A ENFERMAGEM NO BRASIL

Os primórdios da Saúde.

INTRODUÇÃO

Florence

1. Fundadora da Enfermagem Moderna

Além do cuidado do paciente, observou a importância da assepsia, nutrição, recreação e higiene

INTRODUÇÃO

2. Reformadora dos Hospitais e da Enfermagem

Fundou a 1 escola de Enfermagem (1860)

Critérios de seleção:

a) jovense educadas de elevada posição social

b) dar a Enfermagem a categorias e a posição que lhe cabia

c) Escolas para enfermeiras dirigidas por enfermeiras

A ENFERMAGEM NO BRASIL

Contexto sócio-econômico brasileiro durante a colonização:

  • Agrário, escravista e aristocrático

  • Ações de saúde inicialmente vinculadas a rituais místicos

  • Com a chegada dos europeus e africanos chegam também as doenças infecto-contagiosas acarretando nas epidemias e extinção dos nativos.

A ENFERMAGEM NO BRASIL

  • Primeira forma de assistência aos doentes após a colonização foi estabelecida por jesuítas missionários

  • Assistência então prestada por religiosos em enfermarias nas proximidades dos colégios e conventos

Primeiros hospitais

A ENFERMAGEM NO BRASIL

Primeiros hospitais Santas Casas

doentes, órfãos, pobres

Primeira Santa Casa Santos (1543)

Terapêutica: plantas medicinais

Pe. Anchieta: professor, médico, enfermeiro

A ENFERMAGEM NO BRASIL

Ana Nery (1814 – 1880)

  • Nascida na cidade de Cachoeira, Província da Bahia

  • Dois filhos recrutados para a Guerra do Paraguai ( 1864-1870)

  • Por questões familiares, coloca-se a disposição para ir a Guerra do Paraguai, onde improvisou hospitais para atender os soldados

  • Retorna cinco anos depois, com louvor

A ENFERMAGEM NO BRASIL

  • Primeiros diplomas de Parteiras emitidos pela Escola de Medicina da Bahia

1874 Proposto curso de dois anos para a formação de parteiras pela Faculdade de Medicina do RJ

Obs.: Enfermagem não tinha caráter técnico-científico

  • Escola Alfredo Pinto, com conhecimento técnico- cientifico (Decreto Federal 791 de 27/ 09/1890)

A ENFERMAGEM NO BRASIL

  • Primeira Escola de Enfermagem

ESCOLA PROFISSIONAL DE ENFERMEIROS E ENFERMEIRAS

com conhecimento técnico- cientifico (Decreto Federal 791 de 27/ 09/1890), hoje Escola Alfredo Pinto (UNIRIO)

A ENFERMAGEM NO BRASIL

Escola Alfredo Pinto

  • Estabelecida em bases rudimentares

  • Desconheciam a difusão do Sistema Nightingaleano em outros países

  • Em conformidade com os moldes da Escola de Sapetrière (França)

  • Curso com duração de dois anos, abordando aspectos básicos da assistência hospitalar, predominantemente curativa

A ENFERMAGEM NO BRASIL

Cruz Vermelha 1 tentativa: 1907

Brasileira 2 tentativa: 1908

1 Presidente Osvaldo Cruz

1914 – 1918 curso para voluntárias que queriam atuar na Primeira Guerra Mundial

1918 Grande atuação no combate a gripe espanhola

A ENFERMAGEM NO BRASIL

  • Setor feminino da Cruz Vermelha inicia curso com dois anos de duração em SP

Atuavam em calamidades

A ENFERMAGEM NO BRASIL

  • Curso de Visitadoras Sanitárias do DNSP

Diretor Carlos Chagas

Objetivo: atenção à saúde (Tuberculose)

A ENFERMAGEM NO BRASIL

1921 Fundação Rockfeller

Patrocinador do projeto de organização do serviço de Enfermagem de Saúde Pública no Brasil sob orientação das enfermeiras norte-americanas

A ENFERMAGEM NO BRASIL

  • Primeira escola de Enfermagem baseada na adaptação americana do modelo nightingaleano

Escola Ana Nery

A ENFERMAGEM NO BRASIL

Escola Ana Nery

  • Primeira Diretora Brasileira: Raquel Haddok Lobo

  • Segunda Diretora: Laís dos Reys

Organizou a Semana de Enfermagem

( de 12 a 20 de maio)

Nascimento de Morte de

Florence Ana Nery

A ENFERMAGEM NO BRASIL

Escola Ana Nery

  • Tornou-se referência para as demais escolas

  • Selecionava para seu quadro moças de camadas sociais mais elevadas elitista

  • Provocou a divisão social do trabalho de Enfermagem

  • Suas Enfermeiras eram cosideradas padrão.

A ENFERMAGEM NO BRASIL

  • Decreto lei 20.109 de 15/06/31 : determinava que as demais escola de Enfermagem deveriam funcionar dentro dos padrões da Escola Ana Nery

Perfil da enfermeira mais elaborado

A ENFERMAGEM NO BRASIL

Década de 40 Incorporação da Escola Ana Nery Universidade do Brasil

1949

Projeto de Lei 775: controlou a expansão das escolas

Educação em Enfermagem centralizada nos C. Universitários

A ENFERMAGEM NO BRASIL

  • Lei 2995/56 : exigia que todas as escolas exigissem curso secundário completo ou equivalente aos candidatos

  • Enfermagem como curso de nível superior

A Enfermagem Moderna

FATORES QUE INFLUENCIAM NO DESENVOLVIMENTO DA ENFERMAGEGM

  • Mudanças Sociais que ocorreram no século XX

FATORES QUE INFLUENCIAM NO DESENVOLVIMENTO DA ENFERMAGEGM

Industrialização Mobilidade da população

Aumento de Desintegração de

Hospitalizações grupos sociais

FATORES QUE INFLUENCIAM NO DESENVOLVIMENTO DA ENFERMAGEGM

  • Rápido crescimento populacional (proporcionalmente maior em número de crianças)

  • Longevidade aumento do n. de enfermidades crônico- degenerativas

mudanças nos serviços de saúde (desenvolvimento da geriatria)

FATORES QUE INFLUENCIAM NO DESENVOLVIMENTO DA ENFERMAGEGM

  • Tempo de hospitalização menor

  • Modificação do atendimento ao paciente

  • Antibióticos

  • Novos anestésicos

  • Atendimento a pacientes graves

  • Alta hospitalar atendimento domiciliar

FATORES QUE INFLUENCIAM NO DESENVOLVIMENTO DA ENFERMAGEGM

  • Ecologia

  • Saneamento

  • Higiene

  • Imunizações

FATORES QUE INFLUENCIAM NO DESENVOLVIMENTO DA ENFERMAGEGM

  • Ampliação da cobertura dos serviços de saúde a um número cada vez maior de pessoas

  • Concepção mais ampla do conceito Enfermagem

  • Mercado de trabalho

  • Novas idéias em reabilitação

DIFICULDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DA ENFERMAGEM

Fuga do exercício da Enfermagem pelo Enfermeiro (a)

DIFICULDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DA ENFERMAGEM

  • Desconhecimento do que é Enfermagem

  • Ausência de uma filosofia de Enfermagem

  • Delegação sistemática de tarefas ao pessoal auxiliar

DIFICULDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DA ENFERMAGEM

  • Ausência de uma filosofia de educação em Enfermagem e do Serviço de Enfermagem

  • Desvinculação entre teoria e prática

  • Falhas de comunicação entre escolas e serviços

  • Ausência de modelo profissional

DIFICULDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DA ENFERMAGEM

  • Poucos e insuficientes recursos humanos

  • Pressões das estruturas sociais

  • Demanda de alunos em qualidade

  • Enfoque administrativo ausente do ser humano

  • Falta de bibliografia nacional

DIFICULDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DA ENFERMAGEM

  • Ênfase no doente

  • Ênfase no tecnicismo, na obediência a rituais

Comentários