IFSP Manual do Candidato 2010 segundo semestre.pdf IFSP Automação

IFSP Manual do Candidato 2010 segundo semestre.pdf IFSP Automação

(Parte 4 de 7)

Atenção A declaração falsa ou não comprovação de qualquer dado acarretará a desclassificação do candidato e, consequentemente, a perda da vaga.

Manual do Candidato - 19 -

A lista de classificação geral dos candidatos será divulgada a partir de 7/7/10, nos murais de cada campus e no site w.fatgestao.org.br, na seção “Processo Seletivo IFSP - ensino técnico e superior”.

Atenção

9 É de inteira responsabilidade do candidato ou de seu representante legal, a verificação da lista de classificação geral.

9 Não serão fornecidas informações a respeito da lista de classificação geral por telefone, carta, e-mail ou fax. 9 Em virtude de suas características, não haverá, em hipótese alguma, revisão nem vistas de provas.

9 Os resultados do Processo Seletivo serão válidos apenas para o preenchimento das vagas oferecidas para início no segundo semestre do ano letivo de 2010.

Manual do Candidato - 20 -

CONVOCAÇÃO e MATRÍCULA

No ingresso em primeira chamada, serão convocados os primeiros candidatos classificados até o limite do número de vagas ofertadas para cada curso e período.

No caso de não ocorrer o preenchimento de todas as vagas após o término das matrículas dos candidatos convocados em primeira chamada, os campi divulgarão, em seus murais, a relação dos candidatos convocados em segunda chamada e as datas de matrícula para preenchimento dessas vagas.

Posteriormente, poderão ser afixadas outras listas nos murais dos campi, além das previstas acima. O candidato deverá acompanhar, junto ao campus/pólo em que pretende estudar, os dias em que estas serão afixadas.

Atenção Do total de vagas dos cursos superiores, 70% (setenta por cento) serão preenchidas através do presente Processo Seletivo e 30% (trinta por cento) serão preenchidas através de listagem dos aprovados no ENEM do ano de 2009. Os candidatos que optarem pelo sistema de ingresso por meio do ENEM do ano de 2009 deverão consultar edital próprio sobre os procedimentos de inscrição através do SiSU que será publicado posteriormente. Os candidatos que optarem pelo ENEM concorrerão exclusivamente para as vagas a ele destinadas e não estarão impedidos de se inscreverem para o presente Processo Seletivo.

As matrículas serão efetuadas obedecendo-se à ordem de classificação dos candidatos.

As datas, os documentos, as condições e as escalas de matrículas serão divulgadas nos murais de cada campus e no site w.ifsp.edu.br, bem como no site w.fatgestao.org.br, na seção “Processo Seletivo IFSP - ensino técnico e superior”, no mesmo dia da divulgação dos resultados, em 7/7/10, a partir das 16h.

Atenção Somente serão aceitas as matrículas dos candidatos ao Ensino Técnico e Superior que entregarem todos os documentos exigidos e que comprovarem os pré-requisitos constantes dos itens 1.3 e 7.4 do Edital nº 47/2010 - IFSP.

A garantia da matrícula estará condicionada ao comparecimento do candidato ao campus em que se inscreveu nas datas e horários estabelecidos para a primeira, a segunda ou as demais chamadas.

Na condição de o candidato ser menor de idade, o comparecimento é obrigatório para seu responsável ou representante legal, que deverá apresentar, neste caso, procuração simples registrada em cartório.

A ausência do candidato convocado na data e horário da matrícula será considerada como renúncia expressa à vaga, não cabendo recurso.

Manual do Candidato - 21 -

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo IFSP

O Decreto presidencial nº 7.566, de 23 de setembro de 1909, institucionalizou o ensino profissional no Brasil. Em 1910 surgiu a Escola de Aprendizes e Artífices de São Paulo, assemelhando-se a das criadas em outras capitais de Estado. Destinava-se inicialmente as camadas mais desfavorecidas, aos “deserdados da fortuna e menores marginalizados”, ministrando o ensino elementar. Em 1937 passou a denominar-se Liceu Industrial de São Paulo, oferecendo ensino equivalente ao de primeiro ciclo.

Em 1942 foi promulgada a Lei Orgânica do Ensino Industrial. A nova orientação visava à preparação profissional dos trabalhadores da indústria, dos transportes, das comunicações e da pesca.

O ensino industrial passou a ser composto por dois ciclos. No primeiro incluía-se o industrial básico, o artesanal e a aprendizagem. No segundo, o de mestria, o técnico e o pedagógico. O curso de mestria visava à preparação do aluno diretamente para a indústria nos cargos de mestre; o de técnico visava à formação de profissionais para o cargo de supervisão; e o pedagógico, a formação de docentes para o próprio ensino industrial.

Com essa nova forma, instituía-se a Rede Federal de Estabelecimentos de Ensino Industrial, denominados Escolas Técnicas e o Liceu passou-se a se denominar Escola Técnica de São Paulo. Neste mesmo ano, instalam-se os cursos de nível técnico de mecânica e edificações.

Em 1959, a Lei nº 3.552 reformou o ensino industrial no país. A nova legislação acabou com vários ramos de ensino técnico existentes até então, unificando-os. Por força dessa Lei, a escola passou a denominar-se Escola Técnica Federal de São Paulo.

Em 1968, foi criado o curso de eletrotécnica.

Em 1971, o Acordo Internacional entre o governo brasileiro e o Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento preconiza a criação de 6 centros de engenharia de operação, entre eles o de São Paulo. Com esse objetivo, foram iniciadas as obras da nova escola a ser instalada no Bairro do Canindé, próximo ao local onde seriam construídos uma estação de metrô e o terminal rodoviário. A não autorização da instalação do referido centro propiciou a passagem do patrimônio oriundo do acordo MEC/BIRD para a Escola Técnica Federal de São Paulo.

Em 1976, procedeu-se a mudança para a nova sede e, em 1978, criaram-se os cursos de eletrônica, telecomunicações e processamento de dados.

Em 1981, instalam-se os cursos complementares de mecânica, eletrotécnica e edificações, destinados a clientela, em grande parte integrada ao mercado de trabalho, mas que necessitava de uma formalização profissional por meio de disciplinas de nível técnico de 2º grau. Estes cursos técnicos têm a duração de 2 anos, prevendo um estágio obrigatório.

No ano de 1987 foi implantada a primeira Unidade de Ensino Descentralizada no Município de Cubatão e, em 1996, ocorreu o início do funcionamento da UNED Sertãozinho. Em 1999, a Escola Técnica Federal de São Paulo, foi transformada em CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO - CEFET, conforme Decreto de 18 de janeiro de 1999. No ano de 2005, foi autorizado o funcionamento da UNED Guarulhos. As UNEDs de São João da Boa Vista e Caraguatatuba foram autorizadas a funcionar a partir do 1º semestre do ano de 2007, enquanto que as UNEDs de Bragança Paulista e Salto passaram a funcionar no 2º semestre do ano de 2007. Em 2008, começaram a funcionar as UNEDs São Roque e São Carlos.

A partir de 29 de dezembro de 2008, através da lei nº 1.892 em seu art. 5º, XXXVI o CEFET de São Paulo foi transformado em IFSP - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO, passando as suas UNEDs a denominarem-se CAMPUS.

Em 2009, começou a funcionar o Campus Campos dO Jordão e o Núcleo Avançado de Boituva, vinculado ao Campus Salto. A expansão da Rede Federal de Ensino tem ainda previsto, para 2010, o início das atividades dos Campi em Araraquara, Barretos, Catanduva, Itapetininga, Piracicaba, e em 2011, Avaré, Birigui, Campinas, Presidente Epitácio, Registro, Suzano e Votuporanga.

Manual do Candidato - 2 -

ENSINO TÉCNICO Concomitante ou Subsequente

O curso Técnico de Nível Médio Concomitante é oferecido a quem já concluiu o ensino fundamental e esteja cursando o ensino médio, na qual a complementaridade entre a educação profissional técnica de nível médio e o ensino médio pressupõe a existência de matrículas distintas para cada curso, podendo ocorrer:

a) na mesma instituição de ensino, aproveitando-se as oportunidades educacionais disponíveis; b) em instituições de ensino distintas, aproveitando-se as oportunidades educacionais disponíveis; ou c) em instituições de ensino distintas, mediante convênios de intercomplementaridade, visando ao planejamento e ao desenvolvimento de projetos pedagógicos unificados.

O Ensino Profissional Técnico de Nível Médio Subsequente é oferecido somente a quem já concluiu o ensino médio.

Conforme previsto em lei, o aluno deverá ter concluído o ensino médio para obter o diploma de técnico, podendo receber certificados de qualificação profissional antes do término, dependendo da estrutura curricular de cada curso e a obtenção das competências exigidas.

O Ensino Técnico tem duração de dois a quatro semestres e a carga horária é específica em cada curso.

Embora o curso seja ministrado a distância, através de ambiente virtual na internet, haverá aulas presenciais (semanais ou quinzenais) e aplicação de provas periódicas presenciais a serem realizadas no pólo onde o aluno estiver matriculado.

As aulas presenciais ocorrerão aos sábados ou aos domingos.

O aluno terá acesso aos laboratórios de informática dos pólos para a realização das atividades do curso durante a semana, no período noturno, com o auxílio de tutores presenciais.

O curso de EaD de Técnico em Administração terá duração total de um ano e meio e o de Técnico em Informática terá duração de dois anos.

ENSINO SUPERIOR Este nível destina-se a alunos egressos do ensino médio e o IFSP oferece cursos de:

Bacharelado - formação de bacharéis na área de ciências exatas para trabalhar tanto no setor produtivo quanto no setor de pesquisa e desenvolvimento. Sua estruturação contempla o perfil curricular exigido pelas Diretrizes Curriculares dos cursos de engenharia, instituídas pelo Conselho Nacional de Educação.

Tecnologia - formação de profissionais e especialistas em nível superior direcionados a atender os segmentos atuais e emergentes em atividades industriais e prestação de serviços, tendo em vista a constante evolução tecnológica. Os conhecimentos científicos e tecnológicos adquiridos aliam-se à sua aplicação, de modo que intervenham prontamente no mercado de trabalho, transformando-os em processos, projetos, produtos e serviços com o intuito de solucionar problemas reais, ajudando as empresas a reduzirem seus custos a fim de enfrentarem a crescente competitividade e alavancarem todos os setores da economia.

Licenciatura - destina-se a preparar professores que pretendem atuar na Educação Básica. Sua estruturação contempla o perfil curricular exigido pelas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, instituídas pelo Conselho Nacional de Educação, com ênfase na abordagem de conhecimentos específicos articulados à formação do profissional docente.

Manual do Candidato - 23 -

CURSOS OFERECIDOS e PERFIS PROFISSIONAIS

Para auxiliar na escolha de um curso de Ensino Técnico ou de Ensino Superior, o candidato vai encontrar, a seguir, os perfis profissionais correspondentes aos cursos oferecidos, organizados por nível de ensino e, em cada nível, por curso em ordem alfabética.

Em cada perfil estão descritas as principais atribuições, aptidões, funções e/ou habilidades necessárias para o desempenho da profissão.

Técnico em Administração O Técnico em Operações Administrativas executa as funções de apoio administrativo em organizações. Executa e controla os procedimentos organizacionais. Arquiva e organiza contas a pagar, executa operações bancárias, controla estoques, cadastra fornecedores e alimenta planilhas de informação. Opera o sistema de informação gerencial da folha de pagamento, executa cálculos referentes à concessão de benefícios, preenche formulários de admissão e demissão. Utiliza ferramentas da informática básica, como suporte às operações organizacionais. O profissional pode atuar em instituições públicas, privadas e do terceiro setor. O curso tem duração de três semestres/módulos e, ao final dos 1°, 2° e 3° módulos, quando aprovado, o aluno terá direito a receber, respectivamente, Certificados de Qualificação em “Assistente Administrativo”, “Assistente de Marketing” e de “Assistente Financeiro Contábil”. E, após a conclusão de todos os módulos e o Ensino Médio completo, o aluno receberá o Diploma de Técnico em Operações Administrativas.

Técnico em Agroindústria O Técnico em Agroindústria operacionaliza o processamento de alimentos nas áreas de laticínios, carnes, beneficiamento de grãos, cereais, bebidas, frutas e hortaliças. Auxilia e atua na elaboração, aplicação e avaliação de programas preventivos, de higienização e sanitização da produção agroindustrial. Atua em sistemas para diminuição do impacto ambiental dos processos de produção agroindustrial. Acompanha o programa de manutenção de equipamentos na agroindústria. Implementa e gerencia sistemas de controle de qualidade. Identifica e aplica técnicas mercadológicas para distribuição e comercialização de produtos.

Técnico em Agronegócio O Técnico em Agronegócio aplica técnicas de gestão e de comercialização que visem ao aumento da eficiência do mercado agrícola e agroindustrial. Identifica os segmentos das cadeias produtivas do setor agropecuário. Avalia custos de produção e aspectos econômicos para a comercialização de novos produtos e serviços. Idealiza ações de marketing aplicadas ao agronegócio. Auxilia a organização e execução de atividades de gestão do negócio rural. O profissional pode atuar em propriedades rurais, empresas comerciais, estabelecimentos agroindustriais, empresas de assistência técnica, extensão rural e pesquisa.

Técnico em Automação Industrial Automação Industrial é a aplicação de técnicas, softwares e/ou equipamentos em uma determinada máquina ou processo industrial, com o objetivo de aumentar a sua eficiência, maximizar a produção com o menor consumo de energia e/ou matérias primas, menor emissão de resíduos, melhores condições de segurança, seja material, humana ou das informações referentes a esse processo, ou ainda, de reduzir o esforço ou a interferência humana sobre esse processo ou máquina. O técnico executa manutenção através em componentes de um sistema de automação industrial, digitais ou analógicos; instala e configura sistemas automáticos baseados em CLP e em sistemas de aquisição de dados; instala e gerencia redes industriais baseadas em diversos protocolos; adapta programas para processos de fabricação e realiza montagens e atualizações em sistemas de automação de processos industriais: CNC e robóticos; especifica e instala instrumentos de medida de pressão, vazão, temperatura, nível, ph, etc.

Técnico em Comércio O Técnico em Operações Comerciais aplica métodos de comercialização de bens e serviços, visando à competitividade no mercado e atendendo as diretrizes organizacionais. Comunica previsões e demandas aos fornecedores. Efetua controle quantitativo e qualitativo de produtos e procede a sua armazenagem no estabelecimento comercial. Operacionaliza planos de marketing e comunicação, logística, recursos humanos e comercialização. O profissional pode atuar em instituições públicas, privadas, terceiro setor e comércio.

Técnico em Edificações O Técnico em Edificações elabora projetos de Arquitetura e de Instalações Prediais como instalações elétricas, hidro-sanitárias, gás, e incêndio por meio da interpretação de normas técnicas e uso de softwares específicos. Executam detalhamento de desenhos de fundação, de estruturas de concreto armado e metálicas, planejam

(Parte 4 de 7)

Comentários