Resoluções de Fisica - Enem 1998 à 2008

Resoluções de Fisica - Enem 1998 à 2008

(Parte 3 de 9)

também a maior atingida! Fácil

Velocidade constante quer dizer que não sobe nem desce! Olhando, no visual mesmo, o gráfico que mostra exatamente a velocidade, vemos que ela é constante entre 5s e 8s, não só constante, mas

1. Em que intervalo de tempo o corredor apresenta aceleração máxima?

(A) Entre 0 e 1 segundo. (B) Entre 1 e 5 segundos. (C) Entre 5 e 8 segundos. (D) Entre 8 e 1 segundos. (E) Entre 9 e 15 segundos.

Esta já é uma pergunta que confunde mais, pois muitos saem da escola sem diferenciar

Velocidade de Aceleração. A Aceleração mede as mudanças na Velocidade com o tempo, e temos que olhar no gráfico quando a velocidade muda mais rápido! Ainda no visual, claramente a maior mudança se dá no início da prova, quando a velocidade vai de zero a 6 m/s em apenas 1s! Para quem quer se lembrar de mais detalhes, é importante saber que a aceleração é dada pela inclinação da reta tangente ao gráfico. Observe:

Costumo ensinar a meus alunos um jeito que acho super simples: acompanhe o gráfico com um lápis. Onde estiver mais inclinado, a aceleração é maior! Aliás, no último ponto a reta nem está inclinada, pois a velocidade é constante, e a aceleração é nula!

© Professor Rodrigo Penna – 2006 – ENEM 1998 w.fisicanovestibular.com.br

12. A tabela a seguir registra a pressão atmosférica em diferentes altitudes, e o gráfico relaciona a pressão de vapor da água em função da temperatura:

Altitude (km) Pressão atmosférica (m Hg) apor da águ a em mmHg

Temperatura

Um líquido, num frasco aberto, entra em ebulição a partir do momento em que a sua pressão de vapor se iguala à pressão atmosférica. Assinale a opção correta, considerando a tabela, o gráfico e os dados apresentados, sobre as seguintes cidades:

Natal (RN) nível do mar. Campos do Jordão (SP) altitude 1628m.

Pico da Neblina (R) altitude 3014 m.

A temperatura de ebulição será:

(A) maior em Campos do Jordão. (B) menor em Natal. (C) menor no Pico da Neblina. (D) igual em Campos do Jordão e Natal. (E) não dependerá da altitude.

Pensei em deixar esta questão como de Química, mas a Física também estuda a Mudança de

Fase. Assim, fica sendo a última questão que corrijo desta prova.

Bom, pressão atmosférica é “o peso do ar sobre nossas cabeças”, vulgarmente! Quanto mais alto, menos ar sobre nossa cabeça! Ilustração:

© Professor Rodrigo Penna – 2006 – ENEM 1998 w.fisicanovestibular.com.br

A pressão diminui com a altura e fica mais fácil à água espalhar, pois quando passa de

13 líquido para gás as moléculas se afastam. Assim, maior altitude, menor temperatura de ebulição!

As tabelas mostram istoA água ferve mais fácil no Pico da Neblina e mais difícil em Natal!

© Professor Rodrigo Penna – 2006 – ENEM 1999 w.fisicanovestibular.com.br

ENEM 1999 – 13 questões

1. A gasolina é vendida por litro, mas em sua utilização como combustível, a massa é o que importa. Um aumento da temperatura do ambiente leva a um aumento no volume da gasolina. Para diminuir os efeitos práticos dessa variação, os tanques dos postos de gasolina são subterrâneos. Se os tanques não fossem subterrâneos: I. Você levaria vantagem ao abastecer o carro na hora mais quente do dia, pois estaria comprando mais massa por litro de combustível. I. Abastecendo com a temperatura mais baixa, você estaria comprando mais massa de combustível para cada litro. I. Se a gasolina fosse vendida por kg em vez de por litro, o problema comercial decorrente da dilatação da gasolina estaria resolvido. Destas considerações, somente (A) I é correta. (B) I é correta. (C) I é correta. (D) I e I são corretas. (E) I e II são corretas.

Problema interessante: eu mesmo costumo propor algo parecido em sala, todo ano. Quando a gasolina se aquece, ela dilata, aumenta de tamanho. Mas, sua massa permanece a mesma! Assim, sua densidade diminui. Logo, a tendência é levar desvantagem, já que no abastecimento o posto mede o volume (litros) com a temperatura mais alta. Pagar mais por uma massa menor de gasolina. Em temperatura baixa, a tendência é inversa, levar vantagem.

Uma questão de lógica levaria o aluno a perceber que as alternativas um e dois são excludentes: se uma estiver certa, a outra necessariamente estará errada! Elimina a opção D. Mas, de fato, I é certo.

embora muita gente não acredite quando vê os dois, ao vivo

I também é correto: a velha estória, 1 kg de chumbo pesa a mesma coisa que 1 kg de algodão, OPÇÃO: E.

2. O alumínio se funde a 666oC e é obtido à custa de energia elétrica, por eletrólise – transformação realizada a partir do óxido de alumínio a cerca de 1 000oC. A produção brasileira de alumínio, no ano de 1985, foi da ordem de 550 0 toneladas, tendo sido consumidos cerca de 20kWh de energia elétrica por quilograma do metal. Nesse mesmo ano, estimou-se a produção de resíduos sólidos urbanos brasileiros formados por metais ferrosos e não-ferrosos em 3 700 t/dia, das quais 1,5% estima-se corresponder ao alumínio. ([Dados adaptados de] FIGUEIREDO, P. J. M. A sociedade do lixo: resíduos, a questão energética e a crise ambiental. Piracicaba: UNIMEP, 1994) Suponha que uma residência tenha objetos de alumínio em uso cuja massa total seja de 10 kg (panelas, janelas, latas etc.). O consumo de energia elétrica mensal dessa residência é de 100kWh. Sendo assim, na produção desses objetos utilizou-se uma quantidade de energia elétrica que poderia abastecer essa residência por um período de (A) 1 mês. (B) 2 meses. (C) 3 meses. (D) 4 meses. (E) 5 meses.

© Professor Rodrigo Penna – 2006 – ENEM 1999 w.fisicanovestibular.com.br

Creio que esta é uma questão mais para saber se o estudante sabe ler e interpretar o que lê do que de Física! É facílima, apesar da “encheção de lingüiça”!

Veja os dados: 20kWh de energia elétrica por quilograma do metal; massa total seja de 10 kg; consumo de energia elétrica mensal dessa residência é de 100kWh. Noção de proporção, das

meses! E pronto

mais simples: 20KWh/Kg, então, 10Kg⇒10 X 20 = 200KWh! Iguala o consumo da residência em 2 OPÇÃO: B.

Nas figuras abaixo, estão representadas as sombras projetadas pelas varetas nas três cidades, no mesmo instante, ao meio-dia. A linha pontilhada indica a direção Norte-Sul.

Levando-se em conta a localização destas três cidades no mapa, podemos afirmar que os comprimentos das sombras serão tanto maiores quanto maior for o afastamento da cidade em relação ao (A) litoral. (B) Equador. (C) nível do mar. (D) Trópico de Capricórnio. (E) Meridiano de Greenwich.

© Professor Rodrigo Penna – 2006 – ENEM 1999 w.fisicanovestibular.com.br

16 CORREÇÃO

Esta é um misto de Geografia e Física. As estações são causadas porque o eixo de rotação da

Terra é inclinado em relação ao plano de translação em torno do Sol. 1º dia de Inverno no Hemisfério Sul significa que o sol está batendo firme no Hemisfério Norte. Veja este efeito sobre uma sombra:

citadas

Quanto mais a vareta se afasta do ponto onde o sol incide perpendicularmente, a 90º, maior a sombra fica. O sol estará a 90º no Hemisfério norte, pois lá é verão, segundo a proposta da questão. Logo, quanto mais ao Sul, maior a sombra. É o que se vê pelas figuras do problema! Marquemos no mapa as cidades

Pelas sombras, confirmamos: mais ao Sul, maior comprimento. Já não tem nada a ver com a proximidade do mar, estar ou não no litoral. Nem com Greenwich, que é um marco para horário. Pelas opções, mais ao Sul vai significar mais afastado do Equador.

4. Pelos resultados da experiência, num mesmo instante, em Recife a sombra se projeta à direita e nas outras duas cidades à esquerda da linha pontilhada na cartolina. É razoável, então, afirmar que existe uma localidade em que a sombra deverá estar bem mais próxima da linha pontilhada, em vias de passar de um lado para o outro. Em que localidade, dentre as listadas abaixo, seria mais provável que isso ocorresse?

(A) Natal(B) Manaus. (C) Cuiabá. (D) Brasília. (E) Boa Vista.

Esquerda ou direita, as sombras marcam o posicionamento do Sol!

© Professor Rodrigo Penna – 2006 – ENEM 1999 w.fisicanovestibular.com.br

Novamente no mapa, podemos marcar as sombras e as opções de cidades que a questão oferece para tentarmos ver o que está acontecendo, e qual deve ser a posição do sol para formar as imagens daquelas sombras fornecidas como dados.

A partir daí, escolhemos a opção correta. Vejamos então...

© Professor Rodrigo Penna – 2006 – ENEM 1999 w.fisicanovestibular.com.br

Olhando a sombra, vemos que a única cidade que se encontra na provável posição é Brasília, sem outras opções como Belo Horizonte, que deixariam margem a dúvida!

5. A panela de pressão permite que os alimentos sejam cozidos em água muito mais rapidamente do que em panelas convencionais. Sua tampa possui uma borracha de vedação que não deixa o vapor escapar, a não ser através de um orifício central sobre o qual assenta um peso que controla a pressão. Quando em uso, desenvolve-se uma pressão elevada no seu interior. Para a sua operação segura, é necessário observar a limpeza do orifício central e a existência de uma válvula de segurança, normalmente situada na tampa. O esquema da panela de pressão e um diagrama de fase da água são apresentados abaixo.

A vantagem do uso de panela de pressão é a rapidez para o cozimento de alimentos e isto se deve (A) à pressão no seu interior, que é igual à pressão externa. (B) à temperatura de seu interior, que está acima da temperatura de ebulição da água no local. (C) à quantidade de calor adicional que é transferida à panela. (D) à quantidade de vapor que está sendo liberada pela válvula. (E) à espessura da sua parede, que é maior que a das panelas comuns.

Já comentamos, numa questão sobre montanhas e o litoral, a influência da pressão na mudança de fase! Simplesmente, sob a pressão que a panela produz, a água ferve a uma temperatura maior, e como está mais quente, cozinha mais rápido os alimentos ali dentro. Podemos ver isto no gráfico: quando aumenta a pressão, a temperatura de ebulição aumenta!

isto. Gostaria também de comentar algumas opções

Destaquei dois pontos em vermelho para mostrar

(Parte 3 de 9)

Comentários