(Parte 4 de 16)

Essa análise deve abranger o contexto em que se insere a ação objeto do planejamento. Por exemplo, se a tarefa é elaborar o plano de saúde do município a análise enfoca a realidade de saúde municipal, seus determinantes e condicionantes, além dos aspectos demográficos, em termos de evolução populacional nos últimos dez anos e sua distribuição na área urbana e rural, por faixa etária e por sexo. Abrange, também, os aspectos econômicos e sociais, como escolaridade, atividade econômica na área, fontes de recursos financeiros e arrecadação, saneamento, habitação, entre outros.

4.1. AnÆlise do modelo de gestªo vigente

A análise correspondente ao modelo de gestão vigente leva em conta a organização e o funcionamento do sistema de saúde, municipal ou estadual, envolvendo a atuação do Conselho de Saúde, a operacionalização do Fundo de Saúde, a estruturação do órgão gestor (Secretaria Municipal ou Estadual), a sua capacidade para planejar e acompanhar as atividades executadas (setor público ou privado), bem assim para desenvolver ações de controle, avaliação e auditoria.

Contempla, da mesma forma, as formas de articulação com outros municípios: a participação em consórcio e na

Programação Pactuada e Integrada (PPI), assim como a articulação com outras esferas, principalmente no que se refere a ações ainda executadas pelo estado e pela União.

4.2. AnÆlise relativa ao financiamento

No tocante ao financiamento, a análise considera a situação dos recursos orçamentários e financeiros em termos:

•da composição do orçamento e do gasto em saúde com a discriminação da origem (tesouro municipal, recursos estadual e federal) e destinação dos recursos;

•do percentual do total de recursos próprios do tesouro municipal dentro do total de recursos efetivamente aplicado em saúde;

•do percentual dos recursos advindos de outras esferas gestoras (estadual e federal) dentro do total de recursos aplicados em saúde;

•dos recursos aplicados diretamente no município pelas esferas federal e estadual;

•dos recursos pagos ao prestador diretamente pela esfera federal;

•dos recursos advindos por força de convênio e doações.

4.3. AnÆlise do modelo de atençªo à saœde

Em termos do modelo de atenção à saúde, a análise (diagnóstico) da situação deve considerar a estruturação da rede, a capacidade instalada, a produção por tipo de prestador e a avaliação da cobertura da rede de serviços: básica, hospitalar e especializada. Deve explicitar, da mesma forma, a situação do sistema de apoio diagnóstico e terapêutico, da urgência e emergência, além da referência e contra-referência. Ao enfocar o modelo de atenção adotado o diagnóstico deve abordar:

FUNASA - agosto/2001 - pÆg. 20

•a forma como os serviços se estruturam; •os serviços de referência;

•o funcionamento dos serviços (horários, poder de decisão, iniciativa, autonomia de gastos e de soluções de problemas locais);

•mecanismos adotados de acompanhamento e supervisão;

•indicadores, critérios e instrumentos de avaliação;

•utilização efetiva dos serviços pela população e grau de satisfação e de credibilidade.

Ainda nessa análise também é vista a situação das ações e serviços de vigilância sanitária e de epidemiologia e controle de doenças, em termos de estruturação, capacidade, produção e cobertura. Inclui, ainda, o perfil epidemiológico local e regional: doenças, principais agravos e fatores de risco existentes na região, taxas de mortalidade e morbidade. A análise, ou seja o diagnóstico, destaca, da mesma forma, a identificação de:

•áreas com baixa cobertura vacinal;

•áreas com bolsões de suscetíveis;

•áreas urbanas com grandes contingentes populacionais;

•áreas de difícil acesso ou que não dispõem de serviços de saúde;

•áreas silenciosas de notificação de doenças preveníveis por vacinação; e

•áreas com casos suspeitos ou confirmados de doenças preveníveis por vacinação.

4.4. AnÆlise dos recursos estratØgicos e da participaçªo da populaçªo

No que se refere aos recursos específicos ou estratégicos é importante considerar a situação dos recursos humanos, dos sistemas de informação de base de dados nacional e outros; a aquisição e distribuição de medicamentos e outros insumos; a manutenção e o suprimento de equipamentos e desenvolvimento de tecnologia em saúde.

O desenvolvimento de atividades junto à população e com suas representações seja para a vacinação, seja para outras ações de saúde, é incluída no diagnóstico e no planejamento, vez que são realizadas nas diferentes instâncias e avaliadas junto com as demais atividades.

Na análise da situação (diagnóstico) são identificadas e analisadas as razões para as baixas coberturas. Algumas questões podem funcionar como ponto de partida, por exemplo:

•será que a população está suficientemente esclarecida sobre a existência de doenças que podem ser evitadas?

•será que os responsáveis pelas crianças conhecem os tipos de vacinas e o número de doses necessário para a completa imunização?

•será que o serviço está divulgando os locais e horários de funcionamento da vacinação e que as vacinas são gratuitas?

•será que os pais não levam suas crianças para serem vacinadas porque acham que diarréia, resfriado ou febre impedem a vacinação?

•será que os pais não voltam para as demais doses com receio das reações?

•será que as famílias estão encontrando problemas para chegar até o serviço? Quais são esses problemas?

•será que os horários de vacinação são os mais adequados aos modos de vida e de produção da maioria dos pais?

•será que a comunidade acredita no serviço e em seus profissionais?

A análise das respostas a essas e outras questões vai permitir prever as atividades que deverão ser desenvolvidas para trabalhar com a comunidade.

FUNASA - agosto/2001 - pÆg. 21

4.5. A vacinaçªo na anÆlise da situaçªo de saœde

Uma análise da situação de saúde que sirva realmente de base ao planejamento de ações e serviços, conforme descrito até aqui, abrange as características da população, o modelo de gestão, o financiamento, o modelo de atenção e os recursos estratégicos. Em qualquer destes aspectos objeto da análise, a atividade de vacinação deve estar explicitada.

As mudanças observadas no sistema de saúde exigem que o planejamento das ações de vacinação leve em conta o contexto mais abrangente que envolve a saúde da população. O diagnóstico necessário a esse planejamento não é diferente ou isolado daquele usado, por exemplo, para planejar a atuação de equipes de saúde da família ou para definir o trabalho de vigilância sanitária. É preciso, no entanto, que esse diagnóstico explicite aspectos de interesse específico para a definição dos objetivos, metas, estratégias e atividades relativas à vacinação, quais sejam:

• estimativas populacionais;

•análise da situação das doenças preveníveis pela vacinação: perfil epidemiológico local e regional;

•delimitação da área de atuação; e

•os recursos disponíveis.

4.5.1. Estimativas de populaçªo

(Parte 4 de 16)

Comentários