(Parte 1 de 13)

Pretos, Feira de Santana, Bahia, Brasil3

RIOS – Associação das parasitoses intestinais com anemia e eosinofilia em escolares do povoado de Matinha dos BOTÂNICA

Municipal Fazenda Santa Cecília do Ingá, Volta Redonda, Rio de Janeiro, Brasil8

VANUSA TUBBS DE SOUZA & GILSON ROBERTO DE SOUZA – Composição florística da trilha ecológica do Parque Natural

Coccoloba ramosissima Wedd. (Polygonaceae)19

ALMEIDA SILVA – Estimativa de área foliar através de método não destrutivo em Coccoloba rosea Meisn. e

populações de Lemnoideae (Araceae)24

JOSEANE BRANDÃO PIRES, FLÁVIO FRANÇA & ANTÔNIO DE OLIVEIRA CONCEIÇÃO NETO – Avaliação da homogeneidade em

Orthophytum amoenum (Ule) L.B. Sm. (Bromeliaceae)30

MARIA DAS GRAÇAS LAPA WANDERLEY & RAFAEL BATISTA LOUZADA – Delimitação morfológica e reconhecimento de MICOLOGIA

Biodegradação de celulose e lignina por fungos: uma breve revisão35
APARECIDA DE ASSIS – Produção de pectinases por leveduras: uma revisão41
APARECIDA DE ASSIS – Potencial biotecnológico de leveduras carotenogênicas: uma breve revisão48
convencionais e alternativos para produção de cogumelos comestíveis: uma breve revisão52

GERUZA DE OLIVEIRA CEITA, ANA PAULA TROVATTI UETANABARO & HÉLIO MITOSHI KAMIDA – Emprego de substratos

da vassoura-de-bruxa57

VIVIAN UMBELINO MIRANDA MACEDO, MANOELITO COELHO DOS SANTOS JÚNIOR, ALEX GUTTERRES TARANTO, CATIANE DO SACRAMENTO SOUZA, RAFAELA SANTOS GALANTE, BRUNO S. ANDRADE, SANDRA APARECIDA DE ASSIS & ARISTÓTELES GÓES-NETO – Aspectos gerais do Moniliophtora perniciosa (Stahel) Aime & Phillips-Mora, o agente etiológico ZOOLOGIA

de Zentla, Veracruz, México6
HITOSHI NOMURA – Eurico Santos e a divulgação científica no Brasil71

JOAQUÍN MURGUÍA-GONZÁLEZ – Uso de la diversidad vegetal por Atta cephalotes L. 1758 en San Rafael Piña, municipio NOTAS E COMENTÁRIOS

Série Ciências Biológicas VOLUME 9 - NÚMERO 1, JANEIRO-MARÇO DE 2009

Sitientibus Série Ciências Biológicas é uma publicação da Universidade Estadual de Feira deSantana, editorada sob a responsabilidade do Departamento de Ciências Biológicas. Capa: Detalhe da Inflorescência. (Pág. 3).

dos Pretos, Feira de Santana, Bahia, Brazil3

RIOS – Association of intestinal parasitosis with anemia and eosinophilia in students from the village of Matinha

Park Fazenda Santa Cecília do Ingá, Volta Redonda, Rio de Janeiro, Brazil8

VANUSA TUBBS DE SOUZA & GILSON ROBERTO DE SOUZA – Floristic composition in the ecological trail of the Municipal Natural

ramosissima Wedd. (Polygonaceae)19

ALMEIDA SILVA – Leaf area estimation using a non-destructive method in Coccoloba rosea Meisn. and Coccoloba

(Araceae) populations24

JOSEANE BRANDÃO PIRES, FLÁVIO FRANÇA & ANTÔNIO DE OLIVEIRA CONCEIÇÃO NETO – Evaluation of homogeneity in Lemoideae

Orhophytum amoenum (Ule) L.B. Sm. (Bromeliaceae)30

MARIA DAS GRAÇAS LAPA WANDERLEY & RAFAEL BATISTA LOUZADA – Morphological delimitation and recognition of

Biodegradation of cellulose and lignin by fungi: a brief review35
APARECIDA DE ASSIS – Production of pectinases by yeasts: a review41
APARECIDA DE ASSIS – Yeasts with biotechnological potential to produce carotenoids: A brief review48
substrates for cultivation of edible mushrooms: a brief review52

GERUZA DE OLIVEIRA CEITA, ANA PAULA TROVATTI UETANABARO & HÉLIO MITOSHI KAMIDA – Conventional and alternative

witches’ broom57

VIVIAN UMBELINO MIRANDA MACEDO, MANOELITO COELHO DOS SANTOS JÚNIOR, ALEX GUTTERRES TARANTO, CATIANE DO SACRAMENTO SOUZA, RAFAELA SANTOS GALANTE, BRUNO S. ANDRADE, SANDRA APARECIDA DE ASSIS & ARISTÓTELES GÓES-NETO – Geral aspects of Moniliophtora perniciosa (Stahel) Aime & Phillips-Mora, the etiologic agent of

of Zentla, Veracruz, Mexico6

JOAQUÍN MURGUÍA-GONZÁLEZ – Use of the vegetal diversity by Atta cephalotes L. 1758 in San Rafael Piña, municipality

NOTES AND COMMENTARIES HITOSHI NOMURA – Eurico Santos and the scientific divulgation in Brazil............................................................................................71

& DANIEL DA SILVA RIOSBolsista Extensão/PROEX-UEFS e Graduando do Curso de Ciências FarmacêuticasProf. Titular da Disciplina Parasitologia Humana, Coordenador do Laboratório de Análises Clínicas do Departamento de Ciências BiológicasBióloga Técnica do Laboratório de Análises Clínicas do Depto. de Ciências BiológicasBolsista Acadêmico/UNDEC-UEFS e Graduando do Curso de Ciências FarmacêuticasAuthor for correspondence: Laboratório de Análises Clínicas, Departamento de Ciências Biológicas/UEFS, Km 03, BR 116, Campus, 44031-660, Feira de Santana, Bahia, Brasil bruno_pharma@yahoo.com.br

(Associação das parasitoses intestinais com anemia e eosinofilia em escolares do povoado de Matinha dos Pretos, Feira de Santana, Bahia, Brasil) – Os enteroparasitos são capazes de desenvolver nos seus hospedeiros uma série de alterações fisiopatológicas responsáveis pelo desencadeamento da anemia e eosinofilia sanguínea em indivíduos parasitados. Diante do elevado índice de parasitoses intestinais observado em estudos anteriores no povoado de Matinha dos Pretos, Feira de Santana-BA, o presente trabalho teve o intuito de avaliar a associação das enteroparasitoses com a presença de anemia e eosinofilia em escolares da referida localidade. Para isto, foram coletadas as amostras de sangue e de fezes dos alunos para a realização das análises parasitológicas e hematológicas. Das 137 amostras estudadas, 53% (73) continham parasitos intestinais, com uma ou mais espécies diferentes, sendo os Ancilostomídeos ou sua associação com outras espécies parasitárias os enteroparasitos mais freqüentes; 10,24% (14) apresentaram anemia e 4,53% (61) demonstraram eosinofilia. No entanto, apesar da associação das enteroparasitoses com a presença de anemia e eosinofilia em algumas amostras analisadas, esta não foi significativa nos testes estatísticos. Desta forma, o alto índice de parasitoses intestinais e a presença de anemia e eosinofilia representam um problema de saúde pública, os quais podem comprometer o desenvolvimento e o rendimento dos escolares no referido povoado.

Palavras-chave: Enteroparasitoses, anemia, eosinofilia, alterações hematológicas, saúde pública.

(Intestinal parasitosis associated with anemia and eosinophilia in students from the village of Matinha dos Pretos, Feira de Santana, Bahia, Brazil) – Enteroparasites are able to develop on their hosts a number of pathophysiological changes responsible for triggering of anemia and blood eosinophilia in parasitized individuals. Given the high rate of intestinal parasitosis observed in previous studies in the village of Matinha dos Pretos, Feira de Santana, Brazil, this study was an effort to evaluate the association of enteroparasitosis with the presence of anemia and eosinophilia in students from that village. Samples were collected from students’ blood and feces for carrying out parasitological and hematological analyses. Of the 137 samples studied, 53% (73) had intestinal parasites, with one or more different species, and the hookworms or their association with other parasite species were the enteroparasites most frequent. Overall, 10.24% (14) of the students had anemia and 4.53% (61) showed eosinophilia. However, despite the association of enteroparasitosis with the presence of anemia and eosinophilia in some samples, this was not significant in statistical tests. Thus, the high rate of intestinal parasites and the presence of anemia and eosinophilia represent a problem of public health, which may implicate the development and performance of the students in that village.

Key words: Enteroparasitosis, anemia, eosinophilia, hematologic changes, public health. INTRODUÇÃO

Os parasitos intestinais podem desenvolver várias ações nos seres humanos, as quais podem levar os indivíduos a um quadro anêmico, bem como às alterações na quantidade de leucócitos, em especial eosinófilos, no sangue periférico. A fisiopatologia da anemia é comum em muitos casos de infecção por enteroparasitos, uma vez que muitos deles são capazes de absorver os nutrientes, ou até mesmo sangue, da mucosa intestinal do hospedeiro, o que pode ser perceptível pela diminuição na taxa de hemoglobina no sangue, caracterizada pela Organização Mundial de Saúde como um quadro de anemia. Segundo CERQUEIRA et al. (2001), a presença de anemia associada às enteroparasitoses deve ser resultante da subnutrição (Ascaris lumbricoides), da ação hematofágica (Ancylostoma sp.) e da ulceração das mucosas intestinais (Entamoeba histolytica), que pode originar pequenas, mas constantes, perdas sanguíneas no indivíduo. Entretanto, o agravamento do quadro patológico depende diretamente da carga parasitária, da idade, do estado nutricional e fisiológico do organismo, bem como da associação com outras espécies parasitárias patogênicas (CANTOS et al., 2004).

Os parasitos intestinais podem estar relacionados com a diminuição do número de glóbulos vermelhos e da taxa de hemoglobina, bem como ao aumento absoluto de eosinófilos no sangue periférico. O aumento das células da

SITIENTIBUS SÉRIE CIÊNCIAS BIOLOGICAS 9: 3-7 linhagem branca, em especial dos eosinófilos, pode ser indicativo de infecções parasitárias e/ou alérgicas no ser humano.

O estudo da associação entre enteroparasitoses, anemia e eosinofilia em crianças com idade escolar torna-se importante, pois elas são mais susceptíveis às parasitoses intestinais e como as necessidades nutricionais são aumentadas durante esta fase de desenvolvimento, devese ter uma maior atenção nestes indivíduos para o desenvolvimento das anemias carênciais. Além disso, a anemia compromete o comportamento destes indivíduos, principalmente quanto à capacidade de atenção e rendimento escolar, diminuindo a habilidade para o aprendizado (CAPRILES, 1963 apud GARCIA et al., 1998), ao mesmo tempo proporcionando repetência, idade inadequada da criança na série e evasão escolar.

Assim, diante dos elevados índices de positividade das parasitoses intestinais retratados em estudos anteriores no referido povoado (CERQUEIRA et al., 2001; ARAÚJO et al., 2007), o presente trabalho teve como objetivo determinar a prevalência das enteroparasitoses em alunos do povoado de Matinha dos Pretos, Feira de Santana – BA, relacionandoa com distúrbios hematológicos, como a presença de anemia e eosinofilia nestes indivíduos.

O presente trabalho trata-se de um estudo descritivo, observacional, de corte transversal, realizado no período de maio de 2006 a agosto de 2007 em 137 escolares de 7 a 14 anos de idade, devidamente matriculados no Colégio Anísio Pereira Bernardes, Povoado de Matinha dos Prestos, Feira de Santana/BA. Este projeto obteve aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual de Feira de Santana (CEP-UEFS), sob o número CAAE-0102.0.059.0-05, o qual observou os corretos procedimentos éticos das diretrizes da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP).

Para a concretização deste trabalho foram distribuídos gratuitamente no referido Colégio os coletores específicos para a realização do exame parasitológico de fezes. Além disso, foi feita a coleta de sangue dos alunos para identificar os indivíduos portadores de anemia e eosinofilia. O material coletado foi transportado para o Laboratório de Análises Clínicas da Universidade Estadual de Feira de Santana (BA), onde foram realizadas as análises parasitológicas e hematológicas.

Para o exame parasitológico de fezes, a técnica adotada foi a Sedimentação Espontânea (LUTZ, 1919, HOFFMAN et al., 1934), a fim de determinar os cistos de protozoários e ovos e larvas de helmintos. Para análise e diagnóstico das amostras foi utilizada a solução de lugol para a coloração das espécies e o Atlas Parasitológico de CIMERMAN & FRANCO (2006) para auxiliar na identificação das espécies parasitárias. Já para a detecção da anemia, foram realizados o hematócrito (centrifugação do sangue em tubos capilares), a dosagem de hemoglobina (pelo método de Cianometahemoglobina, com padrão artificial de calibração) e a observação da morfologia das hemácias, através do esfregaço sangüíneo em microscópio óptico. Para a contagem total de leucócitos foi usado a Câmara de Newbawer, enquanto para a contagem diferencial destas células foram feitas as análises dos esfregaços sanguíneos em microscópio óptico. Os casos de eosinofilia foram registrados para os indivíduos que possuíam níveis superiores a 500 eosinófilos / mm3(LICHTMAN, 2005) e de anemia, com níveis de hemoglobina inferiores a 12g/Dl (STEFANINI et al., 1995).

A avaliação dos resultados foi através da freqüência relativa (%), do intervalo de confiança (I.C.) e do teste do qui-quadrado (x2) com nível de significância de 95 %, calculados no programa SPSS (versão 9.0) e Statistica (versão 6.0), com auxilio do Microsoft Office Excel 2003.

Os resultados foram entregues a todos que participaram da pesquisa orientando, conseqüentemente, um acompanhamento médico dos profissionais do Posto de Saúde ou do Programa de Saúde Familiar (PSF) da localidade, o que foi auxiliado pelos agentes comunitários de saúde do povoado que estavam comprometidos com a pesquisa.

Durante o desenvolvimento do projeto foram feitas palestras educativas, adaptadas às faixas etárias das crianças no referido Colégio, assim como para seus pais, com o intuito de abordar as formas de contaminação e profilaxia das parasitoses intestinais, bem como alguns de seus sintomas, para sensibilizar os indivíduos participantes da pesquisa, buscando sempre a minimização desta problemática no referido colégio e, por conseguinte, no povoado.

As parasitoses intestinais são capazes de desenvolver nos seus hospedeiros uma série de alterações hematológicas que podem ser perceptíveis a partir dos exames laboratoriais. Diante do estudo realizado, foi constatada uma elevada freqüência de parasitos intestinais na população estudada. Entre as 137 amostras analisadas dos escolares do Colégio Anísio Pereira Bernardes do povoado de Matinha dos Pretos, Feira de Santana-BA, observou-se que 53,29% (n = 73) destas foram positivas para os parasitos intestinais, sendo que em 46,57% (n = 34)

Escolares analisados

(47,71%*) Monoparasitismo

Tabela 1. Freqüência de parasitoses intestinais em 137 escolares do Colégio Anísio Pereira Bernardes, povoado de Matinha dos Pretos, Feira de Santana/BA.

*I.C. ± 8,36%; p<0,05; x = 0, 003; p<0,05.

SITIENTIBUS SÉRIE CIÊNCIAS BIOLOGICAS[Vol. 9 evidenciou-se um poliparasitismo com três ou mais espécies diferentes (Tabela 1).

Este resultado reflete a manutenção das precárias condições de saneamento básico e de higiene, ainda vigentes no povoado, além da relação direta com a forma de transmissão parasitária, que permitem a proliferação desta enfermidade. Essa informação é condizente com estudos anteriores, que demonstram um elevado índice de contaminação entre os habitantes do povoado, sendo eles iguais a 68,52% em 2000 (CERQUEIRA et al., 2001) e 62,52% em 2007 (ARAÚJO et al., 2007).

A mesma idéia reforçada por SANTOS et al. (1999) retrata a transmissão e a alta prevalência das enteropara-sitoses entre as populações, princi-palmente de baixo nível econômico, como sendo resultantes das precá-rias condições sanitárias e pela falta de educação e higiene da população.

Segundo MARINHO e colaboradores (2002 apud

ROCHA et al., 2004), a alta prevalência de enteroparasitoses em crianças deve-se ao fato delas estarem mais susceptíveis ao contato com as formas infectantes, ao mesmo tempo pela imunidade deficiente para eliminação dos parasitos. Para LUDWIG et al. (1999), essa contaminação se deve ao desconhecimento dos princípios básicos de higiene e a maior exposição a partir do contato com o solo, possivelmente contaminado por ovos e larvas dos parasitos, onde se desenvolve as atividades de lazer da maioria da população.

De acordo com CERQUEIRA et al. (2001), a presença dos parasitos no hospedeiro pode desenvolver uma série de ações fisiopatológicas como resultante dessa associação. ROCHA e colaboradores (2004) retratam que esta associação constitui um tema ainda crescente no âmbito da saúde pública, principalmente em crianças com idade escolar, pois a presença de alguns parasitos costuma determinar o aparecimento da anemia, especialmente a ferropriva, nos seus hospedeiros.

Os resultados encontrados para a anemia neste estudo foram de 10,2% (n = 14), enquanto que 89,78% (n = 123) não foram identificados anormalidades no diagnóstico laboratorial desta enfermidade. Entre os 14 indivíduos positivos para a anemia, observou-se que 64,29% (n = 9) destes eram portadores de parasitos intestinais, sendo os Ancilostomídeos e sua associação com outras espécies parasitárias, o parasito com maior percentual nas amostras estudadas (Tabelas 2 e 3).

(Parte 1 de 13)

Comentários