musica parte 1 - apostila de teoria musical oficial ccb

musica parte 1 - apostila de teoria musical oficial ccb

(Parte 1 de 3)

Noções Elementares de Teoria Musical (com exercícios)

Aplicação de Teoria Musical ao Solfejo (Bona)

Aplicação de Solfejo (Bona) ao Hinário

Nome: _ Comum Congregação: _

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Página: 2

Versão: 1

Prefácio

Com o objetivo de facilitar a aprendizagem nos grupos de estudos musicais da Congregação Cristã no Brasil, o Senhor tem preparado o presente trabalho que consiste de noções básicas de teoria, solfejo e divisão musical.

Este trabalho permite o aprendizado progressivo, pois é constituído de módulos seqüenciais cuja totalização permitirá ao candidato adquirir conhecimentos sólidos de teoria, solfejo e divisão musical para aplicação nas lições dos métodos musicais de cada instrumento e, principalmente, ao hinário da Congregação.

Os exercícios constantes de cada módulo permitirão ao próprio candidato a auto análise do seu aprendizado.

Ao progredir nos módulos, o candidato avaliará sua situação em relação ao Programa Mínimo exigido para teoria e solfejo para ingresso nas Reuniões de Jovens e Menores, Cultos Oficiais e Oficialização.

Estando todo trabalho digitalizado, sua distribuição poderá ser feita através da rede mundial de computadores (Internet), através da gravação em discos compactos (CD) ou impresso, por módulo ou na sua totalidade, através de impressoras, copiadoras ou gráficas.

Ao nosso Deus, digno de todo louvor perfeito, através dos nossos instrumentos e de nossos lábios, sejam dados honra, louvor e glória eternamente. Amém.

São Paulo – Maio/2006

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Página: 3

Versão: 1

1º MÓDULO5
S OM5
M ÚSICA5
PENTAGRAMA OU PAUTA6
LINHAS E ESPAÇOS SUPLEMENTARES6
NOTAS6
CLAVES7
2º MÓDULO10
FIGURAS DAS NOTAS E PAUSAS10
DIVISÃO PROPORCIONAL DOS VALORES – QUADRO COMPARATIVO10
CO MPASSOS15
BA RRAS DE COMPASSO15
FÓRMULAS DE COMPASSO15
SOLFEJO16
Bona: 1,216
3º MÓDULO17
INTERVALOS17
Bona: 6, 9, 12,15, 18, 21, 24, 27, 30, 318
Bona: 3,7, 10, 13, 16, 19, 2, 25, 28, 31, 3420
SOLFEJAR O HINO 121
4º MÓDULO2
Bona: 4, 8, 1, 14, 17, 20, 23, 26, 29, 32, 35, 362
Bona: 3723
Bona 38, 39, 4123
SOLFEJAR O HINO 41624
5º MÓDULO25
ACENTUAÇÃO MÉTRICA DOS COMPASSOS25
CONTRATEMPO26
Bona: 4026
RÍTMOS27
Bona: 42, 43, 4, 4527
LIGADURA28
Bona: 5929
6º MÓDULO30
PONTO DE AUMENTO30
PONTO DE DIMINUIÇÃO30
Bona: 53, 543
SOLFEJAR OS HINOS: 7, 1173
Bona: 53
SOLFEJAR OS HINOS: 15, 27, 409, 4353
Bona: 563
SOLFEJAR OS HINOS: 417, 437, 447, 448, 4503
Bona: 573
SOLFEJAR O HINO 2083
Bona: 58, 6034
SOLFEJAR OS HINOS: 401, 418, 44634
7º MÓDULO35
SÍNCOPA35
Bona: 61, 62, 6336
SOLFEJAR OS HINOS: 408, 428, 42936
Bona, 64, 65, 637
8º MÓDULO38
ACIDENTES / SINAIS DE ALTERAÇÃO38
TOM E SEMITOM39
Bona: 5, 46, 4742
SOLFEJAR O HINO: 9343
Bona: 48, 49, 50, 51, 5243
Bona: 67, 68, 69, 70, 71, 72, 73, 744

ÍNDICE EXERCÍCIOS PARA CLAVE DE FÁ.................................................................................................... .............................. 45

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Página: 4

Versão: 1

9º MÓDULO46
ANDAMENTO E DINÂMICA46
Bona: 7548
QUIÁLTERAS49
Bona: 7651
SOLFEJAR O HINO 212 e 42251
10º MÓDULO52
COMPASSOS SIMPLES52
Bona: 79, 8060
SOLFEJAR OS HINOS 411 E 42460
Bona: 83, 8461
SOLFEJAR OS HINOS: 87, 90, 365, 373, 42361
Bona: 7, 7862
SOLFEJAR OS HINOS: 240, 263, 266, 395, 44163
Bona: 81, 8263
SOLFEJAR O HINO 24464
11º MÓDULO65
COMPASSOS COMPOSTOS65
Bona: 85, 8670
SOLFEJAR OS HINOS: 410, 433, 438, 442, 443, 4, 44970
12º MÓDULO71
COMPASSOS CORRESPONDENTES71
SINAIS DE MOVIMENTO E REPETIÇÃO73
Bona: 87, 874
SOLFEJAR OS HINOS: 45, 92, 157, 238, 249, 33274
13º MÓDULO75
ESCALAS DIATÔNICAS DE MODO MAIOR75
Bona: 89, 9080
SOLFEJAR OS HINOS: 74, 79, 25680
14º MÓDULO81
ESCALAS DIATÔNICAS DE MODO MENOR81
Bona: 91, 9284
SOLFEJAR O HINO 39485
15º MÓDULO86
ESCALAS HOMÔNIMAS86
ESCALAS ENARMÔNICAS86
ESCALAS CROMÁTICAS86
Bona: 93, 94, 958
SOLFEJAR OS HINOS: 80, 125, 135, 156, 212, 251, 326, 35390
16º MÓDULO91
TONALIDADES91
ORNAMENTOS92
TRANSPOSIÇÃO93
Bona: 96, 97, 9897
SOLFEJAR OS HINOS: 41, 228, 276, 378100

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 1

Versão: 2

6RP é tudo o que impressiona os órgãos auditivos, resulta do choque de dois corpos. O nosso ouvido percebe duas espécies de sons: musicais e não musicais.

O som musical é resultado de vibrações sonoras regulares, é uniforme e pode ser grafado. O som não musical, ou som indeterminado, é o ruído, resulta de vibrações sonoras irregulares, não podemos grafá-lo.

Na prática musical o som assume quatro propriedades (todas independentes entre si), a saber: $OWXUD – é o grau de entoação, dividindo um som em: graves, médios e agudos. ’XUDomR – É o tempo de produção do som, ou seja, o tempo que se prolonga o som.

,QWHQVLGDGH – É a propriedade do som ser mais forte ou mais fraco. Intensidade é o volume do som.

7LPEUH – É a qualidade do som ou atributo especial de cada som, pelo qual distinguimos a sua origem, que pode ser a voz humana ou sons de instrumentos.

Questionário: 1- O que é som? 2- Quais espécies de som percebe o nosso ouvido? 3- Quantas e quais são as propriedades do som? 4- Defina as propriedades do som. 5- Dê três exemplos de sons que você percebe diariamente. 6- Dê um exemplo de som musical e um exemplo de ruído. 7- Você consegue imitar algum timbre de som? 8- Qual o som de maior duração que você já ouviu? E o de menor duração?

0HORGLD – É a combinação de sons sucessivos, ou seja, um após o outro. +DUPRQLD – É a combinação de sons simultâneos (dados de uma só vez).

5LWPR – É a combinação dos valores, é a ordem a que obedecem os sons no discurso musical, regulados pela maior ou menor duração.

À escrita da música dá-se o nome de: NOTAÇÃO MUSICAL

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 1

Versão: 2

É o conjunto de 5 (cinco) linhas paralelas horizontais, formando entre si 4 (quatro) espaços. As linhas e espaços da pauta são contados de baixo para cima: Pentagrama, do grego: penta = cinco; grama = linha.

Muitas vezes estas 5 linhas e 4 espaços não são suficientes para conter todos os sons musicais que o ouvido pode apreciar, por isso usam-se, quando necessário, as OLQKDV H HVSDoRV VXSOHPHQWDUHV VXSHULRUHV H LQIHULRUHV:

Essas notas ouvidas sucessivamente formam uma série de sons a qual se dá o nome de escala.

SiSi
SolSol
MiMi

Antes de receberem os nomes atuais (Dó-Ré-Mi-Fá-Sol-Lá-Si) os sons musicais eram chamados pelas sete primeiras letras do alfabeto (Cifrado).

A B C D E F G Lá Si Dó Ré Mi Fá Sol

Obs.: Note-se que o sistema de cifras é utilizado atualmente em toda a Europa e América do Norte, enquanto somente os sulamericanos e latinos europeus não usam com muita freqüência.

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 1

Versão: 2

Para determinar o nome das notas e sua ALTURA na escala, coloca-se no princípio da pauta um sinal chamado: &ODYH

Há três sinais de &ODYH de 6RO de )i ou ’y (das letras G, F e C apareceram as atuais claves: Sol, Fá e

A clave de SOL é escrita na 2ª linha. A clave de FÁ é escrita na 3ª e 4ª linhas. A clave de DÓ é escrita na 1ª, 2ª, 3ª e 4ª linhas. Obs.: os dois pontinhos colocados ao lado das claves de FA e DÓ servem para indicar a linha em que se acha assinada a clave(a clave de sol dispensa os pontinhos, pois, atualmente, assina exclusivamente a 2ª linha).

Exemplos de alguns instrumentos e claves utilizadas: Clave de Sol: violino, flauta, clarinete, oboé, sax soprano, sax alto, trompete, flugelhorn, trompa. Clave de Fá (4ª linha): violoncelo, fagote, sax tenor, trombone, tuba. Clave de Dó (3ª linha): viola.

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 1

Versão: 2

Temos, portanto, algumas notas a serem lidas na CLAVE DE SOL:

Questionário e exercícios:

1- O que é pauta? Como são contadas as suas linhas e espaços? 2- Para que servem as linhas suplementares? Como são contadas? 3- O que é notação musical? 4- Defina as partes da música. 5- O que é escala? 6- Quantas e quais são atualmente as claves? 7- Para que servem os pontinhos colocados ao lado das claves de FÁ e DÓ? 8- Desenhe todas as claves que você conhec e, colocando o DÓ CENTRAL em cada uma:

9- O que é clave? Para que serve? 10- Dê (oralmente) exemplos de melodia, harmonia e ritmo. 1- Quais claves estão grafadas no hinário? 12- Pesquise no hinário: ache uma nota com muitas linhas suplementares. 13- Nomear as notas abaixo:

14- Colocar notas sobre os nomes (altura à sua escolha):

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 1

Versão: 2

15- Colocar a nota imediatamente superior ou inferior de cada nota, de acordo com a direção da seta (conforme exemplo):

16 – Nomear as notas nas claves abaixo:

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 2

Versão: 2

Para representar as diversas durações dos sons musicais, as notas são escritas sob diversas formas chamadas de: FIGURAS OU VALORES.

haste

Cada figura de som tem sua respectiva PAUSA que lhe corresponde ao tempo de duração. As PAUSAS são figuras que indicam duração de silêncio.

As figuras mais usadas atualmente são:

Havia antigamente figuras que, aos poucos, deixaram de ser usadas, até desaparecerem da grafia musical: a BREVE (dobro da semibreve), a LONGA (dobro da breve), a

MÁXIMA(dobro da longa) e a QUARTIFUSA (metade da semifusa).

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 2

Versão: 2

FUSA 2 semibreve que é a de maior duração

mínimaque indica duração = ½ da semibreve

semínima que indica duração = ¼ da semibreve colcheia que indica duração = 1/8 da semibreve

semicolcheiaque indica duração = 1/16 da semibreve

fusa que indica duração = 1/32 da semibreve

semifusaque indica duração = 1/64 da semibreve

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 2

Versão: 2

Questionário e exercícios:

1 – Quais são as figuras mais usadas? 2 – O que são figuras? Qual é o seu outro nome? 3 – O que são pausas? 4 – Quais são as figuras que deixaram de ser usadas? 5 – Qual é a figura de maior valor? 6 – Porque a semibreve é a unidade da divisão proporcional dos valores? 7 – Cada figura tem um número que lhe corresponde. Quais são?

8 – Desenhe as figuras e suas pausas (coloque o nome de cada uma acima delas)

9 – Preencha o quadro, colocando o número do relacionamento entre as figuras:

a semibreve vale:

a mínima vale:

a semínima vale:

a colcheia vale:

a semicolcheia vale: a fusa vale:

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 2

Versão: 2

para uma?

10-Quantas

para uma?
12- Quantaspara uma ?
13- Quantaspara uma ?
14- Quantaspara uma ?
15- Quantas
para uma?
16- Quantas para uma?
17- Quantas para uma?

1- Quantas

para uma?
19- Quantas para uma?
20- Quantas para uma?
21- Quantas para uma?
2- Quantas para uma?
23- Quantas para uma?
24- Quantas para uma?
25- Quantas para uma?
26- Quantas para uma?
27- Quantas para uma?

18- Quantas 28- Pesquise no hinário: um hino com 3 (três) pausas diferentes. 29- Pesquise no hinário: o hino que tem o maior número de pausas.

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 2

Versão: 2

30 – Agrupe os valores num valor unitário (como no modelo) MODELO

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 2

Versão: 2

Compasso é um conjunto de figuras de duração igual ou variável.

As figuras que representam o valor da notas têm duração INDETERMINADA (não tem valor fixo). Para que as figuras tenham um determinado valor na duração do som, esse valor é previamente convencionado e é a esse espaço de duração que se dá o nome de: TEMPO.

TEMPO: é um valor determinado na duração do som ou do silêncio (pausa).

Os tempos são agrupados em porções iguais: de dois em dois (compasso BINÁRIO), de três em três (compasso TERNÁRIO) ou de quatro em quatro (compasso QUATERNÁRIO), constituindo unidades métricas às quais se dá o nome de &RPSDVVR

Os Compassos são divididos em duas categorias: 6LPSOHV (Módulo 10) e &RPSRVWRV (Módulo 1).

Os compassos são separados no pentagrama por uma linha vertical, chamada barra de compasso ou barra simples ou travessão.

Usa-se uma barra dupla para separar períodos ou trechos da música (ex.: lição 79 do Bona; entre as estrofes e os coros dos hinos

Para concluir a música usa-se a barra final.

E, para indicar repetição de um trecho, usam-se barras de repetição. Exemplo: hino 430, 436.

As figuras que representam os valores das notas e das pausas têm duração “indeterminada” isto é, não têm um valor fixo. Para determinar os valores das figuras precisamos da )yUPXOD GH &RPSDVVR, que são dois números sobrepostos, indicados ao lado da clave, sempre no início do primeiro compasso de cada pentagrama. Exemplos:

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 2

Versão: 2

Consiste em “dizer ou cantar” o nome das notas e contagem das pausas, obedecendo à métrica de divisão musical. Deve ser acompanhado por movimentos rítmicos e proporcionais.

Para marcarmos o compasso (solfejo) com a mão, podemos utilizar o modelo italiano ou modelo francês.

BinárioTernário Quaternário

(Iniciaremos o estudo do solfejo utilizando a Clave de Sol e a Fórmula de Compasso simples 4/4 que também é representada pela letra &, onde cada compasso terá quatro tempos e a semínima valerá um tempo).

Obs.: Os exercícios encontrados a seguir foram extraídos do 0pWRGR 0XVLFDO 3 %RQD e tem por finalidade fixar na memória os nomes das figuras e tempos já estudados, possibilitando um reconhecimento rápido e imediato, essencial para a perfeita leitura dos Métodos Musicais e Hinos.

* Estabelecer proporção com a lição nº. 1: o movimento da mão deve ser na mesma velocidade para que as notas fiquem com metade do valor.

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 3

Versão: 1

3º MÓDULO

Intervalo é a diferença de ALTURA entre dois sons. Conforme o número de sons que abrange, o intervalo pode ser de 2ª, 3ª, 4ª, 5ª, 6ª, 7ª, 8ª, 9ª, etc. O Intervalo pode ser:

6LPSOHV – Quando está contido dentro de uma 8ª.

&RPSRVWR – Quando ultrapassa a 8ª.

O intervalo também pode ser: 0(/’,&2 - quando as notas são ouvidas sucessivamente. Pode ser: Ascendente, quando a primeira nota for mais grave que a segunda e Descendente, quando a primeira nota for mais aguda que a segunda.

+$50—1,&2 quando as notas são ouvidas simultaneamente.

FORMAR INTERVALOS DE 2º: FORMAR INTERVALOS DE 6º: exemplo

FORMAR INTERVALOS DE 3º: FORMAR INTERVALOS DE 7º:

FORMAR INTERVALOS DE 4º: FORMAR INTERVALOS DE 8º: FORMAR INTERVALOS DE 5º: FORMAR INTERVALOS DE:

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 3

Versão: 1

É um sinal que se coloca acima ou abaixo de figuras ou pausas para aumentar sua duração por tempo indeterminado (não tem valor fixo).Também pode ser chamado de coroa ou infinito.

A fermata colocada sobre uma pausa passa a chamar-se SUSPENSÃO. Quando colocada sobre a barra de compasso indica uma pequena interrupção entre dois sons.

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 3

Versão: 1

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 3

Versão: 1

* Estabelecer proporção com as lições de semibreves e mínimas; o movimento da mão deve ser na mesma velocidade para que as notas fiquem com metade do valor.

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 3

Versão: 1

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 4

Versão: 1

* Manter a mesma velocidade das lições anteriores, estabelecendo a nova proporção. As colcheias devem ser pronunciadas: uma subindo e uma descendo, sem parar a mão.

Obs.: Colcheias e Semicolcheias em seqüências são ligadas entre si.

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

Uso exclusivo da Congregação Cristã no Brasil. Módulo 4

Versão: 1

(VFDODV FRP GLIHUHQWHV ILJXUDV Manter andamento do início ao fim. Cuidado para não acelerar nas semibreves e diminuir nas colcheias).

Noções Elementares de Teoria Musical. Resumo do Programa Mínimo para testes e exames de músicos e organistas.

(Parte 1 de 3)

Comentários