Logística Magazine Luiza

Logística Magazine Luiza

As empresas brasileiras enfrentam bastantes dificuldades com a logística por questões de precariedade nas estradas, decadências nos portos e caos na viação. Perante a estes fatos e na tentativa de minimizar custos, manter qualidade e satisfação dos seus clientes, as organizações tentam suprir as suas necessidades usando estratégias de planejamento, controle e eficiência e eficácia dos serviços prestados. Foi pensando nestas questões que escolhemos a empresa Magazine Luiza para relatar as estratégias adotadas para se manter no mercado e ser uma organização de sucesso e com uma carteira de muitos clientes. Uma empresa familiar que leva o nome da dona. Foi assim que o Magazine Luiza consolidou um posicionamento de destaque no mercado nacional. Durante os seus 50 anos, a rede já festejou muitas conquistas até se tornar a terceira maior do varejo brasileiro. A história da rede, que desde 1992 atua sem nenhum prejuízo, e foi a pioneira na abertura das chamadas lojas virtuais e é conhecida nacionalmente por campanhas promocionais que levam multidões às suas lojas. O segredo do sucesso da empresa é profissionalismo, velocidade, qualidade e agilidade, tendo o cliente como centro do negócio e nunca perdendo de vista a responsabilidade social. Com destaque nas estruturas utilizadas na estratégia de estocagem, usando-se das vantagens da verticalização e a importância de um bom projeto de armazenagem, utiliza de porta paletes(montantes de 2,10m x 9,10m), racks empilháveis, estanterias para produtos menores e blocados de linha branca nos itens de maior giro. A opção de fornecedor de estruturas porta paletes e estanterias foi a Mecalux, que apresentou melhor custo-benefício em relação às concorrentes. A principal vantagem da verticalização está na otimização do espaço aéreo disponível, atendendo às necessidades da empresa, focando otimização do espaço, produtividade e possibilita flexibilidade para as sazonalidades de demanda. Sobre as estratégias de localização, a empresa conclui seu processo de entrada de capital paulista com a compra da Kolumbus e a finalização de seu centro de distribuição em Louveria, já de olho em outras praças com intuito de aumentar a participação em outros estados para atender todo mercado varejista. Foi inaugurado um centro em Duque de Caxias com o objetivo de abastecer suas unidades no Rio de Janeiro, na região leste de Minas Gerais e no Espírito Santo. O centro de Louveira do Magazine Luiza apresenta uma infra-estrutura para entrar de maneira eficiente no mercado paulistano, atendendo as necessidades de redimensionamento da malha logística, dando suporte à cidade de São Paulo, que reúne o maior número de clientes do site. A rodovia Bandeirante foi escolhida pela ótima localização geográfica em relação às diversas filiais da rede, pela proximidade com nossos fornecedores. É utilizada como estratégia de transporte a terceirização do serviço, contando com aproximadamente 1200 veículos, mas a logística da rede é própria. Foram escolhidas transportadoras que conhecem a região onde vão atuar e sabem como trabalhar com cargas fracionadas para caminhões menores, em virtude das regras de transito. Além disso, o Magazine utiliza o courier para entregas. Foi observado que a empresa preocupa-se na satisfação e no bem estar dos seus clientes e tenta usar de estratégias de infra-estrutura, tecnologia, segurança para atender as necessidades dos mesmos.

O Magazine Luiza, terceira maior rede de eletroeletrônicos do País, concluiu seu processo de entrada na capital paulista com a compra da Kolumbus e a finalização de seu centro de distribuição (CD), em Louveria, e já está de olho em outras praças. Segundo fontes de mercado, os executivos comandados por Luiza Helena Trajano têm mantido conversas com lojistas do Espírito Santo, para entender o mercado da região. Essa estratégia estaria de acordo com a tendência do mercado varejista, que tem buscado aumentar a participação no estado, como fez a Casas Bahia, líder no varejo de móveis e eletros, que anunciou a abertura de nove lojas em dezembro. Já pensando nessa expansão, em junho deste ano, a rede inaugurou um centro em Duque de Caxias (RJ) com objetivo de abastecer suas unidades no Rio de Janeiro, na região leste de Minas Gerais e no Espírito Santo. Investimentos significativos em diversos segmentos - como ampliação das instalações da Petrobras, ampliação portuária e novos projetos no setor de siderurgia - são o que tem colocado os holofotes sobre o estado capixaba que, por conseqüência, tem atraído a atenção dos varejistas. O investimento para o centro de Louveira do Magazine Luiza foi de R$ 57 milhões. O empreendimento possui 280 mil metros quadrados de área total, e 62 mil m² de área construída. O complexo foi erguido em sete meses. "Com a inauguração do CD, temos toda a infra-estrutura para entrar de maneira eficiente no mercado paulistano", afirma Frederico Trajano, diretor de Marketing e Vendas. Segundo ele, o centro de distribuição Bandeirantes surgiu da necessidade de redimensionamento da malha logística e vai atender ao plano de expansão do empresa, além de dar suporte à cidade de São Paulo, que reúne o maior número de clientes do site. "Este CD também vai atender às cidades do sul de Minas Gerais, do litoral paulista e das regiões de Campinas, Sorocaba e Vale do Paraíba. Sua concepção foi baseada em modernos sistemas de logística. Inicialmente, o centro contemplará 45 mil posições paletes, mas sua capacidade total é de 70 mil posições", diz o diretor de logística do Magazine Luiza, Carlos Gomes. "Escolhemos a Rodovia Bandeirantes pela ótima localização geográfica em relação às diversas filiais da rede, pela proximidade com nossos fornecedores e também já nos preparando para a nossa entrada na capital paulista em 2008", conclui. Além deste Centro de Distribuição, a empresa possui mais cinco unidades, localizadas em Ribeirão Preto (SP), Ibiporã (PR), Caxias do Sul (RS), Navegantes (SC) e Contagem (MG).

Em praticamente todos os tipos de mídia, inclusive na TV Minuto – no Metrô -, foi divulgada a chegada da rede de varejo Magazine Luiza a São Paulo, abrindo 50 lojas de uma só vez. Estratégias de marketing à parte, quais foram as adequações logísticas realizadas pela rede para atender a este volume de lojas? Na verdade, tudo foi muito bem planejado, pois, em 2007, o Magazine Luiza inaugurou o Centro de Distribuição Bandeirantes, em Louveira, SP, já pensando nessa expansão. Na época da inauguração do CD, havia infra-estrutura para 45.0 posições palete, agora, para atender as novas lojas, evoluiu para 60.0, e tem capacidade para 70.0 posições. Sua área é de 5.0 m2 e, ainda, estão disponíveis 20.0 m2 para ampliação. “Nossa capacidade atual atende as novas lojas e a demanda das festas de final de ano, mas como pelo Projeto SP a intenção é chegar a 100 lojas no Estado até 2010, será necessária a ampliação do CD, já preparado para isso”, conta Décio Sonohara, diretor de tecnologia do Magazine Luiza. O projeto completo, de 100 lojas em São Paulo até 2010, exigiu investimentos de R$ 150 milhões, oriundos da própria empresa e de financiamentos, como com o BNDES. Os recursos foram mais aplicados na área de tecnologia. “Nós aumentamos nossas estruturas de rack e a volumetria do CD Bandeirantes, consolidamos a tecnologia pick-by-voice e automatizamos a expedição com esteiras, mais que dobrando a capacidade de expedição”, revela. Com a automação, o giro das mercadorias garante a otimização do espaço. A logística da rede é própria, mas o transporte é terceirizado, contando com aproximadamente 1.200 veículos. “Para São Paulo, incrementamos 120 novos veículos, com parceiros preparados para rápida resposta em caso do volume inaugural exigir maior estrutura”, acrescenta Sonohara. Ele conta que foram escolhidas transportadoras que conhecem a região onde vão atuar e sabem como trabalhar com cargas fracionadas para caminhões menores, em virtude das regras de trânsito em São Paulo. Além disso, o Magazine Luiza também utiliza o courier para entregas. “Experiência originada do e-commerce e que aproveitaremos para as 50 novas lojas”, declara. O CD Bandeirantes, que atende as cidades do sul de Minas Gerais, do litoral paulista e das regiões de Campinas, Sorocaba e Vale do Paraíba, além de São Paulo, é o maior e o mais moderno da rede, contando com 81 docas, 132.0 m3 de armazenagem, 1.0 posições de racks, 18 empilhadeiras elétricas, 32 transpaleteiras elétricas e 40 hidráulicas. Em tecnologia, além do pick-by-voice, evoluíram os sistemas de WMS, RFID, TMS e EDI. A rede varejista possui mais cinco CDs. Para terminar, mais uma novidade do Magazine Luiza: Regina Krzyzanowski Lemgruber é a nova diretora de logística da rede.

Revelando as vantagens da verticalização e a importância de um bom projeto de armazenagem, as empresas mostram que tipos de estruturas utilizam e que produtos estocam. Como os sistemas de armazenagem foram destaque da última edição da revista Logweb, nesta apresentamos outras soluções de grandes empresas usuárias que se beneficiam destes sistemas. Uma delas é a rede varejista Magazine Luiza. No Magazine Luiza, são utilizadas estruturas porta¬ pale¬tes (montantes de 2,10 m x 9,10 m), racks empilháveis, estanterias para produtos menores e blocados de linha branca nos itens de maior giro, conta o gerente de Planejamento do Centro de Distribuição, Carlos Antônio de Almeida. “Temos, hoje, mais de 1.0 SKUs armazenados no CD Bandeirantes, em Louveira, SP, com grande diversidade de produtos divididos em linhas como eletropesado, móveis, brinquedos, som, imagem, telefonia e presentes, além de linha exclusiva para atendimento às vendas da internet. Além do Bandeirantes, a empresa tem CDs localizados em Ribeirão Preto, SP, Ibiporã, PR, Caxias do Sul, RS, Navegantes, SC, e Contagem, MG". A opção de fornecedor de estruturas porta paletes e estanterias foi a Mecalux, que, segundo Almeida, apresentou melhor custo-benefício em relação às concorrentes. Vantagens Para Almeida, do Magazine Luiza, a principal vantagem da verticalização está na otimização do espaço aéreo disponível, tanto nos blocados quanto nos porta paletes, sendo que no último ainda se tem a facilidade na organização e possibilidades de endereçamento de itens diversificados. “Um bom projeto de armazenagem é importante por atender às necessidades do negócio da empresa, focar otimização dos espaços, produtividade e possibilitar flexibilidade para as sazonalidades de demanda”, salienta o profissional.

O principal Centro de Distribuição do Magazine Luiza está localizado em Louveira-SP, com mais de 1.0 SKUs armazenados na Rodovia dos Bandeirantes. Outros Centros de Distribuição estão localizados nas seguintes cidades: a empresa tem CDs localizados em Ribeirão Preto-SP, Ibiporã-PR, Caxias do Sul-RS, Navegantes-SC e Contagem-MG. Seguindo os critérios adotados de comprometimento com a cidadania e o meio ambiente, o novo Centro de Distribuição (CD Bandeirantes), que foi erguido pela construtora WTorre, atende a vários requisitos de sustentabilidade ambiental, como tratamento de esgoto, reaproveitamento de água para irrigação, plantio de 10 mil árvores e retorno de material reciclável, como plástico, papelão e isopor. - Utilizam estruturas porta paletes (montantes de 2,10 m x 9,10 m), racks empilháveis, estanterias para produtos menores e blocados de linha branca nos itens de maior giro; - Grande diversidade de produtos divididos em linhas como eletropesado, móveis, brinquedos, som, imagem, telefonia e presentes, além de linha exclusiva para atendimento às vendas da internet. - Utilizam sistema de armazenagem dos produtos em formato de verticalização. A principal vantagem da verticalização está na otimização do espaço aéreo disponível, tanto nos blocados quanto nos porta paletes, sendo que no último ainda se tem a facilidade na organização e possibilidades de endereçamento de itens diversificados. Focam a otimização dos espaços, produtividade e possibilidade de flexibilidade para as sazonalidades de demanda; - Investimento em infraestrutura em ampliação dos seus Centros de Distribuição, tornando-os mais modernos e otimizados em termos de espaço físico com possibilidade de ampliação, principalmente por estarem localizados em cidades próximas aos seus fornecedores e suas lojas filiais. - Investimentos em tecnologia, utilizam estruturas de rack e a volumetria do CD Bandeirantes, foi consolidada com a tecnologia pick-by-voice e automatizaram a expedição com esteiras, mais que dobrando a capacidade de expedição. Com a automação, o giro das mercadorias garante a otimização do espaço.

Em Minas Gerais deveria ter pelo menos mais um Centro de Distribuição. O que está construído em Louveira-SP atende o sul de Minas, possibilitando um atraso maior na entrega de mercadorias em algumas cidades do estado de Minas Gerais. Pelo fato também das rodovias neste estado em sua maioria serem federais e não serem duplicadas, possibilitando uma demora na entrega. Visto que hoje em dia a demanda aumenta cada vez mais, principalmente com relação a vendas pela internet. Como se sabe no Brasil o transporte principal é o rodoviário, mas a malha rodoviária é insuficiente pela alta demanda de entrega de produtos, além de ter rodovias em péssimas condições de uso, então esse problema é para qualquer empresa e não só do Magazine Luiza, por isso é apontado como único aspecto negativo em transportes de mercadorias.

Comentários