A Importância da Fisioterapia no Tratamento das Disfunções

A Importância da Fisioterapia no Tratamento das Disfunções

A Importância da Fisioterapia no Tratamento das Disfunções da Atm

Neila L. de A. Mourão¹, Vandré T. de Mesquita²

INTRODUÇÃO

  • A articulação temporomandibular (ATM) é caracterizada pela união da mandíbula, em ambos os lados com os ossos temporais.

  • Ela faz parte do sistema estomatognático.

  • Os movimentos permitidos pela ATM são os de protusão, retrusão e lateralização mandibular, bem como abertura e fechamento da boca.

Sistema Estomatognático

Protusão Mandibular

Retrusão Mandibular

Lateralização da mandíbula

Abertura da boca

Fechamento da Boca

  • Uma desarmonia da estrutura e função do sistema estomatognático pode dar origem a uma disfunção da ATM.

  • As desordens sofridas pela ATM podem ser classificadas em desarranjos internos, intrínsecos da articulação, e externos ou dos músculos da mastigação.

A fisioterapia atua no tratamento reversível, tentando devolver a função da articulação comprometida.

  • A fisioterapia atua no tratamento reversível, tentando devolver a função da articulação comprometida.

METODOLOGIA

  • A amostra foi composta por quatro participantes (três do sexo feminino e um do sexo masculino), com idade média de 24 anos, já com diagnóstico de disfunção temporomandibular.

METODOLOGIA

  • Foram avaliados através da aplicação de um questionário antes e após o tratamento fisioterápico, onde destacou-se a sintomatologia principal e se houve benefício ao final do tratamento.

RESULTADOS

  • Os resultados mostraram redução ou mesmo ausência dos sintomas após atuação da fisioterapia.

DISCUSSÃO

  • A diferença significativa encontrada neste estudo com relação à dor sentida na região da ATM, seja em repouso ou em movimento dessa articulação, nos mostra o papel decisivo do tratamento fisioterápico na promoção da saúde e na qualidade de vida dos pacientes que sofrem com disfunções da ATM.

CONCLUSÃO

  • O programa de tratamento com a metodologia adequada mostrou-se efetivo e promoveu a melhora clínica e funcional dos sujeitos.

Referências Bibliográficas

  • 1. Costa ACB, Savedra CMS. Fundamentos de anatomia para o estudante de odontologia. São Paulo: Atheneu,

  • 2000.

  • 2. Rosenbawer KA, Engelhardt JP, Kach H, Stuttgen U. O sistema estomatognático como unidade funcional. In:

  • Anatomia clínica da cabeça e do pescoço aplicada à Odontologia. Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 228-48.

  • 3. Madeira MC. Anatomia da face – Bases anátomo funcionais para prática odontológica. São Paulo: Sararei, 1997.

  • 4. Teixeira ACB, Marcucci G, Luz JGC. Prevalência das maloclusões e dos índices anamnésicos e clínicos, em pacientes

  • com disfunção da articulação temporomandibular. Rev Odontol UNESP. 1999; 13 (3): 251-6.

  • 5. MacNeill C. Temporomandibular disordens: guideline for classification, assessement and management. Chicago:

  • Quintessence, 1993. p.1-3.

  • 6. Okeson JP. Tratado das desordens temporomandibulares e oclusão. 4 ed. São Paulo: Artes médicas, 2000.

  • 7. Caradonna D, Alves FA. Posturologia: ATM- Oclusão e postura. J Brás Ortod e Ortop Max. 1997; 2 (12): 8-13.

  • 8. Souchard PE. Reeducação postural global. 2 ed. São Paulo: Ícone, 1986.

9. Minoru AI. Disfunção temporomandibular – ATM – Diagnóstico e tratamento. São Paulo: Santos, 1995.

  • 9. Minoru AI. Disfunção temporomandibular – ATM – Diagnóstico e tratamento. São Paulo: Santos, 1995.

  • 10. Menezes RA. Síndromes dolorosas. Rio de Janeiro: Revinter, 1999.

  • 11. Tommasi AF. Distúrbios da Articulação Temporomandibular. In: Diagnóstico em Patologia bucal. 2ª ed. Curitiba:

  • Pancast Editorial, 1997. p. 597-636.

  • 12. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Normas para pesquisa envolvendo seres humanos (Res. CNS 196/96 e

  • outras). Brasília: Ministério da Saúde, 2000.

  • 13. Chaitow L. Teoria e prática da manipulação craniana. São Paulo: Manole, 2001.

  • 14. McKenzie R. Trate você mesmo a sua coluna. Waikanae: Spinal Plubications, 1998.

  • 15. Bricot B. Posturologia. São Paulo: Ícone, 1999.

  • 16. Willians MO, Chaconas SJ, Bader P. The effect of mandibular position on appendage muscle strength. J Prost Dent.

  • 1983; 49 (4): 560-567.

  • 17. Naidich S. Alteraciones del sistema postural. Buenos Aires:Panamericana, 1993.

  • 18. Braun BL. Postural differences between asymptomatic men and women and pain patients. Arch Phys Med Rehabil.

  • 1991; 72: 653-656.

  • 19. Wijer A, Steenkes MH. Disfunções da articulação temporomandibular. São Paulo: Santos, 1996.

  • 20. Harrison Al, Barry-Greb T, Wojtowicz G. Clinical measurement of head shouder posture variables. J Orthop Sports

  • Phys Ther. 1996; 23 (6): 353-361.

Comentários