Clp - aula 2

Clp - aula 2

(Parte 1 de 4)

Alberto Willian Mascarenhas, Abílio Muniz e Sérgio Leal Segunda parte

2 Alberto Willian Mascarenhas, Abílio Muniz e Sérgio Leal

4.C.P.U., Cartões I/O, Fonte e Racks

5.Funcionamento e Utilização do Micro C.L.P. LOGO! 6.Blocos do LOGO! (LOGO! SOFT COMFORT)

3 Alberto Willian Mascarenhas, Abílio Muniz e Sérgio Leal

C.P.U., Cartões I/O, Fonte e Racks

A Figura 4.1 ilustra a estrutura básica de uma C.P.U.composta de: · Processador;

·Circuitos Auxiliares de Controle.

4 Alberto Willian Mascarenhas, Abílio Muniz e Sérgio Leal

Processado r Processado r

O processador éresponsável pelo gerenciamento total do sistema, controlando os barramentosde endereços, de dados e de controle. Interpreta e executa as instruções inseridas no programa inserido pelo usuário, controla a comunicação com dispositivos externos e verifica toda a integridade do sistema(diagnóstico).

O desenvolvimento tecnológico de um CLP depende principalmente do processador utilizado que pode ser desde um microprocessador convencional (8051, 80286, 80386, PIC16F877, etc.) atéum processador dedicado.

HáC.P.U.sque possuem processamento paralelo e outros coprocessadores que auxiliam em funções específicas (operações complexas).

5 Alberto Willian Mascarenhas, Abílio Muniz e Sérgio Leal

Sistema de Mem

Sistema de Memóória. ria.

Existem casos em que a C.P.U.éfornecida com uma quantidade básica de memória, a qual pode ser expandida por meio de cartuchos.

6 Alberto Willian Mascarenhas, Abílio Muniz e Sérgio Leal

Especificações técnicas de uma CPU e que devem ser consideradas são:

conter, sendo indicadas separadamente: Memória Total para Programa de

Capacidade de memória: quantidade máxima que a CPU pode Aplicação e Memória Total para Tabela de Dados;

Tipo de Memória:forma de armazenamento para o Programa de Aplicação (EPROM, EEPROM, etc.);

Bateria de Backup:indica se a CPU permite utilização de bateria para manutenção da Tabela de Dados mesmo sem alimentação;

Pontos de I/O total:Quantidade máxima de pontos de I/O que a CPU pode controlar;

7 Alberto Willian Mascarenhas, Abílio Muniz e Sérgio Leal

EspecificaEspecificaçções tões téé cnicas de uma CPU e que devem ser cnicas de uma CPU e que devem ser consideradas são: consideradas são:

Tempo de Processamento:tempo necessário para a CPU executar uma instrução booleana(contato ou bobina);

Linguagem de Programação:indica as linguagens de programação que pode ser utilizada;

Recursos de Programação:indica os recursos que possam ser utilizados, por exemplo: temporizadores, contadores, PID, etc.;

Portas de comunicação:quantidade de portas existentes na CPU, indicando tipo (RS-232, RS-422, etc.) e protocolos suportados; Potência consumida da base.

8 Alberto Willian Mascarenhas, Abílio Muniz e Sérgio Leal

Cartões de I/O. Cartões de I/O.

Os módulos são responsáveis pela comunicação entre a C.P.U.e o mundo externo, além de garantir isolação e proteção àC.P.U.São divididos em módulos de entrada(recebem sinais e os convertem em níveis adequados para a CPU) e módulos de saída(enviam sinais dependendo do programa de aplicação ou “force”pelo usuário), existem também os módulos combinados (CLP modulares).

9 Alberto Willian Mascarenhas, Abílio Muniz e Sérgio Leal

Normalmente os módulos de I/O são dotados de:

Isolação Ópticapara proteção da CPU, fonte de alimentação e demais módulos;

Indicadores de STATUS, e indicadores de falhas (diagnóstico); Conectores removíveisque reduzem o tempo de manutenção.

Cartões de I/O. Cartões de I/O.

10 Alberto Willian Mascarenhas, Abílio Muniz e Sérgio Leal

Os mOs móódulos de I/O são classificados em: dulos de I/O são classificados em:

Discretos:

Tratam sinais digitais (on/offou 0/1); Cada ponto corresponde a um bit de endereçamento da Tabela de Dados.

Analógicos (sinais):

Tratam sinais analógicos (tensão, corrente); Convertem sinais analógicos em sinais digitais para o processamento; Cada entrada ou saída são tratadas como canais; Quantidade de bits relativo àresolução; Cada módulo consome uma quantidade de I/O disponíveis de acordo com o fabricante.

1 Alberto Willian Mascarenhas, Abílio Muniz e Sérgio Leal

MMóódulos discretos de entrada. dulos discretos de entrada.

Os módulos discretos de entrada apresentam as seguintes características:

Filtros de sinalque eliminam efeitos de 'bounces' (pulsos indesejados, rebatimentos);

Tipo e faixa de tensão de entrada:AC (110V ou 220V), DC (12V, 24V ou 125V), AC/DC -'either' (12V, 24V, 110V), TTL ou 'contato seco';

As entradas DC podem ter configuração currentsinking(consumidora de corrente -comum negativo), currentsourcing(fornecedora de corrente –comum positivo) ou currentsinking/sourcing(quando possuem um opto-acopladorcom dois LEDsem antiparalelo).

12 Alberto Willian Mascarenhas, Abílio Muniz e Sérgio Leal

(Parte 1 de 4)

Comentários