Relações ecológicas

Relações ecológicas

Criado e Desenvolvido por:

Todos os direitos são reservados ©2017 tioronnicabral.blogspot.com.br

1) Introdução

A interação dos diversos organismos que consttuem uma comunidade biológica são genericamente denominadas relações ecológicas, e costumam ser classifcadas pelos biólogos em intra-específcas, interespecífcas, harmônicas e desarmônicas.

Relações intra-específcas: São as que se estabelecem entre indivíduos de uma mesma espécie.

Relações interespecífcas: São as que se estabelecem entre indivíduos de espécies diferentes.

Relações harmônicas: Pelo menos uma das espécies se benefcia e não há prejuízo para nenhuma das partes associadas.

Relações desarmônicas: Uma ou ambas as espécies são prejudicadas.

2) Resumo

Relações Harmônicas

Intra-Específca Colônias Sociedades

Interespecífca

Mutualismo

Protocooperação Comensalismo

Relações Desarmônicas

Intra-Específca Competção intra-específca Canibalismo

Interespecífca

Competção interespecífca

Predatsmo Parasitsmo

Amensalismo Esclavagismo

3) Relações Intraespecífcas Harmônicas

I) Colônia: São associações entre indivíduos da mesma espécie, unidos fsicamente entre si, podendo ou não ocorrer divisão de trabalho. Ex: Corais, bactérias (estreptococos), caravela

I) Sociedade: São associações entre indivíduos da mesma espécie, organizados de modo cooperatvo e não ligados anatomicamente.

Ex: sociedade dos insetos: abelhas, formigas, vespas.

Obs.: Na sociedade das abelhas as funções dos indivíduos são bem defnidas, havendo três castas sociais: rainha, zangão e operárias.

Corais, exemplo de colônias.

Abelhas, exemplo de sociedade.

3) Relações Intraespecífcas Harmônicas I) Colônia - Caravela

3) Relações Intraespecífcas Harmônicas I) Sociedade: Abelhas

4) Relações Interespecífcas Harmônicas

I) Mutualismo: É a associação entre indivíduos de espécies diferentes, necessária à sobrevivência dos partcipantes e que benefcia ambos. Ex: oLíquens: (associação entre algas ou cianobactérias e fungos). oBacteriorriza: Associação formada por bactérias do gênero Rhizobium com raízes de leguminosas, como o feijão. oHerbívoros e Protozoários.

Bactérias em raízes de leguminosas

4) Relações Interespecífcas Harmônicas

I) Protocooperação: É a associação entre indivíduos de espécies diferentes em que ambos se benefciam, mas a existência não é obrigatória. Ex: oPaguro e anêmonas do mar. oCervo e pássaro anu. oPássaro palito e jacaré. oInsetos polinizadores e angiospermas.

4) Relações Interespecífcas Harmônicas

I) Comensalismo: É a associação entre espécies diferentes, na qual uma espécie é benefciada sem causar prejuízo ou benefcio a outra.

Comensalismo tpico: Relação em que uma espécie se alimenta de restos alimentares de outra, sem prejudicá-la. Ex: Abutres, que aproveitam restos das presas dos leões.

Inquilinismo: Relação ecológica em que uma espécie inquilina vive sobre ou no interior de uma espécie hospedeira, sem prejudicá-la. Nos vegetais essa associação recebe o nome de epiftsmo. Ex: Bromélias.

Forésia: Relação na qual uma espécie usa a outra como meio de transporte. Ex: Tubarão e rêmoras.

4) Relações Interespecífcas Harmônicas RELAÇÕES ECOLÓGICASRELAÇÕES ECOLÓGICAS

Peixe agulha vivendo se abrigando no ânus do pepino do mar.

5) Relações Intra-específcas Desarmônicas

I) Competção Intra-específca: Ocorre entre indivíduos da mesma espécie, e é motvada por disputas por território, alimento e companheiro sexual.

Obs.: A competção é um fator que regula o tamanho da população

I) Canibalismo: Relação na qual um organismo se alimenta de outro da mesma espécie.

Ex: Louva-Deus; Aranha viúva negra.

6) Relações Interespecífcas Desarmônicas

I) Competção Interespecífca: Ocorre entre indivíduos de espécies diferentes. Geralmente ocorre quando duas espécies apresentam sobreposição de nichos ecológicos.

A disputa pelo mesmo recurso ambiental é um importante fator no controle do tamanho das populações.

Quando uma competção é muito severa uma das espécies pode ser eliminada (extnta) ou obrigada a emigrar.

A introdução de espécies exótcas têm causado graves impactos ambientais devido ao fato dessas espécies competrem pelos mesmos recurso que espécies natvas.

6) Relações Interespecífcas Desarmônicas I) Competção Interespecífca

Paramécios cultvados isolados apresentam elevada densidade populacional

Cultvados juntos a espécie de Paramecium caudatum tem sua população reduzida devido à intensa competção com Paramecium aurelia.

6) Relações Interespecífcas Desarmônicas

I) Predatsmo: Ocorre quando organismo predadores matam indivíduos da população de presas para deles se alimentarem. Ex: Leões e girafas.

Obs.: A relação presa-predador pode ser um fator regulador da densidade populacional de ambos.

Presa

Predador Nº de indivíduos

Tempo

6) Relações Interespecífcas Desarmônicas I) Predatsmo:

6) Relações Interespecífcas Desarmônicas I) Predatsmo:

Fungo parasitando formigaPássaro capturado pela aranha Pássaro capturado por onça.

6) Relações Interespecífcas Desarmônicas I) Predatsmo:

Vídeo: Predatsmo Percevejo e formigas

6) Relações Interespecífcas Desarmônicas

I) Parasitsmo: Relação na qual uma das espécies, o parasita, obtêm nutrientes e moradia no corpo de indivíduos vivos da espécie hospedeira.

Endoparasitsmo: O parasita vive no interior do corpo do hospedeiro. Ex: Protozoários fagelados e cupim.

Ectoparasitsmo: Quando o parasita vive na superfcie do hospedeiro. Ex: Piolho e homem.

Holoparasita: Planta parasita que obtém seiva bruta e elaborada as custas da planta hospedeira. Ex: Cipó-chumbo.

Hemiparasita: Planta parasita que obtém somente seiva bruta as custas da planta hospedeira. Ex: Erva de passarinho.

O parasitsmo é fator regulador do tamanho de uma população.

Geralmente os parasitas não matam os hospedeiros, pois dependem destes para sobreviverem.

O parasitsmo é fator regulador do tamanho de uma população.

Geralmente os parasitas não matam os hospedeiros, pois dependem destes para sobreviverem.

6) Relações Interespecífcas Desarmônicas I) Parasitsmo

Erva-de-passarinho Cipó chumbo Pernilongo

6) Relações Interespecífcas Desarmônicas I) Parasitsmo

Mosca-do-berneLarva da Mosca-do-berne

6) Relações Interespecífcas Desarmônicas

IV) Amensalismo: Também chamado de antbiose, uma espécie denominada inibidora libera substâncias que impedem o crescimento e a reprodução de outra denominada amensal.

Ex: Algas pirróftas e animais marinhos (Maré vermelha).

Algas Pirróftas

6) Relações Interespecífcas Desarmônicas

V) Esclavagismo: Uma espécie se benefcia do trabalho de outra. Ex: Chupim.

Essa espécie de pássaro bota seus ovos no ninho de outras espécies, que passa a chocá-los até a eclosão.

Filhote do pássaro Chupim sendo criador por outra ave.

Formiga cuidando da sua criação de pulgões.

6) Relações Interespecífcas Desarmônicas

VI) Herbiverismo: Relação entre um organismo herbívora e uma planta. Ex: Boi e capim

Resumo

(+) espécie beneficiada (-) espécie prejudicada

7) Formas Especiais de Adaptação a)Camufagem: Forma de adaptação na qual um organismo se parece com o ambiente, confundindo-se com ele na cor e/ou na forma.

b)Mimetsmo: Forma de adaptação na qual uma espécie se benefcia por

assemelhar-se a outras

7) Formas Especiais de Adaptação a)Camufagem: Forma de adaptação na qual um organismo se parece com o ambiente, confundindo-se com ele na cor e/ou na forma.

7) Formas Especiais de Adaptação RELAÇÕES ECOLÓGICASRELAÇÕES ECOLÓGICAS

b)Mimetsmo: Forma de adaptação na qual uma espécie se benefcia por

7) Formas Especiais de Adaptação assemelhar-se a outras

7) Formas Especiais de Adaptação b) Mimetsmo

7) Formas Especiais de Adaptação c) Aposematsmo: Forma de adaptação na qual uma espécie exibe cores chamatvas para advertr seus possíveis predadores quanto a seu paladar desagradável ou pelo veneno que possui.

Exercício 1

(Enem 2016.1) Um pesquisador investigou o papel da predação por peixes na densidade e tamanho das presas, como possível controle de populações de espécies exóticas em costões rochosos. No experimento colocou uma tela sobre uma área da comunidade, impedindo o acesso dos peixes ao alimento, e comparou o resultado com uma área adjacente na qual os peixes tinham acesso livre. O quadro apresenta os resultados encontrados após 15 dias de experimento.

O pesquisador concluiu corretamente que os peixes controlam a densidade dos(as):

a) algas, estimulando seu crescimento. b) cracas, predando especialmente animais pequenos. c) mexilhões, predando especialmente animais pequenos. d) quatro espécies testadas, predando indivíduos pequenos. e) ascídias, apesar de não representarem os menores organismos.

Exercício 1

(Enem 2014) Existem bactérias que inibem o crescimento de um fungo causador de doenças no tomateiro, por consumirem o ferro disponível no meio. As bactérias também fazem fixação de nitrogênio, disponibilizam cálcio e auxinas, substâncias que estimulam diretamente o crescimento do tomateiro.

PELZER, G. Q. et al. Mecanismos de controle da murcha-de-esclerócio e promoção de crescimento em tomateiro mediados por rizobactérias. Tropical Plant Pathology, v. 36, n. 2, mar.-abr. 2011 (adaptado).

Qual dos processos biológicos mencionados indica uma relação ecológica de competição? a) Fixação de nitrogênio para o tomateiro. b) Disponibilização de cálcio para o tomateiro. c) Diminuição da quantidade de ferro disponível para o fungo. d) Liberação de substâncias que inibem o crescimento do fungo. e) Liberação de auxinas que estimulam o crescimento do tomateiro.

Na competição, ocorre uma relação onde dois organismos competem por um recurso, e ambos envolvidos são prejudicados. As bactérias consomem o ferro disponível, assim como os fungos. Neste caso, os dois organismos competem por um recurso limitado.

Comentários