Transplante 03

Transplante 03

Transplante de órgãos e tecidos

Faculdade de Ciências Humanas de Olinda-Facho

Discente do 4º Período de Enfermagem:

  • Klebiana Belas Regis

  • Maurinilson Bezerra

  • Nielda Oliveira

  • Roseli Santiago Alves

  • Zilda Bezerra Lira

Objetivo:

Objetivo:

Analisar e identificar, quais as verdadeiras atribuições profissionais do enfermeiro no processo de doação-transplante, assim como os aspectos éticos legais que devem reger as ações de enfermagem.

O que é Transplante

  • Transplante é um procedimento cirúrgico que consiste na troca de um órgão ,tecidos ou células de um receptor para um doador.

Doação de órgãos e tecidos

É a remoção de órgãos e tecidos do corpo de um doador cadáver ou de um doador vivo para transplantá-lo em uma pessoa viva. Qualquer pessoa pode doar seus órgãos, desde que não tenha passado por doenças que possam prejudicar o funcionamento do órgão ou alguma doença infecciosa ativa.

Histórico

  • 1° relato encontra-se registrado na Bíblia, no livro de Gênesis 2:21-22.

  • Outro relato milenar e até mitológico, trata-se da história de dois médicos chineses, Itoua To e PienTsio; Um dos mais importantes passos na história dos Transplantes foi as primeiras tentativas de transfusão de sangue.

  • O transplante de órgãos não vitais aumentou significativamente no século xx.

  • Os Enxertos de Pele iniciaram no fim dos anos 20.

  • Os primeiros Transplantes de Córnea começaram em 1905, e sua prática cotidiana só foi consolidada em 1944.

  • Entretanto, a era moderna dos Transplantes começou na década de 1950 com o transplante de órgãos não regeneráveis.

Histórico

  • No Brasil, o primeiro transplante de órgãos ocorreu em São Paulo, em 1965, com o transplante de rim.

  • Transplante adquiriu notoriedade na mídia, em dezembro de 1967, quando Christian Barnard realizou o primeiro transplante cardíaco.

  • O grande problema era a rejeição dos órgãos. Uma vez que dentre mais de 100 pacientes transplantados, entre o período de 1968 a 1969, quase todos estavam mortos em dezembro de 1969.

  • Nas décadas de 60 e 70 desenvolveram-se fármacos com uma ação imunossupressora e expressivos efeitos colaterais.

  • Em 1983, uma nova droga mais seletiva e de menor efeito colateral, a ciclosporina foi desenvolvida.

  • Em 1980 ocorreu a padronização nas retiradas múltiplas dos órgãos dos doadores cadáveres e o desenvolvimento de uma nova solução de conservação dos órgãos.

  • Os transplantes constituem hoje um sofisticado recurso terapêutico utilizado em pacientes com insuficiência de um ou mais órgãos.

Lei dos Transplante de órgãos e Tecidos

  • A 1° Lei regida foi a 5.479 de 10 de agosto de 1968 - Essa lei que foi regulamentada pelo Decreto 2.268, de 30 de junho de 1997;Tornou-se conhecida como a “Lei dos Transplantes”;Admitia a doação presumida de órgãos e tecidos.

  • Lei nº 9.434 de 04 de Fevereiro de 1997 – Dispõe sobre a remorção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento . Foi criado (SNT) e a (CNCDO) para cada estado Brasileiro, e os cadastros técnicos, (Lista única) para distribuição de órgãos e tecidos doados.

  • Lei nº 10.211, de 23 de março de 2001 - que substituiu a doação presumida pelo consentimento informado do desejo de doar. Segundo a nova Lei, as manifestações de vontade à doação de tecidos, órgãos e partes do corpo humano, após a morte, que constavam na Carteira de Identidade Civil e na Carteira Nacional de Habilitação, perderam sua validade a partir do dia 22 de dezembro de 2000.

EPIDEMIOLOGIA

Tipos de Transplantes

Tipos de Transplantes

  • Transplantação autoplástica ou autotransplante Transplanta tecido de um mesmo organismo de um lugar para outro.

  • Transplantação heteroplástica ou alogênico

Transplanta órgãos e tecidos de um organismo para outro.

  • Transplantação heteróloga ou xenotransplantação ou xenogênico

Transplanta órgãos e tecidos de um organismo para outro organismo de espécie diferente.

Tempo Útil para Retirada e Transplante

Quais são os tipos de Doadores?

Quais são os tipos de Doadores?

  • Doadores vivos

  • Doadores não-vivos - Pós PC ou constatação de morte encefálica.

Doadores em Vida..

  • Pessoas

  • compatíveis com

  • boas condições de

  • saúde.

  • cônjugue

  • parente até 4º grau

  • Pessoas não parentes

  • necessitam de

  • ordem judicial

Órgãos e Tecidos que podem ser doados em Vida

  • Parte do pulmão

Parte do Fígado

Medula óssea

Sangue

  • Um dos rins

Órgãos e Tecidos que podem ser doados após a morte

  • Rins

  • Pulmões

  • Coração

  • Válvulas Cardíacas

  • Fígado

  • Pâncreas

  • Córneas

  • Ossos

  • Cartilagem

  • Tendão

  • Veias

  • Intestino

  • Pele

Manutenção do Potencial Doador

Doadores de órgãos não-vivos

  • São aqueles em que se constata a Morte Encefálica.

Coma x Morte Encefálica

  • O estado de coma é um processo reversível

  • O paciente em coma está vivo

  • A morte encefálica é irreversível

  • O paciente em morte encefálica não está mais vivo.

O Que é Morte Encefálica

  • Morte encefálica significa a morte da pessoa

  • É uma lesão irrecuperável e irreversível do cérebro

após traumatismo craniano grave, tumor

intracraniano ou derrame cerebral

  • É a interrupção definitiva de todas as atividades cerebrais

NÃO DEVEMOS CONFUNDIR COM COMA

Confirmação de Morte Encefálica

Diagnóstico gráfico de Morte Encefálica

Diagnóstico gráfico de Morte Encefálica

Lista de Espera

  • 27.827 pessoas aguardam por um transplante.

  • redução de 23,2% em relação a 2011.

  • O Brasil possui uma lista única de espera por transplantes, garantindo a equidade no acesso.

  • Variação em relação a 2011

  • Fígado 1.138 -42%

  • Córnea 6.418 -39%

  • Pâncreas 440 -36%

  • Rim 19.486 -14%

  • Coração 20 -13%

  • Pulmão 144 -5%

Comércio de órgãos

  • Em alguns países ocorre de forma legal, sendo que em outros é proibido.

  • Na república islâmica do Irã;

  • Nos Estados Unidos;

  • Na Filadélfia;

  • Na Índia;

  • No Brasil à venda de órgãos é ilegal e é coordenada pela (OMS) e pela Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO).

Religião, Doação e Transplante

Aspectos Bioéticos

  • Atualmente a Bioética possui um papel de uma importância, pois se constitui como fonte, parâmetro e referência para os cientistas, médicos, juristas, e para o cidadão em geral. Ela agrega valores éticos e morais, o que faz com que seja considerada como uma ciência que visa a colocar um freio em toda ação que envolve o ser humano.

Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem

  • Art.18:Respeitar, reconhecer e realizar ações que garantam o direito da pessoa ou de seu representante legal, de tomar decisões sobre sua saúde, tratamento conforto e bem estar.

  • Art. 19 : Respeitar o pudor, a privacidade e a intimidade do ser humano, em todo seu ciclo vital, inclusive nas situações de morte e pós-morte.

  • Das Proibições:

  • Art. 27 : Executar ou participar da assistência à saúde sem o consentimento da pessoa ou de seu representante legal, exceto em iminente risco de morte.

Penalidades:

  • Penalidades:

  • Art. 16- Realizar transplante ou enxerto utilizando tecidos, órgãos ou partes do corpo humano de que se tem ciência, terem sido obtidos em desacordo com os dispositivos da Lei

  • Pena - reclusão, de um a seis anos, e multa, de 150 a 300 dias.

  • Art. 19- Deixar de recompor cadáver, devolvendo-lhe aspecto condigno, para sepultamento ou deixar de entregar ou retardar sua entrega aos familiares ou interessados:

A Enfermagem e o Transplantes.

  • Antes da aprovação da Lei dos Transplantes: Em 1991 a criação da Central de Transplantes, que inicialmente era composta por enfermeiros. Tinha a função de manutenção dos potenciais doadores, a abordagem à família e distribuição dos órgãos doados,e às equipes cadastradas.

  • Após a aprovação da Lei dos Transplantes: O Ministério da Saúde era responsável pelo: Detalhamento técnico, operacional e normativo do Sistema Nacional de Transplantes, através de sua Coordenação Nacional. Com o Regulamento Técnico de Transplantes foram definidas as atribuições das coordenações estaduais, como o sistema de lista única e critérios específicos para distribuição de cada tipo de órgão ou tecido.

  • Papel da Enfermagem: A equipe de enfermagem é responsável pelo cuidado direto ao potencial doador; O enfermeiro que trabalha na Central de Captação e Doação de Órgãos deve atuar:Junto ao familiar do doador, entrevistando-o e dando todas as informações, antes de obter o seu consentimento formal de doação. Considerar a liberdade e a consciência do familiar doador e o respeito à dor da perda do ente querido naquele instante em que tomar a decisão.

Conclusão

O profissional de enfermagem respeita a vida, a dignidade e os direitos humanos, em todas as suas dimensões incluindo o processo doação – transplante. E exerce suas atividades com competência para a promoção do ser humano na sua integralidade, de acordo com os princípios da ética e da bioética.

Doação de Órgãos e Tecidos... ... Esperança de Vida

Referências Bibliográfica

Secretária de saúde http://dtr2001.saude.gov.br/transplantes/integram.htm

http://www.slideshare.net/guest90b4b7/aula-sobre-tx-abto

http://www.transplantes.pe.gov.br/como_funciona.htm#05

http://www.slideshare.net/MinSaude/veja-balano-de-transplantes-no-brasil-durante-2011-apresentado-pelo-ministro-alexandre-padilha-hoje-8-de-fevereiro

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/146morte_encefalica.Html

COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA NACIONAL DE TRANSPLANTES/DAE/SAS/MShttp://dtr2001.saude.gov.br/transplantes/duvidas.htm#3

  •  

Comentários