IMPACTO DAS TICS NA EDUCACAO EM MOCAMBIQUE

IMPACTO DAS TICS NA EDUCACAO EM MOCAMBIQUE

O Impacto das Tecnologias de Informação & Comunicação na Educação em Moçambique

Osvaldo Francisco de carvalho Choé, natural da cidade de Quelimane província da Zambézia, nacionalidade Moçambicana. Tem formações em Elaboração, gestão avaliação e monitoria de projectos de Desenvolvimento, associativismo juvenil, Hiv-sida. Licenciado em ciências Militares pela Academia Militar Marechal Samora Machel, Mestrando no curso Educação/formação de formadores na Universidade Pedagógica Delegação da Beira. Actualmente é oficial das Forças Armadas de Defesa de Moçambique.

O Impacto das Tecnologias de Informação & Comunicação na Educação em Moçambique”

Resumo

Neste artigo, o autor defende que com a implementação das tecnologias de informação e comunicação (Tic) na educação em particular no ensino, haver uma democratização no ensino evoluindo desta forma as metodologias de ensino, fazendo do estudante o elemento activo e efectivo na aprendizagem. As Tecnologias de Informação e Comunicação não são apenas simples instrumentos que possibilitam a emissão, recepção de informações ou conteúdo como se tem dito nos bastidores, mas sim que contribui positivamente para mudanças cognitivas do indivíduo e a organização da educação e da escola. O autor neste artigo descreve e analisa o impacto das tecnologias de informação e comunicação na Educação particularizando no processo de ensino e aprendizagem. Com este objectivo, o autor aborda conceitos e práticas de forma a apoiar a educação, a escola, os professores assim como os estudantes a desenvolverem trabalhos com recurso as tecnologias de informação e comunicação disponíveis.

PALAVRAS-CHAVE: Tic, computadores, Processo de Ensino-Aprendizagem,

  1. Introdução

A implementação das tecnologias de informação e comunicação (Tic) na educação vai causar sempre mudanças no meio das escolas assim como no processo de ensino e aprendizagem, uma vez que esta introduzida pode gerar inovação nas metodologias de ensino e de pesquisas, sem alterar o funcionamento normal da escola ou reduzir o quadro do pessoal. Quando se esta perante uma inovação ou mesmo algo que gera inovações vai sempre se esperar alguma mudança e essa mudança vai trazer resultados positivos ou negativos, caso contrario não se investiria na tal inovação, neste caso referimos das Tic nas escolas que para sua implementação custa valores monetários muito elevados. Com este pensamento pretende-se neste artigo analisar o impacto das tecnologias de informação e comunicação na Educação particularizando no processo de ensino e aprendizagem.

Considerando a amplitude do impacto das tecnologias de informação e comunicação na educação é possível imaginar a enorme abrangência de seu impacto quer na área administrativa da escola assim como a pedagógica. Segundo Gonçalves (1994:66), Os impactos das tecnologias sobre as competências e características das empresas podem ser classificadas em duas dimensões: a dos conceitos principais da empresa e a da ligação entre esses conceitos e os componentes dos serviços prestados.

Seguindo o raciocínio do Gonçalves, as tecnologias de informação e comunicação podem ser fundamentais e importante no PEA e na área administrativa, uma vez que todas inovações fundamentais têm vasto impacto sobre o sistema produtivo neste caso será impacto sobre a melhoria dos métodos de ensino, pesquisa assim como a formação do indivíduo.

O artigo apresentado faz uma reflexão a partir de estudos e publicações relativas ao Impacto das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação em Moçambique. Onde primeiro lugar, o artigo situa o tema e analisa alguns aspecto introdutórios. A seguir, discute o tema no campo da educação particularizando nos subsistemas de educação. Para se alcançar o pretendido no artigo foi feito um levantamento bibliográfico, aplicou-se entrevistas a um grupinho de alunos da Escola Secundária Eduardo Mondlane em Quelimane e observação direita como métodos de recolha de informações.

  1. As Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação

A utilização das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação, vai contribuir para promoção de uma aprendizagem mais profunda e significativa, favorecendo uma abordagem mais indutiva e experimental de certos assuntos práticos, como por exemplo as aplicações das Tic na sala de aulas e em algumas disciplinas.

As Tic podem apoiar nas novas abordagens pedagógicas dando maior importância à iniciativa do estudante e ao trabalho em grupo, fazendo com que o papel do professor seja de um moderador com conhecimentos necessário para dirigir e a animar grupos de estudantes, assegurando o acompanhamento e a avaliação da aprendizagem de cada um (ensino centrado no aluno).

Meirinhos e Osório (2011:50), dizem que um dos aspectos a destacar na integração das TICs e da implementação das redes nos sistemas de aprendizagem e de administração é o alargamento do espaço e do tempo das possibilidades de interacção e trabalho entre todos os intervenientes educativos.

As redes de comunicação social, referenciadas por estes dois autores vão influenciar na criação de mais espaços em curto tempo, espaços esses que vão facultar aos estudantes outros conhecimentos, outras metodologias de estudo, uma vez que este pode interagir com estudantes de diferentes partes do mundo, não só também podem interagir com os professores usuários das redes criando espaço para um ensino centrado no estudante por que durante a aula não foi possível devido não a insuficiência de tempo, muitos estudantes para poucos meios.

    1. Impacto das tecnologias de Informação e comunicação na educação

A informática é uma das várias tecnologias de informação e comunicação que tem um impacto muito acentuado no processo de ensino e aprendizagem, que para além da sua abrangência e utilização esta é muito difundida em diferentes ambientes de trabalho, hoje em dia todo sector usa esse meio para dinamizar o trabalho.

O fortalecimento da preocupação com as informações, que, ao serem mais facilmente utilizadas como a informática, origina uma sequência de alterações no processo educacional, inclusive ao nível da relação entre a área pedagógica e administrativa.

Neste contexto a informática é aplicada na elaboração dos planos curriculares, aulas, fonte de pesquisa, criação de base de dados sobre os funcionários de educação. Relativamente ao impacto directo no processo de ensino aprendizagem facilita o docente assim como o estudante a interagir com o mundo, fazendo com que estes estejam informados e capazes de discutir assuntos relevantes da actualidade e fazer avaliações dos assuntos através da informática.

A educação como uma organização pode também usar a informática nos escritórios como anteriormente foi referenciado, uma vez que o escritório é o lugar da planificação e deve ter técnicas desenvolvidas para criar um ambiente de produção de ferramentas aceitável para análise do desenvolvimento do processo de ensino-aprendizagem e proporcionar mudanças de formas de trabalho tradicional para as novas, transformando rapidamente a maneira como se trabalha, se relaciona e aprende-se, desafiando costumes, valores e conceitos adquiridos pelas TICs.

A informática é tão importante quase em todos sistemas de ensino em Moçambique, as pesquisas são explorados e concebidos graças a introdução da tecnologia de informação e comunicação na educação em particulares nos estabelecimentos de ensino, onde a informática é o meio mais abrangente.

McLuhan (1977) citado por Guimarães (2005:129), as novas tecnologias de informação e comunicação funcionam como ferramentas que prolongam no mundo social um ou mais dos nossos sentidos, criando desta forma novas relações entre os sentidos.

Aqui esse prolongamento dos sentidos referenciados pelo McLuhan estão ligados a disposição dos vários métodos de ensino que as novas tecnologias nos proporcionam, exemplos disso hoje as pessoas podem se formar onde elas quiserem sem que estas se deslocam, uma vez que as novas tecnologias atraem e modificam o processo de como o conhecimento é produzido e transmitido, fazendo com que esta aprendizagem seja contínua, produza uma valorização pessoal dos conhecimentos e competências.

As tecnologias de informação e comunicação vem impulsionar o ensino a distância reduzindo os custos de coordenação e transacção dos pagamentos das taxas de inscrição e mensalidades, permitindo que pessoas de diferentes partes do mundo estudem em conjunto e em tempo real, superando os limites naturais impostos pela distância geográfica, isto é, hoje é possível moçambicanos se formarem em Portugal, Brasil estando em Moçambique.

"A formação tecnológica, deve ser incluída numa formação geral e aberta do homem, que o capacite na aquisição de uma consciência crítica e prospectiva, descobrindo possibilidades e riscos que comporta um desmesurado procedimento tecnológico." Rivilla (1989:18).

Daí que a introdução das tecnologias de informação e comunicação na educação surge como necessidade de preparar as pessoas para lidar com as novas tecnologias que a sociedade hoje em dia esta sujeita a chamada sociedade tecnológica.

Os impactos das tecnologias de informação e comunicação na educação em Moçambique, duma forma analítica tem grandes feitos, mais na prática esses feitos ou impactos não são visíveis, devido a vários factores que todos esses factores desaguam no desinteresse das massas pensantes assim como da conjuntura política do país. Os níveis de uso das tecnologias de informação e comunicação nas escolas, são extremamente baixos até ao ponto de que não podem equiparar-se ao que os próprios estudantes desenvolvem fora da escolar.

As razões das dificuldades que a educação enfrenta que contribuem para a fraca implementação das tecnologias de informação e comunicação ou o desligamento da escola do mundo moderno das tecnologias, podiam muito bem ser ultrapassadas dando atenção a educação, como um local, espaço onde se busca, actualiza-se, se forma o individuo.

Secundando Rodrigues (2006:3): a escola é local onde as TICs devem ser operacionalizadas, devendo para tal apresenta-se como base do domínio da produção e disseminação das novas práticas das TICs no ensino, fazendo com que as entidades de tutela estejam atentos aos sinais claros das transformações pelas quais a sociedade está passando e evolucionado as mesmas, formando indivíduos com um domínio das TICs.

Face a este propósito a educação em Moçambique não pode limitar-se ao espaço físico dos estabelecimentos de ensino mais sim deve proporcionar um espaço de respostas, aberto e sujeito às influências do ambiente tecnológico que o mundo assiste nos nossos dias, criando condições de aquisição destas tecnologias de informação e comunicação.

O computador ligados a internet também fazem parte das tecnologias de informação e comunicação, e tem um grande contributo na educação e em particular nos estabelecimentos de ensino onde são vistos como instrumentos de grande potencial para desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem, que permite que os estudantes desenvolvam o seu trabalho de análise e selecção da matéria pesquisada, produza mensagens, auto-imagem e aprenda pesquisando. Esta maneira de estudar privilegia as interacções com os materiais disponíveis na internet.

É sustentada pelas competências das tecnologias de informação e comunicação na educação, o uso do computador para recuperar, avaliar, armazenar, produzir, apresentar e trocar informação, comunicar e participar em redes de cooperação via Internet.

Na maioria dos estabelecimentos de ensino tutelados pelo Ministério de Educação em Moçambique não se desenvolvem experiências suficiente que possibilitam o manuseamento, exploração, criação de estratégias e modelos para a utilização das tecnologias da informação e comunicação na sala de aula ou uso das mesmas fora da escola, devido a insuficiências dos meios, professores não qualificados ou capacitados em meterias das tecnologias, também as salas numerosas em função dos computadores, exemplo uma escola estas para uma sala de informática como um número de 20 a 30 computares, como mostra a figura abaixo.

Figura1: Sala de informática da Escola Secundaria Eduardo Mondlane- Quelimane

Fonte: autor 2013.

Nestas condições, nem todos os alunos terão a oportunidade de se encontrem com o computador, uma vez que são muitos e como a imagem diz por si são poucos computadores, dai que a escola faz desta sala um museu, lugar de visitas só para dizer que as tics estão a ser implementadas. Segundo alguns alunos entrevistados pelo autor deste artigo estes foram unânimes em afirma que existe no horário aulas de tic e só tem teoria e para entrar na sala de informática não é fácil só entram professores.

Os professores mostram-se inseguros ao falar das tecnologias de informação e comunicação nas práticas pedagógicas, havendo duas razões fundamentais para o explicar: falta de formação das tic e sua relação com a prática pedagógica.

Torres (1990:130), diz que não basta colocar o computador na escola, há que encontrar um lugar no currículo escolar e integrá-lo de maneira criativa e pedagógica na actividade escolar.

Essa forma de pensar do Torres é uma realidade vivida na educação em Moçambique, foi introduzida a as tecnologias de informação e comunicação nas escolas a quatro anos atrás, mais não se proporcionou meios nem a formação do professor para leccionar as aulas das tic, em suma o mesmo professor não dispõe de habilidades para o uso de materiais de forte carácter inovador, o que provoca desconfiança a ele próprio, excepto um e outro professor que adquiriu conhecimentos fora da formação, mais mesmo assim este não sabe relacionar estas Tics com a prática pedagógica.

O campo de conhecimento sobre a aplicação dos meios das tecnologias de informação e Comunicação no ensino, deve começar a ser ensinado na formação de professores em todos níveis para que estes estejam encaixados à educação profissional com o mundo em mudança em que se vive actualmente e que deve ser aprendida por estes para a adequação dos meios das tic, envolvendo, os processos educativos desenvolvidos pela escola na área das tics.

    1. Desenvolvimento das T ic no Ensino Secundário e Universitário em Moçambique

O Ensino das tecnologias de Informação e Comunicação (Tic) foi introduzido no Ensino Secundário em 2010, segundo o plano curricular do ensino secundário geral (PCSG). Para o efeito, são necessárias salas de aula adequadas, com energia eléctrica, mobiliário, computadores, estabilizadores de corrente eléctrica, impressoras, e material audiovisual. Os computadores deverão estar ligados a uma rede local e à Internet, de forma a assegurar que a disciplina seja convenientemente leccionada.

As TIC´s neste ciclo segundo o plano curricular de ensino secundário geral (PCESG:2007), serão usadas como meio de ensino na leccionação das diferentes disciplinas, esperando-se desta forma uma exploração dos recursos disponíveis pelas novas tecnologias que fazem parte do nosso dia-a-dia.

Ainda de acordo com o mesmo documento com a introdução das tic, estas vão encorajar aos alunos a fazerem o uso para resolver problemas, buscar e sistematizar informação, fazer experiências, entre outras actividades oferecidas pelos diferentes meios de comunicação e informação.

Ate ao nível do ensino secundário geral estas tecnologias de informação e comunicação vai contribuir para o desenvolvimento das habilidades dos alunos na aquisição e sistematização das informações por estes adquiridos.

No ensino superior as tecnologias de informação e tecnologia vão contribuir no domínio de conhecimentos básicos que tornem os estudantes aptos a compreensão e a seguirem o desenvolvimento tecnológico no domínio das Tecnologias de Informação e comunicação, dando mais enfoque no âmbito educação.

Os objectivos da introdução das Tecnologias de Informação e Comunicação na formação de professores são: motivar os professores a conviver com as novas tecnologias, fazer dos computadores um instrumento de trabalho, de investigação e de Comunicação1.

Depois do professor estar munido de conhecimentos relacionados com as tecnologias de informação e comunicação este estará capaz de permitir aos estudantes o domínio dos conceitos relacionados com a utilização dos computadores e Tecnologias de Informação e comunicação, contribuindo desta forma para a familiarização dos estudantes com os métodos de processamento automático da informação.

Estes aspectos ditos na prática, o domínio das tecnologias de informação e comunicação estaria padronizada e os estudantes teriam noções das importância e direcções em termos do uso, hoje em dia as tecnologias vivem connosco mais a sua aplicabilidade é duma forma desorganizada, exemplo os estudantes tem conhecimentos da existência, usam as tecnologias mais para que fins este estudante usam? Temos casos que um estudante sabe muito bem navegar, a cessar filmes, musicas, mais lhe ser difícil a cessar uma informação de carácter académica, baixar livros, seleccionar matéria ou coisas importantes para trabalhos da escola.

  1. Propostas de implementação das Tic nas escolas

Para se conseguir que as tecnologias de informação e comunicação alcancem os resultados traçados pelo Ministério de Educação e cultura para 2015 é preciso:

  • Para habilitar os professores com estas ferramentas necessárias, o ministério de educação deve definir o que é que os professores devem aprender, sobre as tecnologias de informação e comunicação, o que estes devem ter para poderem usar as TIC no processo ensino e aprendizagem.

  • Deve se introduzir na Formação de professores a área das tecnologias de informação e comunicação e digitais.

  • Equipar as escolas de meios e que estes meios estejam ligados a internet, construção de infra-estrutura adequadas para a montagem desse material informático.

  • As escolas Secundarias devem criar muitas parcerias com ONGs, que tem tido como responsabilidades sociais a educação, que esse apoio esteja virado mais no material informático, construção de salas de informática, formação de técnicos, como tem feito algumas operadoras de telefonias móveis sedeadas em Moçambique.

  • A introdução das tecnologias de informação e comunicação fosse também introduzido em todos subsistemas de educação.

  1. Como conclusão

Em forma de conclusão, o autor deste artigo destaca que com a introdução das tecnologias de informação e comunicação na educação, originou oportunidades para a promoção de actividades que levam os estudantes a encarar o mundo das tecnologias sem medo, porém para realizar esta actividade nem sempre foi fácil, razão esta que me leva a propor certas políticas para a mesma com vista a subsidiar o plano da implementação das tecnologias de informação e comunicação nas escolas.

Concluímos que a educação precisa de mas recursos humanos formados na área das tecnologias de informação e comunicação, material informático e infra-estruturas adequadas aos meios informáticos.

Concluímos também que os estudantes já nascem nativos digitais equiparados aos indivíduos dos pontos do mundo, fazendo com que a educação elabore um novo modelo curricular.

Aliado aos assunto apresentado, procuramos neste artigo dar uma direcção mais prática as entidades envolvidas e empolgados pelo cativante mundo das tecnologias e pela disponibilidade de recursos por eles oferecidos a envidar mais um pouco de esforço e coragem.

Referências

GONÇALVES, José Ernesto L. A., GOMES,Cecília A. A tecnologia e a realização do trabalho,

RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 33, n. 1 São Paulo, 1994.

FERNANDES, J., Alves, P. & VISEU, F. Tecnologias de Informação e Comunicação no Currículo de Matemática do Ensino Secundário após a Reforma Curricular de 1986. Universidade do Minho. Portugal. 2006.

MEIRINHOS, M. e OSÓRIO, A. O advento das TICs na escola como organização que aprende: a relevância. (acesso em 21 Maio de 2013). Disponível em: http://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/6182/1/IETICID_67.pdf. 2011.

INDE Plano Curricular do Ensino Secundário Geral, Documento Orientador, Maputo, Fevereiro,

2007

INDE, Plano Estratégico da Educação e Cultura, Aprovado pela 14ª Sessão Ordinária do Conselho

de Ministros, Maputo, Junho 2006.

Plano Curricular do Curso de Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos com Habilitação em Higiene e segurança no Trabalho, Maputo. 2009

Plano Curricular do Ensino Secundário Geral, Documento Orientador, Maputo, Fevereiro,

2007

Plano Estratégico da Educação e Cultura, Aprovado pela 14ª Sessão Ordinária do Conselho

de Ministros, Maputo, Junho 2006.

GUIMARÃES A. S.Novas Tecnologias de Informação e Comunicação

e a Comunicação Organizacional: impactos e mudanças. Revista comunicação e estratégia. São Paulo, v2, n3. 2005

1 Plano Curricular do Curso de Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos com Habilitação em Higiene e segurança no Trabalho, Maputo. 2009

Comentários