ANATOMIA II - Sistema Cardiovascular

ANATOMIA II - Sistema Cardiovascular

(Parte 2 de 2)

Ramos Terminais e Colaterais:

Ramos terminais: quando a artéria dá ramos e o ramo principal deixa de existir.

Ramos colaterais: quando a artéria emite ramos e o tronco de origem continua a existir.

Os ângulos dos ramos colaterais podem ser:

  • Ângulo agudo (o mais freqüente; permite que o sangue circule com facilidade e no mesmo sentido da corrente da artéria de origem)

  • Ângulo reto (ocorre diminuição na velocidade de circulação do sangue).

  • Ângulo obtuso, recebe o nome de ramo recorrente (neste caso o sangue circula em direção oposta àquela da artéria de origem).

Situação:

As artérias podem ser superficiaisou profundas (a maioria).

A quase totalidade das artérias é profunda, e isto é funcional, pois nesta situação as artérias encontram-se protegidas. As artérias têm “filia” pelos ossose“fobia” pela pele.

As artérias profundas são acompanhadas por uma ou duas veias, tendo esta(s) mesmo trajeto, calibre semelhante e em geral o mesmo nome da artéria que acompanham, sendo chamadas de veias satélites.

VEIAS

Características:

São tubos nos quais o sangue circula centripetamente em relação com o coração.

A forma varia de acordo com a quantidade de sangue em seu interior. Quando cheias são mais ou menos cilíndricas, quando pouco cheias ou mesmo vazias são achatadas.

Em virtude da menor tensão de sangue em seu interior e de possuir paredes mais delgadas, as veias são muito depressíveis, podendo suas paredes entrar em contato (“colabamento”) e assim permanecer por algum tempo. O poder de distensão das veias no sentido transversal é tão acentuado, que elas podem, segundo alguns autores, quintuplicar o seu diâmetro.

Forma e Calibre:

Possuem grande, médio, pequeno calibre, e vênulas.

De uma forma geral, possuem calibre maior que as artérias de mesmo tamanho, assim como seu número é muito maior do que o das artérias. Isto se deve ao fato de que a velocidade do sangue nas veias é menor do que nas artérias, tendo as veias que transportar um volume de sangue igual às artérias em um mesmo espaço de tempo.

Ilustração de uma veia, com suas divisões internas e a válvula venosa.

Situação:

As veias podem ser:

a) Superficiaisou Profundas.

  • Veias Superficiais: são subcutâneas, visíveis com freqüência por transparência na pele, mais calibrosas nos membros e no pescoço. Drenam o sangue da circulação cutânea e servem também como via de descarga auxiliar da circulação profunda.

  • Veias Profundas: podem ser solitárias, isto é, não acompanham artérias (vv. cavas, v. ázigos, v. porta, etc.) ou satélites das artérias.

b) Tributáriasou Afluentes.

  • Veias Tributárias: são aquelas que “dão seu tributo” sangüíneo às veias afluentes.

  • Veias Afluentes: vão “confluindo no leito principal”, tornando as veias principais mais calibrosas à medida que chegam ao coração.

c) Comunicantes, Visceraisou Parietais.

  • Veias comunicantes: comunicam as veias superficiais com as profundas.

  • As veias da cabeça e do tronco podem ser classificadas em viscerais (ao drenarem as vísceras) e em parietais (ao drenarem as paredes daqueles segmentos).

Válvulas:

A presença de válvulas é uma das principais características das veias, embora haja exceções, pois estão ausentes nas veias do cérebro e em algumas veias do pescoço e do tronco.

  • As válvulas são pregas membranosas da camada interna das veias em forma de bolso.

  • Possuem uma borda aderente à parede do vaso e uma borda livre voltada em direção ao coração.

  • Seio da válvula (espaço delimitado pela borda aderente entre a válvula e a parede da veia).

  • Impede que o sangue retorne pois a progressão da corrente sangüínea venosa não é contínua, e, uma vez cessada a força que a impulsiona o sangue tende a retornar devido a ação da força da gravidade.

  • A insuficiência de muitas válvulas de uma mesma veia provoca sua dilatação e conseqüente estase sangüínea: é o que chamamos de varizes.

  • Um dos mais importantes fatores do retorno do sangue venoso ao coração é a contração muscular, que comprime as veias impulsionando o sangue nelas contido.

Capilares Sangüíneos – são vasos microscópios, interpostos entre as artérias e veias. Neles se processam as trocas entre o sangue e os tecidos.

Ilustração de uma veia, com fluxo venoso. As setas apontando para a direita indicam o fluxo venoso. As setas apontando para a esquerda indicam o refluxo, ou volta do sangue. Esta volta é impedida pelas válvulas, que se fecham.

SISTEMA ARTERIAL

Arco ou Cajado Aórtico:

  • Tronco braquiocefálico:

 A. subclávia direita

 A. carótida comum direita

  • A. carótida comum esquerda.

  • A. subclávia esquerda.

Aa. subclávias (direita e esquerda):

irrigam o membro superior.

Aa. carótidas comuns (ou primitivas):

Na altura da cartilagem tireóidea subdividem-se em:

aa. carótidas externas: (irrigam o couro cabeludo, face e parte alta do pescoço).

aa. carótidas internas: (participam da formação do Sist. Carotídio).

Sistema Carotídeo:

C

VB

VB

VB

Responsável pela irrigação de 60% do encéfalo.

É formado pelas:

  • A. carótida interna D/E– se trifurca em:

  • A. cerebral anterior D/E

  • A. cerebral média D/E

  • A. comunicante posterior

  • A

    C

    C

    C

    . comunicante anterior– une as Aa. cerebrais anteriores

C

Sistema Vértebro-Basilar:

VB

Responsável pela irrigação de 40% do encéfalo.

É formado pela:

  • Aa. Vertebraisse anastomosam no sulco bulbopontino, formam a

  • A. basilar passa pelo sulco basilar e se subdivide na altura da fossa interpeduncular em

  • Aa. cerebrais posteriores

Círculo Arterial Cerebral (Polígono de Willis):

É formado pelas:

  • Aa. comunicantes posteriores

  • Aa. cerebrais anteriores D/E

  • Aa. comunicantes posteriores D/E

  • Aa. cerebrais posteriores D/E

Artéria Subclávia:

 Na altura da 1ª costela passa a chamar-se:

  • A. axilar

 Na altura do músculo redondo menor passa a chamar-se:

  • A. braquial ou umeral

 Na altura do cotovelo ela se dicotomiza em:

  • A. radial

  • A. ulnar

 Após o punho:

  • Aa. interósseas

  • Aa. lumbricais

  • Aa. digitais

Artéria Aorta Descendente:

Porção Torácica: até o diafragma

Porção Abdominal: após o diafragma – subdivide-se em:

  • A. frênica inferior (1).................. (diafragma)

  • Tronco celíaco

A. hepática (2) .................... (fígado)

A. gástrica esquerda (3) .... (estômago)

A. esplênica (4) ................... (baço e o pâncreas)

  • Aa. renais (5) ................................ (rins)

  • A. mesentérica superior (6) .. (intestino delgado e parte do grosso)

  • A. mesentérica inferior (7) .... (intestino grosso)

  • Aa. gonadais (8) ...................... (gônadas masc. e fem.)

  • A. sacral mediana ..............(região sacral mediana)

  • A. hipogástrica................. (pênis)

 Aproximadamente na altura de L4 / L5 a A. aorta abdominal se dicotomiza e passa a se chamar:

  • A. ilíaca comum D/E (9)

  • A. ilíaca interna (10)..................(musculatura e órgãos pélvicos)

  • A. ilíaca externa (11)

1

5

7

8

9

9

10

11

2

3

4

6

Artéria Ilíaca Externa:

 A a. ilíaca externa ao passar pelo ligamento inguinal passa a se chamar:

  • A. femoral comum (1)

  • A. femoral profunda (2) ...... (irriga a musculatura da coxa)

  • A. femoral superficial (3)

 A a. femoral superficial ao passar pelo hiato tendíneo do músculo adutor magno ou triângulo poplíteo, passa a se chamar:

  • A. poplítea (4)

 Ao passar pela articulação do joelho, a a. poplítea vai se dicotomizar em:

  • A. tibial anterior (5) ..............(musculatura anterior da perna e dorso do pé)

  • Tronco tibio-fibular

A. fibular (6) .................... (musculatura lateral da perna)

A. tibial posterior (7) .......(musculatura posterior da perna e a planta do pé)

  • Aa. interósseas (8)

  • Aa. lumbricais (9)

  • Aa. digitais (10)

1

2

3

4

5

6

7

8,9

10

SISTEMA VENOSO

Sistema Cava:

Sistema de retorno venoso ao coração, formado pelas veias cavas superior e inferior.

Veia Cava Superior (1)  drena o sangue venoso da cabeça, pescoço, membros superiores e tórax. É formada pela união dos troncos venosos braquiocefálicos direito e esquerdo (3) que por sua vez serão formados pela união das veias jugulares internas (4) e veias subclávias (5).

  • Sistema Venoso da Cabeça e Pescoço

As veias jugulares internas direita e esquerda drenam o sangue da cavidade craniana e de parte da face e pescoço enquanto que as veias jugulares externas direita e esquerda (6) drenam o sangue da superfície externa da cabeça e pescoço, desembocando na veia subclávia.

Veia Cava Inferior (2)  drena o sangue dos membros inferiores, pelve e abdome. É formada pela união das veias ilíacas comum direita e esquerda (7) que por sua vez serão formadas pela união das veias ilíacas internas direita e esquerda (8) e das externas direita e esquerda (9). As veias ilíacas internas drenam o sangue venoso da região pélvica, enquanto as veias ilíacas externas drenam o sangue de membros inferiores.

9

1

2

9

8

7

7

3

3

4

6

5

5

Veias dos Membros Superiores:

  • veias digitais (1) arco venoso palmar [e dorsal] (2)

  • veia basílica (3) veia cefálica (4)

  • veia mediana do antebraço (5)

  • veia mediana basílica (6) veia mediana cefálica (7)

  • veias braquiais (8) veia axilar (9)

  • veia subclávia (10)

 a veia mediana basílica é preferencialmente utilizada para injeções intravenosas.

10

9

4

9

7

3

8

7

8

6

7

5

6

4

3

5

2

6

3’

1

3

Superficial

2

1

2

1

Superficial

Profundo

Veias dos Membros Inferiores:

  • veias digitais dorsais [e plantares] (1)

  • arco venoso dorsal e plantar (2)

  • veias tibiais anterior e posterior (3 e 3’)

  • veia fibular veia poplítea (4)

  • veia safena parva (5) veia safena magna (6)

  • veia femoral (7) veia femoral profunda (8)

  • veia ilíaca externa (9)

Sistema Portal Hepático:

É formado pela união das veias mesentéricas superior (1) e inferior (2), e a esplênica (3), que darão origem a veia porta do fígado (4), que penetra na porção mediana do fígado denominada hilo hepático, saindo através das veias hepáticas direita e esquerda (5) que desembocam na veia cava inferior (6).

O sistema porta hepático drena o sangue venoso do estômago, pâncreas, baço, intestino delgado, intestino grosso e fígado (7).

1

1

2

2

3

4

4

1

2

3

4

5

6

7

Sistema Ázigo:

É responsável pela drenagem venosa da parede póstero-superior do abdome e dos órgãos torácicos que irão, através das veias ázigo (1) e hemiázigo (2), desembocar na veia cava superior (3). Essas veias recebem o sangue drenado das veias intercostais posteriores (4), esofagiana, brônquicas, diafragmática e pericárdica.

(Parte 2 de 2)

Comentários