Antropologia (Resumo Feliz)

Antropologia (Resumo Feliz)

Antropologia (Resumo Feliz)

Este é apenas um breve texto introdutório sobre o que é a Antropologia e sobre alguns temas abordados pela mesma. Comecei a usar o termo “Resumo Feliz” ainda na minha vida acadêmica (2002) e eram meus primeiros textos produzidos com o intuito de estudar para as provas do curso de psicologia.

Antropologia: é a ciência que estuda o homem e as implicações e características de sua evolução física (Antropologia biológica, que estuda aspectos genéticos e biológicos do homem), social (Antropologia Social, que estuda a organização social e política, parentesco, instituições sociais), ou cultural (Antropologia Cultural, que estuda os sistemas simbólicos, religião, comportamento). A palavra deriva das palavras gregas antropos (humano, ou homem) + logos (pensamento ou razão). Foi somente no século XIX que se organizou como disciplina científica. 

Outros termos associados à Antropologia são: Etnologia e Etnografia. Segundo Claude Lévi-Strauss (1908) ambas não constituem disciplinas diferentes da antropologia, apenas concepções ou níveis diferentes do mesmo tipo de estudo e, por isso, não deveriam nunca estar dissociadas.

Etnologia: é a ciência social que estuda e compara os diferentes povos e culturas do mundo antigo e moderno. Ele estuda sistematicamente e procura estabelecer relações comparativas entre as características de povos diferentes em diversos aspectos distintos.

Etnografia: é método de investigação social do antropólogo utilizando de um registro descritivo da cultura material de uma determinada Etnia, incluindo suas características sócias, antropológicas, dentre outros.

Lévi-Strauss: foi um grande antropólogo, etnólogo e professor francês. Formado em direito e filosofia na França e produtor de uma vasta obra, Lévi-Strauss foi o criador da antropologia estrutural e um dos maiores pensadores do século XX

Lévi-Strauss considerava as culturas como sistemas de comunicação, e construiu modelos de estudo baseados nas teorias chamadas lingüística estrutural, teoria da informação e cibernética para interpretar esses sistemas de comunicação. Para ele, as estruturas não são realidades concretas, estando mais próximas a modelos cognitivos da realidade que servem ao homem em sua vida cotidiana. 

Cultura: O ser humano vivenciou em sua evolução um processo extra-somático, denominado de cultura, ela é o conjunto de expressões artísticas, sociais, lingüísticas e comportamentais de um povo ou civilização, resumindo, tudo aquilo que é produzido a partir da inteligência humana e transmitido para os demais indivíduos. É uma construção histórica, seja como concepção, seja como dimensão do processo social. Ou seja, a cultura não é uma decorrência de leis físicas ou biológicas, ao contraria, cultura é um produto coletivo da vida humana.

O Homem isolado de um sistema social, não gera cultura, mas a soma de suas potencialidades, estimuladas pela sociedade e pelo meio, é que determinam a dinâmica da criação da cultura. Portanto. Três elementos se impõem na elaboração cultural: o indivíduo, a sociedade e ambiente. (Marconi Presotto)

Cultura é a dimensão da sociedade que inclui todo o conhecimento num sentido ampliado e todas as maneiras com esse conhecimento é expresso. É uma dimensão dinâmica, criadora, ela mesma um processo, uma dimensão fundamental das sociedades contemporâneas. O homem age de acordo com os seus padrões culturais, ele é resultado do meio em que foi socializado.

É essencial entender essas interações, como forma de compreender que não existem culturas superiores ou inferiores (Daniel Marcos Martins)

A Construção Histórica acontece de forma temporal sendo moldada conforme uma sociedade se desenvolve.Para Michel Foucault, “a sociedade é uma construção histórica atravessada por práticas discursivas. E a produção dessas práticas discursivas é controlada, selecionada, organizada e redistribuída pelos procedimentos coercitivos já elencados anteriormente e que têm por função primordial evitar os poderes e perigos do discurso.” (Diana Pereira Coelho de Mesquita)

Relativismo Cultural: Cada realidade cultural tem sua lógica interna a qual devemos procurar conhecer para que façam sentido. Suas práticas, costumes, concepção e as transformações pelas quais estas passam. É preciso relacionar a variedade de procedimentos culturais com os contextos em que são produzidos.

Cada cultura tem seu próprio conjunto de coisas boas, e o que se considera bom numa cultura pode não sê-lo em outra. Reconhecer isto é adotar a posição de “relativismo cultural”. O que é bom para o nativo da ilha de Trobriand é bom para o nativo da ilha de Trobiand, e isso é tudo. (B. F. Skinner)

Raça: Biologicamente, uma raça seria um grupo humano que se distingue dos outros por um conjunto de características físicas hereditárias. A divisão dos seres humanos em raças, no entanto, é completamente arbitraria. O problema principal é que as diferenças genéticas entre os seres humanos são mínimas. Dependendo do critério que se estabelece, a divisão em raças seria feita diferente.

A noção de raça foi desacreditada pelos biólogos que, bem antes de 1960, determinaram a variabilidade genética nos grupos humanos. Mas um grande número de antropólogos continuaram, até os anos 1970-1980 (um século depois dos trabalhos antropométricos do neurologista e antropólogo francês Paul Broca, que deu origem à disciplina), a aplicar os cânones descritivos e classificadores herdados da era colonial. Eles acreditavam em raça, um conjunto de traços físicos e psicológicos distintos, hereditários. (brasil247)

Etnia: Grupo de indivíduos que pertencem a uma mesma cultura tendo as mesmas especificidades e que se reconhecem como pertencendo ao mesmo grupo de indivíduos. Pode ter como pontos em comum idioma (dialeto), religiões, festejos e hábitos diários.

Etnocentrismo: Atitude dos membros de uma sociedade que reduzem todos os fenômenos sociais de uma determinada cultura com conceitos que os mesmo identifiquem como familiares e assim idealizam que sua própria cultura como superiora outras culturas.

Bibliografia:

- Antropologia: Uma Introdução - Marconi Presotto

- O mito da liberdade - Burrhus Frederic Skinner

- Interações, apropriações e circularidades na música brasileira: Século XX em Pernambuco e Século XXI em São Paulo – Daniel Marcos Martins

- Breves incursões sobre os influxos de Michel Foucault na Episteme da análise do discurso - Diana Pereira Coelho de Mesquita

- Só existe uma raça, e ela surgiu na África: http://www.brasil247.com/pt/247/revista_oasis/89206/S%C3%B3-existe-uma-ra%C3%A7a-e-ela-surgiu-na-%C3%81frica.htm

Tiago André M. Malta

Rio de Janeiro, 02 de Fevereiro de 2017

Endereço Eletrônico: tiagomaltapsi@gmail.com

BLOG: http://tiago-malta.blogspot.com

Comentários