RELATORIO DE fisica

RELATORIO DE fisica

Curso: Engenharia de Petróleo e Gás

Valor do Relatório:

Disciplina: Princípios de Eletricidade

(x)R1 ( )R2 ( )R3 ( ) R4

Professor (a): Francisco Jose

Data do Experimento: 01/03/2013

Data da Entrega: 08/03/2013

Alunos (as): Anderson Carlos S. da Costa

Darcilene P. do Nascimento

Cristianne Reis G. S. Nunes

Thainá Amaro Gomes

Taiana de M. N. Diogo

Evaldo Ultramar Filho

Raphael Viana da S. Peruchetti

Mariana Kaled de O. Feitosa

Lidiane do Couto Garcia

Lucas Lima

Matrículas: 5700982

5701050

5701054

5701016

5701029

5700976

5701066

5700986

5701058

5701052

Nota:

Campo Elétrico

Princípio de Faraday

  1. Introdução:

Os fenômenos eletrostáticos são conhecidos desde o tempo dos gregos. Naquela

época já se sabia que o âmbar, atritado com um pedaço de lã, era capaz de atrair

pequenos pedaços de fibra vegetal (palha, linho, etc.). E, durante vários séculos o

fenômeno foi considerado apenas como uma curiosidade natural.

Mas, em 1600, o médico inglês William Gilbert publicou o primeiro tratado a

respeito da eletricidade, no qual fazia referência às cargas elétricas geradas por atrito.

Seu trabalho deu origem às primeiras "máquinas eletrostáticas", que produziam

eletricidade pelo atrito de um disco de âmbar entre dois pedaços de pele de carneiro.

Mais tarde, em 1752, Benjamin Franklin chegava à conclusão de seus trabalhos

em eletricidade atmosférica, nos quais provava a existência de cargas elétricas no ar.

Estes conceitos básicos sobre a natureza da eletricidade levaram à conclusão de que as

máquinas eletrostáticas produziam e armazenavam cargas elétricas, sem contudo poder

movimentá-las, devido às propriedades isolantes dos materiais usados em sua

construção.

Só se conseguiu compreender as propriedades elétricas dos vários materiais

isolantes e condutores após o desenvolvimento das teorias a respeito do átomo.

Sabe-se, atualmente, que um determinado material é isolante porque o elétrons de seus

átomos não gozam de mobilidade, como acontece no caso dos átomos de metais, que

são bons condutores. Ao serem produzidas, as cargas permanecem na superfície do

material isolante, até que sejam retiradas por um corpo condutor.

Este fato é aproveitado para a construção dos geradores eletrostáticos do tipo

Van de Graaff; tendo aparecido em 1930, destinam-se a produzir voltagens muito

elevadas para serem usadas em experiências de física.

Sabemos que a evolução da física vem ocorrendo ao decorrer dos anos, este fato

se deve a grandes mentores e inventores. E o Engenheiro Van Der Graaff é um desses

responsáveis. O engenheiro Robert Jemison van de Graaff inventou por volta de 1929

uma maquina geradora eletrostática na qual levou seu sobre nome, gerador Van Der

Graff. A máquina foi logo empregada em física nuclear para produzir as tensões muito

elevadas necessárias em aceleradores de partículas.

Com isto, este documento de aula pratica visa demonstrar alguns fenômenos

causados através de experimentos com o auxilio do garrafa de Van Der Graaff.

Garrafa de Van der Graaff

  1. Objetivo:

O objetivo deste relatório de aula prática é mostrar em delineies o que é e como funciona um garrafa de Van der Graaff a partir de conceitos teóricos e práticos.

Simular reações reais do dia-a-dia no contato com o gerador seja com uma parte

do corpo humano ou com materiais e demonstrar visualmente a existência das linhas de

força através do mapeamento de campo elétrico gerado pela produção de uma tensão

com o garrafa de Van de Graaff excitando eletrodos de formatos diferentes

  1. Materiais:

Materiais

Garrafa de Van der Graaff

Pó de milho

Óleo de rícino

Recipiente de vidro

Capacitor esférico

Capacitor plano

  1. Procedimento Experimental

PROCESSOS DA PRIMEIRA PRÁTICA:

1º Experimento:

  • Primeiramente foi ligada a garrafa de Van der Graaff em seguida uma das alunas para ajudar na demonstração da experiência colocou suas duas mãos sobre a cúpula da garrafa de Van der Graaff, outras duas alunas também participaram da demonstração, porém o resultado esperando não foi obtido, pois esperávamos que ocorresse o efeito de arrepiar os cabelos de quem tocasse na cúpula mais esse efeito não foi obtido em nenhuma das tentativas.

Alunas que ajudaram na demonstração da experiência no laboratório.

2° Experimento:

  • Dentro de um recipiente de vidro foi colocado o capacitor plano (duas placas paralelas) em seguida foi adicionado óleo de rícino em quantidade suficiente para preencher o fundo do recipiente de vidro. Em seguida salpicaram-se grãos de pó de milho e ligou-se a garrafa de Van der Graaff. O que observamos foi que as linhas de força evidenciadas através do pó de milho, essas linhas estão distribuídas uniformemente e suas linhas de força estão perpendiculares à superfície como podemos visualizar nas imagens abaixo:

3° Experimento:

  • Dentro de um recipiente de vidro foi colocado o capacitor esférico em seguida foi adicionado óleo de rícino em quantidade suficiente para preencher o fundo do recipiente de vidro. Em seguida salpicaram-se grãos de pó de milho e ligou-se a garrafa de Van der Graaff. O que observamos foi que as linhas de força estão perpendiculares a superfície e que o formato das placas influencia nas linhas de força.

  1. Conclusões

Concluímos que para diferentes formatos de eletrodos, as linhas de forças variam de acordo com o desenho do eletrodo e as superfícies equipotenciais, realmente estão dispostas perpendicularmente às linhas de campo elétrico. As linhas de forças estão na mesma direção do campo elétrico e o sentido varia de acordo com o potencial, negativo ou positivo. Em resumo, as linhas de campo elétrico começam no potencial positivo e terminam no potencial negativo, por definição. No 1° experimento não obtivemos resultados conclusivos.

Com o conhecimento teórico de Campo Elétrico obtido a principio, vislumbra-se

pelos experimentos realizados sua ação prática que condiz com a ação teórica.

O experimento foi muito satisfatório com aprendizado e como forma de se

demonstrar como funciona o Gerador de Van de Graaff e colocar em prática a teoria

para se entender melhor os fenômenos físicos.

  1. Bibliografia Consultada

  • CARVALHO, Thomas. Fisica: Campo eletrico. Disponível em:

http://www.infoescola.com/fisica/campo-eletrico/

Acesso em: 05/03/2013.

  • NETTO, Prof. Luiz Ferraz. Gerador eletrostático de Van de Graaff.

. Disponível em: http://www.feiradeciencias.com.br/sala11/11_03.asp

Acesso em: 05/03/2013.

  • Sala de Física, leitura de Física, Gerador de Van de Graaff.

http://www.geocities.ws/saladefisica5/leituras/vandegraaff.html

Acesso em: 06/03/2013

Oval 6

Comentários