Protocolo APH-SBV SAMU SP

Protocolo APH-SBV SAMU SP

(Parte 10 de 11)

Passe os dados do paciente e solicite apoio / orientação da Central de Regulação..

PROTOCOLO Nº 34– SAMU 192 DA CIDADE DE SÃO PAULO Intoxicação Aguda Página 01/01

Nível: S.B.V. Em vigor desde Jan/96 Rev. Nº 05 – Junho/2005

Considerações Especiais de Avaliação

1-Avalie a Cena procurando , restos de drogas e / ou veneno, frascos de medicamentos, vômitos. 2- Determine o tipo de substância e se a ingestão foi por via oral, por absorção ou inalatória. 3- Realize análise primária corrigindo problemas que forem sendo encontrados. 4- Realize análise secundária direcionada: nível de consciência, diâmetro pupilar e sinais vitais. 5- Pergunte se o paciente fez uso de algum produto e qual; 6- Pergunte se faz tratamento psiquiátrico;Perguntar qual sua atividade profissional. 7– Ministre O2 suplementar por mascara e reservatório com fluxo de 10 a 12 l/m. 8- Ventilar com bolsa-válvula-mascara se o paciente apresente ventilação inadequada :

FR<10 mrm/m ou >30 mrm/m . 9- Mantenha o paciente em jejum. 10- Mantenha o paciente aquecido. 1- Resfrie pacientes hipertermicos. 12- Passe os dados do paciente e solicite apoio / orientação da Central de Regulação.

Leve a substancia ao hospital sempre que possível. Se o transporte for iniciado mantenha o paciente em posição de segurança, mantenha vias aéreas permeáveis, monitore sinais vitais, mantenha oxigênio suplementar por máscara.

Síndromes Tóxicas mais comuns. 1- Síndrome sedativo – hipnótica e opióide. Agente – álcool, etílico, barbitúricos, benzodiazepínicos, codeína, fentanil, morfina, meperidina.

Sinais e Sintomas mais comuns: sonolência, letargia, coma, depressão respiratória, hipotensão, bradicardia, pupilas normais ou em miose/midriase quando a intoxicação é por barbitúricos ou miose puntiforme no uso de opióide.

2- Síndrome Colinérgica. Agentes – inseticidas, organofosforados, carbamatos.

Sinais e Sintomas – salivação, vômito, diarréia, secreção brônquica aumentada, fraqueza muscular, tremores, confusão menta, coma, miose ou midriase pupilar.

3- Síndrome Adrenérgica Agente – anfetamina e derivados, cocaína, efedrina, cafeína em dose excessiva.

Sinais e Sintomas – agitação, delírios, paranóia, hipertensão, hipertermia. Em casos graves podem ocorrer convulsões, hipotensão e arritmias cardíacas.

PROTOCOLO Nº 35 – SAMU 192 DA CIDADE DE SÃO PAULO Acidentes com Animais Peçonhentos Página 01/02

Nível: S.B.V. Em vigor desde Junho/2005 Rev. Nº

Acidentes com Cobras (Ofidismo) A equipe do SBV não deve tentar capturar o animal. 1 - Realize avaliação primária resolvendo problemas que forem sendo encontrados. 2 - Ministre oxigênio suplementar por mascara. 3 - Tranqüilize o paciente. 4 - Mantenha o paciente em repouso. 5 - Limpe o ferimento e cubra com gaze. 6 – Passe os dados do paciente e solicite apoio / orientação da Central de Regulação.

Atenção: crianças e idosos são mais susceptíveis ao efeito do veneno

Acidentes com Aranhas 1 – Realize a avaliação primária resolvendo os problemas que forem sendo encontrados. 2 - Limpe o ferimento e cubra com gaze 3 - Passe os dados do paciente e solicite apoio / orientação da Central de Regulação.

Atenção: crianças e idosos são mais susceptíveis ao efeito do veneno

Acidentes com Escorpiões

1 - Realize avaliação primária resolvendo os problemas que forem sendo encontrados. 2 - Limpe o ferimento 3 - Passe os dados do paciente e solicite apoio / orientação da Central de Regulação.

Atenção: crianças e idosos são mais susceptíveis ao efeito do veneno e podem sofrer parada cardio respiratória.

Acidente com Abelhas Podem se manifestar clinicamente de três formas:

Acidente com uma ou mais picadas em pessoa não sensibilizada Evolui com dor forte no local, acompanhada de eritema, edema e calor local. Não há manifestação sistêmica. Conduta – Colocar bolsa de gelo ou água gelada no local.

Acidente com uma ou mais picadas em pessoa sensibilizada. É grave podendo evoluir em pouco tempo para um edema de glote com as seguintes manifestações: edema, broncoespasmo, alteração de sinais vitais. Conduta :

1 – Realize a avaliação primaria resolvendo problemas que sejam encontrados. 2- Ministre oxigênio suplementar por mascara 10 a 12 l/m 3- Passe os dados do paciente e solicite apoio / orientação da Central de Regulação. 4- Transporte rápido é prioridade.

PROTOCOLO Nº 35 – SAMU 192 DA CIDADE DE SÃO PAULO Acidentes com Animais Peçonhentos Página 02/02

Nível: S.B.V. Em vigor desde Junho/2005 Rev. Nº

Acidente com picadas múltiplas e simultâneas (ataque de enxames) Considerado potencialmente fatal quando ocorrem cerca de 300 picadas em adulto de 55kg. Em crianças com menos de 02 anos existem relatos de óbito com cerca de 30 picadas simultâneas.

Conduta 1 - Realize avaliação primária resolvendo os problemas que forem sendo encontrados. 2 - Solicite apoio do SAV a Central de Regulação. 3- Ofereça oxigênio suplementar por mascara 10 a 12 l/m. 4- Inicie manobras de RCP caso ocorra parada cardio respiratória 5- Passe os dados do paciente e solicite apoio / orientação da Central de Regulação. 6- Transporte rápido é prioridade.

PROTOCOLO Nº 36 – SAMU 192 DA CIDADE DE SÃO PAULO Urgências Psiquiátricas Página 01/01

Nível: S.B.V. Em vigor desde Jan/96 Rev. Nº 05 – Junho/2005

Ao chegar no local certifique-se que a cena está segura e peça apoio nas seguintes situações:

Quando há risco para a equipe, para o paciente para a família ou circundantes. Quando o pacientes está agressivo ou porta arma. Quando o paciente está tentando suicídio Em qualquer outra situação risco avaliada pela equipe no local. 1- Permaneça no local em segurança até o apoio chegar 2- Realize aproximação cautelosa. 3- Realize contenção física após autorização do responsável. 4- Informe os responsáveis pelo paciente sobre os procedimentos realizados 5- Realize a avaliação secundária direcionada para a pesquisa de história de doença psiquiátrica com uso de medicamentos, uso de álcool ou drogas e/ ou abstinência. 6- Pesquise se o paciente está agitado, com alteração de humor, tremores, náuseas, taquicardia, alucinações, “delirium tremens”.

Passe os dados do paciente e solicite apoio / orientação da Central de Regulação.

PROTOCOLO Nº 37 – SAMU 192 DA CIDADE DE SÃO PAULO Parto Iminente Página 01/01

Nível: S.B.V. Em vigor desde Jan/96 Rev. Nº 05 – Junho/2005

1- Aborde a parturiente utilizando EPI adequado. 2- Pergunte sobre: data provável do parto, se fez pré – natal, freqüência e duração das contrações, se houve perda sanguínea ou de liquido em grande quantidade, número de filhos. 3- Preparar-se para assistir ao parto quando:

períneo da parturiente
15- Mantenha o apoio até a completa saída do bebe
cordão
21 - Se o transporte for necessário, sem que tenha ocorrido à saída da placenta, massageie
gentilmenteo abdômen da mãe até a chegada ao hospital, monitorando perda sanguínea

A parturiente apresentar contrações de 2 em 2 minutos com duração de 30 a 40 segundos. A parturiente sentir vontade intensa de evacuar. Se ao observar o períneo houver coroamento da cabeça do feto durante a contração. 4- Garanta a privacidade da paciente. 5- Mantenha um parente próximo ou responsável junto à paciente 6- Tranqüilize a parturiente explicando o que será feito 7- Posicione a gestante em decúbito dorsal com pernas e joelhos fletidos e afastados.. 8- Realize rápida higiene do períneo com água e sabão ou soro fisiológico 9- Lave as mãos trocando a luva de procedimentos por luvas estéreis 10- Coloque campos sobre as coxas, abdômen e sob os glúteos. 1- Incentive a parturiente a manter a calma e a fazer força prendendo a respiração todas as vezes que tiver contração e a descansar na fase de relaxamento (ausência) das contrações 12- Ao visualizar a cabeça do feto no canal do parto, apóie com uma mão para evitar desprendimento brusco e com a outra mão sobre uma compressa dobrada, apóie firmemente o 13- Verifique a presença de circular de cordão. Caso exista desfaça manualmente utilizando o dedo indicador. 14- Se houver demora no desprendimento dos ombros limpe a face do bebe (boca e nariz) 16- Mantenha o bebê lateralizado e no mesmo nível que a mãe, com cuidado para não tracionar o 17- Previna a perda de calor agasalhando o bebe com um campo. 18- Limpe a boca com uma gaze e as narinas com outra duas vezes. 19- Estimule o bebe a chorar se necessário. 20- Corte o cordão umbilical da seguinte forma: coloque o primeiro clamp a 15 cm (um palmo) acima do umbigo do bebe e o segundo três dedos acima do primeiro. Proteja com gaze e corte entre os dois clamps, utilizando lâmina de bisturi (ou tesoura estéril). vaginal. 2- Se houver a saída da placenta (dequitação) guardar em saco plástico identificado e levar para o hospital. 23- Realize massagem gentil sobre o abdômen para favorecer a contratilidade uterina 24- Mantnhar a mãe aquecida. 25- Se houver aumento do sangramento e piora do estado geral da mãe seguir o protocolo de choque.

IMPORTANTE Após a assistência: - Identifique o RN e a mãe utilizando a pulseira de identificação

- Abra a ficha de APH para a mãe e o RN anotando as condições do parto e as condições do nascimento (se o bebe chorou ao nascer, batimentos cardíacos, perfusão e tonicidade muscular) - Mostrar o bebe para a mãe. Passar os dados do paciente e solicite apoio / orientação da Central de Regulação.

PROTOCOLO Nº 38– SAMU 192 DA CIDADE DE SÃO PAULO Parto: Apresentações Página 01/01

Nível: S.B.V. Em vigor desde Jan/96 Rev. Nº 05 – Junho/2005

Após a avaliação da parturiente e no caso de: Apresentação pélvica (nádegas ou pés)

- Transporte em posição ginecológica, utilizando a técnica do dedo em V. - Administre oxigênio

Apresentação cormica ou prolapso de membros:

- Transporte em decúbito lateral esquerdo utilizando coxim entre os joelhos - Administre o oxigênio

Prolapso de cordão:

- Verifique se há pulso no cordão - Coloque compressa de gaze umedecida com soro fisiológico sob o cordão

- Coloque coxim sob os quadris

(Parte 10 de 11)

Comentários