Cirurgias

Cirurgias

Principais Cirurgias

& Pré-Operatório

História da cirurgia

  • Sabe-se que a cirurgia é praticada desde a pré-história, através de procedimentos de trepanação (operação que consiste em praticar uma abertura em um osso). No entanto, a cirurgia teve seus primeiros desenvolvimentos científicos no século XVI, com Ambroise Paré – “o pai da cirurgia moderna”, que, além de esclarecer inúmeras questões de anatomia, fisiologia e terapêutica, substituiu a cauterização com ferro em brasa pela ligadura das artérias depois de uma amputação de membro.

Mais tarde, a descoberta da anestesia e a criação da antissepsia marcaram, no final do século XIX, o início da cirurgia moderna, cuja eficácia aumentou com a transfusão de sangue e a neurocirurgia, desenvolvidas entre as duas grandes guerras. Nos anos 50, a descoberta dos antibióticos também garantiu maior eficácia aos procedimentos cirúrgicos. Atualmente, todos os órgãos são acessíveis à cirurgia e as técnicas recentes (a partir dos anos 60) de transplantes de órgãos são uma vitória da cirurgia, embora ainda haja problemas de rejeição.

  • Mais tarde, a descoberta da anestesia e a criação da antissepsia marcaram, no final do século XIX, o início da cirurgia moderna, cuja eficácia aumentou com a transfusão de sangue e a neurocirurgia, desenvolvidas entre as duas grandes guerras. Nos anos 50, a descoberta dos antibióticos também garantiu maior eficácia aos procedimentos cirúrgicos. Atualmente, todos os órgãos são acessíveis à cirurgia e as técnicas recentes (a partir dos anos 60) de transplantes de órgãos são uma vitória da cirurgia, embora ainda haja problemas de rejeição.

Cuidados de Enfermagem no Pré-Operatório

  • O pré-operatório é o período entre o momento da indicação para um procedimento cirúrgico até a sua execução. Por tanto ao chegar ao hospital o paciente realiza toda uma avaliação sobre sua condição clinica para a partir daí submeter-se a cirurgia indicada. Ele divide-se em duas fases:

  • Período Pré-operatório Mediato e

  • Período Pré-operatório Imediato

A cirurgia pode ser indicada por diversas razões. Ela pode ter efeito diagnóstico, curativo, reparador, reconstrutor, cosmético ou paliativo. Pode também ser classificada, conforme o grau de necessidade, em urgência, emergência ou eletiva. De modo geral, a assistência prestada ao paciente, neste período, consiste na avaliação e preparo tanto físico quanto emocional para a cirurgia. O estabelecimento de uma relação de confiança entre enfermeiro e cliente é de extrema importância, para que este consiga exteriorizar seus sentimentos e dúvidas. Nesse aspecto, é importante que o profissional tenha conhecimento do conteúdo das orientações dadas pelos demais componentes da equipe, a fim de evitar duplicidade de informações, tornando o trabalho mais salutar.

  • A cirurgia pode ser indicada por diversas razões. Ela pode ter efeito diagnóstico, curativo, reparador, reconstrutor, cosmético ou paliativo. Pode também ser classificada, conforme o grau de necessidade, em urgência, emergência ou eletiva. De modo geral, a assistência prestada ao paciente, neste período, consiste na avaliação e preparo tanto físico quanto emocional para a cirurgia. O estabelecimento de uma relação de confiança entre enfermeiro e cliente é de extrema importância, para que este consiga exteriorizar seus sentimentos e dúvidas. Nesse aspecto, é importante que o profissional tenha conhecimento do conteúdo das orientações dadas pelos demais componentes da equipe, a fim de evitar duplicidade de informações, tornando o trabalho mais salutar.

Exemplos De Cirurgias

  • Cirurgia neurológica: crânio e coluna

  • Cirurgia bucomaxilofacial

  • Cirurgia oftalmológica

  • Cirurgia otorrinolaringológica

  • Cirurgia de cabeça e pescoço

  • Cirurgia cardíaca

  • Cirurgia torácica

  • Cirurgia do aparelho digestivo

  • Cirurgia vascular

  • Cirurgia ortopédica: membros e coluna

  • Cirurgia urológica

  • Cirurgia ginecológica

  • Cirurgia obstétrica

  • Cirurgia oncológica

  • Cirurgia plástica

  • Cirurgia reconstrutiva

  • Cirurgia estética

  • Cirurgia robótica

Cirurgia cardiovascular

  • É a subespecialidade médica que se ocupa do tratamento cirúrgico das doenças que acometem o coração. Dentre as cirurgias mais realizadas está a revascularização miocárdica onde o cirurgião tenta refazer a circulação de um território do músculo cardíaco que está sendo mal perfundido devido uma obstrução coronariana. Em geral utiliza-se enxertos da veia safena ou artéria mamária, que é uma artéria que perfunde a região do osso esterno. Outras cirurgias comumente realizadas são as que visam correção das doenças que acometem as valvas cardíacas.

Cirurgia Plástica e Reconstrutiva

  • Abrange as intervenções realizadas para reparar ou reconstruir uma área de pele, bem como o tecido subjacente, que tenha sido danificada ou destruída por um acidente, doença, anomalia congénita ou se tenha modificado pelo envelhecimento.

Cirurgia Bucomaxilofacial

  • Ou mais corretamente, Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial, é uma especialidade Odontológica que trata cirurgicamente as doenças da cavidade bucal, face e pescoço, tais como: traumatismos e deformidades faciais (congênitos ou adquiridos), traumas e deformidades dos maxilares e da mandíbula, envolvendo a região compreendida entre o osso hióide e o supercílio de baixo para cima, e do tragus a pirâmide nasal, de trás para diante. Dentre as doenças existem os tumores benignos e malignos, os cistos dos maxilares, as provocadas por fungos, vírus, e manifestações associadas a doenças sistêmicas como AIDS, tuberculose, sífilis entre outras. As deformidades faciais são compreendidas desde as seqüelas de doenças como o câncer, os traumas severos, ou distúrbios do desenvolvimento, como as síndromes ou alterações do desenvolvimento como o prognatismo (aumento dos maxilares), micrognatismo (diminuição dos maxilares) ou a combinação delas

Cirurgia torácica

  • É a especialidade médica que se ocupa do tratamento de patologias pulmonares e torácicas passíveis de abordagem cirúrgica à exceção das que acometem o coração e grandes vasos. Esta especialidade é certificada ao médico que realize um período de formação tutelada, variante segundo os países. Em Portugal, o internato de Cirurgia Cardio-torácica compreende 72 meses de prática clínica e cirúrgica com avaliação final (teórica, prática e curricular). No Brasil a residência médica em cirurgia torácica tem a duração de 2 anos obrigatórios com um terceiro ano opcional e tem como pré-requisito obrigatório 2 anos de residência médica em cirurgia geral.

Histerectomia

  • É uma operação cirúrgica da área ginecológica que consiste na retirada do útero. A histerectomia pode ser total, quando se retira o corpo e o colo do útero, ou subtotal, quando só o corpo é retirado. Às vezes esta cirurgia é acompanhada da retirada dos ovários e trompas (histerectomia total com anexectomia bilateral ou histerectomia radical).

Cirurgia do Aparelho Digestivo

  • A é um ramo da Medicina que estuda, sob o ponto de vista cirúrgico, as doenças que são oriundas dos órgãos responsáveis pela digestão dos alimentos. No Brasil, este ramo da cirurgia surgiu como uma especialidade separada da Cirurgia Geral, devido aos esforços do Prof. Dr Henrique Walter Pinotti. O reconhecimento da especialidade pela Associação Médica Brasileira (AMB) permitiu a criação de cursos de residência médica específicos. No seu campo de ação estão as patologias e cirurgias envolvendo o esôfago, estômago, duodeno, pâncreas, fígado e vias biliares, intestino delgado e órgãos anexos, além da cirurgia da obesidade.

Traqueostomia

  • É um procedimento cirúrgico no pescoço que estabelece um orifício artificial na traquéia, abaixo da laringe, indicado em emergências e nas intubações prolongadas. A incisão é feita entre o 2º e 3º anel traqueal. O objetivo é não prejudicar as cordas vocais do paciente ao passar o tubo de ar. A traqueostomia é um procedimento frequentemente realizado em pacientes necessitando de ventilação mecânica prolongada.

Cirurgia Bariátrica

  • Em alguns casos de obesidade graves, as mudanças alimentares e a prática de atividades físicas são impossíveis de serem implementadas. Nestas situações, apenas uma intervenção médica mais efetiva, como a cirurgia bariática (cirurgia para redução do tamanho do estômago), deve resolver o problema. A maioria desses casos são aqueles em que o índice de massa corporal (IMC) atinge valores superiores a 40 kg/m². Nestes obesos, os inúmeros tratamentos e a oscilação ponderal, além do potencial genético, agravam o quadro clínico. As doenças associadas à obesidade  grau III (hipertensão arterial , artropatias, dislipidemias, diabetes , disfunções respiratórias, etc), geraram o termo “obesidade mórbida”, que deve ser abandonado.

Operação Cesariana

  • Também denominada cesárea é uma técnica cirúrgica utilizada para retirar um feto de dentro do útero. Para a realização da operação, é feita uma incisão transversal ou longitudinal (solução mais rara) sobre a pele da gestante, acima da linha dos pelos púbicos. São sucessivamente abertos so tecidos na seguinte ordem: Epiderme (tecido eptelial, pavimentoso estratificado e quiretinizado),derme(tecido conjuntivo),hipoderme(tecido adiposo)e a aponeurose dos músculos reto abdominais, separados os músculos na linha média e abertos o peritônio parietal, o peritônio visceral e a parede uterina. O próximo tempo é a extração do feto, seguida da retirada da placenta e revisão da cavidade uterina. São então suturados os planos anteriormente incisados.

Apendicectomia

  • Apendicite aguda é a inflamação do apêndice cecal devido proliferação de bactérias no seu interior causando no paciente um quadro de infecção. O apêndice é uma estrutura tubular de fundo cego, de mais ou menos seis centímetros, que se localiza na porção inicial do intestino grosso (ceco). Quando ocorre sua obstrução, acontece a crise de apendicite aguda. O tratamento da apendicite agudo é cirúrgico. A cirurgia consiste em retirar o apêndice.

Outros exemplos de cirurgias:

  • Adenoamigdalectomia

Cirurgia realizada para retirada da adenóide e das amígdalas palatinas.

  • Adenoidectomia Cirurgia realizada para a retirada da adenóide.

  • Amigdalectomia Essa cirurgia é realizada no tratamento da amigdalite de repetição, nela as amígdalas são retiradas.

  • Cirurgia endoscópia nasosinual

  • Estapedectomia É realizada no tratamento da Otosclerose que provoca a fixação (endurecimento) do estribo (osso localizado na orelha média). Durante a cirurgia é feita a substituição do estribo prejudicado por uma prótese com formato aproximado.

  • Implante Coclear Trata-se de uma cirurgia onde é implantado um eletrodo, um "chip" próximo ao nervo auditivo, para recuperação da audição em casos de surdez total bilateral.

Microcirurgia de Laringe Cirurgia realizada para retirar os pólipos, nódulos (calos) nas cordas vocais.

  • Microcirurgia de Laringe Cirurgia realizada para retirar os pólipos, nódulos (calos) nas cordas vocais.

  • Polipectomia Cirurgia realizada para retirar os pólipos nasais.

  • Redução de fratura nasal Este procedimento cirúrgico é indicado para correção de problemas estéticos e funcionais desencadeados por uma fratura nasal.

  • Septoplastia Consiste no alinhamento e/ou centralização do septo nasal através da ressecção (retirada) da cartilagem e osso desalinhados ou em excesso.

  • Timpanomastóidectomia Essa cirurgia é realizada para tratamento do Colesteatoma impedido seu crescimento.

  • Timpanoplastia Essa cirurgia é realizada para reconstruir a membrana timpânica perfurada. Essa perfuração acontece principalmente quando a pessoa apresenta Otite média repetidas vezes e porque algumas das infecções não foram tratadas corretamente.

Timpanotomia (para colocação de tubo de ventilação) É realizada quando a pessoa apresenta Otite média serosa, que provoca o acúmulo de secreção dentro da orelha média. A cirurgia consiste na colocação de um tubo de ventilação (uma prótese em formato de tubo que liga a orelha média à externa) permitindo o equilíbrio das pressões dentro e fora da orelha média. Essa cirurgia é realizada principalmente em crianças, por apresentarem Otites médias freqüentes.

  • Timpanotomia (para colocação de tubo de ventilação) É realizada quando a pessoa apresenta Otite média serosa, que provoca o acúmulo de secreção dentro da orelha média. A cirurgia consiste na colocação de um tubo de ventilação (uma prótese em formato de tubo que liga a orelha média à externa) permitindo o equilíbrio das pressões dentro e fora da orelha média. Essa cirurgia é realizada principalmente em crianças, por apresentarem Otites médias freqüentes.

  • Turbinectomia Reduz o volume excessivo dos cornetos nasais.

  • Úvulopalatofaringoplastia Cirurgia realizada para tratamento de roncos e apnéia do sono (curtas paradas respiratórias).

Elaborabores*

  • Thicya Luz Lopes

  • Mariana Almeida

  • Carlos Uriel

  • Jacy

  • Liviane

  • Joaline

Comentários