais podem estar explícitos ou implicitamente definidos pelos administradores. Por este motivo, deve preocupar-se em aprimorar constantemente seu sistema de informações procurando atingir o máximo de eficiência e eficácia em toda e qualquer situação com que se defrontar.

dalmycarvalho.pro.br 9

1A) Os fatores de custo de um produto em uma empresa industrial são os mesmos que em uma comercial? Justifique

1B) Qual foi o motivo principal para o surgimento da Contabilidade de Custos?

1C) A contabilidade de custos tem o objetivo de fornecer informações aos usuários internos e externos. Descreva as fases utilizadas pela contabilidade de custos para obter as informações necessárias.

1D) Descreva as principais características da contabilidade financeira e da contabilidade gerencial.

2 Terminologia contábil utilizada em custos

A contabilidade de custos possui terminologia específica, entretanto, existe divergência entre diferentes autores. Com o objetivo de uniformizar o entendimento, neste item definiremos alguns termos que utilizaremos durante o desenvolvimento dos estudos, de maneira a evitar qualquer engano de interpretação.

gasto como o compromisso financeiro assumido por uma empresa na

A definição de gastos, custos e despesas são descritas por Leone (1991, p.50) como: aquisição de bens ou serviços, o que sempre resultará em uma variação patrimonial, podendo o gasto ser definido como gasto de investimento, quando o bem ou serviço for utilizado em vários processos produtivos, e como gastos de consumo, quando o bem ou serviço forem consumidos no momento mesmo da produção ou serviço que a empresa realizar. Dependendo da destinação do gasto de consumo, ele poderá converter-se em custo ou despesa. O mesmo acontece com o gasto de investimento: à medida que o investimento for sendo consumido ele poderá transformar-se em custo ou despesa, dependendo do objeto onde estará sendo aplicado. Custo é definido como o consumo de um fator de produção, medido em termos monetários para a obtenção de um produto, de um serviço ou de uma atividade que poderá ou não gerar renda. Despesa o gasto aplicado na realização de uma atividade que vai gerar renda efetivamente ou que poderá gerar uma renda teórica.”

Segundo Perez Júnior, Oliveria & Costa (1999, p. 14-18):

“Gastos - correspondem ao consumo genérico de bens e serviços. Ocorrem a todo o momento e em qualquer setor de uma empresa. É importante não confundir gastos com desembolsos. O que é gasto, ou seja, consumido, são os bens e serviços obtidos por meio do desembolso imediato ou futuro. Dependendo da aplicação, o gasto poderá ser classificado em custos, despesas, perdas ou desperdícios”.

Custos - são os gastos relativos aos bens e serviços (recursos) consumidos na produção de outros bens e serviços. Observe que não existem despesas de produção, pois todos os gastos incorridos no processo produtivo são classificados como custos.

Despesas - são os gastos relativos aos bens e serviços consumidos no processo de geração de receitas e manutenção dos negócios da empresa. Todas as despesas estão diretamente ou indiretamente associadas à realização de receitas. As empresas têm despesas para gerar receitas e não para produzir

Perdas (despesas) - correspondem aos gastos anormais ou involuntários que não geram um novo bem ou serviço e tampouco receitas e são apropriados diretamente no resultado do período em que ocorrem. Esses gastos não dalmycarvalho.pro.br 1 mantêm nenhuma relação com a operação da empresa e geralmente ocorrem de fatos não previstos. Representam bens ou serviços consumidos de forma anormal, involuntária ou acidental e os valores devem ser lançados diretamente para o resultado.

Perdas (Custos) - são os gastos incorridos nos processos produtivos ou de geração de receitas e que possam ser eliminados sem prejuízo da qualidade ou quantidade dos bens, serviços ou receitas geradas. São gastos previstos no processo produtivo e devem ser considerados como custo dos produtos.

Investimento - Segundo Martins (2003, p.25): “Gasto ativado em função de sua vida útil ou de benefícios atribuíveis a futuro(s) período(s). Segundo o autor a matéria-prima é um gasto ativado temporariamente como investimento circulante; a máquina é um gasto que se transforma em investimento permanente...”.

(Parte 2 de 9)

Comentários