Pindyck & Rubinfeld Capítulo 10

Pindyck & Rubinfeld Capítulo 10

(Parte 3 de 5)

a. Elabore uma argumentação clara a favor da posição da Alcoa.

Embora a Alcoa controlasse em torno de 90% da produção de alumínio primário nos Estados Unidos, a produção de alumínio secundário pelos recicladores respondia por 30 % da oferta total de alumínio. Portanto, com um preço mais alto, uma proporção muito maior da oferta de alumínio viria de fontes secundárias. Essa afirmação é verdadeira porque há uma grande oferta potencial na economia. Portanto, a elasticidade-preço da demanda para o alumínio primário da Alcoa é muito mais elevada (em valor absoluto) do que esperaríamos, dada a posição dominante da Alcoa na produção de alumínio primário. Em muitos casos, outros metais como o cobre e o aço são substitutos possíveis para o alumínio. Novamente, a elasticidade da demanda com a qual a Alcoa se defronta poderia ser maior do que esperaríamos.

b. Elabore uma argumentação clara contra a posição da Alcoa.

Apesar de ter uma capacidade limitada para aumentar seus preços, a Alcoa poderia obter lucros de monopólio através da manutenção de um preço estável em nível elevado – o que era possibilitado pela limitação da oferta potencial de alumínio. Além disso, tendo em vista que o material usado na reciclagem era produzido originalmente pela Alcoa, a empresa poderia exercer um controle monopolístico efetivo sobre a oferta secundária de alumínio, através da consideração dos efeitos de sua produção sobre essa oferta.

c. A sentença proferida em 1945 pelo Juiz Learned Hand é considerada "uma das opiniões judiciais mais importantes de nosso tempo". Você sabe qual foi a sentença do Juiz Hand?

A decisão do Juiz Hand foi contrária à Alcoa, mas não envolveu qualquer determinação no sentido de que a empresa abandonasse alguma de suas fábricas nos Estados Unidos. As duas medidas tomadas pelo tribunal foram as seguintes: (1) proibiu-se que a Alcoa participasse do leilão de duas fábricas de alumínio primário construídas pelo governo durante a 2ª Guerra Mundial (que foram compradas pela Reynolds and

Capitulo 10: Poder de Mercado: Monopólio e Monopsônio

Kaiser) e (2) ordenou-se que a empresa se desfizesse de sua subsidiária canadense, que passou a se chamar Alcan.

9. Um monopolista defronta-se com a curva de demanda P = 1 - Q, onde P é medido em dólares por unidade e Q é medido em milhares de unidades. O monopolista tem um custo médio constante de $6 por unidade.

a. Desenhe as curvas de receita média e de receita marginal e as curvas de custo médio e de custo marginal. Quais são, respectivamente, o preço e a quantidade capazes de maximizar os lucros do monopolista? Qual será o lucro resultante? Calcule o grau de poder de monopólio da empresa utilizando o índice de Lerner.

Dado que a demanda (receita média) pode ser descrita como P = 1 - Q, sabemos que a função da receita marginal é RMg = 1 - 2Q. Também sabemos que se o custo médio é constante, então, o custo marginal é constante e igual ao custo médio: CMg = 6.

Para calcular o nível de produção que maximiza os lucros, iguale a receita marginal ao custo marginal: 1 - 2Q = 6, ou Q = 2,5.

Isto é, a quantidade que maximiza os lucros é igual a 2.500 unidades. Insira essa quantidade na equação de demanda, a fim de determinar o preço:

P = 1 - 2,5 = $8,50.

O lucro é igual à receita total menos o custo total, π = RT - CT = (RM)(Q) - (CM)(Q), ou π = (8,5)(2,5) - (6)(2,5) = 6,25, ou $6.250. O grau de poder de monopólio é dado pelo Índice de Lerner:

CMgP.

Capitulo 10: Poder de Mercado: Monopólio e Monopsônio

Preço

CMe = CMg RMgD = RMe

Lucro

Figura 10.9.a b. Um órgão de regulamentação governamental define um preço teto de $7 por unidade. Quais serão, respectivamente, a quantidade produzida e o lucro da empresa? O que ocorrerá com o grau de poder de monopólio?

Para determinar o efeito do preço teto na quantidade produzida, insira o preço teto na equação de demanda.

7 = 1 - Q, ou Q = 4.0.

marginal constante de $6, resultando em lucro de monopólio positivo

O monopolista optará pelo preço de $7 porque este é o preço mais elevado que ele pode cobrar, e este preço ainda é maior do que o custo O lucro é igual à receita total menos o custo total: π = (7)(4.0) - (6)(4.0) = $4.0. O grau de poder de monopólio é:

CMgP.

c. Qual é o preço teto que possibilita o nível mais elevado de produção? Qual será este nível de produção? Qual será o grau do poder de monopólio da empresa para este preço?

Se a autoridade reguladora definisse o preço abaixo de $6, o monopolista preferiria encerrar as atividades em vez de produzir, pois ele não conseguiria cobrir seus custos médios. Para qualquer preço acima de $6, o monopolista produziria menos do que as 5.0 unidades que seriam produzidas em um setor competitivo. Portanto, a agência reguladora deveria estabelecer um preço teto de $6, fazendo, assim, com que o monopolista se defrontasse com uma curva de demanda horizontal efetiva até o nível de produção Q = 5.0. Para assegurar um nível de produção positivo (tal que o monopolista não seja indiferente entre

Capitulo 10: Poder de Mercado: Monopólio e Monopsônio

produzir 5.0 unidades ou encerrar as atividades), o preço teto deveria ser estabelecido em $6 + δ, onde δ é um valor pequeno.

Sendo assim, 5.0 é o nível máximo de produção que a agência reguladora pode extrair do monopolista utilizando um preço teto. O grau de poder de monopólio é

CMgP.

10. A empresa Michelle’s Monopoly Mutant Turtles (MMMT) tem direito exclusivo de venda para as camisetas modelo Mutant Turtle nos EUA. A demanda dessas camisetas é expressa por Q = 10.0/P2. O custo total da empresa a curto prazo é CTCP = 2.0 + 5Q, e seu custo total a longo prazo é expresso por CTLP = 6Q.

a. Que preço deverá ser cobrado pela MMMT para haver maximização do lucro no curto prazo? Que quantidade será vendida e qual o lucro gerado? Seria melhor encerrar as atividades da empresa a curto prazo?

A MMMT deveria oferecer camisetas suficientes para que RMg = CMg. No curto prazo, o custo marginal é a mudança no CTCP como resultado da produção de outra camiseta, ou seja, CMgCP = 5, a inclinação da curva de CTCP. A demanda é:

ou, na forma inversa, P = 100Q-1/2.

A receita total (PQ) é 100Q1/2. Derivando RT com relação a Q, obtemos

RMg = 50Q-1/2. Igualando RMg e CMg para determinar a quantidade maximizadora de lucros:

5 = 50Q-1/2, ou Q = 100. Inserindo Q = 100 na função de demanda para determinar o preço:

P = (100)(100-1/2 ) = 10.

Dados o preço e a quantidade, pode-se calcular o lucro, igual à receita total menos o custo total:

π = (10)(100) - (2000 + (5)(100)) = -$1.500.

Embora o lucro seja negativo, o preço está acima do custo variável médio de 5 e, portanto, a empresa não deveria encerrar suas atividades no curto prazo. Dado que a maior parte dos custos da empresa são fixos, a empresa perderia $2.0 se nada fosse produzido, enquanto que, produzindo a quantidade ótima, ela perde apenas $1.500.

b. Que preço deverá ser cobrado no longo prazo pela MMMT? Que quantidade será vendida e qual o lucro gerado? Seria melhor encerrar as atividades da empresa a longo prazo?

Capitulo 10: Poder de Mercado: Monopólio e Monopsônio

No longo prazo, o custo marginal é igual à inclinação da curva de CTLP, que é 6.

Igualando a receita marginal ao custo marginal de longo prazo, obtém-se a quantidade que maximiza os lucros:

Inserindo Q = 69,4 na equação de demanda, obtém-se o preço:

P = (100)[(50/6)2] -1/2 = (100)(6/50) = 12

Portanto, a receita total é $83,3, o custo total é $416,67 e o lucro é $416,67. Logo, a empresa deveria permanecer em atividade.

c. Podemos esperar que o custo marginal da MMMT no curto prazo seja menor do que seu custo marginal no longo prazo? Explique.

(Parte 3 de 5)

Comentários