Os 3 problemas classicos da matematica grega

Os 3 problemas classicos da matematica grega

(Parte 1 de 3)

João Pitombeira de Carvalho1 Departamento de Matemática

PUC-Rio jbpit@rdc.puc-rio.br

É indubitável que, na História da Matemática, alguns problemas têm significação especial: agindo como “catalisadores” eles influenciam muito o desenvolvimento da ciência. Tais problemas atraem devido à simplicidade e lucidez de seus enunciados, fascinando muitos especialistas que trabalham na área relevante da Matemática. Como resultado, vários novos métodos e mesmo novas teorias são elaborados e novas perguntas, profundas e abrangentes, são formuladas. [RAIGORODSKI, 2004].

Os matemáticos gregos estudaram três problemas de Geometria que desempenharam papel importante no desenvolvimento da Matemática. Eles são problemas de construção e resistiram a todas as tentativas dos gregos para resolvê-los utilizando somente a régua sem graduação e o compasso, os únicos instrumentos utilizados por Euclides nos Elementos. Os três problemas, que ficaram conhecidos como os três problemas clássicos, são

1. A duplicação do cubo. 2. A quadratura do círculo. 3. A trissecção do ângulo.

Sabemos, desde o século XIX, que estes problemas não podem ser resolvidos somente com a régua e o compasso. Referências acessíveis sobre isso são, por exemplo, [COURANT and ROBINS, 1996], [HADLOCK, 1978], KLEIN, 1930]. [BUNT, JONES and BEDIENT, 1988, p. 89-121]. Uma discussão de porque os gregos tentavam resolver problemas de construção usando somente a régua e compasso, pode ser encontrada, por exemplo, em [BKOUCHE et JOËLLE, 1993].

Para os primeiros geômetras gregos, uma linha era o percurso de um ponto, e a linha reta era um percurso sem asperezas e desvios [SZABO, 2000]. No entanto, aos poucos, os matemáticos gregos se distanciaram da realidade palpável, como se vê, por exemplo, em Platão:

[a Geometria] tem por objeto o conhecimento do que sempre é e não do que nasce e perece2 .

Passaram também a dar ao círculo e à reta papeis destacados: Aristóteles – O que não tem nem começo nem fim é portanto ilimitado Parmênides- Ele é ilimitado.

1 Agradeço a Alberto de Azevedo, da Universidade de Brasília, e a Bruno Alves Dassie por suas leituras extremamente cuidadosas do manuscrito e por suas sugestões valiosas. 2 Platão, A República, 527 a.

Aristóteles – Portanto ele não tem forma, pois não participa nem do redondo nem do reto.3

Além da idéia de perfeição ideal atribuída ao círculo e à linha reta, uma outra razão possível para a restrição à régua e ao compasso pode ter sido a crise devida à descoberta da irracionalidade de 2, número que pode no entanto ser construído com régua e compasso. Esses instrumentos eram a garantia da existência de números como este.

No entanto, é falsa a crença de que os gregos, na resolução de problemas de construções geométricas, trabalhavam somente com a régua e o compasso. Exatamente como os matemáticos de hoje, para resolverem um problema eles usavam todas as ferramentas disponíveis ou criavam novas ferramentas apropriadas. De suas tentativas para achar soluções para os problemas clássicos, surgiram várias curvas e métodos que enriqueceram a Matemática. Encontram-se em [KNORR, 1986] e [BOS, 2001] construções geométricas, incluindo soluções dos três problemas clássicos, utilizando várias curvas e outros instrumentos.

O matemático van der Waerden resumiu a situação como segue:

A idéia por vezes expressa de que os gregos permitiam somente construções com régua e compasso é inadmissível. Ela é negada pelas numerosas construções que nos chegaram para a duplicação do cubo e a trissecção do ângulo. No entanto, é verdade de que tais construções eram consideradas mais elementares, e Pappus afirma que sempre que uma construção for possível com régua e compasso métodos mais avançados não deveriam ser usados. [van der Waerden, p. 263].

É impossível superestimar a importância destes problemas. Como diz Yates,

Na história da Matemática há três problemas que persistiram com vigor impressionante durante mais de dois mil anos. Eles são a trisecção do ângulo, a duplicação do cubo e a quadratura do círculo, e devido à sua existência robusta eles são atualmente chamados de problemas famosos. Estes três problemas, solidamente inexpugnáveis malgrado todas as tentativas usando geometria plana, o método matemático dos antigos gregos, fizeram com que os matemáticos ficassem fascinados e construíssem novas técnicas e teoremas para sua solução. Por meio deste estímulo surgiu grande parte das estruturas atuais da álgebra e geometria. A procura constante de soluções para os três problemas durante tanto tempo forneceu descobertas espantosamente frutíferas, às vezes achadas por sorte pura e que lançaram luz sobre tópicos bem distantes. [YATES, 1971, p. 5 ]

Somente em 1837 é que foi demonstrado, por Wantzell, que um número real é construtível com régua e compasso se e somente se ele é um número algébrico, de grau igual a uma potência de dois, sobre os racionais.

Os três problemas são muito naturais para quem tem curiosidade matemática. Sócrates, no diálogo Meno de Platão, usando perguntas apropriadas faz com que um jovem escravo ache um quadrado cuja área é duas vezes a área de um quadrado dado. Isso pode ser feito facilmente usando régua e compasso. Com efeito, o quadrado cujo lado é a diagonal do quadrado dado é a solução do problema. Se AB é lado do quadrado dado, então

3 Aristóteles, Parmênides, 137 d.

FIGURA 1

De 2 2 2DBAB=×, vemos imediatamente que

2 AB DB

Assim, achar o comprimento de DB é equivalente a inserir uma meia proporcional entre AB e 2AB

De maneira mais geral, se desejarmos construir um quadrado cuja área seja b vezes a área a do quadrado ABCD, temos bDB =

Ou seja, devemos inserir uma meia proporcional entre a e b. Como veremos, a idéia de inserir meias proporcionais entre duas grandezas dadas está por traz da maioria das tentativas de duplicar o cubo.

“Quadrar” uma região plana consiste em traçar, somente com régua e compasso, um quadrado cuja área seja igual à área da região dada. O problema de quadrar qualquer região poligonal está completamente resolvido nos Elementos de Euclides.

O problema da quadratura do círculo é também muito natural. Uma vez que o problema da quadratura de qualquer região poligonal foi resolvido, o próximo passo é tentar “quadrar” regiões limitadas por linhas curvas. Entre estas regiões, o círculo é uma escolha óbvia. Isso levou à investigação das “lúnulas” por Hipócrates de Quios, em torno de 430 a.C. [van der WAERDEN, p. 131-132]. Curiosamente, somente há pouco tempo, em 1947, usando técnicas muito sofisticadas, é que o problema de achar todas as lúnulas “quadráveis” foi completamente resolvido [SCRIBA, 1987].

A primeira menção do problema da quadratura do círculo encontra-se no papiro Rhind, em torno de 1600 a.C:

Construir um quadrado equivalente a um círculo. Reposta: retirar 1/9 do diâmetro e construir o quadrado sobre o que resta.

Em sua comédia Os pássaros, Aristófanes introduz o astrônomo Meton e o ridiculariza por causa de suas tentativas de fazer a quadratura do círculo:

Farei minhas medições com um esquadro reto [90º graus], e assim você observa que o círculo se torna quadrangular

Para Szabó, o problema de quadratura que deu origem a todos os outros foi o de fazer a quadratura do retângulo. Este problema é facilmente resolvido com régua e compasso usando o resultado que em um triângulo retângulo a altura relativa à hipotenusa é a meia proporcional entre os segmentos que ela determina sobre a hipotenusa.

Aristóteles, por sua vez, pensa que este problema surgiu da procura da média geométrica (meia proporcional), mas que isso foi esquecido e só restou o próprio problema:

A definição não deve contentar-se em exprimir em que consiste a coisa (...), mas ela deve também incluir e exibir a causa. Ora, as definições são geralmente conclusões. Por exemplo: O que é a quadratura? É a igualdade de um quadrado e de um retângulo. Uma definição como essa é uma conclusão. Mas dizer que a quadratura é a descoberta da meia proporcional é exprimir a causa do que é definido4 .

Semelhantemente, uma vez que se sabe como bissectar um ângulo [EUCLIDES, I-9], é natural perguntar como dividir um ângulo em n partes; em particular, em 3 partes.

Embora não tenham conseguido resolver estes problemas com os instrumentos especificados, os matemáticos gregos não se deixaram intimidar e, com engenhosidade notável, foram capazes de achar soluções para os três problemas, usando vários outros tipos de instrumentos e construções.

Em verdade, da mesma maneira que a Matemática moderna cresce com respostas aos desafios de novos problemas, muito da Matemática grega se desenvolveu devido a tentativas de resolver os três problemas clássicos. Neste sentido, os matemáticos gregos eram realmente nossos colegas, pois tinham a mesma atitude mental dos matemáticos atuais e tentavam conscientemente atacar novos desafios. Quando os conceitos e técnicas existentes não conseguiam resolver estes problemas, eles inventavam novos conceitos e técnicas apropriadas para a tarefa.

O que sabemos sobre este problema encontra-se principalmente em Eutócio, um comentador de Arquimedes.

Há duas lendas sobre a origem da duplicação do cubo, com detalhes contraditórios.

Uma delas se refere à duplicação de um túmulo e a outra à duplicação de um altar [van der WAERDEN, p. 160-161].

Segundo a primeira lenda, Minos mandou fazer um túmulo para Glauco. Ao saber que o túmulo era um cubo cuja aresta media 100 pés, ele disse que a residência real tinha sido construída demasiadamente pequena e que ela deveria ser duas vezes maior e ordenou imediatamente que duplicassem cada aresta do túmulo, sem estragar sua bela forma.

De acordo com a segunda lenda, quando Deus anunciou aos Delianos, por meio de um oráculo que, para se verem livres da peste, deveriam construir um altar duas vezes maior do que o existente, os arquitetos ficaram muito confusos, pois não sabiam como construir um cubo duas vezes maior do que outro.

Hipócrates de Quios (viveu em torno de 430 a.C.) reduziu este problema ao de achar duas meias proporcionais x e y entre 1 e 2. Se

vemos que 2xy= e portanto, multiplicando ambos os membros por x 3.xxy=

Mas como 2xy= temos que

32x= No caso geral, se x e y são duas meias proporcionais entre a e and b, temos a x y e disso vemos que 2xay= e que xyab= e daí segue-se que 32xaxyab== e assim 3 2

Apresentaremos agora 7 soluções do problema da duplicação do cubo, quase todas baseadas em achar duas meias proporcionais entre duas grandezas, usando construções que não podem ser efetuadas somente com régua e compasso e curvas que não podem ser traçadas usando somente com estes dois instrumentos.

a- A máquina de Platão

O filósofo grego Platão (viveu de 429 a 347 a.C.) tinha grande interesse pela Matemática e lhe atribuía importância particular. Gravitaram em torno dele alguns excelentes matemáticos, como, por exemplo, Árquitas, Eudoxo, Menecmo, Teeteto, entre outros.

É bem conhecido que Platão desprezava construções mecânicas, materiais [ver van der

WAERDEN, p. 162-163] em Matemática. Assim, é irônico que a solução discutida a seguir seja conhecida como “máquina de Platão”. Como sabemos que o cubo não pode ser duplicado somente com regra e compasso, esta construção não pode ser efetuada usando somente estes instrumentos.

FIGURA 2

A máquina de Platão é um dispositivo, formado por partes rígidas, em que ACDF é uma peça rígida, com ACe FD paralelas e CD perpendicular a ambas. O segmento BE é paralelo a CD e pode deslizar ao longo de AC e de FD.

Para achar duas meias proporcionais entre ONa= e OMb=, movimentamos ACDF de maneira que o segmento CD passe por M, Cesteja sobre o eixo dos x e fazemos BE deslizar até que passe por N e B esteja sobre o eixo dos y, como mostrado na FIGURA 3.

FIGURA 3 Vemos que os triângulos NOB e MOC são semelhantes e portanto

Como os triângulos NOB e OCB também são semelhantes, temos que e assim chegamos a o que mostra que OB e OC são de fato meias proporcionais entre a e b. b- A máquina de Eratóstenes

Considere três placas retangulares ,AEZF,NMHJe SGTL que podem deslizar sobre uma reta de maneira que a placa média, ()NMHJpode passar por traz da primeira, ()AEZF, e que a última, ()SGTL, deslize por traz da do meio. Suponha que desejamos achar duas meias proporcionais entre aAE= e bDT=.

FIGURA 4

Traçamos a reta AD e fazemos as placas deslizar, como descrito acima, de maneira que o lado direito ZF da primeira placa ()AEZF, intercepta a diagonal NH da segunda placa

(),NMHJ exatamente sobre a reta ,AD no ponto ,B como mostrado na figura a seguir

FIGURA 5

De maneira semelhante, fazemos deslizar a terceira placa ()HGTL de tal forma que o lado direito da segunda placa corte a diagonal HT exatamente sobre ,AD no ponto .C

Afirmamos então que BZ e HC são meias proporcionais entre AE e DT, ou seja, que

Como os triângulos AEK e BZK são semelhantes, temos

(1)

Como os triângulos

AZK e BHK são semelhantes, temos

(2)KAKZ

Temos também que os triângulos BZK e CHK são semelhantes, e portanto

==(3)KZBZKB

Além disso, da semelhança dos triângulos BHKe CTK decorre que

==(4)BHKHKB

8 CT KT KC

Temos também que os triângulos CHT e CTK são semelhantes, e assim

==(5)KHCHKC

De (1) e (2) obtemos que

AE (6)KA KE AZ KZ pois as duas séries de proporções têm KA

KB em comum.

Como KZ

KH comparece em (3) e (6), podemos escrever

(7)AZKABZKB

De (3), (4) e (7) podemos escrever, como (4) e (7) têm KB

KC em comum, que

=====(8)AEBZKZBZBHKH

Além disso, como (5) e (8) têm KH

KT em comum, obtemos

do que decorre, finalmente, que

==(10)AEBZCH

O processo descoberto por Erastótenes pode ser usado para inserir qualquer número de meias proporcionais entre a e b. para inserir n meias proporcionais, é suficiente tomar n+1 retângulos e proceder como acima.

c- A solução de Nicomedes.

A solução encontrada por Nicomedes, que viveu em torno de 240 a.C. é verdadeiramente muito engenhosa.

Suponha que queremos inserir duas meias proporcionais entre =bAB e =aBC.

FIGURA 6

Trace o retângulo ABCL. Seja D o ponto médio de AB e trace a reta que passa por L e D. Seja G seu ponto de intersecção com a reta que passa por C e B. Seja E o ponto médio de BC e trace a perpendicular a BC por E. Chame de F o ponto desta reta para o qual .BFAD=

Trace a reta s que passa por F e por G e a paralela a s que passa por C. Por F trace a reta FHK construída de tal maneira que HKCFAD==. Trace a reta que passa pelos pontos K e L e chame de M sua intersecção com a reta definida por Ae .B

Afirmamos que AM e CK são meias proporcionais entre a e b, ou seja, que

(1)ABCKMA

Para compreender isso, devemos usar um teorema dos Elementos de Euclides.

Teorema (Elementos, I-6): Se uma linha reta é dividida em duas partes iguais e se uma outra linha reta lhe é adicionada, prolongando-a, o retângulo determinado pela linha reta e pela reta adicionada e pela reta adicionada é igual, se lhe for adicionado o quadrado sobre a metade da reta, ao quadrado sobre a reta formada pela metade e pela reta adicionada5 .

FIGURA 7

Ou seja, na figura, a soma das áreas do retângulo de base AD e altura DB e do quadrado LEGH (que é igual ao quadrado de lado CB) é igual à área do quadrado de lado CD.

Voltemos à justificação da construção de Nicomedes, aplicando este teorema ao segmento BC cortado ao meio por E e prolongado até K:

(Parte 1 de 3)

Comentários