Relatório preparo de soluções

Relatório preparo de soluções

Curso: Biomedicina

Disciplina: Bioquímica

Docente: Tatiana Setenta

PREPARO DE SOLUÇÕES

ILHÉUS- BA

Setembro/2013

INTRODUÇÃO

Solubilidade é a quantidade máxima que uma substância pode dissolver-se num líquido. Misturas homogêneas de duas ou mais substâncias formando uma só fase é o que chamamos de solução. Elas contem soluto, que é o componente que é dissolvido e solvente que corresponde ao componente que dissolve. As soluções podem ser solidas, liquidas ou gasosa conforme o solvente.

Na solubilidade, o caráter polar ou apolar da substancia influi principalmente devido à polaridade das substancias, estas serão mais ou menos solúveis. Substancias polar tendem a se dissolver em líquidos polares e substancias apolares em líquido apolares.

O termo solubilidade é utilizado tanto para designar o fenômeno qualitativo do processo (dissolução) como para expressar quantitativamente a concentração das soluções. A solubilidade de uma substância depende da natureza do soluto e do solvente, assim como da temperatura e da pressão do sistema.

O processo de interação entre as moléculas do solvente e as partículas do soluto para formar agregados é denominado solvatação e, se o solvente for à água, hidratação.

Quando misturamos um soluto a um solvente, pode haver formação de três tipos de solução:

Solução Insaturada (ou não saturada)

É quando a quantidade de soluto usado se dissolve totalmente, ou seja, a quantidade adicionada é inferior ao coeficiente de solubilidade.

Solução Saturada

É quando o solvente (ou dispersante) já dissolveu toda a quantidade possível de soluto (ou disperso) e toda a quantidade agora adicionada não será dissolvida. A solução saturada pode ser com corpo de chão (“cristais” no fundo do recipiente, quando o limite de solubilidade desta é ultrapassado) ou sem corpo de chão ( toda a quantidade de soluto foi completamente dissolvida, mas está no limite, ou seja, nada mais pode ser adicionado a solução)

Solução Sobressaturada (ou supersaturada)

Isto só acontece quando o solvente e soluto estão em uma temperatura em que seu coeficiente de solubilidade (solvente) é maior, e depois a solução é resfriada ou aquecida, de modo a reduzir o coeficiente de solubilidade. Quando isso é feito de modo cuidadoso, o soluto permanece dissolvido, mas a solução se torna extremamente instável. Qualquer vibração/alteração faz precipitar a quantidade de soluto em excesso dissolvida.

As substâncias que misturamos a algum tipo de líquido (para realizarmos uma possível dissolução) podem classificar-se como solúveis pouco solúveis ou insolúveis.

As substâncias muito solúveis, como o cloreto de sódio (principal constituinte do sal da cozinha), têm uma grande solubilidade em determinado solvente. Pelo contrário, as substâncias pouco solúveis têm uma solubilidade muito baixa (as soluções respectivas atingem facilmente a saturação); e as insolúveis não se dissolvem nos líquidos em que foram colocadas.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Compreender a natureza e a importância das soluções, entender os conceitos de solubilidade e observar os resultados obtidos na experiência realizada, tal como observar a solubilidade do cloreto de sódio na água.

MATERIAIS E MÉTODOS

  • 06 Tubos de ensaio de 15 ml

  • Béquer de 250 ml

  • Balança com precisão de 0,01g

  • Banho-maria

  • Gelo

  • Cloreto de sódio comercial

  • Água destilada, gelada e quente.

  • Estante para tubo de ensaio

  • Espátula (caneleta)

  • Termômetro

  • Pisseta de água destilada

  • Béquer de 100 ml

PROCEDIMENTO: TESTE DE SOLUBILIDADE

  1. Identificaram-se os tubos de ensaio com a caneta marcadora como: 1,1’, 2,2’, 3, 3’.

  2. Pesou-se a massa de 0,5g de cloreto de sódio e colocou-se nos tubos 1’,2’,3’

  3. Pesou-se a massa de 2,0g de cloreto de sódio e colocou-se nos tubos 1,2,3.

  4. Adicionou-se nos tubos 1 e 1’, 10ml de água gelada. Fechou-se e agitou os tubos, colocando-os em banho de gelo.

  5. Nos tubos 2 e 2’, adicionou-se 10 ml de água a temperatura ambiente. Fechou-se e agitou os tubos, deixando-os na estante sobre a bancada.

  6. Nos tubos 3 e 3’, adicionou-se 10ml de água a 40º C, agitou-se os tubos e colocou-se no banho-maria a esta temperatura.

  7. Aguardou-se cerca de 10 minutos e comparou-se.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

ANALISE DOS RESULTADOS:

Houve presença de corpo de fundo nos tubos 1, 2, e 3.

Não há alteração, na medida em que a temperatura vai aumentando.

A conclusão que pode ser tirada a respeito da solubilidade do cloreto de sódio em relação à quantidade de substancia é que quanto maior a quantidade do sal, menor é a solubilidade.

CONCLUSÃO

Podemos observar que nos tubos em que foi adicionado maior quantidade de cloreto de sódio, houve corpo de fundo, significando que quando adicionamos uma quantidade maior de cloreto de sódio em 10 ml de água, ele se tornou menos solúvel. Já nos tubos em que adicionamos uma menor quantidade de cloreto de sódio em 10 ml de água, ele tornou-se mais solúvel, não apresentando corpo de fundo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

http://vogellab.blogspot.com.br, 10/09/2013

Comentários