Relatório destilaçao

Relatório destilaçao

CIS – CEDUP RENATO RAMOS DA SILVA QUÍMICA – 1ª SÉRIE 01 TÉCNICO EM BIOTECNOLOGIA

ROSA NATHALI DE MACEDO LAGES, 26 DE SETEMBRO DE 2017

1 - OBJETIVOS Aprender a técnica de separação de misturas por destilação laboratorial;

Incrementar o conhecimento em prática e identificar em quais ocasiões a técnica deve ser utilizada;

Realizar a diferenciação entre técnica de destilagem simples e fracionada;

Identificar o ponto de ebulição de substâncias;

Realizar a prática do uso de equipamentos laboratoriais;

Reforçar conhecimentos sobre normas laboratoriais e de segurança.

2 - REFERENCIAL TEÓRICO

Bico de Bunsen: equipamento utilizado como fonte de calor para o aquecimento de substâncias ou esterelização de pequenos objetos;

Manta de aquecimento: tem a função de aquecer soluções, porém sem utilizar chama ou gases e sim a eletricidade, o que evita o risco de explosões;

Balão de destilação: recipiente de vidro que recebe a mistura que sofrerá destilação por meio da ebulição do composto mais volátil;

Termômetro: aparelho utilizado para medir a temperatura ou suas variações;

Rolha: é usado para reter líquidos ou gases em recipientes;

Condensador: equipamento responsável por realizar a condensação de uma substância (passagem do estado gasoso para o estado líquido) através do resfriamento da camada gasosa;

Entrada de H2O: é a área do condensador destinada para a entrada de água fria (essa água esfria o vidro do condensador, o que favorece a condensação);

Saída de H2O: é a área do condensador destinada para a saída da substância mais volátil (que sofreu ebulição e resfriamento pela condensação);

Béquer: recipiente de vidro utilizado para experimentos laboratoriais;

Conector: equipamento usado para interligar dois ou mais equipamentos.

3 - MATERIAIS UTILIZADOS

Bico de Bunsen; Manta de aquecimento;

Balão de destilação;

Condensador;

Mangueiras;

Béquer;

Termômetro.

3.1 - REAGENTES

Vinho tinto;

H2O; NaCl (Cloreto de Sódio).

4 - PROCEDIMENTO

Destilação simples de água com sal: adicionou-se a um balão de destilação uma quantia de H2O (água) com NaCl (Cloreto de Sódio). Em seguida, com o auxilio de uma rolha e um termômetro, tapou-se a parte de cima do balão. Após, ligou-se o bico de Bunsen para aquecer a mistura homogênia de água e sal. Na medida que a mistura foi sendo aquecida, a água atingiu uma temperatura aproximada de 105ºC, que foi quando passou pelo processo de ebulição e posterior chegada ao condensador, onde sofreu resfriamento para ser direcionada ao béquer abaixo do ponto de saída. A água que que foi direcionada ao béquer pode ser considerada ‘dessalinizada’, já que nela haviam pouco ou nenhum vestígio de sal devido ao fato de que somente a água sofreu ebulição, uma vez que o ponto de ebulição do NaCl é de aproximadamente 1.413ºC e a solução do experimento estava submetida a uma temperatura média de 105ºC.

Destilação fracionada do vinho: pegou-se um balão de destilação contendo vinho tinto e fechou-se sua superfície superior com uma rolha contendo um termômetro inserido verticalmente. Após, colocou-se o balão na manta de aquecimento, a qual foi ligada na tomada na temperatura máxima. Na medida que a mistura foi sendo aquecida, a água e o álcool passaram pelo processo de ebulição a aproximadamente 96ºC, sendo desta forma resfriado no destilador e chegando na forma líquida ao béquer que se encontrava ao final da saída, que abrigou a água com álcool com, possivelmente, o mínimo de vinho, devido ao fato de o vinho ser uma mistura azeotrópica e, portanto, difíceis de se separar. Já a vidraria que estava sob aquecimento, ao final da separação se transformou em suco de uva.

5 - CONCLUSÃO

Através da prática realizada pôde-se notar que por meio de processos laboratoriais e os equipamentos corretos, a separação de misturas homogênias é algo simples e completamente possível. No entanto, é importante estar atento ao ponto de ebulição das substâncias da mistura para obter resultados mais precisos, sendo que é obrigatório a presença de duas os mais substâncias com diferentes pontos de ebulição para que o processo ocorra da maneira certa, sendo que a substância com o menor ponto de ebulição será aquela que será separada do restante da solução e direcionada ao béquer do final do experimento.

Houve também o conhecimento sobre os diferentes tipos de destilação: simples e fracionada; ambos exclusivos de laboratórios. A destilação simples é a técnica usada para separação de substâncias homogênias (missíveis entre si) de um sólido e um líquido, como foi no caso da água e do sal. Já a destilação fracionada, também serve para separar substâncias homogênias, no entanto é usada somente quando há a mistura de dois líquidos com diferentes pontos de ebulição, como foi o caso do experimento realizado com o vinho.

Dada a realização da prática, obteve-se além dos conhecimentos já supracitados o reconhecimento de diferentes equipamentos laboratoriais e seu uso prático, como foi o caso do balão de destilação e a manta de aquecimento. Na aula também foi notória a percepção de que o ponto de ebulição das substâncias não é algo exato, sendo que nas bibliografias a água é citada como tendo ponto de ebulição a 100ºC, enquanto no experimento realizado ela ebuliu a aproximadamente 105ºC, visto que estava na presença de sal de cozinha.

6 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS w.pt.m.wikipedia.org

w.mundoeducacao.bol.uol.com.br/

w.infoescola.com

w.brasilescola.uol.com.br

7 - ANEXOS Destilador montado com água salgada. Destilador contendo vinho.

Comentários