Caracteriza-se pela introdução de drogas diretamente na corrente sanguínea através de uma veia.

  • Caracteriza-se pela introdução de drogas diretamente na corrente sanguínea através de uma veia.

  • Sua principal vantagem é a absorção rápida.

Uma desvantagem é que se alguma droga for injetada por engano exerce efeito de imediato. Da mesma forma se o paciente for alérgico à substância, a repercussão será imediata e muitas vezes fulminante....

  • Uma desvantagem é que se alguma droga for injetada por engano exerce efeito de imediato. Da mesma forma se o paciente for alérgico à substância, a repercussão será imediata e muitas vezes fulminante....

  • Risco potencial de infecção, pois cada aplicação rompe as defesas da pele íntegra.

  • Medicamentos administrados com muita rapidez, quando a velocidade do fluxo não for monitorada com o cuidado suficiente ou quando medicamentos incompatíveis forem misturados...

Rapidez e eficiência na absorção

  • Rapidez e eficiência na absorção

  • Administração de grandes volumes

  • Administração de drogas que são contra-indicadas nas demais vias

  • Ministrar fluídos no pré,trans e pós-operatório

  • Transfusões sanguíneas

  • Uso em emergências

  • Reposição hidroeletrolítica

  • Amostra de sangue para exame laboratorial.

Perfeitamente diluída e límpida e com pH próximo ao do soro sanguíneo (7,4).

  • Perfeitamente diluída e límpida e com pH próximo ao do soro sanguíneo (7,4).

  • Esta via permite soluções hipertônicas, hipotônicas e isotônicas.

  • Ela não tolera drogas em suspensão, oleosas ou ar.

Injeção direta através de um acesso venoso.

  • Injeção direta através de um acesso venoso.

  • Infusão intermitente por meio de um acesso secundário.

Postura do Paciente para a realização do procedimento:

  • Postura do Paciente para a realização do procedimento:

  • Sentado

  • Deitado.

Indicada quando um medicamento deve ser aplicado como injeção em bolo, para que tenha efeito terapêutico.

  • Indicada quando um medicamento deve ser aplicado como injeção em bolo, para que tenha efeito terapêutico.

  • Indicada quando há necessidade imediata de altos níveis sanguíneos de um medicamento.

  • Indicada em emergências, quando o medicamento deve ser aplicado com rapidez, para efeito imediato.

Possibilita o uso de uma solução IV para se testar a permeabilidade do acesso antes da administração.

  • Possibilita o uso de uma solução IV para se testar a permeabilidade do acesso antes da administração.

  • Possibilita a manutenção do acesso venoso, em caso de reações adversas.

  • Reduz o risco de infiltração com medicamentos irritantes.

Restringe a mobilidade do cliente.

  • Restringe a mobilidade do cliente.

  • Aumenta o risco de flebite ou irritação venosa pela administração de um número maior de medicamentos.

Usada com frequência para terapêutica medicamentosa aplicadas em curtos períodos, a intervalos variáveis.

  • Usada com frequência para terapêutica medicamentosa aplicadas em curtos períodos, a intervalos variáveis.

Evita injeções múltiplas.

  • Evita injeções múltiplas.

  • Possibilita a administração repetida de medicamentos por um único acesso venoso.

  • Possibilita altos níveis sanguíneos de medicamentos por curtos períodos sem causa toxicidade.

A característica depende da finalidade do tratamento.

  • A característica depende da finalidade do tratamento.

  • Veia saltada e palpável

  • Evitar articulaçõesVeia Pele intacta e elástica

  • macia,reta,elástica

Veias digitais!

  • Veias digitais!

  • Vantagens: Podem ser usadas para terapia de curta duração.

  • Podem ser usadas quando outras vias não estão disponíveis.

  • Desvantagens: Exigem a imobilização dos dedos com uma tala, que diminui a capacidade de usar a mão.

  • Incômodo para o cliente.

  • Risco significativo de infiltração.

  • Não indicadas se as veias do dorso da mão já estiverem sendo utilizadas:

Veias metacarpianas:

  • Veias metacarpianas:

  • Vantagens: Acesso fácil

  • Ficam apoiadas sobre o dorso da mão.

  • Deslocamento do acesso mais difícil.

  • Desvantagens: Movimento da articulação do pulso diminuídos, a não ser que se utilize um cateter curto.

  • Provável inserção dolorosa, por causa do grande numero de terminações nervosas na mão.

Veias dorsais do antebraço:

  • Veias dorsais do antebraço:

  • Vantagens: Fixadas pelas veias metacarpianas, o que torna mais fácil o acesso.

  • Desvantagens: pode ser de difícil visibilidade ou palpação.

  • Pode ser de difícil acesso em idosos, por causa da diminuição do turgor da pele.

  • Dificulta a escrita ou a alimentação do cliente, em especial se o dispositivo for colocado no braço dominante.

Veias mediana do antebraço:

  • Veias mediana do antebraço:

  • Vantagens: Fixa bem agulhas do tipo borboleta.

  • Desvantagens: Possível inserção ou lesão por infiltração dolorosa devidas à grande quantidade de terminações nervosas na área.

  • Alto risco de infiltração.

Veia cefálica acessória

  • Veia cefálica acessória

  • Vantagens: Veia calibrosa.

  • Aceita com facilidade agulhas de maior calibre.

  • Não prejudica a mobilidade.

  • Não exige imobilização do braço, em crianças maiores e adultos.

  • Desvantagens: Desconforto durante os movimentos, devido à localização do dispositivo.

Veias antecubitais:

  • Veias antecubitais:

  • Vantagens: Veias calibrosas, facilitam a coleta de sangue.

  • Com frequência visíveis ou palpáveis.

  • Podem ser utilizadas em uma emergência ou como último recurso.

  • Desvantagens: Dificuldade de imobilizar a área do cotovelo.

  • As veias podem apresentar-se esclerosadas, se o local foi usado com frequência para coleta de sangue.

Veia basílica:

  • Veia basílica:

  • Vantagens: Aceita com facilidade agulhas de grosso calibre.

  • Veia reta e resistente, adequada para punção.

  • Desvantagens: Posição anatômica do cliente durante a punção.

  • Inserção dolorosa, devido á penetração da derme, onde se encontram terminações nervosas.

  • A fixação da veia pode ser difícil.

Veia cefálica:

  • Veia cefálica:

  • Vantagens: Veia calibrosa, excelente para punção.

  • Aceita com facilidade agulhas de grosso calibre.

  • Não prejudica a mobilidade.

  • Desvantagens: Diminuição do movimento articular, devido à proximidade entre o dispositivo e o cotovelo.

  • A fixação da veia pode ser difícil.

Em neonatos, os melhores locais para punção venosa são as metacárpicas, veia safena, veia temporal, frontal e auricular posterior no couro cabeludo bem como veia metópica que percorre o centro da testa.

  • Em neonatos, os melhores locais para punção venosa são as metacárpicas, veia safena, veia temporal, frontal e auricular posterior no couro cabeludo bem como veia metópica que percorre o centro da testa.

  • OBS: Palpe para se certificar de que é uma veia, e não uma artéria. Se possível solicite os pais que permaneçam junto á criança. Insira o dispositivo de acesso venoso em direção podálica, para tornar mais fácil a estabilização.

Agulhas: 25x6, 25x7 ou 25x8 para punção

  • Agulhas: 25x6, 25x7 ou 25x8 para punção

  • Agulhas: 25x8, 30x10 ou 40x12 para preparo de medicação

Cateter venoso periférico de longa duração: Utilizado para terapias de longa duração.

  • Cateter venoso periférico de longa duração: Utilizado para terapias de longa duração.

  • Vantagens: menor probabilidade de perfuração inadvertida da veia do que com agulha do tipo borboleta; mais confortável para o cliente, a necessidade de restrição de movimentos é rara.

  • Desvantagens: Inserção difícil sendo necessário cuidado especial para se verificar a inserção da agulha e do cateter na veia.

Cateter venoso periférico de curta duração: Agulha do tipo borboleta: Utilizada para tratamento de curta duração para clientes cooperativos.

  • Cateter venoso periférico de curta duração: Agulha do tipo borboleta: Utilizada para tratamento de curta duração para clientes cooperativos.

  • Vantagens: Agulhas de paredes finas, muito afiadas

  • Ideal para injeção de medicamentos em bolo.

  • Disponível com um cateter que pode ser mantido no local .

  • Desvantagens: Ocorre infiltração com facilidade.

ATKINSON, L. D., MURRAY, M. E., Fundamentos de enfermagem: introdução ao processo de enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1995.

  • ATKINSON, L. D., MURRAY, M. E., Fundamentos de enfermagem: introdução ao processo de enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1995.

  • POTTER, P. A.; PERRY, A. G. Fundamentos de enfermagem: conceitos, processos e prática, Vol 1 e 2. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan, 1997.

  • UTYAMA, I. K. A., OHNISHI, M., MUSSI, N. M., SATO, H.; Matemática Aplicada à Enfermagem: cálculo de dosagens, Rio de Janeiro: Atheneu, 2006;

Agradecimentos a professora Maria IsabeL Fontana

  • Agradecimentos a professora Maria IsabeL Fontana

Comentários