Manual Estágios para Auxiliar e Técnico de Enfermagem

Manual Estágios para Auxiliar e Técnico de Enfermagem

(Parte 1 de 3)

Guia Prático de Enfermagem - 1

Ana Maria Silva Rodrigues Luciana Silva Rodrigues

Guia Prático de ENFERMAGEM

Orientado Para Estágio de Auxiliares, Técnicos e Acadêmicos de Enfermagem

1ª Edição EPUB 2004

Guia Prático de Enfermagem - 2

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução ou duplicação fotomecânica de todo o volume ou parte dele sem a permissão expressa dos autores e do editor.

Direitos desta edição exclusivos da

Rio: Rua Gen. Rondon, 1000 – 1º and. – C/D

São Paulo: Rua Afonso Celso, 170 – Vila Mariana

Diretor de Arte: Mauro Rafael Torres

Auxiliar de Diagramação: Mariangela N. B. de Paula Revisão: Claudia Santos Gouvêa

R611g Rodrigues, Ana Maria Silva.

Guia prático de enfermagem: orientado para estágio de auxiliares, técnicos e acadêmicos de enferma- gem / Ana Maria Silva Rodrigues, Luciana Silva Rodrigues. – Rio de Janeiro: EPUB, 2003. 80p.; 1,5 x 17,5cm

1.Enfermagem – Manuais, guiais, etc. I. Rodrigues, Luciana Silva. I. Título.

Guia Prático de Enfermagem - 3

Ana Maria Silva Rodrigues

Enfermeira formada pela Universidade Bandeirante de São Paulo.

Especialista em Enfermagem em Reabilitação pela Escola de

Enfermagem da Universidade de São Paulo.

Docente responsável pelo acompanhamento teórico-prático dos alunos de cursos profissionalizantes de Auxiliares Técnicos de Enfermagem.

Luciana Silva Rodrigues

Formada pela Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo.

Atualmente exerce sua profissão como enfermeira da Unidade Neonatal do Hospital Universitário da Universidade de São Paulo e da Unidade de UTI Neonatal do Hospital Municipal Prof. Mário Degni.

Docente responsável pelo acompanhamento teórico dos alunos de cursos profissionalizantes de Auxiliares Técnicos de Enfermagem das Escolas São Bernardo e Villa Lobos.

Guia Prático de Enfermagem - 4 Guia Prático de Enfermagem - 4

Guia Prático de Enfermagem - 5

“É a ciência e a arte de assistir o ser humano (indivíduo, família, comunidade) no atendimento de suas ne- cessidades básicas; de torna-lo independente desta assistência, quando possível, pelo ensino do autocuidado, de recuperar, manter e promover sua saúde em colaboração com os outros profissionais.”

Wanda de Aguiar Horta

Guia Prático de Enfermagem - 6 Guia Prático de Enfermagem - 6

Guia Prático de Enfermagem - 7

caiba no bolso do nosso avental? AdivinhemDeus nos

É com grande satisfação que entregamos este Guia Prático, a você, estudante de enfermagem. Durante nossa vida acadêmica, o material que mais utilizávamos nos estágios era uma caderneta de espiral com alguns lembretes que julgávamos importantes e, mesmo assim, não eram suficientes. Na verdade, tínhamos vontade de carregar um livro que suprisse nossas necessidades, mas pelo fato de serem extensos e volumosos, era um pouco complicado. A partir daí, começamos a pensar: por que não construir um livro que tenha um pouco de tudo e que ainda iluminou e nos deu essa grande vitória...: a construção e publicação do nosso amigo inseparável, este que está em suas mãos. Este Guia Prático Orientado Para Estágio foi criado com embasamento científico, experiências profissional e pessoal, com o objetivo de proporcionar a você, aluno de enfermagem, um meio seguro, fácil e rápido de consulta ao assunto desejado, numa linguagem prática, objetiva e de fácil entendimento e, além disso, num ambiente hospitalar. Parabéns a você que acabou de adquirir nosso “mascotinho”! Esperamos que seja de grande valia durante seus estudos e sua vida profissional.

As autoras

Guia Prático de Enfermagem - 8 Guia Prático de Enfermagem - 8

Guia Prático de Enfermagem - 9

1 – Dicas para um bom desempenho nos estágios13
2 – Etapas do Processo de Enfermagem15

SUMÁRIO - Histórico de enfermagem

- Entrevista

- Exame físico passo a passo

- Diagnóstico de enfermagem

- Plano de cuidados

- Implementação

qualquer procedimento técnico19
4 – Controles21

- Avaliação 3 – Passos básicos a serem seguidos antes e após a realização de - Temperatura

- Respiração

- Pulso

- Pressão arterial

5 – Peso e altura23
6 – Higienização do paciente25

- Dicas e observações importantes - Higiene oral

- Materiais

- Procedimento

- Paciente com prótese

- Paciente com pouca limitação

- Paciente com muita limitação

- Banho no leito

- Materiais

7 – Curativo29

- Procedimento - Materiais

- Procedimento

- Observações importantes

- Avaliação da lesão

- Como descrever o tipo de secreção?

- Retirada de pontas

- Materiais

8 – Medidas de Conforto3

- Procedimento - Mudança de decúbito

9 – Restrição mecânica35

- Massagem de conforto - Materiais

- Procedimento

- Observações importantes

10 – Sondagem nasogástrica37

Guia Prático de Enfermagem - 10 - Finalidade

- Materiais

- Procedimento

1 – Sondagem nasoenteral39

- Observações importantes - Finalidade

- Materiais

- Procedimento

12 – Cateter nasal41

- Observações importantes - Materiais

13 – Cânula nasal (óculos)43

- Procedimento - Materiais

14 – Nebulização45

- Procedimento - Materiais

15 – Inalação47

- Procedimento - Finalidade

- Materiais

- Procedimento

17 – Sondagem vesical51

- Observações importantes - Finalidade

- Materiais

- Procedimento

- Retirada da sonda

- Materiais

18 – Irrigação contínua5

- Procedimento - Finalidade

- Materiais

19 – Noções de farmacologia57

- Procedimento - Dicas importantes em farmacologia

- Fórmulas de gotejamento de soro

- Regra dos cinco certos

- Principais vias de administração de medicamentos

- Intramuscular

- Deltóide

- Glútea

- Ventroglútea

Guia Prático de Enfermagem - 1

- Ântero-lateral da coxa - Materiais

- Procedimento

- Tabela sugestiva para escolha do calibre de agulhas

- Intradérmica

- Materiais

- Procedimento

- Subcutânea

- Materiais

- Procedimento

- Endovenosa

- Materiais

- Procedimento

- Venóclise

- Materiais

- Procedimento

- Exemplo de rótulo e escala de soro

- Observações importantes

- Riscos da terapêutica endovenosa

- Via oral

20 – Cuidados de enfermagem com o corpo pós-morte71

- Via Tópica - Materiais

21 – Termos Técnicos73
2 – Posições anatômicas7

Guia Prático de Enfermagem - 12 Guia Prático de Enfermagem - 12

Guia Prático de Enfermagem - 13

1-DICAS PARA UM BOM

Procure ser pontual e assíduo.

Em caso de faltas, comunique ao professor com antecedência ou, em casos de emergências, peça a um colega que o faça.

Procure estar uniformizado conforme determinação da es- cola.

Evite utilizar roupas transparentes, curtas, demasiadamen- te decotadas que possam vir a denegrir nossa imagem pro- fissional.

Utilize maquiagem, esmaltes, batons e brincos discretos, ca- belos sempre presos; por questão de higiene, evite o uso de anéis e pulseiras no período em que estiver prestando assis- tência.

Comunique-se com baixo tom de voz.

Respeite o paciente e sua família em seus estados social, físico e psíquico.

Seja ouvinte, atencioso e prestativo às queixas do paciente e de sua família.

Evite comentários sobre o paciente, a família e a equipe den- tro e fora do ambiente hospitalar.

Respeite a equipe multiprofissional. Enriqueça cada dia sua bagagem teórica.

Em caso de dúvida, não se acanhe em esclarecê-la junto ao professor; não leve dúvidas para casa!

Evite realizar procedimentos técnicos sem o consentimento de seu professor.

Guia Prático de Enfermagem - 14

Se cometer algum erro que venha ou não ao prejudicar o paciente, comunique imediatamente ao seu professor.

Faça-se conhecedor e respeite os princípios éticos e legais do exercício profissional da enfermagem.

Guia Prático de Enfermagem - 15

2 – ETAPAS DO PROCESSO DE ENFERMAGEM

Histórico de enfermagem

Composto por entrevista e exame físico, é realizado no ato da admissão a fim de levantar dados que possibilitem o conhecimen- to do estado geral do paciente. As informações devem ser coletadas de forma que sejam garantidas informações corretas, completas e organizadas.

Entrevista

Utilize o instrumento fornecido pelo professor. Abaixo, se- guem-se algumas dicas que podem ser válidas durante sua em- trevista com o paciente:

- antes de iniciar a entrevista, apresente-se e relate o objetivo de tal atividade; - tente inspirar segurança e confiança;

- mantenha boa postura;

- saiba ouvir o paciente e deixa-lo se expressar;

- faça perguntas com linguagem objetiva, clara e de fácil en- tendimento; - utilize um tom de voz compatível com a acuidade auditiva do paciente; - procure não utilizar termos técnicos específicos durante as orientações ministradas.

Qualquer dúvida.... peça ajuda ao professor!

Guia Prático de Enfermagem - 16

Exame físico passo a passo

O exame físico é feito através de uma análise física detalhada, a fim de identificar possíveis problemas de enfermagem. É feito no sentido cefalopodálico, ou seja, da cabeça aos pés.

O exame físico é dividido em quatro fases.

1. Observação: observar o estado geral do paciente: físico e psíquico.

2. Ausculta: é feita utilizando-se o estetoscópio, a fim de verificar a presença de sons, normais ou anormais, produzidos pelos pulmões [murmúrios vesiculares (MV)] e intestino [ruídos hidroaéreos (RHA)];

3. Palpação: manualmente, através de leves compressões em determinadas áreas, como, por exemplo, o abdômen, pode-se identificar a possível existência de massas palpáveis anormais.

4. Percussão: através de leves toques/batidas na base das unhas das mãos que estão sobre o local a ser percutido, podemos perceber sons com diferentes vibrações que nos ajudam a identificar possíveis anormalidades.

O roteiro abaixo poderá ajuda-lo durante a realização do exame físico.

1. Sinais vitais – caracterizado pela verificação e análise de alguns parâmetros como: temperatura (T), pulso (P), respiração (R), pressão arterial (PA).

2. Peso e altura – estado nutricional, relação peso/altura, ganhos e perdas.

Guia Prático de Enfermagem - 17

3. Nível de consciência – consciente, inconsciente, orientado, desorientado.

4. Cabeça

Cabelos e couro cabeludo – quebradiços, ressecados, seborreia, sujidades, piolhos, lêndeas, alopecia, lesões;

ouvido – sujidades, acuidade auditiva, dor, lesões, deformidades;

olhos – secreção, edema, avaliação pupilar, ptose palpebral;

nariz – secreção, sujidade, deformidade, obstrução;

boca – língua saburrosa, sangramento gengival, dificuldade de mastigação e deglutição, condições de dentição, hálito e fala;

pescoço – nódulos, gânglios.

5. Membros superiores

Tórax – simetria, expansibilidade, dor, deformidades; mamas – flácidas, túrgidas, deformidades, nódulos, dor;

mamilos – planos, fissuras, secreções;

rede venosa – visível, palpável, processo inflamatório, esclerose;

unhas – curtas, compridas, sujidade, quebradiças;

abdômen – globoso, flácido, tenso, distendido, escavado.

6. Membros inferiores

Genitália e região perianal – edema, deformidade, sujidade, secreção, hemorroida, prolapso;

regiões sacra e glútea – hiperemia, ulcerações, musculatura;

marcha – deambula com ou sem auxílio, senta, não senta.

7. Pele

Pálida, cianótica, hiperemiada, corada, íntegra, lesões, prurido, deformidades, ressecamento, fissuras, manchas, equimoses, hematomas, turgor, sensibilidade.

8. Eliminações Vesicais, intestinais, vômitos, regurgitações.

Guia Prático de Enfermagem - 18

9. Outras anormalidades encontradas Traumatismos, malformações.

Diagnóstico de enfermagem

O diagnóstico é determinado após análise e avaliação dos dados coletados no histórico de enfermagem. Desta forma, é imprescindível uma boa coleta de infomações enfocando as preocupações mais importantes.

Plano de cuidados

Estabelecido o diagnóstico, deve-se fazer um plano de cuidados que prescreva intervenções para a obtenção dos resultados esperados.

Implementação Colocar o plano de cuidados em ação.

Avaliação

Avaliação do plano de cuidados e progresso do paciente. A esta fase reservam-se possíveis modificações nas prescrições dos cuidados.

Guia Prático de Enfermagem - 19

3 – PASSOS BÁSICOS A SEREM SEGUIDOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DE QUALQUER PROCEDIMENTO TÉCNICO

Lavar as mãos. Reunir os materiais em uma bandeja. Dirigir-se até o leito do paciente. Escolher o local adequado para a colocação da bandeja. Explicar o procedimento ao paciente. Na presença de acompanhantes, verificar com o paciente se deseja que os mesmos presenciem o procedimento, ou se prefere que se retirem por alguns instantes. Realizar o procedimento com cuidado, respeitando o estado físico e psíquico do paciente. Ao término do procedimento, colocar o paciente em posição confortável. Deixar a unidade em ordem. Fazer as anotações de enfermagem. Checar as prescrições médica e de enfermagem, se necessário.

Guia Prático de Enfermagem - 20 Guia Prático de Enfermagem - 20

Guia Prático de Enfermagem - 21

4 – CONTROLES

Os controles englobam a verificação dos sinais vitais (SV). São feitos diariamente nos períodos da manhã, tarde e noite, em horários e impressos específicos, conforme estabelecido na unidade. Abaixo, alguns valores que podem ajuda-lo na interpretação dos valores obtidos durante a verificação dos SV.

Temperatura (T)

Hipotermia: T<36°C Normotermia: T entre 36 e 36,8°C

Febrícula: T entre 36,9 e 37,4°C

Estado febril: T entre 37,5 e 38°C

Febre: T entre 38 e 39°C

Pirexia: T entre 39 e 40°C

Fazer assepsia do termômetro, com álcool a 70% ou sabão antisséptico e água corrente, antes e após sua utilização em cada paciente.

Respiração (R) 16 a 22rpm*

Verificada através de observação direta do número de ciclos respiratórios (uma expiração + uma inspiração = um ciclo respiratório).

Pulso (P) 60 a 80bpm*

Pode ser verificado através de leve compressão dos dedos indicador e médio sobre a artéria radial, que está localizada na face lateral externa do punho, na mesma direção do polegar. Com a outra mão segura-se o relógio para acompanhar a frequência das pulsações.

Guia Prático de Enfermagem - 2

Pressão arterial (PA)

Sistólica: de 90 a 140mmHg* Diastólica: de 60 a 90mmHg*

A PA é verificada com auxílio do esfignomanômetro e do estetoscópio. A medida do manguito deve corresponder a dois terços do braço, devendo ser colocado aproximadamente dois dedos acima da fossa cubital. Insuflar o manguito com a válvula fechada, abrir a válvula lentamente, observando no manômetro os valores da PA sistólica (som mais forte) e da PA diastólica (som mais fraco).

*Valores considerados dentro dos padrões de normalidade para adultos, porém podem sofrer variações de acordo com o tipo de literatura consultada.

Dicas e observações importantes.

Não deixe o paciente perceber que está contando as respirações; para isso, após o término da contagem do pulso, permaneça com os dedos no pulso olhando para o tórax. Pode facilitar se você utilizar o estetoscópio para a contagem da frequência respiratória. Tanto a frequência respiratória (FR) como a frequência cardíaca (FC) devem ser contadas por um minuto. O termômetro deve permanecer na axila por aproximadamente cinco minutos. Procure colocar o manguito diretamente sobre o braço descoberto. O ideal é que não seja verificada a PA mais do que três vezes seguidas no mesmo braço, pois pode haver alteração dos valores. Não verifique a PA no braço que possuir acesso venoso, cateterismo cardíaco*, edema, grandes lesões ou outras contra-indicações.

*No membro em que for realizado o cateterismo cardíaco, a pulsação fica diminuída, dificultando a ausculta.

Guia Prático de Enfermagem - 23

5 – PESO E ALTURA

São verificados na admissão e diariamente (em jejum), conforme necessidade ou rotina da unidade.

Como verificar o peso e a altura?

1. Encaminhar o paciente até a balança. 2. Forrar a base com papel-toalha. 3. Tarar a balança. 4. Solicitar ao paciente que suba e fique de frente para você. 5. Verificar o peso. 6. Solicitar ao paciente que fique ereto/alinhado, com os olhos voltados para o horizonte. 7. Verificar a altura. 8. Anotar os valores em impressos próprios.

Guia Prático de Enfermagem - 24 Guia Prático de Enfermagem - 24

Guia Prático de Enfermagem - 25

6 – HIGIENIZAÇÃO DO PACIENTE

Higiene oral

Materiais

Escova de dentes ou espátula envolvida em gaze; copo descartável;

toalha de rosto;

(Parte 1 de 3)

Comentários