6. Romanos (Barclay)

6. Romanos (Barclay)

(Parte 3 de 7)

Poder-se-á argüir que o capítulo dezesseis estava originalmente dirigido a Éfeso, mas o argumento não é tão forte como parece. Para começar, não há evidência de que o capítulo tenha sido jamais acrescentado em algum outro lugar que não seja a carta aos Romanos. Além disso, é estranho que Paulo não enviou saudações pessoais a Igrejas que conhecia bem. Não há saudações pessoais aos Tessalonicenses, Coríntios, Gálatas e Filipenses, todas as quais eram

Romanos (William Barclay) 18

Igrejas que ele conhecia bem; no entanto há saudações pessoais em Colossenses, outra Igreja na qual Paulo nunca tinha posto o pé. A razão é realmente muito simples. Se Paulo tivesse enviado saudações pessoais a Igrejas que conhecia bem, teria podido provocar ciúmes; por outro lado, quando escrevia a Igrejas que nunca tinha visitado, seu desejo era estabelecer tantos laços pessoais quanto possível.

O próprio fato de Paulo nunca ter estado em Roma torna provável que buscasse estabelecer tantas relações pessoais c quanto possível. Novamente, deve-se recordar que Priscila e Áqüila foram expulsos por um decreto de Roma. Acaso não é mais provável que, após passados os problemas, seis ou sete anos mais tarde, voltassem para Roma e retomassem o fio de seus negócios depois de estar em outras cidades? E não é mais provável que muitos dos outros nomes sejam nomes de pessoas que compartilharam esse exílio, que fixaram transitoriamente sua residência em outras cidades, que encontraram a Paulo ali, e que logo, quando a costa ficou limpa, voltaram para Roma a seus antigos lares? Paulo estaria encantado em ter tantos contatos pessoais em Roma e poder aferrar-se deles. E além disso, como veremos quando chegarmos a estudar o capítulo dezesseis em detalhe, muitos dos nomes — as casas de Aristóbulo e Narciso, Amplíato, Nereu e outros — se localizam bem em Roma. Apesar dos argumentos em favor de Éfeso, podemos considerar que não há necessidade de separar o capítulo dezesseis da carta aos Romanos.

Mas há um problema mais interessante, e muito mais importante, que este. Os manuscritos mais antigos mostram algumas coisas muito curiosas com respeito aos capítulos 14, 15 e 16. O único lugar para que apareça normalmente uma doxologia é o próprio final. Romanos 16:25- 27 é uma doxologia, e na maioria dos bons manuscritos aparece no final. Mas em certo número de manuscritos aparece no final do capítulo 14; dois bons manuscritos a têm em ambos os lugares; um antigo manuscrito a tem no final do capítulo 15; dois manuscritos não a têm em nenhum lugar, mas deixam um lugar vazio para ela. Há um antigo manuscrito

Romanos (William Barclay) 19 latino que tem uma série de resumos de seções. Nestes resumos os dois últimos são os seguintes: 50: Sobre o perigo daquele que aflige a seu irmão por causa da comida. Que é obviamente Romanos 14:15-23. 51: Sobre o mistério do Senhor, guardado em segredo antes de sua paixão, mas depois de sua paixão revelado.

Isto é, igualmente claro — Romanos 16:25-27 —, a doxologia.

Evidentemente, estes sumários foram atos sobre um manuscrito que não continha os capítulos 15 e 16. Agora, há uma coisa que arroja um raio de luz sobre isto. Em um manuscrito a menção de Roma em Romanos 1:7 e 1:15, é omitida inteiramente. Não há menção de nenhum destinatário. Tudo isto mostra que Romanos circulou em duas formas: uma forma como a temos com dezesseis capítulos, e uma com quatorze capítulos, e possivelmente também uma com quinze capítulos. A explicação deve ser esta. Quando Paulo a escreveu a Roma tinha dezesseis capítulos; mas os capítulos 15 e 16 só têm referência a coisas que tinham acontecido em Roma. Eram particulares e pessoais para Roma. Agora, não há carta que dê um compêndio tal da doutrina de Paulo e que de tal maneira dê a essência destilada de seu evangelho.

O que deve ter acontecido é que Romanos chegou a circular entre todas as Igrejas, com os dois últimos capítulos locais omitidos, exceto a doxologia. Devem ter pensado que Romanos era muito fundamental para deter-se em Roma e ficar ali, e assim devem ter tirado as referências puramente locais e deve ter sido enviada a todas as Igrejas em geral. Quando tentamos neste fascinante problema encontramos que, das épocas mais primitivas, a Igreja sentiu que Romanos era uma expressão tão grande do pensamento de Paulo, que devia chegar a ser, não a posse de uma congregação, mas sim de toda a Igreja. Devemos recordar no enquanto a estudemos que os homens consideraram sempre a carta aos Romanos como a quintessência da mente e do coração de Paulo.

Romanos (William Barclay) 20

Romanos 1 Um chamado, um Evangelho e uma tarefa - 1:1-7 A cortesia da grandeza - 1:8-15 Boas novas que orgulham - 1:16-17 A ira de Deus - 1:18-23 Os homens com os quais Deus nada pode fazer - 1:24-25 Uma época indecorosa - 1:26-27 A vida que não leva Deus em conta - 1:27-32

Romanos 1:1-7 Quando Paulo escreve sua carta aos romanos o faz a uma Igreja que não conhece pessoalmente, situada em um lugar onde nunca esteve, a maior cidade do maior império do mundo, razão pela qual escolhe suas palavras com o maior cuidado.

Paulo começa mostrando seus próprios créditos. (1) Chama-se a si mesmo escravo (doulos) de Jesus Cristo, termo no qual há dois antecedentes de pensamento: (a) O título favorito de Paulo para Jesus é SENHOR (kurios). Este termo em grego se refere a quem tem a posse indiscutida de uma pessoa ou coisa; significa dono ou proprietário, no sentido mais próprio e absoluto. O oposto do termo SENHOR (kurios) é escravo (doulos). Paulo se considera a si mesmo como escravo de Jesus Cristo, seu Dono e Senhor. Jesus o tinha amado e se deu a si mesmo por ele, portanto tem a segurança de já não pertencer-se mais a si mesmo, mas inteiramente a ele. Sob este aspecto o termo descreve a absoluta obrigação de amor. (b) Mas o termo escravo (doulos) tem outro aspecto. No Antigo

Testamento é a palavra comum para referir-se aos grandes homens de Deus. Moisés foi servo, escravo, doulos do Senhor (Josué 1:2). O mesmo Josué foi doulos de Deus (Josué 24:9). O título mais arrogante dos profetas, aquele que os distingue de outros homens, é o ser servos e

Romanos (William Barclay) 21 escravos de Deus (Amós 3:7, Jeremias 7:25). Quando Paulo se chama a si mesmo escravo de Jesus Cristo está nada menos que se situando na sucessão dos profetas. A grandeza e a glória destes residia no fato de ser escravos de Deus, e assim também para Paulo. Assim, pois, a expressão escravo de Jesus Cristo descreve ao mesmo tempo a obrigação de um grande amor e a honra de um grande ofício. (2) Paulo se refere a si mesmo como chamado para ser apóstolo.

No Antigo Testamento os grandes homens foram os que ouviram o chamado de Deus e responderam a ele. Abraão ouviu o chamado de Deus (Gênesis 12:1-3). Moisés respondeu ao chamado de Deus (Êxodo 3:10). Jeremias e Isaías foram profetas porque, freqüentemente contra sua vontade, foram levados a ouvir o chamado de Deus e responder (Jeremias 1:4-5; Isaías 6:8-9). Paulo nunca se considerou um homem que aspirou a alguma dignidade, mas sim como alguém a quem lhe foi dado uma tarefa. Jesus disse a seus homens: "Não me escolheram vós , mas sim eu lhes escolhi a vós" (João 15:16). Paulo nunca considerou a vida em termos do que ele queria fazer, mas sim do que Deus lhe propunha. (3) Paulo se descreve a si mesmo como separado para o evangelho de Deus (Barcelona: separado para servir as boas novas de Deus). Ele se achava duplamente separado. Duas vezes em sua vida este mesmo termo (aphorozein) usa-se com referência a ele. (a) Foi separado por Deus, ao qual imaginava separando-o até antes de nascer para a tarefa que devia realizar (Gálatas 1:15). Deus tem um plano para cada homem. Todo homem é uma expressão do pensamento de Deus. Nenhuma vida humana carece de propósito, Deus a colocou no mundo para realizar um pouco definido. (b) Foi separado para os homens. Esta é a mesma expressão utilizada em Atos 13:2, quando o Espírito Santo ordenou aos dirigentes da Igreja de Antioquia separar a Paulo e Barnabé para a missão especial aos gentios. Paulo era consciente de ter uma tarefa que devia realizar para Deus e para a Igreja de Deus.

Romanos (William Barclay) 2

(4) No ato de ser separado, Paulo estava seguro de ter recebido duas coisas. No V. 5 nos diz quais são. (a) Tinha recebido graça. Graça indica sempre algum dom absolutamente gratuito e totalmente imerecido. Antes de vir a ser cristão. Paulo esperava obter glória perante os homens e méritos aos olhos de Deus, por meio do meticuloso cumprimento das obras da Lei. Agora chega a compreender que o importante não é o que ele poderia fazer, mas o que Deus tinha feito. Isto foi expresso assim: "A Lei estabelece o que o homem deve fazer; o evangelho, o que Deus tem feito." Paulo compreende agora que a salvação não descansa sobre o que o esforço do homem pode fazer, mas sobre o que o amor de Deus tem feito. Tudo foi de graça, gratuito e imerecido. (b) Paulo recebeu uma tarefa. Foi separado para ser o apóstolo dos gentios. Ele se reconhece eleito, não para receber uma honra especial, mas uma responsabilidade especial. Sabia que Deus o tinha apartado não para sua glória, mas para realizar uma ação laboriosa. Pode ser que haja aqui um trocadilho. Antes Paulo tinha sido fariseu (Filipenses 3:5). O mesmo nome fariseu pode muito bem significar o separado. É possível que os fariseus fossem chamados assim porque se separaram deliberadamente do povo comum, pois nem sequer permitiam que o bordo de seu manto roçasse a um homem comum. Os fariseus se teriam estremecido com apenas pensar que o oferecimento de Deus pudesse ser dado aos gentios. Para eles os gentios eram "o combustível para os fogos do inferno". Antes Paulo tinha sido como eles, havia-se sentido separado, de tal maneira que não tinha senão desprezo para com todo homem comum. Agora se reconhece separado, de tal maneira que lhe é imposto dedicar toda sua vida a levar as novas do bom amor a todos os homens de todas as raças. O cristianismo sempre nos separa; mas não por privilégio, nem para a própria glória, nem o orgulho, mas para o serviço, a humildade e o amor para com todos os homens.

Romanos (William Barclay) 23

Além de apresentar seus créditos, nesta passagem Paulo apresenta em seus esboços essenciais o evangelho que prega. Um evangelho centrado em Jesus Cristo (vs. 3 e 4). Com dois elementos em particular: (a) Um evangelho da encarnação. Paulo fala de um Jesus que era real e verdadeiramente homem. Um dos maiores pensadores da Igreja primitiva o resumiu quando disse de Jesus: "Ele se fez o que nós somos, para nos fazer o que Ele é." Paulo pregava a respeito de alguém que não era uma figura legendária de uma história imaginária, que não era um semideus, metade Deus e metade homem. Ele pregava de alguém que era real e verdadeiramente um com os homens que veio para salvar. (b) Um evangelho da ressurreição. Se Jesus tivesse vivido uma vida bela e fosse morto heroicamente, sendo este seu fim, poderia ter sido contado entre as figuras grandes e heróicas, mas não teria sido mais que um entre muitos heróis. O fato de que foi único está garantido para sempre pelo evento de sua ressurreição. Os outros morreram e passaram, deixando sua lembrança. Jesus continua vivendo e sua presença conserva ainda eficaz poder.

Romanos 1:8-15 Depois de quase dezenove séculos a arrebatada emoção desta passagem ainda vibra nele. Podemos sentir o coração de Paulo estremecendo-se de amor pela Igreja que ele nunca viu. Este era o problema de Paulo ao escrever esta carta. Nunca tinha estado em Roma. Não tinha participado da fundação da Igreja romana. Devia desarmar suspeitas. Devia fazê-los sentir que não era um intruso. Que não estava entremetendo-se onde não tinha direito a fazê-lo. O que devia fazer antes de mais nada era derrubar as barreiras de suspeita e estranhamento. (1) Paulo, combinando sabedoria e amor, começa com um elogio.

Expressa-lhes sua ação de graças a Deus pela fé cristã deles, conhecida por todo mundo. Há pessoas cujas línguas estão afinadas para elogiar, e

Romanos (William Barclay) 24 outras cujas línguas o estão para criticar. Há pessoas cujos olhos estão enfocados para encontrar faltas, e outros cujos olhos o estão para descobrir virtudes.

Diz-se de Tomas Hardy que, se entrava em um campo, nunca veria as flores silvestres, mas o esterco amontoado em um canto. É um fato que sempre obtemos mais das pessoas elogiando-as que criticando-as. Os homens que levam vantagem sobre os outros são os que insistem em ver em outros o melhor que têm. Nunca houve nada tão belo como a civilização dos gregos em sua época de maior esplendor. E dela disse T. R. Glover que foi fundada sobre "uma fé cega no homem comum".

Uma das grandes figuras da guerra de 1914-18 foi Donald Hankey, quem escreveu The Student in Arms. Ele conheceu o melhor e o pior dos homens. Em uma oportunidade escreveu a seu casa: "Se sobreviver a esta guerra escreverei um livro chamado 'A bondade vivente', analisando todo o bom e nobre que é inerente às pessoas singela, e tratando de mostrar como isto deve encontrar seu cumprimento e expressão na Igreja." O mesmo Donald Hankey escreveu um magnífico ensaio intitulado The Beloved Captain. Aí descreve como o amado capitão tomava os torpes para ensiná-los ele mesmo. "Ele os observava e eles a ele, e todos homens se esforçavam para dar o melhor de si."

Ninguém pode buscar salvar os homens a menos que primeiro confie neles. O homem é um pecador que merece o inferno, mas há também em sua alma um herói dormido. Freqüentemente uma palavra de elogio poderá despertar seu dormido heroísmo, quando a crítica e a condenação só poderia levá-lo ao ressentimento e ao desespero.

Aidan foi o apóstolo dos saxões. Tempos antes, no ano 630, o rei saxão fez um pedido a Inglaterra para que fosse enviado um missionário para pregar o evangelho em seu reino. Assim se fez. O missionário voltou falando da "índole obstinada e bárbara dos ingleses". "Os ingleses não têm boas maneiras", disse, "comportam-se como selvagens." Quando informou que a tarefa não tinha futuro, Aidan tomou a palavra. "Penso, irmão", disse, "que você foi muito severo com aqueles ouvintes faltos de

Romanos (William Barclay) 25 conhecimentos; deveria tê-los guiado gentilmente, dando-lhes primeiro o leite da religião e depois a carne." Assim, Aidan foi enviado a Northumbria, e sua afabilidade ganhou para Cristo aquele povo que a crítica severidade de seu irmão monge tinha rechaçado. (2) Embora Paulo não conhecia pessoalmente os de Roma, nunca deixou de orar por eles com toda perseverança. É sempre um privilégio e dever cristão apresentar diante do trono da graça nossos amados e todos os companheiros cristãos. Em um de seus sermões sobre o Pai Nosso,

Gregório de Nisa tem uma passagem muito lírica a respeito da oração:

"O efeito da oração é a união com Deus e, se alguém estiver com

poderosa e bem ordenada sociedadeA oração é o selo da virgindade e
dorme, e dá coragem aos que permanecem em vigíliaEla o refrescará
deleite do contente, como refrigério do aflitoA oração é intimidade com
Deus e contemplação do invisívelA oração é o gozo das coisas presentes

Deus, está afastado do inimigo. Por meio da oração conservamos nossa castidade, controle e moderação e nos afastamos da vaidade. Ela nos faz esquecer injúrias, superar invejas, anular a injustiça e nos dá correção para o pecado. Por meio da oração obtemos bem-estar físico, um lar feliz e uma objeto da fidelidade conjugal. Ela ampara o caminhante, protege o que quando você estiver arrasado e o confortará na tristeza. A oração é tanto e a substância das coisas por vir."

(Parte 3 de 7)

Comentários