4-recife-pe e suas susceptibilidades a desertificação

4-recife-pe e suas susceptibilidades a desertificação

(Parte 2 de 2)

Os maiores indices pluviométricos registrou-se nos anos de 1970 (2.868,8 m);1973 (2.908,6 m); 1978 (2.744 m); 1984 (2.871 m); 1986 (3.441,1 m); 2000 (3.359 m) e o ano de 2011 com 3.245,7 m. Os menores índices anuais de precipitações registou-se nos anos de 1962 (1.204,1 m);1968 (1.102,2 m);1993 (1.326,3 m); 1998 (1.249,7 m); 1999 (1483,9 m) e o ano de 2012 com 1.604 m. Estas oscilações fora causadas pela interferencia da ZCIT, a variabilidade da oscilação da temperatura do mar e a flutuação da brisa.

Figura 2. Distribuição da precipitação média anual e temperatura média anual do período de 1962-2015 para Recife-PE.

Na figura 3 predomina as ocorrências dos climas: árido com atualizações moderadas, semiárido com predominância total e o Subúmido fraca.

Figura 3. Variabilidade anual dos índices de aridez compreendido entre o período de 1962 - 2015 com representação das classes climáticas para Recife-PE.

O índice de aridez calculado no balanço hídrico mostra ampla oscilação espacial interanual, entretanto os índices de aridez estão acima dos valores estabelecidos para a desertificação.

Áreas identificadas com vulnerabilidade à desertificação, em razão do índice de aridez menor, podem não estar localizadas na área degradada, e áreas que apresentam maior índice de aridez e não são advertidas como processos de vulnerabilidade podem encontrar-se degradadas a ponto de serem consideradas áreas desertificadas. Esta variabilidade poderá ocorrer devido ao uso inadequado do solo e do ambiente.

O estudado visou determinar com maior segurança os dados dos níveis de suscetibilidade e classificações climáticas com maior precisão para determinar a existência ou não de áreas com desertificação. Nesse sentido, quanto maior a precipitação, maior será o índice de aridez, e diante a desertificação, menor será a susceptibilidade.

A distribuição espacial da precipitação pluviométrica ocorre de forma irregular e com alta variabilidade anual, assim como a distribuição da temperatura anual fazendo predominar o clima semiárido na maioria dos anos estudados.

Úmido

Subúmido Subúmido seco

Semiárido Árido

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) pela concessão de bolsa de Pós-doc e a Coordenação de Engenharia Ambiental pela pesquisa em desenvolvimento.

BESERRA, E.A. Projeções de Aridez no Nordeste do Brasil para o Século XXI em um Cenário de Aquecimento Global. 93f. Dissertação Mestrado (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). São José dos Campos-SP. 2011. DUFEK, A.S.; AMBRIZZI, T. Precipitation variability in São Paulo State, Brazil.Theoretical and Applied Climatology, v. 93, p.167-178, 2008. FAO. Foad and agriculture organization of the United Nations. La erosion del suelo por el água: Algumas medidas para em las tierras de cultivo. Roma: Organization de Las Nacioes Unidas, 1967, p. 207. MATALLO JUNIOR, H.A desertificação no mundo e no Brasil. In: SCHENKEL, C.S. e MATALLO JR, H (Org). Desertificação. Brasília: UNESCO, 2003. MATALLO JÚNIOR, H. Indicadores de Desertificação: histórico e perspectivas. – Brasília: UNESCO, 2001. MEDEIROS, R.M.; MATOS, R.M.; SILVA, P.F.; SABOYA, L.M.F.; Cálculo do balanço hídrico e da erosividade para o município de Cabaceiras-PB. Revista Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.1 n.21; p. 2894-2907. 2015 MATOS, R.M.; MEDEIROS, R.M.; SILVA, P.F. Caracterização e aptidão climática de culturas para o município de Alhandra - PB, Brasil. Revista Brasileira de Agricultura Irrigada, v. 9, p. 183-192, 2015. MEDEIROS, R.M. Elaboração de programa computacional em planilhas eletrônicas do Balanço hídrico. 2016. MEDEIROS, R.M. Estudo agrometeorológico para o Estado do Pernambuco. p.145. 2016. Edição Avulsa. MEDEIROS, R.M. Caracterização de mudanças climáticas por meio de séries meteorológicas para o município de Teresina/Piauí. Revista Pernambucana de Tecnologia. v.2, p.6 - 17, 2014. MEDEIROS, R.M.; GOMES FILHO, M.F.; COSTA NETO, F.A. Erosividade da chuva na área da bacia hidrográfica do rio Uruçuí Preto- PI, Brasil visando o desenvolvimento de manejos do solo. 9° congresso de educação agrícola superior Areia-PB - 27 a 30 de outubro de 2014 Nº ISSN / 0101-756X. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Atlas das áreas susceptíveis à desertificação do Brasil. Secretaria de Recursos Hídricos, Brasília: MMA, 2007. NICHOLSON, S.E.; TUCKER, C.J.; BA, M.B. Desertification, Drought, and Surface Vegetation: An Example from the West African Sahel. Bulletin of the American Meteorological Society, v.79, n.5, p.815-829, 1998. PEREIRA, A.P.A.; ANGELOCCI, L.R; SENTELHAS, P.C. Agrometeorologia: fundamentos e aplicações práticas. Guaíba – RS: Agropecuária, 478p. 2002. THORNTHWAITE, C.W. An approach toward a rational classification of climate. Geographic Review, 38, p.5-94. 1948. THORNTHWAITE, C.W.; MATHER, J.R. The water balance. Publications in Climatology. New Jersey: Drexel Institute of Technology, 104p.1955.

WISCHMEIER, W.H.; JOHNSON, C.B.; CROSS, B.V. A soil erodibility nomograph for farmaland and construction sites. Journal of Soil and Water Conservation, Ankeny, n.26, p.189- 193, 1971. WISCHMEIER, W.H.; SMITH, D.D. Rainfall energy and its relationship to soil loss. Transactions of the American Geophysical Union, Washington, v.39, n.2, p.285-291, 1958. WISCHMEIER, W.H.; SMITH, D.D. Predicting rainfall erosion losses: a guide to conservation planning. Washington: USDA, 1978. 58p.

(Parte 2 de 2)

Comentários