Prova Enem 2013 resolução

Prova Enem 2013 resolução

(Parte 1 de 5)

Na produção social qua os homens realizam, eles entram em determinadas relações indispensáveis e independentes de sua vontade; tais relações de produção correspondem a um estágio definido de desenvolvimento das suas forças materiais de produção. A totalidade dessas relações constitui a estrutura econômica da sociedade –funda - mento real, sobre o qual se erguem as superes truturas política e jurídica, e ao qual correspondem determinadas formas de consciência social.

MARX, K.Prefácio à Crítica da economia política. In. MARX, K. ENGELS F. Textos 3.

São Paulo. Edições Sociais, 1977 (adaptado).

Para o autor, a relação entre economia e política estabe - lecida no sistema capitalista faz com que a)o proletariado seja contemplado pelo processo de mais-valia.

b)o trabalho se constitua como o fundamento real da produção material.

c)a consolidação das forças produtivas seja compatível com o progresso humano.

d)a autonomia da sociedade civil seja proporcional ao desenvolvimento econômico.

e)a burguesia revolucione o processo social de formação da consciência de classe.

Resolução Para Marx, o trabalho é condição fundante do ser humano, forma única e necessária para transformar a natureza em bens úteis para promover a vida. Contudo, especificamente no estágio capitalista, o trabalho é marcado pela forma de exploração do homem pelo homem e de alienação, devido ao assalariamento e ao estranhamento em relação ao fruto do trabalho.

2EE

Um trabalhador em tempo flexível controla o local do trabalho, mas não adquire maior controle sobre o processo em si. A essa altura, vários estudos sugerem que a supervisão do trabalho é muitas vezes maior para os ausentes do escritório do que para os presentes. O trabalho é fisicamente descentralizado e o poder sobre o traba lhador, mais direto.

SENNETT R. A corrosão do caráter, consequências pessoais do novo capitalismo.

Rio de Janeiro: Record, 1999 (adaptado).

Comparada à organização do trabalho característica do taylorismo e do fordismo, a concepção de tempo ana - lisada no texto pressupõe que a)as tecnologias de informação sejam usadas para demo - cratizar as relações laborais.

b) as estruturas burocráticas sejam transferidas da empresa para o espaço doméstico.

c)os procedimentos de tercerização sejam aprimorados pela qualificação profissional.

d)as organizações sindicais sejam fortalecidas com a valorização da especialização funcional.

e) os mecanismos de controle sejam deslocados dos processos para os resultados do trabalho.

Resolução O Taylorismo consiste no controle do trabalho pelo adestramento dos movimentos humanos e, portanto, pelos processos do trabalho; enquanto a acumulação flexível conta com alta robotização e qualificação do trabalhador, de quem se espera a tomada de decisões, o que pressupõe o controle sobre resultados obtidos.

Disponível em: http://ensino.univates.br. Acesso em 1 maio 2013 (adaptado)

Na imagem, estão representados dois modelos de produção. A possibilidade de uma crise de superprodução é distinta entre eles em função do seguinte fator:

a)Origem de matéria-prima. b)Qualificação de mão de obra. c)Velocidade de processamento. d) Necessidade de armazenamento. e) Amplitude do mercado consumidor.

Resolução No “modelo 1”, observa-se o modo de produção fordista; no “modelo 2”, o modelo toyotista (flexível). Do “modelo 1” para o “modelo 2”, desaparece o estoque. Assim, a possibilidade de uma crise de superprodução é distinta entre ambos por causa da necessidade de armazenamento do modelo fordista (“modelo 1”). O toyotismo não necessita de armazena - mento, já que não gera estoque.

A África também já serviu como ponto de partida para comédias bem vulgares, mas de muito sucesso, como Um príncipe em Nova Yorke Ace Ventura: um maluco na África; em ambas, a África parece um lugar cheio de tribos doidas e rituais de desenho animado. A animação O rei Leão, da Disney, o mais bem-sucedido filme americano ambientado na África, não chegava a contar com elenco de seres humanos.

LEIBOWITZ, E. Filmes de Hollywood sobre África ficam no clichê. Disponível em: http://noticias.uol.com.br. Acesso em 17 abr, 2010.

A produção cinematográfica referida no texto contribui para a constituição de uma memória sobre a África e seus habitantes. Essa memória enfatiza e negligencia, respectivamente, os seguintes aspectos do continente africano:

a)A história e a natureza. b)O exotismo e as culturas. c)A sociedade e a economia. d)O comércio e o ambiente. e)A diversidade e a política.

Resolução Os filmes citados enfatizam o exotismo da África, mantendo a visão etnocentrista ocidental que, desde os primeiros contatos dos europeus com o Continente Negro, procurou contrastar os povos locais com os brancos “civilizados”, dentro de uma perspectiva depreciativa. Ao mesmo tempo, negligenciam a evidência de que as populações africanas apresentam uma rica variedade de culturas que não podem ser avaliadas por juízos de valor, já que refletem um longo processo de construção da própria identidade, tão digna de consideração quanto a de outros continentes.

5CC

Tendo encarado a besta do passado olho no olho, tendo pedido e recebido perdão e tendo feito correções, viremos agora a página –não para esquecê-lo, mas para não deixálo aprisionar-nos para sempre. Avancemos em direção a um futuro glorioso de uma nova sociedade sul-africana, em que as pessoas valham não em razão de irrelevâncias biológicas ou de outros estranhos atributos, mas porque são pessoas de valor infinito criadas à imagem de Deus.

Desmond Tutu, no encerramento da Comissão da Verdade na África do Sul. Disponível em: http://td.camara.leg.br. Acesso em 17 dez. 2012 (adaptado).

No texto, relaciona-se a consolidação da democracia na África do Sul à superação de um legado a)populista, que favorecia a cooptação de dissidentes políticos.

b)totalitarista, que bloqueava o diálogo com os movimentos sociais.

c)segregacionista, que impedia a universalização da cidadania.

d)estagnacionista, que disseminava a pauperização social.

e)fundamentalista, que engendrava conflitos religiosos.

Resolução O texto transcreve a fala do bispo negro sul africano

Desmond Tutu, de confissão anglicana e principal articulador –depois de Nelson Mandela –do fim do apartheid. Este regime segregacionista, instituído em 1948 e suprimido em 1994, estabeleceu direitos políticos diferenciados para os quatro grupos étnicos em que a população da África do Sul foi classificada: brancos (minoria dominante política e eco no mi ca men - te), indianos, mestiços e negros. O fim do apartheid definiu a África do Sul como uma democracia no plano político, ainda que não o seja nos níveis social e econômico.

Ninguém desconhece a necessidade que todos os fazendeiros têm de aumentar o número de seus trabalhadores. E como até há pouco supriam-se os fazendeiros dos braços necessários? As fazendas eram alimentadas pela aquisição de escravos, sem o menor auxílio pecuniário do governo. Ora, se os fazendeiros se supriam de braços à sua custa, e se é possível obtê-los ainda, posto que de outra qualidade, por que motivo não hão de procurar alcançá-los pela mesma maneira, isto é, à sua custa?

Resposta de Manuel Felizardo de Souza e Mello, diretor geral das Terras Públicas, ao Senador Vergueiro. In: ALENCASTRO, L.F. (Org.) História da vida privada no Brasil. São Paulo:Cia das Letras, 1998 (adaptado).

O fragmento do discurso dirigido ao parlamentar do Império refere-se às mudanças então em curso no campo brasileiro, que confrontaram o Estado e a elite agrária em torno do objetivo de a)fomentar ações públicas para ocupação das terras do interior.

b)adotar o regime assalariado para proteção da mão de obra estrangeira.

c)definir uma política de subsídio governamental para o fomento da imigração.

d)regulamentar o tráfico interprovincial de cativos para sobrevivência das fazendas.

e)financiar a fixação de famílias camponesas para estímulo da agricultura de subsistência.

Resolução Alternativa escolhida por eliminação, pois é a única que aborda o tema referido no enunciado. Todavia, o examinador se equivocou ao considerar que o autor do pronunciamento transcrito tinha como objetivo “definir uma política de subsídio governamental para o fomento da imigração”. Ao contrário, o representante do governo externa claramente sua opinião adversa a tais subsídios, deixando por conta dos fazendeiros a total responsabilidade pelos gastos com esse processo.

MOREAUX, F.R. Proclamação da Independência. Disponível em: w.tvbrasil.org.br. Acesso em 14 jun. 2010.

FERREZ, M. D. Pedro I.

SCHWARCZ, L.M. As barbas do Imperador. D. Pedro I, um monarca nos trópicos. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

As imagens, que retratam D. Pedro I e D. Pedro I, procuram transmitir dterminadas representações políticas acerca dos dois monarcas e seus contextos de atuação. A ideia que cada imagem evoca é, respectivamente:

a)Habilidade militar –riqueza pessoal. b)Liderança popular –estabilidade política. c)Instabilidade econômica –herança europeia. d)Isolamento político –centralização do poder. e)Nacionalismo exacerbado –inovação administrativa.

Resolução O primeiro quadro, pintado no Segundo Reinado (em

1844), quando o Brasil já superara as vicissitudes do Primeiro Reinado e caminhava para a estabilidade política, mostra D. Pedro I rodeado e apoiado pelo povo –situação que se desfaria poucos anos após a Proclamação da Independência. Quanto à segunda ilustração, que retrata um D. Pedro I sereno e respeitável, pode ser interpretada como uma alusão à aparente estabilidade do Império, nos anos que antecederam a queda da Monarquia.

8 E Mapa 1

Mapa 2

Os mapas representam distintos padrões de distribuição de processos socioespaciais. Nesse sentido, a menor in - cidência de disputas territoriais envolvendo povos indígenas se explica pela a)fertilização natural dos solos. b)expansão da fronteira agrícola. c)intensificação da migração de retorno. d)homologação de reservas extrativistas. e)concentração histórica da urbanização.

Resolução As disputas socioespaciais espalham-se por todo o

País. Entretanto, é perceptível, na correlação entre os mapas apresentados, que há menor incidência de conflitos em áreas de ocupação consolidada, cuja concentração urbana é mais antiga. De modo contrário, a expansão das fronteiras agrícolas em direção à Região Norte do País e as recentes demar - cações e homologações de reservas pelo governo federal estabelecem novos usos aos espaços ocupados.

Trata-se de um gigantesco movimento de construção de cidades, necessário para o assentamento residencial dessa população, bem como de suas necessidades de trabalho, abastecimento, transportes, saúde, energia, água etc. Ainda que o rumo tomado pelo crescimento urbano não tenha respondido satisfatoriamente a todas essas neces - sidades, o território foi ocupado e foram construídas as condições para viver nesse espaço.

MARICATO. E. Brasil, cidades:alternativas para a crise urbana. Petrópolis Vozes. 2001.

A dinâmica de transformação das cidades tende a apre - sentar como consequência a expansão das áreas perifé - ricas pelo(a) a)crescimento da população urbana e aumento da especulação imobiliária.

b)direcionamento maior do fluxo de pessoas, devido à existência de um grande número de serviços.

c)delimitação de áreas para uma ocupação organizada do espaço físico, melhorando a qualidade de vida.

d)implantação de políticas públicas que promovem a moradia e o direito à cidade aos seus moradores.

Resolução A dinâmica de transformação das cidades, geralmente carentes de infraestruturas e serviços devido à forma caótica em que ocorreu o processo de urbanização do Brasil, ampliou o quadro demográfico, notadamente nas áreas periféricas, e promoveu um aumento da especulação imobiliária. Novos espaços foram sendo ocupados e valorizados pelo capital imobiliário.

No esquema, o problema atmosférico relacionado ao ciclo da água acentuou-se após as revoluções industriais. Uma consequência direta desse problema está na a)redução da flora.b)elevação das marés. c)erosão das encostas.d)laterização dos solos. e)fragmentação das rochas.

Resolução O fenômeno apresentado é a chamada chuva ácida, na qual a água da chuva passa a ser uma solução mais ácida do que normalmente é. Além de causar a corrosão de edificações, fiações e monu mentos, a chuva ácida incide de forma bastante intensa sobre a cobertura vegetal. São diversos os exemplos de coberturas, nos vários continentes, que sofreram extremas degradações: manchas de floresta tem - perada na Polônia, corroídas pelas chuvas ácidas causadas pela queima de carvão mineral, destruição de matas nas áreas circunvizinhas dos Grandes Lagos norte-americanos, causada pelas chuvas ácidas provocadas pelas atividades industriais, entre outras.

Empresa vai fornecer 230 turbinas para o segundo complexo de energia a base de ventos, no sudeste da Bahia. O Complexo Eólico Alto Sertão, em 2014, terá capacidade para gerar 375 MW (megawatts), total suficiente para abastecer uma cidade de 3 milhões de habitantes.

MATOS, C. GE busca bons ventos e fecha contrato de R$ 820 mi na Bahia. Folha de S.Paulo, 2 dez. 2012

A opção tecnológica retratada na notícia proporciona a seguinte consequência para o sistema energético brasi - leiro:

a)Redução da utilização elétrica. b)Ampliação do uso bioenergético. c)Expansão das fontes renováveis. d)Contenção da demanda urbano-industrial. e)Intensificação da dependência geotérmica.

Resolução O uso da energia eólica (vento) em estados do

Nordeste, como Bahia, Rio Grande do Norte, Ceará, entre outros do Brasil, configura um sistema ener - gético renovável.

A escravidão não há de ser suprimida no Brasil por uma guerra servil, muito menos por insurreições ou atentados locais. Não deve sê-lo, tampouco, por uma guerra civil, como o foi nos Estados Unidos. Ela poderia desaparecer, talvez, depois de uma revolução, como aconteceu na França, sendo essa revolução obra exclusiva da população livre. É no Parlamento e não em fazendas ou quilombos do interior, nem nas ruas e praças das cidades, que se há de ganhar, ou perder, a causa da liberdade.

NABUCO, J. O abolicionismo (1883). Rio de Janeiro: Nova Fronteira; São Paulo: Publifolha, 2000 (adaptado).

No texto, Joaquim Nabuco defende um projeto político sobre como deveria ocorrer o fim da escravidão no Brasil, no qual a)copiava o modelo haitiano de emancipação negra.

b)incentivava a conquista de alforrias por meio de ações judiciais.

c)optava pela via legalista de libertação.

d)priorizava a negociação em torno das indenizações aos senhores.

e)antecipava a libertação paternalista dos cativos.

Resolução Joaquim Nabuco foi o mais importante político abolicionista brasileiro, diferenciando-se de outros adversários da escravidão que defendiam soluções radicais para a questão escravista (como os “caifases” de São Paulo, promotores de fugas e rebeliões de escravos). Na qualidade de deputado do Império, Nabuco propunha a solução que veio finalmente a ser adotada: a abolição da escravatura pela força da lei (no caso, a Lei Áurea), ou seja, pela “via legalista”.

13AA

Tenho 4 anos e presenciei uma transformação impressionante na condição de homens e mulheres gays nos Estados Unidos. Quando nasci, relações homossexuais eram ilegais em todos os Estados Unidos, menos Illinois. Gayse lésbicas não podiam trabalhar no governo federal. Não havia nenhum político abertamente gay. Alguns homossexuais não assumidos ocupavam posições de poder, mas a tendência era eles tormarem as coisas ainda piores para seus semelhantes. ROSS, A. Na máquina do tempo. Época, ed. 766, 28 jan. 2013.

(Parte 1 de 5)

Comentários