teoria - geral - da - administração - chiavenato

teoria - geral - da - administração - chiavenato

(Parte 3 de 7)

Estratégia Organizacional A Necessidade de Indicadores de Desempenho 1. Por que medir? 2. O que medir? 3. Six-Sigma 4. O Balanced Scorecard (BSC)

Apreciação Crítica da Teoria Matemática 1. Limitações da Teoria Matemática 2. O reducionismo dos métodos de PO 3. Similaridade com aAdministração Científica 4. Reducionismo da Teoria Matemática 5. Administração de operações 6. O Movimento pela qualidade 7. Conclusão CASO O dilema: maior produtividade ou o melhor serviço ao cliente?

Resumo Referências Bibliográficas Glossário Básico

Capítulo 17 Teoria de Sistemas AMPLIANDO AS FRONTEIRAS DA EMPRESA

Objetivos de aprendizagem Origens da Teoria de Sistemas Conceito de Sistemas 1.Características dos sistemas

Painel: vários conceitos de sistemas 2. Tipos de sistemas 3. Parâmetros dos sistemas

EXERCíCIO O sistema integrado da Centrum Express O Sistema Aberto

A Organização como um Sistema Aberto Características das Organizações como Sistemas Abertos 1. Comportamento probabilístico e não-determinístico 2. As organizações como partes de uma sociedade maior e constituídas de partes menores 3. Interdependência das partes

Introdução à Teoria Geral da Administração. IDALBERTOCHIAVENATO

4. Homeostase ou "estado firme" 480 5. Fronteiras ou limites 481 6. Morfogênese 481 7. Resiliência 482 EXERCíCIO A Global Face 482

Modelos de Organização 482 1.Modelo de Schein 482 2. Modelo de KatzeKahn 482 3. Modelo sociotécnico de Tavistock 486 EXERCíCIO AW. Monteiro 487

Apreciação Crítica da Teoria de Sistemas 488 1. Confronto entre teorias de sistema aberto e de sistema fechado 488 2. Características básicas da análise sistêmica 489 3. Caráter integrativo e abstrato da teoria de sistemas 490

4. Oefeito sinérgico das organizações como sistemas abertos 490 5. O "homem funcional" 491

6. Uma novaabordagem organizacional 491 7. Ordem edesordem 491

CASO Wall-Mart 492 Resumo 493

Referências Bibliográficas 494 Glossário Básico 495

PARTE IX AbordagemContingencialda Administração

Capítulo 18 Teoria da Contingência

EM BUSCA DA FLEXIBILIDADE E DA AGILIDADE 497 503

Objetivos de aprendizagem 503 Origens da Teoria da Contingência 504 1.Pesquisa de Chandler sobre estratégia eestrutura 505 2. Pesquisa de Burns eStalker sobre organizações 506 3. Pesquisa de Lawrence e Lorsch sobre o ambiente 508 EXERCíCIO Ofoco interno da BioVita 511

Ambiente 512 1. Mapeamento ambiental 512 2. Seleção ambiental 512 3.Percepção ambiental 513 4. Consonância edissonância 513 5. Desdobramentos do ambiente 513

Ambiente Geral 513 Ambiente de Tarefa 514

Tipologia de ambientes 516

EXERCíCIO Ocenário de operações daAmaralina Confecções 518

Tecnologia 518 1.Tipologia de Thompson 519 2. Impacto da Tecnologia 523 EXERCíCIO As modernas tecnologias do Banco Múltiplo 523

• Sumário

As Organizações eseus Níveis

Arranjo organizacional Novas abordagens ao desenho organizacional Processamento da informação por meio do desenho organizacional

Adhocracia Estrutura matricial Organização por equipes Abordagens em redes

OHomem Complexo Modelo Contingencial de Motivação

Modelo de Vroom Modelo de Lawler Clima organizacional

Teoria Contingencial da Liderança

EXERCíCIO Onovo desenho organizacional da Colméia

Estratégia Organizacional 1. Escola ambiental 2. Escola do design 3. Escola do posicionamento: modelo do Boston Consulting

Group (BCG) 4. Escola do posicionamento: modelo de Porter de análise competitiva

Apreciação Crítica da Teoria da Contingência 1.Relativismoem administração 2. Bipolaridade contínua 3. Ênfaseno ambiente 4. Ênfasenatecnologia 5. Compatibilidade entre abordagens de sistema fechado e aberto 6. Caráter eclético e integrativo CASO Ofenômeno Xerox

Resumo Referências Bibliográficas Glossário Básico

PARTE X Novas Abordagensda Administração xxv

Capítulo 19 Para onde Vai a TGA? EM BUSCA DA COMPETITIVlDADE 575

Objetivos de aprendizagem 575 A Era da Informação: Mudança e Incerteza 576

A influência da Tecnologia da Informação 576 Os desafios da Era da Informação 577

EXERCíCIO Em busca da excelência 578

As Soluções Emergentes 579

Melhoria contínua 579

EXERCíCIO Os 14 pontos de Deming para a produtividade gerencial 580

XXVI Introdução à Teoria Geral da Administração· IDALBERTOCHIAVENATO

Qualidade Total 581

EXERCíCIO Os dezmandamentos da qualidade total 583 EXERCíCIO Os dez passos paraaqualidade 585

Reengenharia 585

EXERCíCIO Areengenharia da Casade Flores 587

Benchmarking 588 Equipes de alto desempenho 589 Gestão de projetos 591

ANova Lógica das Organizações 591

EXERCíCIO AAmazon: uma empresa virtual 593

Oque EstáAcontecendo 593

Gestão do conhecimento e capital intelectual 593

CASO O capital intangível da Microsoft 596

Organizações de aprendizagem 597 As cinco disciplinas 598

EXERCíCIO A Duke University 600

Estratégia Organizacional 600 1.Escola empreendedora 600 2. Escola de aprendizado 601 3. Escola de configuração 602

ÉticaeResponsabilidade Social 604

Código de ética 606 Responsabilidade social das organizações 607 Abordagens quanto à responsabilidade social 608 Graus de envolvimento organizacional na responsabilidade social 609

Apreciação Crítica das Novas Abordagens 611 1. O caráter provocativo da Administração 612 2. O caráter universal da Administração 612 3. Os novos parâmetros da Administração 612 4. Oconceito de auto-organização 613 5. As características das organizações 615 6. Osurgimento de comunidades virtuais 616 7. As competências das pessoas 616 8. Profundo realinhamento e atualização de conceitos 617 9. O profundo impacto daTI 620

10.Simplificar edescomplicar para enfrentar acomplexidade 620 EXERCíCIO AVALinuxSystems 621

CASO Mudança.com 624

Resumo 624 Referências Bibliográficas 625 Glossário Básico 628 íNDICE DE ASSUNTOS 631 íNDICE DE NOMES 633

Este livro foi criado e desenhado para proporcionar o melhor texto disponível sobre Teoria Geral da Administração, a fim de oferecer ao leitor uma visão ampla e atualizada sobre o que há de mais moderno no assunto em termos de conceitos, aplicações e pesquisas. As sugestões e idéias de minha esposa Rita foram decisivas para oferecer uma idéia abrangente que capture o estado-de-arte da moderna Administração. Além disso, trabalhamos em conjunto com a equipe da Editora Campus no sentido de transformar todas essas sugestões em uma apresentação integrada e abrangente.

Para melhor utilização didática, o livro apresenta uma parte textual- que implica ler e ouvir - e uma parte gráfica - que implica sentir e discutir. O componente textual é apresentado de maneira simples e compreensível por meio de conceitos e explicações. O componente gráfico é apresentado na forma de vinhetas com ícones diferenciados e procura ilustrar com exercícios, exemplos reais e casos práticos os conceitos desenvolvidos no texto. Os vários ícones e vinhetas do componente gráfico compreendem:

Objetivos de aprendizagem

Cada capítulo começa com uma definição dos objetivos globais de aprendizagem, que serve como referência principal para avaliação da aprendizagem de cada capítulo. Na prática, é uma forma de leitura por resultados calcada na administração por objetivos.

o que veremos adiante

No início de cada capítulo há uma definição do conteúdo e dos principais tópicos a serem abordados, a fim de proporcionar ao leitor uma visão antecipada e global dos assuntos que serão apresentados .

Cada capítulo tem início com um caso relacionado ao conteúdo do texto, a fim de proporcionar um exemplo prático para reflexão do leitor.

Ao longo da seqüência, o caso introdutório será reconsiderado várias vezes na medida em que o texto envolva aspectos relacionados com o caso.

XXVIII Introdução à Teoria Geral da Administração· IDALBERTOCHIAVENATO

Ao longo de cada capítulo existemvários momentos de reflexãoede análisecríticado conteúdo desenvolvido no texto em forma de dicas ou sugestões. Isso apura o senso crítico do leitor em relação ao assunto.

Ao longo de cada capítulo serão distribuídos exercícios para aplicação dos conceitos a situações reais ou fictícias .

Ao final de cada capítulo há um caso para discussão envolvendo uma visão ampla do tema tratado e questões para testar a aplicabilidade do texto.

IResumo Ao final de cada capítulo há um resumo condensado do texto para verificação final.

IReferências Bibliográficas

No final de cada capítulo estão as referências bibliográficas nas quais estão citados livros e artigos relacionados no texto.

IGlossário Básico

No final de cada capítulo apresentamos um glossário dos principais termos e conceitos apresentados no texto como uma espécie de pequeno dicionário de Teoria Geral da Administração.

índice de assuntos

No final do livro apresentamos um índice abrangente de todos os principais assuntos apresentados para facilidade de localização dos conceitos.

índice de nomes

No final do livro apresentamos um índice abrangente de todos os principais autores referidos e enumerados ao longo do texto do livro.

Inlrodu à

Teoria8e I Administraç

Introdução à Teoria Geral da Administração· IDALBERTOCHIAVENATO

Nós dias de hoje, a administraçâóirevela-secpmO \.lma área do conhecimento humano repleta de complexidades e desafios. O profissional que utiliza a administração como meio de vida pode atuar nos mais variados níveis de uma organização: desde o nível hierárquico de supervisão elementar até o nível de dirigente máximo da organização. Pode atuar nas diversas especializações da Administração: seja em a Administração da Produção (debens ou serviços prestados pela organização), ou Administração Financeira, ou Administração de Recursos Humanos, ou Administração Mercadológica, ou ainda a Administração Geral. Em cada nível eem cada especialização da Administração, as situações são diferentes. Além disso, as organizações são diferentes. Não há duas organizações iguais, assim como não existem duas pessoas idênticas. Cada organização tem seus objetivos, seu ramo de atividade, seus dirigentes e seu pessoal, seus problemas internos e """,t",rI"lC::

Em função dos aspectos exclusivos de cada organização, o administrador define estratégias, efetua diagnósticos de situações, dimensiona recursos, planeja sua aplicação, resolve problemas, gera inovação e competitividade. O administrador bem-sucedido em uma organização pode não sê-lo em outra. Toda vez que uma organização pretende incluir um executivo em seu quadro administrativo, os candidatos são submetidos a uma infinidade de testes e de entrevistas que procuram investigar em profundidade seus conhecimentos, habilidades e competências, suas atitudes e características de personalidade, seu passado profissional, sua formação escolar, seus antecedentes morais, seu sucesso ou fracasso em determinadas atividades, entre outros. Talvez até sua situação conjugal ou sua estabilidade emocional. Isso porque o executivo dificilmente pode ser transferido de uma organização para outra sem que algum problema de adaptação deixe de ocorrer. Mesmo que o executivo tenha profun- o MUNDO EM QUE VIVEMOS É UMA sociedade institucionalizada e composta por organizações. Todas as atividades relacionadas à produção de bens (produtos) ou prestação de serviços (atividadesespecializadas) são planejadas, coordenadas, dirigidas, executadas e controladas pelas organizações. Todas as organizações são constituídas por pessoas e por recursos não-humanos (como recursos físicose materiais, financeiros, tecnológicos, mercadológicos etc.). A vida das pessoas depende intimamente das organizações e essas dependem da atividade e do trabalho daquelas. Na sociedade moderna, as pessoas nascem, crescem, aprendem, vivem, trabalham, se divertem, são tratadas e morrem dentro de organizações. As organizações são extremamente heterogêneas e diversificadas, de tamanhos diferentes, de características diferentes, de estruturas diferentes, de objetivos diferentes. Existem organizaçõeslucrativas (chamadas empresas)e organizações não-lucrativas (como Exército, Igreja, serviços públicos, entidades filantrópicas, organizações não-governamentais- ONGs - etc.).ATeoria dasOrganizações(TO) é o campo do conhecimento humano que se ocupa do estudo das organizações em geral. Por seu tamanho e pela complexidade de suas operações, as organizações, ao atingirem um certo porte, precisam ser administradas e a sua administração requer todo um aparato de pessoas estratificadas em diversos níveis hierárquicos que se ocupam de incumbências diferentes. A administração nada mais é do que a condução racional das atividades de uma organização seja ela lucrativa ou não-lucrativa. A administração trata do planejamento, da organização (estruturação), da direção e do controle de todas as atividades diferenciadas pela divisão de trabalho que ocorram dentro de uma organização. Assim,a administração é imprescindível para existência, sobrevivência e sucesso das organizações. Sem a administração, as organizações jamais teriam condições de existir e de crescer. A Teoria Geral da Administração (TGA)é o campo do conhecimento humano que se ocupa do estudo da Administração em geral, não se preocupando onde ela seja aplicada, se nas organizações lucrativas (empresas) ou se nas organizações não-lucrativas. A TGA trata do estudo da Administração das organizações.

dos conhecimentos de Administração e apresente um invejável currículo profissional, ele não é julgado pelo que sabe a respeito das funções que exerce em sua especialidade, mas principalmente pela maneira como realiza seu trabalho e pelos resultados que consegue obter dos recursos disponíveis. Levitt,l ao falar do "administrador profissional", lembra que, enquanto um químico ou um físico são considerados profissionais porque passaram em um teste de conhecimentos acerca de suas profissões, o mesmo não acontece com o administrador, cujo conhecimento é apenas um dos múltiplos aspectos na avaliação de sua capacitação profissional. Ele não é apenas analisado pelas organizações por seus conhecimentos tecnológicos de Administração, mas, principalmente, por seu modo de agir, suas atitudes, conhecimentos, habilidades, competências, personalidade e filosofia de trabalho. A finalidade é verificar se essas qualidades se coadunam com os novos padrões de cultura e de trabalho, com a competitividade da empresa e o pessoal que vai trabalhar com ele, pois não existe uma única maneira certa de um administrador agir ou de conduzir. Pelo contrário, existem várias maneiras de levar a cabo as tarefas nas empresas, em condições específicas, por dirigentes de temperamentos diversos e modos de agir próprios. Aliás, é oportuno lembrar a lei de indeterminação de Heisenberg, pela qual o processo de se observar um fenômeno altera esse fenômeno. Se na Física a observação dos átomos equivale a alterar a posição e a velocidade desses, na administração de uma organização a presença de um profissional em uma determinada função afeta e modifica essa função, independentemente do que seja realizado. A presença de outro profissional produziria outra alteração. Além do mais, se a modificação ocorre, a maneira de agir deve ser e acaba sendo diferente. 2

Segundo Katz,3 o sucesso do administrador depende mais do seu desempenho e da maneira como lida com pessoas e situações do que de seus traços particulares de personalidade. Depende daquilo que ele consegue fazer e não daquilo que ele é. Esse desempenho é o resultado de certas habilidades que o administrador possui e utiliza. Uma habilidade é a capacidade de transformar conhecimento em ação e que resulta em um desempenho desejado. Para Katz, existem três tipos de habilidades importantes para o

(Parte 3 de 7)

Comentários