Peptídeos Vasoativos e o Rim

Peptídeos Vasoativos e o Rim

(Parte 1 de 8)

Capítulo

7 Peptídeos Vasoativos e o Rim

Irene L. Noronha e Miguel Luis Graciano

Componentes do SRA

Angiotensinogênio Renina

Biossíntese da Renina ESTRUTURA DO APARELHO JUSTAGLOMERULAR CONTROLE DA SECREÇÃO DE RENINA QUANTIFICAÇÃO DA ATIVIDADE DA RENINA ENZIMA CONVERSORA DE ANGIOTENSINA (ECA)

Propriedades bioquímicas Distribuição tecidual ANGIOTENSINA I

Ações na vasculatura Ações renais Ações na supra-renal Ações no sistema nervoso central Ações da Ang I no crescimento celular Receptores para Ang I e mecanismo de ação celular ANGIOTENSINASES SISTEMA RENINA-ANGIOTENSINA EM SITUAÇÕES FISIOPATOLÓGICAS

Hipertensão arterial Nefropatia diabética Nefropatias crônicas PEPTÍDEOS DERIVADOS DAS ANGIOTENSINAS

Ang-(I-7) Ang I Ang IV SISTEMA RENAL CALICREÍNA-CININA

Componentes do sistema renal calicreína-cinina

Cininogênios Calicreínas Cininas Cininases

Receptores para cininas Localização renal dos componentes do sistema calicreína-cinina

Ações do sistema calicreína-cinina no rim

Efeitos na hemodinâmica renal Efeitos na excreção de sódio e água

Inter-relações entre sistema calicreína-cinina e outros sistemas

Sistema renina-angiotensina Eicosanóides Peptídeo natriurético atrial (ANP) Óxido nítrico SISTEMA CALICREÍNA-CININA EM SITUAÇÕES FISIOPATOLÓGICAS

Cirrose hepática Hipertensão arterial Fibrose miointimal Infarto do miocárdio PEPTÍDEOS NATRIURÉTICOS

Peptídeo natriurético atrial (ANP)

Síntese e estrutura Regulação da secreção do ANP Receptores para ANP Ações do ANP Efeitos na hemodinâmica renal e efeitos na indução de natriurese

Efeitos no sistema renina-angiotensina-aldosterona, vasopressina e endotelina

Efeitos na vasculatura

ANP em situações fisiopatológicas

Insuficiência cardíaca congestiva Taquicardia supraventricular Hipertensão arterial Cirrose hepática Doença renal

70Peptídeos Vasoativos e o Rim

Peptídeo natriurético do tipo C (CNP) URODILATINA ENDOTELINA

Biossíntese e estrutura Receptores para endotelina e mecanismo de ação celular Ações da endotelina no rim Endotelina em situações fisiopatológicas Insuficiência renal aguda

Hipertensão arterial Ciclosporina A Doenças glomerulares Fibrose renal e insuficiência renal crônica ADRENOMEDULINA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ENDEREÇOS RELEVANTES NA INTERNET

Existe no rim um importante balanço entre agentes vasoconstritores e vasodilatadores, responsável pela regulação da filtração glomerular. Dentre os agentes vasoconstritores devem ser ressaltados: peptídeos como a angiotensina (Ang I) e endotelina, além de outras substâncias como adenosina, PAF (fator ativador de plaquetas) e metabólitos do ácido araquidônico (PGF2a, tromboxane A2 e leucotrienos). Os agentes vasodilatadores incluem: peptídeos como bradicinina e peptídeos natriuréticos, além de outras substâncias como óxido nítrico, PGE2, PGI2 e dopamina. No presente capítulo, serão abordados alguns dos mais relevantes peptídeos vasoativos que desempenham papel fundamental na regulação da hemodinâmica renal.

Pontos-chave:

Principais peptídeos vasoconstritores •Angiotensina I

• Endotelina

Principais peptídeos vasodilatadores • Bradicinina

•Peptídeo atrial natriurético

O sistema renina-angiotensina (SRA) tem como importante função a regulação da pressão arterial e do volume intravascular. Este controle é possível graças à ação da angiotensina I (Ang I), que promove uma potente vasoconstrição na musculatura lisa dos vasos (e assim aumenta a resistência vascular periférica), além de diminuir a excreção renal de sódio (mediado pela aldosterona). Deste modo, mantém uma adequada perfusão capilar principalmente quando ocorrem alterações do volume de água corporal.

A atividade do SRA é regulada pela renina, que é produzida e armazenada no aparelho justaglomerular renal e liberada em resposta a uma série de sinais. A renina é uma enzima proteolítica que quebra o angiotensinogênio existente no plasma, formando o decapeptídeo angiotensina I (Fig. 7.1). Este peptídeo, biologicamente inativo, é convertido pela enzima conversora formando o hormônio ativo Ang I. A Ang I é clivada por aminopeptidases formando a angiotensina I, que é subseqüentemente quebrada em fragmentos inativos.1,2,3 Atualmente tem sido cada vez mais conhecido o papel fisiológico de metabóli-

Fig. 7.1 Componentes do sistema renina-angiotensina-aldosterona.

reabsorção de Na e HO renina pró-renina pressão de perfusão

VASOCONSTRIÇÃOenzima conversora síntese de capítulo 771 tos das angiotensinas, como por exemplo a ação vasodilatadora da Ang-(1-7).4

Componentes do SRA

O angiotensinogênio plasmático é uma glicoproteína de peso molecular que varia de 52 a 60 kDa, produzido primariamente no fígado. No entanto, RNAm para angiotensinogênio também foi encontrado no cérebro, rim, suprarenal, coração, pulmão, vasos e trato gastrintestinal,5 demonstrando que o angiotensinogênio pode ser produzido em diversos tecidos extra-hepáticos. O sítio de produção do angiotensinogênio pode ter relevância fisiopatológica, uma vez que pode contribuir para a formação local de Ang I, que por sua vez pode ser importante na regulação local de diversas funções nos tecidos.

Biossíntese da Renina

Renina foi o nome dado em 1898 por Tigerstedt e

Bergamann6 à substância com capacidade pressora extraída de rins de coelhos. A renina é uma protease que quebra especificamente a ligação LEU-VAL da região aminoterminal do angiotensinogênio, formando a Ang I.

O gene da renina humana (localizado no cromossoma 1) codifica uma proteína precursora de 45 kDa chamada de PRÉ-PRÓ-renina, que rapidamente é quebrada formando a PRÓ-renina. Tanto a PRÉ-PRÓ-renina como a PRÓ-renina são completamente inativas. A PRÓ-renina é clivada formando a enzima ativa de 40 kDa denominada renina.

Apesar de o rim ser a principal fonte da produção de renina, existem diversos órgãos que têm a capacidade de sintetizar renina: fígado, cérebro, próstata, testículo, baço, timo e pulmão.5

O aparelho justaglomerular, situado no hilo glomerular, é formado pelas células justaglomerulares, pela mácula densa e por um tecido interposto entre eles, o mesângio extraglomerular, que é um prolongamento do mesângio glomerular. As células justaglomerulares são células modificadas da musculatura lisa encontradas na parede da arteríola aferente. A renina é produzida e armazenada nas células justaglomerulares, que aparecem à microscopia eletrônica como grânulos eletrodensos, sendo secretada por exocitose. Utilizando-se imuno-histoquímica, foi possível demonstrar que os grânulos intracelulares contêm renina e Ang I.7,8,9 Estudos utilizando-se hibridização in situ demonstraram claramente uma grande concentração de grânulos negros, que correspondem ao mRNA para renina, localizados no hilo renal (Fig. 7.2). Tal localização corresponde à topografia das arteríolas aferentes, o que é confirmado pelo exame da imuno-histoquímica (Fig. 7.3). A mácula densa é a parte da alça ascendente espessa de Henle que se encontra próxima à região da arteríola aferente.

Pontos-chave:

Principais componentes do sistema reninaangiotensina • Renina

• Angiotensinogênio

(Parte 1 de 8)

Comentários