A importância do projeto em revestimento de marmore e granito em fachada de edificio

A importância do projeto em revestimento de marmore e granito em fachada de...

(Parte 1 de 4)

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA

Trabalho de Conclusão de curso

Marcelo Gameiro Henriques

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO EM REVESTIMENTO DE MARMORE E GRANITO EM FACHADA DE EDIFICIO

São Gonçalo

2016

Marcelo Gameiro Henriques

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO EM REVESTIMENTO DE MARMORE E GRANITO EM FACHADA DE EDIFICIO

Projeto apresentado a disciplina de Engenharia Civil

da Universidade Salgado de Oliveira- Universo, como

parte de requisitos para conclusão de curso

Prof.ª RENATA MANIER

Professor orientador – UNIVERSO

São Gonçalo

2016

A Deus, o que seria de mim sem a fé que tenho nele.

Aos meus pais e minha esposa e filhos pela esperança e

apoio imensurável em todos os momentos.

AGRADECIMENTOS

Agradeço primeiramente a Deus e a meus pais Jose Claudio da silva Henriques e Edelcimeri Gameiro Henriques, pelo apoio e incentivo moral para superar todas as dificuldades encontradas em todo o período de graduação.

A minha esposa Ana Claudia e meus filhos, Jose Matheus, Joao Pedro e Lucas, que de forma especial e única me deram força e coragem, me apoiando nos momentos de dificuldades, incentivando meu crescimento pessoal e profissional.

Ao meus orientadores( não sei o nome deles ) , pelos conhecimentos passados, por fornecer as diretrizes para a realização deste trabalho, pela paciência e oportunidade concedida.

A todas as pessoas, que de alguma forma, me deram apoio, torceram por mim e me falaram palavras amigas nos momentos em que mais precisei.

“A verdadeira motivação vem de realização, desenvolvimento pessoal, satisfação no trabalho e reconhecimento.”

(Frederick Herzberg)

RESUMO

Este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de analisar a importância do projeto de revestimentos em mármores e granitos em fachada de edifícios, com vistas a auxiliar os profissionais da construção civil, reduzindo patologias e conseguindo alcançar a vida útil estipulada em projeto para o revestimento externo. O desempenho correto estará intimamente ligado a um projeto adequado e cuidadosamente realizado, baseado em normas técnicas e estudos específicos sobre o assunto de ocorrência das infiltrações e patologia nos revestimento nas edificações, suas manifestações patológicas e a indicação de produtos para tratamento. Para tanto foi realizada pesquisa bibliográfica e registro de imagens feitas in loco dos locais onde ocorre infiltração e/ou umidade. Como resultado da pesquisa realizada foi possível levantar os locais de ocorrência, as manifestações patológicas decorrentes dos revestimentos de paredes externas, como placas de mármores ou granitos por sua vez, apresentam, nesses últimos anos, incidências elevadas em problemas patológicos, afastando construtores e incorporadores dessa alternativa construtiva, sobretudo, pelas novas exigências advindas da norma de desempenho. Em vista disso a NBR 13707 (1996), revestimentos externos com placas pétreas, está sendo atualizado para propiciar melhores condições de execução e minimizar problemas relacionados ao seu procedimento, dando enfoque ao projeto de revestimento em mármore e granito em fachada, elemento negligenciado no processo construtivo atual. O presente estudo enfoca nas principais mudanças dessa norma, que se encontra em tramitação na comissão de estudos sobre o assunto.

A análise e estudo da tecnologia de produção de revestimentos em mármores e granitos foram realizados com a visita a quatro empreendimentos onde o projeto de revestimento cerâmico de fachada foi implementado.

Acompanhou-se ainda, o ensaio em relação ao comportamento do revestimento, chamado de resistência de aderência à tração.

Após a exploração de todos os itens indicados no presente estudo chegou-se a conclusão de que mesmo em empreendimentos com um projeto específico de revestimento de fachada, ainda, é corrente o procedimento inadequado às conformidades especificadas em projeto, devendo-se especialmente a falta de qualificação da mão-de-obra e a minimização dos construtores da importância do revestimento externo ao edifício e sua respectiva vida útil.

Como estímulo para um contínuo aprofundamento com novas pesquisas nesta área, tão importante na construção civil a conclusão deste estudo, constatou-se a importância da prevenção das patologias por meio da impermeabilização e ainda que, mesmo que a presença da água seja inevitável, é possível proteger a edificação contra infiltração e umidade.

Palavras chave: manifestações patológicas Revestimentos de mármore e granito em fachada.

SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO...............................................................................................09

1.1 Área e limitação do tema...........................................................................09

1.2 Justificativa................................................................................................10

1.3 Objetivos.....................................................................................................11

1.3.1 Objetivo geral..........................................................................................11

1.3.2 Objetivos específicos.............................................................................11

2. REFERENCIAL TEÓRICO............................................................................11

2.1 Históricos do revestimento no Brasil......................................................12

3. METODOLOGIA...........................................................................................13

3.1 justificativas da metodologia...................................................................13

4. ANÁLISE INLOCO DE REVESTIMENTOCOM PROJETO DE MÁRMORE E GRANITO..........................................................................................................13

4.1 projetos da fachada..................................................................................14

4.1.1 processo de execução do projeto........................................................14

4.1.2 processo tradicional..............................................................................14

4.1.3 processo racionalizado.........................................................................15

4.1.4 Elaboração do projeto e suas considerações....................................15

4.1.5 peso próprio da pedra..........................................................................15

4.1.6 Durabilidade das placas.......................................................................15

4.1.7 Deformação térmica..............................................................................15

4.1.8 Intempéries............................................................................................16

4.1.9 Ação do vento.......................................................................................16

4.2.0 Retração do revestimento em relação à estrutura...........................16

4.2.1 Dimensionamento a ser considerado................................................17

4.2.2 Escolha dos materiais.........................................................................17

4.2.3 Características das rochas.................................................................17

4.2.4 Componentes para fixação.................................................................18

4.2.5 Assentamento com argamassa adequada........................................27

4.2.6 Rejunte e impermeabilização..............................................................27

4.2.7 Formato das placas.............................................................................27

4.2.8 Descrição do projeto...........................................................................27

4.2.9 Conformidade com o projeto.............................................................28

4.3.0 Manuseio e estocagem de materiais e componentes.....................28

4.3.1 Granitos colocados com dispositivos de fixação...........................29

4.3.2 Granito colocado com argamassa....................................................30

4.3.3 juntas...................................................................................................30

4.3.4 A importância do conhecimento dos materiais petreos.................31

4.3.5 Caracterização tecnologica...............................................................34

4.3.6 Ensaios tecnológicos e analises petrografias................................34

4.3.7 Compressao.......................................................................................35

4.3.8 Resfriamento......................................................................................36

4.3.9 Tração na flexao.................................................................................37

4.4.0 Desgaste na espessura das pedras – AMSTER..............................38

4.4.1 Impacto...............................................................................................38

5. estudo do caso........................................................................................39

5.1 Introdução.............................................................................................39

5.2 Metodologia..........................................................................................40

5.3 Sistemas de fixação adotados............................................................40

5.4 Controles de qualidade........................................................................41

6. CONCLUSÃO...........................................................................................42

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS............................................................42

1. INTRODUÇÃO

A construção civil negligenciou ao longo de vários anos a importância do projeto de revestimento de mármore e granito em fachada ao andamento do procedimento executivo de edifícios e obras em geral.

A execução sem planejamento, com inúmeras incompatibilizações entre projetos e improvisações corriqueiras, sem critérios de qualidade ou funcionalidade, visando apenas à finalização da obra, gerando adiante conflitos e imperícias. Na área de revestimentos em fachada tal premissa não é diferente. Construtores e empresas em geral dão importância geralmente a projetos básicos de fundação, estrutural, elétrico, hidráulico. Todos os outros devem compatibilizar-se com estes, deixando a decisão crucial de estudo entre projetos para a fase de execução, normalmente quando critérios e mudanças de direção já não têm o mesmo efeito. Posteriormente, a única solução a fazer-se é aguardar a incidência de problemas patológicos.

RIBEIRO; BARROS (2010) salienta que a crescente série de problemas patológicos ocorridas nesses revestimentos, vem prejudicando a sua utilização, muitas incorporadoras tem evitado o seu uso, temendo defrontar-se com patologias usuais do procedimento, tais como: perda de estanqueidade e colapsos. Ocorrendo tais adversidades em um período relativamente curto, além dos prejuízos econômicos, prejuízos irreversíveis podem ocorrer em relação à imagem de empresas construtoras e empreendedoras.

No caso de fachadas, um complexo sistema que está exposto às diversas intempéries e onde diversa parte interage entre si, é fundamental que sejam consideradas todas as diretrizes utilizadas no processo. Objetivando além de sua principal função, no caso a estética, resultados satisfatórios em termos de qualidade e durabilidade da vida útil.

Assim, o presente trabalho apresenta um estudo sobre o projeto revestimentos em fachada de mármores e granitos, assunto que ainda é pouco tratado do meio técnico, com poucas bibliografias específicas e afins. Procura-se ainda detalhar alguns elementos de projeto, estabelecer uma correta especificação dos materiais e procedimentos de controle. Além de uma avaliação atual da norma brasileira NBR 13707 (1996), que aponta procedimentos para o revestimento de placas pétreas em fachada.

1.1. ÁREA E LIMITAÇÃO DO TEMA

O estudo em si limita-se a projetos de revestimentos de mármores e granitos em fachada, não abordando outros revestimentos usados como: cerâmicas, argamassas decorativas, revestimentos com pintura. Em relação ao ponto onde o revestimento será estudado, optou-se por considerar apenas fachadas externas, onde é considerado o ‘’cartão de visita’’ do empreendimento. Nesse aspecto, é o local onde a imagem da construtora está mais exposta ao público em geral.

Nesta abordagem, consideram-se fachadas de edifícios residenciais ou comerciais, localizados em cidades de médio a grande porte, onde o ambiente seja urbano e as condições de agressividade do meio sejam consideradas moderadas, de acordo com a NBR 6118 – Projeto de Estruturas de Concreto Citações sobre algum problema não estão descartadas, mas o seu estudo em si não será tema de tal apresentação.

1.2 JUSTIFICATIVA

Para a população em geral leiga de conhecimento técnico da área da construção civil, um dos principais pontos a serem avaliados para a aprovação ou não de determinado empreendimento é a fachada do edifício, local considerado o mais importante esteticamente para uma obra ser bem sucedida. Fator de grande relevância econômica para todos os envolvidos, principalmente para os usuários.

Em geral, tal apelo econômico não é suficiente para grande parte dos construtores e empreendedores, que procuram minimizar tal fato com procedimentos rápidos e improvisos inadequados. Comumente, a execução do sistema de uma fachada é realizada sem nenhum projeto específico, sem seleção e critérios adequados, res17 tendo ao usuário conviver com problemas que denigrem o seu patrimônio, reduzindo economicamente seu imóvel.

Segundo MEDEIROS (1999) usualmente a seleção do material de revestimento de fachada tem apenas um critério formal, a qualidade do material da camada mais externa e algumas diretrizes gerais – custo e disponibilidade de aquisição no mercado -, desconsiderando outros critérios importantes para a compatibilização do sistema num todo.

Para KONDO (2003) além destes fatores deve ser considerado o fato que a proteção da vedação vertical externa representará à estrutura do empreendimento. Portanto, uma correta especificação do projeto levará a uma vida útil elevada, com problemas patológicos reduzidos e funções específicas do revestimento não prejudicadas. Dentre essas funções, destacam-se a proteção ao substrato, o conforto tátil e visual proporcionados aos usuários, um adequado isolante acústico e térmico, material resistente ao fogo e a penetração de água. Neste sentido, a motivação em estudar um tema tão relevante e pouco desenvolvida por parte do meio técnico.

  Segundo TARALLI (1984) apud SABBATINI (1989), incorporam princípios de planejamento e controle tendo como objetivo: eliminar desperdícios de mão-de-obra e materiais; aumentar a produtividade; planejar o fluxo de produção e centralizar e programar as decisões.

 Um estudo mais aprofundado nesse quesito é necessário em nosso meio, onde o projeto tenha destaque e faça parte essencial da cadeia produtiva da construção civil. Inclusive com a maior importância de um profissional específico, o chamado: Projetista de revestimento. Justifica-se então o requisito essencial da elaboração desse trabalho, que é um resultado final satisfatório para usuários e construtores, visando a um empreendimento com vida útil adequada e sem problemas patológicos, mantido as condições de manutenção prévias especificadas pelo projetista e atendidas pelos usuários do empreendimento.

Outro fator que influenciou para a escolha do tema é o de ter uma elevada importância futura no cenário da construção, que somará ao meu desenvolvimento acadêmico.

1.3 Objetivos

Os objetivos propostos para o estudo em questão estão subdividindo-os em objetivo geral e objetivos específicos.

1.3.1 Objetivo geral

O trabalho tem como objetivo apresentar detalhes e procedimentos adequados para um projeto de fachada, revestido com placas de pedras de mármore ou granitos. Orientar as etapas do projeto executivo e explicitar recomendações para um correto aproveitamento de materiais.

1.3.2 Objetivos específicos

- Analisar e estudar a tecnologia de produção de revestimentos em pedras de mármore e granito de fachada, especialmente no que diz respeito ao seu projeto, agregando conhecimento técnico para a área em estudo. De alguma forma contribuir para construtores e usuários para aumentar a vida útil do empreendimento.

- Avaliar e acompanhar o desenvolvimento do revestimento de paredes externas e fachadas com placas pétreas e visando a um produto final melhor.

-A fim de evitar implicações causadas por um projeto mal elaborado ou mal executado, visando atender a qualidade do revestimento com placas pétreas.

2. REFERENCIAL TEÓRICO

O Granito é uma rocha formada por um conjunto de minerais, todavia sua composição é basicamente a seguinte: Quartzo, um mineral incolor; o Feldspato (ortoclase, sanidina e microclina), responsável pela variedade de cores, dentre elas: avermelhada, rosada e creme-acinzentada; e a Mica (biotite e moscovite), que confere o brilho à rocha. As cores de granito mais encontradas na natureza são as de tons cinzentos e avermelhado, contudo encontram-se nas cores: branco, preto, azul, verde, amarelo e marrom. Além disso, os granitos podem apresentar minerais como: anfíbolas (Horn blenda), piroxenas (augite e hiperstena), olivina, zircão, dentre outros.

Características do Granito

Rocha ígnea (formada pelo resfriamento de magma derretido);Alto grau de dureza;Cristalino;Coloração variada

2.1 históricos do revestimento no Brasil

História do Granito

O primeiro povo a extrair e utilizar o granito foram os egípcios e, posteriormente, os romanos. No Egito, a rocha era utilizada na construção de monumentos e túmulos faraônicos já que eles se preocupavam muito com a estética. Já na Idade Média, o granito passou a ser usado largamente nas casas e nas igrejas. Podemos considera-los grandes génios da arquitetura antiga, as pirâmides foram construídas com extrema precisão que entre os seus blocos não se consegue colocar nem uma folha de papel.A seguir aos egípcios temos os gregos que realizaram obras de grande magnitude em mármore, como o Parthenon, o Templo de Zeus e como o Templo de Artêmis com 127 colunas de mármore. Infelizmente devido a inúmeras invasões e batalhas travadas, hoje em dia resta-nos poucos monumentos dos citados acima inteiros. Atualmente é muito utilizado na construção civil bem como para ornamentos e decoração de interiores.

Extração de Granito no Brasil

O Brasil é um dos principais produtores de granito e está entre os maiores exportadores do mundo. Cada estado brasileiro possui extração da rocha e dependendo do local, o granito varia de tonalidade. Assim, entre os tipos de granito mais valorizados do Brasil está o baiano, no qual as rochas são azuis (Azul-Bahia); enquanto em Minas Gerais são na cor lilás (Lilás-Gerais) e no estado de São Paulo, por sua vez, são verdes (verde-Ubatuba).

Diferença entre o Granito e o Mármore

O granito é mais duro e resistente do que o mármore, uma vez que é composto basicamente de três minerais (mica, feldspato e quartzo), enquanto o mármore é formado por um mineral e calcita. Ademais, o granito não possui tantos veios, sendo menos poroso que o mármore. Em relação à coloração, o granito é mais mesclado e apresenta pontos pretos, enquanto o mármore possui uma cor mais uniforme. Uma maneira de identificar se a rocha é mármore ou granito é riscando a superfície: o mármore risca, enquanto o granito - devido a sua resistência - não pode ser riscado.

3 METODOLOGIA

Este trabalho consistiu-se em uma pesquisa bibliográfica envolvendo o assunto de revestimento em mármore e granito para fachada oferecendo uma maior ênfase a publicações recentes, já que a atualização no assunto é um dos objetivos do presente trabalho. A partir daí acompanhou-se o andamento e mudanças na norma brasileira

NBR 13707(1996) que estabelecerá a atualização de requisitos para a execução, fiscalização e recebimento de revestimento de paredes externas com placas pétreas assentadas com argamassas colantes específicas para fachadas. A análise e avaliação da fachada foram estudadas pelas diretrizes da norma brasileira em vigor, buscando durabilidade e funcionalidade adequadas ao edifício.

3.1 justificativas da metodologia

O presente estudo busca salientar alguns aspectos relevantes do processo de produção dos revestimentos de fachadas de edifícios c placas pétreas, ressaltar a importância das inovações tecnológicas e da implantação de métodos construtivos deste tipo de revestimento.

Para flain (1995) o revestimento em fachada com placas d granitos e cada vez mais utilizada no pais de prédios e residência, principalmente em fachadas de edifícios residenciais e comerciais.

Segundo flain(1995)tem sido comum considerar o revestimento do edifício atividade secundaria na construção civil. De modo geral não e um serviço devidamente planejado, não dispõe de um projeto especifico e sua execução é deixada nas mãos de operários, que muitas vezes, são levados a tomar decisões mesmo não estando preparado para tal. Além disso, por inexistirem parâmetros, o controle e deficiente nas diversas fases de produção, tais como na especificação, na relação e recebimentos de materiais, na produção da argamassa e na execução na camada de acabamento, entre outros.

4. ANALISE IN LOCO DE UMA FACHADA COM PROJETO DE REVESTIMENTO DE MARMORE E GRANITO.

São abordadas para critério de elaboração de um projeto, a seleção do mármore ou do granito, as maneiras de fixação, o controle e a qualidade da mão de obra e material a ser usado e como complemento as manifestações patológicas e mais comuns.

4.1.0 projeto da fachada

O projeto e um sistema construtivo proposto pela arquitetura, de forma adequada quanto a níveis econômicos e técnicos é uma das partes iniciais desse processo, onde são fornecidos critérios e subsídios que a partir do procedimento executivo produzirão o empreendimento planejado. O processo em estudo – revestimento em fachada – é um dos elementos que, atualmente, são executados sem nenhum tipo de projeto específico ou planejamento prévio, chegando-se ao final da obra com inúmeras incompatibilizações entre projetos variados e certamente, em conflitos dificilmente solucionados. Durante esta etapa do processo devem-se estar atentas as diversas especificações do projeto e aos variáveis elementos que possam de alguma maneira contribuir para o funcionamento adequado e satisfatório do revestimento escolhido.

MACIEL; MELHADO (1997) então salientam como de fundamental importância a elaboração do projeto de fachada, segundo diretrizes específicas, com o objetivo de diminuir a incidência de falhas e perdas, definindo: especificações acerca do produto e todas as informações convenientes e necessárias para a adequada execução.

4.1.1 processo de execução do projeto.

A fixação do revestimento de placas pétreas se da através de dois processos: Por colagem (adesão físico químico ou aderência mecânica) com ou sem ancoragem de segurança (grampos de reforço) e por ancoragem mecânica. A primeira utiliza-se argamassa colante normal ou colas especiais e um processo racionalizado já nos segundos materiais metálicos que tenham pouca oxidação ou ferrugem. É um processo tradicional.

4.1.2 processo tradicional

Ainda muito utilizado no Brasil, em regiões mais afastadas, por conta da dificuldade de atualização material com tecnologia mais avançada e mão de obra especializada.

Segundo flain (1995), conceitua o revestimento modular convencional como método tradicional de assentamento de revestimento que consiste do assentamento dos componentes empregando-se argamassa convencional, chamado por ele de sistema de fixação por colagem, que se constitui do suporte de uma tela previamente fixada a este, da camada de fixação e da camada de acabamento (placas de pedras e juntas).

A camada de fixação, por sua vez, e responsável pela camada de acabamento de suporte, proporcionando a aderência do conjunto. A ultima camada e a de acabamento, que constitui o próprio revestimento.

(Parte 1 de 4)

Comentários