Retlatório

Retlatório

Caso de Estudo 1: Testemunha de Jeová e a questão do sangue

1- Conflito de Parâmetros: a missão médica de preservar a vida versus o dogma religioso conflitante

2- Objetivos:

2.1- Estudar a relação médido-paciente;

Discultimos em sala que o tecnicismo atrelado as tecnologias passou a ser uma constante na formação do profissional médico. Conhecimentos psicanalíticos passaram a ter quase que exclusividade de psicanalistas, psicólogos e alguns psiquiatras. Embora o uso de técnicas adequadas e o bom relacionamento médico-paciente não sejam excludentes, afastou-se do doente como ser humano. Não se deve perder de vista o atendimento humanizado do paciente como um todo, o qual está inserido em uma história de vida, visão holística do paciente. Medicina do Doente não exclui Medicina da Doença. Nesse sentido é preciso sensibilizar os profissionais de saúde sobre a importância da relação médico-paciente.

A construção da relação médico-paciente nasce da abordagem utilizada pelo profissional, devendo imprimir características humanas, subjetivas, de uma forma natural. Não deve se limitar à objetividade das tecnologias. Deve também usar de sua anamnese para que, através das queixas relatadas pelo doente e também procurando conhecer o estilo de vida do individuo, desenvolva o tratamento mais eficaz.

2.2- Conhecer o código de ética médica, no ámbito do protocolo médico versus a espiritualidade do paciente;

O Código de Ética Médica é fundamental nessa problemática, o mesmo foi discutido em sala e após estudo mais detalhado pode-se encontrar os esclarecimentos legais sobre o assunto.

Na parte dos principios fundamentais temos

I - A Medicina  é uma profissão a serviço da saúde do ser humano e da coletividade e será exercida sem discriminação de nenhuma natureza.

II - O alvo de toda a atenção do médico  é a saúde do ser humano, em benefício da qual deverá agir com o máximo de zelo e o melhor de sua capacidade profissional

XII - O médico empenhar-se-á pela melhor adequação do trabalho ao ser humano, pela eliminação e pelo controle dos riscos à saúde inerentes às atividades laborais

XX - A natureza personalíssima da atuação profissional do médico não caracteriza relação de consumo.

O Capítulo III ao tratar da responsabilidade profissional nos diz:

É vedado ao médico

Art. 13. Deixar de esclarecer o paciente sobre as determinantes sociais, ambientais ou profissionais de sua doença.

O Capítulo IV trata dos direitos humanos, informando que

É vedado ao médico:

Art. 22. Deixar de obter consentimento do paciente ou de seu representante legal após esclarecê-lo sobre o procedimento a ser realizado, salvo em caso de risco iminente de morte.

Art. 24. Deixar de garantir ao paciente o exercício do direito de decidir livremente sobre sua pessoa ou seu bem-estar, bem como exercer sua autoridade para limitá-lo.

Art. 26. Deixar de respeitar a vontade de qualquer pessoa, considerada capaz fisica e mentalmente, em greve de fome, ou alimentá-la compulsoriamente, devendo cientificá-la das prováveis complicações do jejum prolongado e, na hipótese de risco iminente de morte, tratá-la.

Art. 28. Desrespeitar o interesse e a integridade do paciente em qualquer instituição na qual esteja recolhido, independentemente da própria vontade.

Parágrafo único. Caso ocorram quaisquer atos lesivos à personalidade e à saúde física ou mental dos pacientes confiados ao médico, este estará obrigado a denunciar o fato à autoridade competente e ao Conselho Regional de Medicina.

No Capítulo V temos

É vedado ao médico:

Art. 31. Desrespeitar o direito do paciente ou de seu representante legal de decidir livremente sobre a execução de práticas diagnósticas ou terapêuticas, salvo em caso de iminente risco de morte.

Art. 32. Deixar de usar todos os meios disponíveis de diagnóstico e tratamento, cientificamente reconhecidos e a seu alcance, em favor do paciente.

Art. 34. Deixar de informar ao paciente o diagnóstico, o prognóstico, os riscos e os objetivos do tratamento, salvo quando a comunicação direta possa lhe provocar dano, devendo, nesse caso, fazer a comunicação a seu representante legal.

Art. 38. Desrespeitar o pudor de qualquer pessoa sob seus cuidados profissionais.

Art. 40. Aproveitar-se de situações decorrentes da relação médico-paciente para obter vantagem física, emocional, financeira ou de qualquer outra natureza.

Art. 42. Desrespeitar o direito do paciente de decidir livremente sobre método contraceptivo, devendo sempre esclarecê-lo sobre indicação, segurança, reversibilidade e  risco de cada método

2.3- Estudar medicina e espiritualidade.

Este foi outro fator importante constatado na pesquisa de campo, uma vez que os usuários em geral querem que o médico levem em consideração seus valores no seu atendimento e tratamento e a religião esta íntimamente ligada a ese conjunto de valores subjetivos que é o ser humano.

Comentários