Protocolos de utilização de antimicrobianos

Protocolos de utilização de antimicrobianos

(Parte 4 de 4)

Osso

(preferencial) +

Partes moles + Exsudato profundo

2 semanas

EV + 2 semanas

2 semanas

EV + 4 semanas

6 meses (EV durante internação VO após alta)

14 dias

14 dias

Conforme evolução

Pioartrite aguda

Osteomielite aguda hematogênica

Osteomielite Crônica

Fratura exposta * Tipo I (MS e MI)

*Tipo I e II (MS E

Infecção Pós- operatória

9.1. TRATAMENTO DE INFECÇÕES ORTOPÉDICAS9.1. TRATAMENTO DE INFECÇÕES ORTOPÉDICAS

Previsão 14 -21 dias Previsão 14 -21 dias

400 mg 12/12h nas 3 primeiras doses seguida 400 mg 24/24h

400 mg 48/48 h

400 mg 72/72 h

Função Renal Normal (Clear. de Creat. > 50ml /min)

Função Renal Alterada

Clear. de Creat. 10-50ml/min

Clear. de Creat. <10 ml/min

10. INDICAÇÕES DE USO DE TEICOPLANINADOSE10. INDICAÇÕES DE USO DE TEICOPLANINA DOSE

Cobertura de Staphylococcus sp resistente a oxacilina ( mesma indicação da vancomicina) em pacientes com: Insuficiência Renal Aguda Reversível " definido como aumento de 2 x a creatinina de base do paciente ou clearance de creatinina

< 50 ml/min. Reação à Vancomicina ( não corrigida com o seu uso em infusão lenta > 2h excluindo-se a Síndrome do pescoço vermelho

1. COMO E PORQUE NOTIFICAR REAÇÕES ADVERSAS

Tatiana Amâncio Campos Eugenie Desirèe Rabelo Néri

Para permitir a identificação de reações adversas não detectadas durante a fase pré-comercialização do medicamento.

O Ensaio clínico controlado e randomizado é considerado o padrão ouro para estudos de eficácia dos medicamentos, porém devido à sua própria estrutura (número limitado de pacientes, seguimento da terapêutica, etc.) na grande maioria das vezes não permite a identificação de reações adversas graves e raras, pois para elas se manifestarem faz-se necessário a utilização do medicamento por milhares de pessoas, que é o que se vê quando o produto é autorizado para comercialização.

7 de cada 100 pacientes hospitalizados vão sofrer uma RAM séria durante sua internação; e 3 de cada 1000 pacientes hospitalizados morrerão em função de uma RAM.

Todas as suspeitas de reação adversa a qualquer medicamento, em especial aquelas que causaram a internação do paciente ou a prolongaram, reações graves, reações não descritas em bula e reações à medicamentos com menos de 5 anos no mercado, assim como suspeitas de ineficácia medicamentosa.

Em seu hospital, a equipe da Gerência de Riscos irá realizar as monitorizações e estudos necessários para verificar a causalidade da reação.

Utilize a ficha amarela disponível nas unidades e envie para a

Gerência de riscos (Ramal 8606), localizada em sala anexa à Farmácia 46

12. COMO SOLICITAR ANTIMICROBIANOS NO HUWC

1.Solicitar culturas com antibiograma (hemocultura, urinocultura, ponta de cateter, secreções de feridas, escarro). Nos casos em que houver diarreia, devem-se coletar fezes para pesquisa de toxina A e B do Clostridium difficile (caso disponível) e coprocultura para pesquisa de E.Coli, Shigella, Salmonella e Campilobacter;

2.Iniciar antibiótico empírico baseado nos protocolos, nas possíveis reações adversas a antimicrobianos específicos (alergias) que o paciente apresente e avaliar os antecedentes infecciosos do paciente (agentes isolados em episódios prévios de infecção e esquemas antimicrobianos previamente utilizados)

3.Prescrever o antimicrobiano legivelmente sem abreviações anotando necessariamente o dia de utilização e previsão de tratamento (por exemplo D1/14 ou D1/21), forma de administração ( EV bolus, EV infusão gravitacional, EV infusão BIC ou IM). Nos casos de infusão indicar o volume e tipo de soro para administração, bem como o tempo de infusão

4.Preencher obrigatoriamente a Ficha de Solicitação de

Antimicrobianos (em anexo) em todos os campos de forma legível não esquecendo da data, carimbo e assinatura

5.A Ficha de Solicitação de Antimicrobianos deverá ser preenchida sempre em casos de início ou troca de tratamento, ajuste de dose (aumento ou diminuição), adição de outros antibióticos, antifúngicos e antivirais ou mudança de forma farmacêutica para administração;

6.A Ficha de Solicitação de Antimicrobianos deverá acompanhar obrigatoriamente as segundas vias das prescrições enviadas ao Serviço de Farmácia

7.O Serviço de Farmácia somente poderá liberar o medicamento mediante apresentação da ficha de solicitação de antimicrobiana devidamente preenchida anexada à prescrição.

8.Após resultados dos antibiogramas ajustar/alterar tratamento empírico se necessário seguindo as mesmas orientações de prescrição acima citadas nos itens 3, 4, 5 e 6.

ATENÇÃO • É obrigatório o preenchimento completo de todos os campos;

• A ficha de antimicrobianos deverá ser enviada necessariamente anexada à prescrição em caso de: início ou troca de tratamento, ajuste de dose (aumento ou diminuição), adição de outros antibióticos, antifúngicos e antivirais ou mudança de forma farmacêutica.

• O Serviço de Farmácia somente poderá liberar o medicamento mediante apresentação da ficha de solicitação de antimicrobianos devidamente preenchida anexada à prescrição.

13. COMO REALIZAR HEMOCULTURA

Coleta de Hemocultura

1. Momento

I.Colher antes da antibioticoterapia, ou antes, da próxima dose de antibiótico. Quando possível, suspender o antibiótico por 24- 48hs para realizar a coleta.

I.Colher preferencialmente no início da ascensão do pico febril ou durante. Em casos graves, pode ser coletado a qualquer momento, não sendo obrigatório o pico febril.

I.No caso de sepse, pneumonia, meningite, paciente neutropênico, colher em seguida duas a três amostras, em 2 ou três locais diferentes e iniciar antibioticoterapia. Paciente neutropênico com cateter de longa permanência, colher uma amostra pelo cateter (Anotar nos frascos qual amostra é de cateter e de veia periférica).

IV.Paciente não neutropênico com febre de origem indeterminada, colher duas amostras de locais diferentes. Se estiver com qualquer tipo de cateter convém colher uma terceira amostra pelo cateter. Após 48hs, se a febre persistir e a hemoculturas estiverem negativas, colher mais duas amostras periféricas.

V.Endocardite – colher três amostras com intervalo de 30 a 60 minutos. Se negativas, após 24-48 hs de incubação, colher pelo menos mais duas amostras com intervalo de 30-60 min.

2. Volume

I.Coletar sempre que possível o volume máximo permitido para cada frasco. Cada mililitro a mais, representa cerca de 3% de chance de isolamento. Por exemplo, para um adulto a coleta de 10ml no lugar de 5ml representa 15% a mais de chance de isolamento.

3. Local

I.A sensibilidade da coleta por cateter venoso quando comparada com a periférica é de 75 a 95%, mas a especificidade é mais baixa, entre 65 a 75%. Em compensação, o valor preditivo negativo é alto (> 90%), podendo ser útil para afastar o diagnóstico de infecção relacionada a cateter vascular.

(Parte 4 de 4)

Comentários