Moenda

Moenda

(Parte 2 de 6)

• Embebição

Processo na qual a água ou caldo é aplicado ao bagaço em beneficio da extração.

• Pureza

Relação entre a porcentagem em massa de sacarose e a de sólidos solúveis contido em uma solução açucarada.

•Brix Porcentagem de sólidos solúveis contidas em uma solução

Alguns Conceitos Alguns ConceitosRetorno ao Sub-menu CONCEITORetorno ao Sub-menu CONCEITO

Processo: Industrialização – Capacitação Técnica - Moendas9

• Bagaço -

Resíduo da cana após a moagem em um terno ou em um conjunto de ternos.

• Extração

Define a proporção de um componente da cana, em porcentagem, que foi removido durante o processo de moagem.

Alguns Conceitos Alguns ConceitosRetorno ao Sub-menu CONCEITORetorno ao Sub-menu CONCEITO

Processo: Industrialização – Capacitação Técnica - Moendas10

• Densidade da cana

É a relação existente entre a massa de cana (Kg) e o volume que esta se ocupa (m3). A moagem é um processo volumétrico e que, portanto ela será mais eficiente a medida em que aumentarmos a densidade da cana na entrada do primeiro terno. Isto é conseguido após a passagem da cana pelo picador e pelo desfibrador, elevando a densidade da cana inteira ( 175 Kg/m3) ou da cana picada ( 350 Kg/m3) para valores em torno de 450 Kg/m3 de cana desfibrada

•Índice de Preparo (Open Cell)

Relação porcentual da pol das células abertas em relação à pol total da cana.

Alguns Conceitos Alguns ConceitosRetorno ao Sub-menu CONCEITORetorno ao Sub-menu CONCEITO

Processo: Industrialização – Capacitação Técnica - Moendas11

Composição Básica da Cana

Possui em média de 10 a 16% de fibras;

De 84 a 90% de caldo, desta composição 75 a 82% representa água, o restante são substâncias sólidas dissolvidas. Os sólidos dissolvidos dividem-se em:

Não Açúcares ( 1,0 a 2,5 % ) Veja ilustração no próximo slide >>

Composição Básica da CanaRetorno ao Sub-menu CONCEITORetorno ao Sub-menu CONCEITO

Processo: Industrialização – Capacitação Técnica - Moendas12

Não açúcares 1 –2,5%

Celulose Pentosanas Liguina

Composição Básica da CanaRetorno ao Sub-menu CONCEITORetorno ao Sub-menu CONCEITO

Processo: Industrialização – Capacitação Técnica - Moendas13

É conseguido através de analises laboratoriais, de amostras retiradas da lavoura. Que são periodicamente monitoradas.

Considera-se uma CANA MADURA quando esta atinge seu MÁXIMO TEOR DE SACAROSE.

Matéria PrimaRetorno ao Sub-menu CONCEITORetorno ao Sub-menu CONCEITO

Processo: Industrialização – Capacitação Técnica - Moendas14

Fator determinante: Tempo entre corte e processamento.

Ocorre inversão de Sacarose para Glicose e Frutose.

Causada pela ação de Fungos e Bactérias. Perdas consideráreis de produção (sacarose).

DETERIORAÇÃO Matéria PrimaRetorno ao Sub-menu CONCEITORetorno ao Sub-menu CONCEITO

Processo: Industrialização – Capacitação Técnica - Moendas15

IMPUREZASIMPUREZASsão elementos indesejáveis ao processo de origem mineral ou vegetal.

MineralMineralPedra ou pedrisco.

Causam prejuízos à industria por provocarem desgastes em equipamentos (Bombas, tubulações, desgaste de moendas).

Geralmente removida na mesa de Alimentação (lavagem de cana).

VegetalVegetal

São fibras que não contém sacarose. Geralmente palha resultante de mal queima da cana devido umidade do canavial ou do desponte alto.

Aumenta o volume de cana reduzindo o rendimento da extração. Consome potencia desnecessária das turbinas e motores.

Matéria PrimaRetorno ao Sub-menu CONCEITORetorno ao Sub-menu CONCEITO

Processo: Industrialização – Capacitação Técnica - Moendas16

SAIRSAIRMENU SUB-MODULOMENU SUB-MODULOEmpresas ZILLO LORENZETTI

Moenda

Eba Consultoria Empresarial Desenvolvendo Talentos HumanosCurso BásicoTreinamento IndustrialRealização

Sub-módulo

(Parte 2 de 6)

Comentários