(Parte 13 de 16)

•Material para o registro das atividades: lápis, caneta, borracha, carimbo, almofada e outros; •Sabão em barra, neutro ou de coco.

2.1.3. Impressos e manuais tØcnicos e operacionais

•Cartão da Criança; •Modelos para registro da vacinação em outros grupos da população (por exemplo o Cartão do Adulto);

•Cartão de Controle ou Ficha de Registro;

•Mapa Diário de Vacinação (registro imediato);

•Boletim Mensal de Vacinação;

•Boletim de Campanha de Doses Aplicadas de Vacina;

FUNASA - agosto/2001 - pÆg. 54

•Mapa para Controle Diário da Temperatura do Refrigerador; •Ficha de Investigação dos Eventos Adversos Pós-Vacinação;

•Ficha de Fluxo Imediato de Eventos Adversos Pós-Vacinação;

•Outros impressos, como o aerograma para faltosos, formulário para inutilização de imunobiológicos, gráfico para acompanhamento da cobertura vacinal, etc.;

•Manual de Normas de Vacinação;

•Manual de Procedimentos para Vacinação;

•Manual de Eventos Adversos Pós-Vacinação;

•Manual de Gerenciamento em Rede de Frio;

•Outros manuais técnicos e operacionais;

•Quadro com o esquema básico de vacinação;

2.2. O funcionamento da sala de vacinaçªo

Além da equipe e suas funções básicas, o funcionamento da sala de vacinação envolve as seguintes atividades: •o início do trabalho diário;

•a triagem;

•a orientação específica;

•a administração dos imunobiológicos; e

•o encerramento do trabalho diário e do trabalho mensal.

2.2.1. Equipe e funçıes bÆsicas

As atividades da sala de vacinação são desenvolvidas por equipe de enfermagem, com treinamento específico no manuseio, conservação e administração dos imunobiológicos.

A equipe é composta, preferencialmente, por dois técnicos ou auxiliares de enfermagem, para cada turno de trabalho. A supervisão e o treinamento em serviço são realizados por um enfermeiro. A equipe pode ser ampliada, dependendo da demanda ao serviço de saúde.

São funções da equipe que trabalha na sala de vacinação: •manter a ordem e a limpeza da sala, conforme orientado nesta Parte do Manual, no tópico 3, item 3.1.2;

•prover, periodicamente, as necessidades de material e de imunobiológicos, conforme orientado na Parte I deste Manual e nesta Parte, no tópico 2.1;

•manter as condições ideais de conservação dos imunobiológicos, conforme orientado nesta Parte, no tópico 4;

•manter os equipamentos em boas condições de funcionamento;

•encaminhar e dar destino adequado aos imunobiológicos inutilizados e ao lixo da sala de vacinação, conforme orientado nesta Parte, no tópico 3, item 3.2;

•orientar e prestar assistência à clientela, com segurança, responsabilidade e respeito;

•registrar a assistência prestada nos impressos adequados, conforme orientado nesta Parte, no tópico 6;

•manter o arquivo em ordem, conforme orientado nesta Parte, no tópico 6;

•avaliar, sistematicamente, as atividades desenvolvidas, conforme orientado na Parte V, deste Manual de Procedimentos.

FUNASA - agosto/2001 - pÆg. 5

2.2.2. Início do trabalho diÆrio

Antes de dar início às atividades diárias, a equipe executa os seguintes procedimentos: •verifica se a sala está limpa e em ordem;

•verifica e anota a temperatura do refrigerador ou refrigeradores, no mapa de controle diário de temperatura;

•verifica o prazo de validade dos imunobiológicos, usando com prioridade aqueles que estiverem com prazo mais próximo do vencimento;

•retira do refrigerador de estoque a quantidade de vacinas e diluentes necessária ao consumo na jornada de trabalho;

•coloca as vacinas e os diluentes da jornada de trabalho na caixa térmica (com gelo reciclável ou gelo em sacos plásticos e com o termômetro), ou, quando disponível, no refrigerador para imunobiológicos que serão utilizados no dia de trabalho.

2.2.3. Triagem

A triagem engloba as seguintes condutas: •verificar se a pessoa está comparecendo à sala de vacinação pela primeira vez ou se é retorno;

−para os que comparecem pela primeira vez, abrir o documento de registro da vacinação, o Cartão da Criança (figura I-2), por exemplo;

−no caso de retorno, verificar que vacinas devem ser administradas, consultando o documento de registro da vacinação (o Cartão da Criança, ou outro documento) e a ficha de registro ou o Cartão de Controle (figura I-3);

Figura I-2 - Cartªo da Criança

Figura I-3 - Cartªo de Controle

FUNASA - agosto/2001 - pÆg. 56

•obter informações sobre o estado de saúde da pessoa a ser vacinada, a fim de observar as indicações e possíveis contra-indicações à administração dos imunobiológicos, evitando as falsas contra-indicações;

(Parte 13 de 16)

Comentários