Curso - Semiotecnica Aplicada a Enfermagem

Curso - Semiotecnica Aplicada a Enfermagem

(Parte 6 de 8)

2. Cama aberta

É o preparo da cama sem paciente, com ocupação do leito pelo paciente que pode se locomover. Técnica:

O material utilizado é o mesmo da cama fechada, acrescido de um recipiente de pano de limpeza e desinfetante, para limpeza do colchão e travesseiro antes do preparo da cama.

3 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores

Proceder à mesma seqüência da cama fechada, deixando o lençol de cima (protetor do paciente) virado no sentido diagonal sobre o cobertor e a colcha na parte da cabeceira. O travesseiro é colocado sobre a cama.

3. Cama ocupada Consiste no preparo da ama ocupada por um paciente que permanece no leito, incapaz de se locomover.

Técnica:

O material utilizado é o mesmo da cama fechada, acrescido de um recipiente de pano de limpeza e desinfetante, para limpeza do colchão e travesseiro durante do preparo da cama.

1. Orientar o paciente sobre o procedimento; 2. Lavar as mãos; 3. Preparar o material necessário; 4. Preparar o ambiente com biombo se necessário; 5. Soltar as roupas de cama e colocá-las no hamper; 6. Retirar o cobertor, dobrá-lo e colocá-lo no espaldar da cadeira; 7. Colocar o paciente em decúbito lateral, observando a sua segurança, dobrar o lençol de baixo para o centro do colchão; 8. Fazer a desinfecção para o centro do colchão; 9. Colocar o lençol de baixo conforme descrito anteriormente, fixando-o sob o colchão; 10. Virar o paciente de modo que o mesmo fique sobre o lençol limpo em decúbito lateral; 1. Remover o restante do lençol usado, colocá-lo no hamper e proceder a desinfecção do restante do colchão; 12. Puxar com cuidado o lençol de baixo, esticá-lo e fixá-lo sob o colchão; 13. Colocar o paciente em posição confortável;

34 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores

14. Dobrar o sobrelençol usado longitudinalmente, tendo cuidado de não expor o paciente. Colocar o sobrelençol limpo com a técnica conhecida e estendê-lo sobre o paciente, no mesmo tempo em que é retirado o lençol usado; 15. Colocar o cobertor e a colcha e fixá-los, conforme descrição anterior; 16. Retirar fronha, fazer desinfecção do travesseiro e colocar fronha limpa.

4. Cama operado É o preparo da cama para receber o paciente que se submeteu a cirurgias ou exames sob anestesia.

Técnica:

1. Reunir o material necessário e levá-lo ao quarto; 2. Calçar luvas de procedimento; 3. Retirar roupa suja e colocá-la no hamper; 4. Realizar limpeza concorrente; 5. Proceder de forma semelhante a da cama fechada; 6. Colocar forro móvel sobre o lençol de baixo na cabeceira da cama, com pregas (no mínimo três) em cada lado do colchão, deixando livre o centro da cama para a cabeça do paciente; 7. Estender as três peças superiores sem prendê-las nos pés da cama; 8. Dobrar as três peças juntas, cerca de 15 cm em cada extremidade; 9. Fazer um rolo com as três peças, no sentido do comprimento, colocando-o no lado oposto ao que será utilizado para colocar o paciente no leito; 10. Colocar o travesseiro aos pés da cama.

35 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores

1. Admissão É a entrada e permanência do paciente no hospital, por determinado período. Tem por objetivos facilitar a adaptação do paciente ao ambiente hospitalar, proporcionar conforto e segurança.

Na unidade de internação o paciente é recebido por um profissional da unidade e encaminhado ao quarto ou enfermaria. Deve ser recebido com gentileza e cordialidade para aliviar suas apreensões e ansiedades. Geralmente, o paciente está preocupado com a sua saúde.

A primeira impressão recebida é fundamental ao paciente e seus familiares, inspirando-lhes confiança no hospital e na equipe que o atenderá. Se recebido atenciosamente, proporcionará sensação de segurança e bem estar, e deste primeiro contato depende em grande parte a colaboração do paciente ao tratamento.

Procedimentos:

1. Receber o paciente cordialmente, verificando se as fichas estão completas; 2. Acompanhar o paciente ao leito, auxiliando-o a deitar e dando-lhe todo o conforto possível; 3. Apresentá-lo aos demais pacientes do seu quarto; 4. Orientar o paciente em relação à: localização das instalações sanitárias; horários das refeições; modo de usar a campainha; nome do médico e da enfermeira chefe; 5. Explicar o regulamento do hospital quanto à: fumo; horário de repouso; horário de visita; 6. Os pertences do paciente devem ser entregues à família no ato da admissão, se não for possível, colocá-los em um saco e grampear, identificando com um impresso próprio e encaminhar para a sala de pertences;

36 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores

7. Preparar o paciente em relação aos exames a que será submetido, a fim de obter sua cooperação; 8. Fornecer roupa do hospital, se a rotina da enfermeira não permitir o uso da própria roupa; 9. Fazer o prontuário do paciente; 10. Verificar temperatura, pressão arterial, pulso e respiração, proceder ao exame físico; 1. Anotar no relatório de enfermagem a admissão; 12. Anotar no Relatório Geral a admissão e o censo diário.

2. Alta Alta Hospitalar é o encerramento da assistência prestada ao paciente no hospital. O paciente recebe alta quando seu estado de saúde permitir ou quando está em condições de recuperar-se e continuar o tratamento em casa. A alta do paciente deve ser assinada pelo médico.

Procedimentos:

1. Certificar-se da alta no prontuário do paciente, que deve estar assinada pelo médico; 2. Verificar no prontuário as medicações ou outros tratamentos a serem feitos antes da saída do paciente; 3. Informar ao paciente sobre a alta, hora e de como será transportado; 4. Entregar ao paciente a receita médica e orientá-lo devidamente; 5. Auxiliar o paciente a vestir-se; 6. Reunir as roupas e objetos pessoais e colocá-los na mala ou sacola; 7. Devolver objetos e medicamentos ao paciente, que foram guardados no hospital; 8. Providenciar cadeira de rodas ou maca para transportar o paciente até o veículo; 9. Transportar o paciente;

37 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores

10. Preparar a unidade para receber outro paciente.

3. Transferência interna do paciente É a transferência do paciente de um setor para o outro, dentro do próprio hospital. Poderá ser transferido quando necessitar de cuidados intensivos, mudança de setor e troca do tipo de acomodação.

Procedimentos: 1. Após confirmação da vaga pela chefia, orientar o paciente; 2. Checar na prescrição toda a medicação que foi administrada e cuidados prestados; 3. Separar medicamentos para encaminhá-los junto com o paciente; 4. Proceder as anotações de enfermagem no plano assistencial; 5. Fazer rol de roupas e pertences do paciente, entregando-os à família ou encaminhando junto ao paciente; 6. Proceder o transporte do paciente, com auxílio; 7. Levar o prontuário completo, medicamentos e pertences; 8. Auxiliar na acomodação do paciente; 9. Retornar ao setor levando a maca ou cadeira de rodas; 10. Preparar a unidade para receber outro paciente.

1. Banho no leito A higiene pessoal adequada é indispensável à conservação da saúde e do bem estar. A pele íntegra é a primeira linha de defesa contra infecção e contra a agressão aos tecidos subjacentes, além de ter importância na regulação da temperatura corporal.

O enfermo, em geral, tem menor resistência à infecção, por isso as bactérias patogênicas contribuem com ameaça mais acentuada, porém a invasão microbiana pode ser reduzida, mantendo-se intactas a pele e a membrana mucosa.

38 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores

Os objetivos do banho de leito são: providenciar conforto e bem-estar, promover relaxamento muscular, manter a integridade da pele, estimular a circulação.

Procedimentos:

Material: Equipamentos da cama: colcha, cobertor, 01 lençol de cima, lençol móvel, 01 impermeável, 01 lençol de baixo, fronha, seguindo esta ordem; luvas de procedimento; 01 toalha de rosto; 01 toalha de banho; 02 luvas de banho ou compressas; 01 camisola; 02 bacias de banho ou balde; jarro de água quente; 01 sabonete anti-séptico; comadre ou papagaio; biombo s/n; saco de hamper.

1. Colocar o biombo s/n; fechar janelas e portas; 2. Desocupar a mesa de cabeceira; 3. Oferecer comadre ou papagaio antes de iniciar o banho; 4. Desprender a roupa de cama, retirar a colcha, o cobertor, o travesseiro e a camisola, deixando-o protegido com o lençol; 5. Abaixar a cabeceira da cama caso seja possível; 6. Colocar o travesseiro sobre o ombro; 7. Ocluir os ouvidos; 8. Colocar a bacia sob a cabeça; 9. Lavar os cabelos; 10. Fazer higiene oral; 1. Calçar as luvas de procedimento; 12. Molhar as luvas de banho retirando o excesso de água; 13. Lavar os olhos do paciente do ângulo interno; 14. Lavar os olhos do paciente do ângulo interno para o externo; 15. Utilizar água limpa para lavar cada olho; 16. Ensaboar pouco e secar com a toalha de rosto; 17. Colocar a toalha de banho sob um dos braços do paciente e lavá-lo no sentido do punho para as axilas em movimentos longos;

39 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores

18. Enxaguar e secar com a toalha de banho; 19. Repetir a operação com o outro braço; 20. Colocar a toalha de banho sobre o tórax do paciente, cobrindo-o até a região púbica; 21. Com uma as mãos suspender a toalha e com a outra lavar o tórax e abdômen; 2. Enxaguar, secar e cobri-lo com o lençol; 23. Lavar as pernas fazendo movimentos passivos nas articulações, massagear as proeminências ósseas e panturrilha; 24. Flexionar o joelho do paciente e lavar os pés, secando bem entre os dedos; 25. Colocar o paciente em decúbito lateral, com as costas voltadas para você, protegendo-a com toalha, lavar, enxugar e secar; 26. Fazer massagem de conforto; 27. Colocar o paciente em posição dorsal; 28. Colocar a toalha de banho e comadre sob o paciente; 29. Oferecer a luva de banho para que o paciente possa fazer sua higiene íntima (se tiver limitações, calçarem a luva e fazer a higiene para o paciente); 30. Lavar as mãos; 31. Vestir a camisola; 32. Trocar a roupa de cama; 3. Recolocar o travesseiro e deixá-lo em posição confortável.

2. Higiene oral

A boca é a principal porta de entrada para os microorganismos causadores de doenças. É um excelente meio de incubação porque fornece umidade, alimento, calor e proteção em condições ideais.

A boca mal cuidada favorece o aparecimento de infecção, tanto no trato digestivo quanto no trato respiratório, por isso, a higiene oral constitui um cuidado de enfermagem diário.

40 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores

Os objetivos da higiene oral são: motivar a formação de hábitos de higiene, remover restos alimentares, prevenir cáries dentárias e infecções, aumentar a circulação capilar, proporcionar conforto e bem-estar.

Procedimentos:

Material: escova de dente; dentifrício; copo descartável com água; toalha de rosto; cuba-rim; espátula; canudo s/n; lubrificante labial (vaselina); antisséptico oral (Cepacol); luva de procedimento; gaze.

Paciente com pouca limitação: 1. Em posição de Fowler e com a cabeça lateralizada; 2. Proteger o tórax com a toalha de rosto; 3. Colocar a cuba-rim sob a bochecha; 4. Solicitar para que abra a boca ou abri-la com auxilio da espátula; 5. Utilizar a escova com movimentos da raiz em direção à extremidade dos dentes. Fazer cerca de 6 a 10 movimentos em cada superfície dental, com pressão constante da escova; 6. Repetir esse movimento na superfície vestibular e lingual, tracionando a língua com espátula protegida com gaze, s/n; 7. Oferecer copo com água para enxaguar a boca; utilizar canudo s/n.

Paciente com prótese: 1. Solicitar que retire a prótese ou fazer por ele, utilizando a gaze; colocá-la na cuba rim; 2. Escovar a gengiva, palato e língua, se o paciente não puder fazê-lo; 3. Oferecê-la para que o paciente coloque-a ainda molhada.

Pacientes inconscientes ou em estado grave: 1. Toalha sobre o tórax e proteger a cama; 2. Elevar decúbito se não houver contra indicação;

41 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores

3. Molhar a gaze na solução; 4. Lavar dentes, gengivas, palato, bochechas, língua; 5. Lubrificar lábios; 6. Deixar paciente confortável.

(Parte 6 de 8)

Comentários