Resumo de fórmulas da física (ensino médio e vestibular) Versão 1.6 Prof. Pinguim pág 1

Resumo de Física

Mecânica

Cinemática

Grandezas básicas Velocidade escalar média

Δs vm

Aceleração escalar média

Δv am

Movimento Uniforme

Gráfico s x t

tg vN

Movimento Uniformemente Variado

2 vΔt

No gráfico s x t

tg vN

No gráfico v x t t)(v área sN

tg aN

No gráfico a x t t)(a área vN

Cinemática Vetorial

Velocidade vetorial média d vm

Aceleração centrípeta

Aceleração vetorial gencialtancentrípetavetorial a

Movimento Circular e Uniforme

Freqüência e período

Δt voltasnº f T

Velocidade angular

T 2πΔt

Velocidade linear fRπ2

T Rπ2t

Composição dos movimentos arrastorelativatetanresul v

C,B,AC,A v

Lançamento Oblíquo

Componentes da velocidade inicial ( é o ângulo entre v0 e a horizontal)

Movimento vertical (MUV) g.tvvyoy

Movimento horizontal (MU)

Lançamento horizontal

Movimento vertical (MUV) g.tvy

Movimento horizontal (M.U.) tvs x

Dinâmica

Leis de Newton

1ª Lei Inércia

2ª Lei am.FR

3ª Lei Lei da Ação e Reação

Força Peso

Na Terra 1 kgf 10 N

Plano inclinado

P.senθPt P.cosθPN

Força Elástica xk.Felástica

Associação de molas em série

Associação de molas em paralelo

Força de atrito

.NμF Emáxestático .NμF Ccinético

Resultante centrípeta

Trabalho

Trabalho de força constante cosθdFτF

Trabalho do peso hgm τpeso

Trabalho de força variável xd)coFárea(gráfiτ tF N

Trabalho do da Felástica

Δxkτ 2 Felástica

Energia Cinética

Teorema da Energia Cinética CinéticaE totalτ

Potência e Rendimento Potência Mecânica

P médiaot cosθvFP mot média cosθvFP ainstantâne ot

Rendimento total útil ototP

Energia Mecânica

Energia Potencial Gravitacional

Epg = m.g.h

Energia Potencial Elástica

Sistema conservativo inicialfinalMec Mec E i iffPCPCEEEE Sistema dissipativo inicialfinalMec Mec E E finalinicial MecMecDiss E

Gravitação Universal Força gravitacional

2gravidade d

Campo gravitacional

M G.g

R. Presciliana Soares, 54

Cambuí - Campinas Fone: 19 3255 5690 w.selevip.com.br

Próxima turma de Revisão:

Fuvest, Unicamp, Unesp UFSCar e Unifesp De 24/1 a 16/12 de 2009

Resumo de fórmulas da física (ensino médio e vestibular) Versão 1.6 Prof. Pinguim pág 2

Dinâmica Impulsiva Quantidade de Movimento

Impulso de uma força constante

Propriedade do gráfico F x t x t)F coárea(gráfiItF N

Teorema do Impulso inicialfinaltotal QQI

Aplicação na reta:

(orientar trajetória para atribuir sinais algébricos)

Sistema mecanicamente isolado (colisões e explosões) antes total

Logodepois total Logo Q

Para dois corpos:

Colisão perfeitamente elástica e = 1

Colisão parcialmente elástica 0<e<1

Colisão perfeitamente elástica e = 0

Estática

Equilíbrio de ponto material

Equilíbrio de Corpo Extenso

Momento de uma força M = F.d

Condição de equilíbrio total horárioanti total horárioMM

Hidrostática Densidade

N/m = 76 cmHg= 10mHO d = 1 g/cm = 10 kg/m

Pressão

Area Fp normal

Pressão absoluta .g.hdpp líquidoatmtotal

Pressão hidrostática (da coluna de líquido)

.g.hdp líquidocoluna

Prensa hidráulica (Pascal)

Empuxo (Arquimedes)

.g.VdE submersoLiquido

Peso aparente EPPap

Física Térmica

Termometria Escalas termométricas

Dilatação Térmica

Dilatação linear ΔαLΔLo

Dilatação superficial ΔβSΔSo

Dilatação volumétrica ΔγVΔVo

Relação entre os coeficientes

Transferência de calor Fluxo de calor

Calorimetria

Calor sensível

Calor específico da água cágua = 1 cal/(g.°C)

Equivalente mecânico 1 cal = 4,2 J

Capacidade Térmica

Quantidade de calor sensível m.c.Q

Calor latente

Quantidade de calor latente m.LQ

Troca de calor 0QQ recebidocedido

Gases Ideais

Equação de Clapeyron TRnVp

Transformação de gás ideal pVT pVT

Isotérmica T = constante Isobárica P = constante Isovolumétrica V = constante

Termodinâmica

1a Lei da Termodinâmica

Trabalho em uma transformação isobárica.

Trabalho em transformação gasosa qualquer coPxV)área(gráfiτ N

Trabalho em transformação gasosa cíclica gráficoPxV do interna áreaτN

Energia cinética média das moléculas de um gás culasmedia_moleCM m.v 2

Boltzmann)

Óptica

Reflexão da Luz Espelhos Planos

Lei da reflexão: i = r

Translação de espelho plano simagem=2. sespelho

Associação de espelhos planos

N é o número de imagens para cada objeto

Espelhos esféricos Equação de Gauss

Ampliação (Aumento Linear) ppo pf f

Convenção de sinais p > 0 para os casos comuns

Se p’ > 0 i < 0 A < 0, a imagem é real e invertida

Se p’ < 0 i > 0 A > 0, a imagem é virtual e direita f > 0 espelho côncavo f < 0 espelho convexo

Refração da Luz Índice de refração absoluto meio meio v c n

Índice de refração relativo entre dois meios

Lei de Snell-Descartes rsen nisen ndestinoorigem

Reflexão interna total maior menorn n Lsen

Resumo de fórmulas da física (ensino médio e vestibular) Versão 1.6 Prof. Pinguim pág 3

Elevação aparente da imagem (dioptro plano)

Objeto na água águaaroi nnd

Objeto no ar ar águaoi nnd

Lentes esféricas Equação de Gauss

Ampliação (Aumento Linear) ppo

Convenção de sinais p > 0 para os casos comuns

Se p’ > 0 i < 0 A < 0, a imagem é real e invertida

Se p’ < 0 i > 0 A > 0, a imagem é virtual e direita f > 0 lente convergente f < 0 lente divergente

Vergência de uma lente

Equação de Halley (Equação dos fabricantes de lentes)

21externo lente R1R

Convenção de sinais para os raios de curvatura das faces

R > 0 para face convexa R < 0 para face côncava

Ondulatória

Fundamentos Freqüência da onda

Velocidade de onda

Movimento Harmônico Simples

Período do pêndulo simples

Período do oscilador harmônico massa-mola

T m

Equação horária da posição do MHS

Equação horária da velocidade do MHS

Equação horária da aceleração do MHS

Fenômenos ondulatórios

Reflexão: a onda bate e volta

Refração: a onda muda de meio

Difração: a onda contorna um obstáculo ou fenda

Interferência: superposição

(construtiva ou destrutiva) de duas ondas

Polarização: uma onda transversal que vibra em muitas direções passa a vibrar em apenas uma direção

Dispersão: separação da luz branca nas suas componente (arco-íris e prisma)

Ressonância: transferência de energia de um sistema oscilante para outro com o sistema emissor emitindo em uma das freqüências naturais do receptor.

Acústica

Qualidades fisiológicas do som

Altura do som Som alto (agudo): alta freqüência Som baixo (grave): baixa freqüência

Intensidade sonora Som forte: grande amplitude Som fraco: pequena amplitude

Area PI ot

Nível sonoro

I log10N

Efeito Dopler-Fizeau

Aproximação relativa: som mais agudo Afastamento relativo: som mais grave fontesom fonte ouvintesom ouvinte v f v f

Cordas vibrantes

Velocidade do pulso na corda

v(Eq. Taylor)

Densidade linear da corda m ρ (kg/m)

Freqüência de vibração v n.f

Tubo sonoro aberto v nf n é número inteiro

Tubo sonoro fechado

V nf n é número ímpar

Eletricidade

Eletrodinâmica Corrente elétrica t Q

Leis de Ohm

1a Lei de Ohm

2a Lei de Ohm

é a resistividade elétrica do material

Associação de resistores

Associação em série

itotal = i1= i2 =
Utotal = U1+ U2 +

...R 21eq Associação em paralelo

itotal = i1+ i2 +
Utotal = U1= U2 =

Dois resistores em paralelo

N resistores iguais em paralelo

R Req

Gerador elétrico real i.rUAB

Circuito elétrico simples rRi ext gerador

Receptor elétrico

Circuito com resistor, gerador e receptor rRi ext gerador

Potência elétrica

EP elétrica

Potência para resistor

Potência para gerador iUPABútilot iEP geradaot

2 dissipadaotirP

Potência para receptor iUP ' ABconsumidaot

2' dissipadaot irP

Resumo de fórmulas da física (ensino médio e vestibular) Versão 1.6 Prof. Pinguim pág 4

Leis de Kirchhoff Lei dos nós saientra i

Lei das malhas

Percorrendo-se uma malha em certo sentido, partindo-se e chegando-se ao mesmo ponto, a soma de todas as ddps é nula.

ddp nos terminais de resistor Percurso no sentido da corrente

UAB = + R.i

Percurso contra o sentido da corrente

UAB = - R.i ddp nos terminais gerador ou receptor Percurso entrando pelo positivo

UAB = + E Percurso entrando pelo negativo

Eletrostática

Carga Elétrica Carga elementar

C101,6e19 Quantidade de carga elétrica

Princípio da Conservação da Carga elétrica antesdepois Q

2elétrica d q.Q k.F

Campo elétrico

EqFelétrica

Q k.E

Q > 0 gera campo de afastamento Q < 0 gera campo de aproximação

Potencial elétrico em um ponto A

Q k.VA

Energia potencial elétrica Considerando potencial nulo no infinito:

Q.q k.EPE

AP VqE A

Trabalho da força elétrica

Campo elétrico uniforme ABUE.d

Capacitância

Carga armazenada em condutor isolado

- onde V é o potencial do corpo - C depende da forma, das dimensões do condutor e do meio que o envolve, mas não do material

Energia elétrica armazenada em condutor

Capacitância de condutor esférico isolado

Capacitores

Carga armazenada UCQ

Energia potencial elétrica armazenada

Associação em série de capacitores

Qtotal = Q1= Q2 =
Utotal = U1+ U2 +

Para dois capacitores em série:

eq C

Associação em paralelo de capacitores

Qtotal = Q1+ Q2 +
Utotal = U1= U2 =

Capacitância de capacitor plano de placas paralelas

Condutores em equilíbrio eletrostático

Caracteristicas perpendicular à superfície do condutor

0Einterno Vsuperfície = Vinterno = constante

Campo elétrico da esfera em equilíbrio eletrostático

0Einterno

2superfície

R Qk2

2próximo R

Potencial elétrico da esfera

V superfícieinterno

Vexterno onde d é a distância ao centro da esfera

Eletromagnetismo

Fontes de campo magnético

Permeabilidade magnética do vácuo

Campo magnético de fio reto

Regra da mão direita

Dedão indica sentido corrente Demais dedos indicam sentido de B

Campo magnético no centro de uma espira circular

Usar regra da mão direita

Vetor campo magnético no centro de um solenóide i L

N/L é a densidade linear de espiras

Usar regra da mão direita

Força magnética sobre carga pontual

Força magnética sobre uma carga em movimento senθBvqFmag

Regra da mão direita espalmada (carga positiva)

Dedão indica velocidade

Demais dedos esticados indicam o campo B

A força está no sentido do tapa com a palma da mão

Obs.: 1) se a carga for negativa, inverter o sentido da força

2) magF é sempre perpendicular ao plano formado por B e v

Casos especiais:

ocorre M.R.U.

Se Bv

, = 90o e ocorre

M.C.U. Raio da trajetória circular

.Bq m.v R

Período do MCU

Força magnética sobre um condutor retilíneo θLseniBF..

Regra da mão direita espalmada: Dedão indica corrente

Demais dedos esticados indicam o campo B

A força está no sentido do tapa com a palma da mão

Indução magnética

Fluxo magnético cos.A.B

Força eletromotriz induzida Lei de Faraday

Para haste móvel v.L.B

Transformador de tensão (só Corrente Alternada)

Comentários