Bacias Sedimentares Brasileiras

Bacias Sedimentares Brasileiras

(Parte 7 de 8)

Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, São Paulo. Tese de Doutorado, 193 p.

Basei, M.A.S., Siga Jr., O., Cordani, U.G., Sato, K., Lima, P.S. de. 1999.

The magmatism of the Itajaí Basin, SC, southern Brazil, and its importance to define the Proterozoic-Phanerozoic limit. In: Simposio Sudamericano de Geologia Isotopica (SSAGI), I. Córdoba, Actas, p. 287-290.

Berrangé, J.P. 1973. A synopsis of the geology of southern Guyana.

Rep. Photogeol. Unit, Overseas Div., Inst. Geological. Sciences., London, n. 26, 16 p.

Bigarella, J.J., Salamuni, R. 1962. Caracteres texturais dos sedimentos da Bacia de Curitiba (contribuição à geologia geral). Curitiba, Universidade do Paraná, Boletim n. 7, (1ª parte).

Bonacim, E.A., Moro, R. de P.X., Soares, P.C. 1994. Tectônica da Bacia

Ordoviciana de Castro. Bol. Par. Geociências, 42:59-72.

Braga, L.F.S., Siqueira, L.P. 1996. Three dimensional gravity modelling of the basement topography beneath Parecis Basin, Brazil, constrained by spectral estimates of depth to magnetic sources. In: CONEXPO-ARPEL, Latin American Petroleum Congress, 5, Rio de Janeiro, Anais, 8 p.

Brito Neves, B.B. 1998. The Cambro-ordovician of the Borborema Province.

São Paulo, USP, Boletim IG, Série Científica, 29:175-193,

Brito Neves, B.B. 2002. Main Stages of the Development of the

Sedimentary Basins of South America and their Relationship with the Tectonics of Supercontinents. Gondwana Research, 5:175-196.

Brito Neves, B.B., Feitosa, E.C. 1969. Proposição e estudos geológicos preliminares da “Formação Capim Grosso”. In: SBG, Congresso Brasileiro de Geologia, 23, Salvador, Resumo das Conferências e Comunicações, p. 60 (Bol. Esp. n. 1).

Brito Neves, B.B., Campos Neto, M.C., Fuck, R.A. 1999. From Rodinia to Western Gondwana: An approach to the Brasiliano-Pan African Cycle and orgenic collage. Episodes, 2(3):155-166.

Caixeta, J.M., Bueno, G.V., Magnavita, L.P., Feijó, F.J. 1994. Bacias do Recôncavo, Tucano e Jatobá. Rio de Janeiro, Boletim de Geociências da PETROBRAS, 8(1):163-172.

Campos, J.E.G., Dardenne, M.A. 1997. Origem e evolução tectônica da Bacia Sanfranciscana. Revista Brasileira de Geociências, 27(3):283-294.

Caputo, M.V. 1984. Stratigraphy, Tectonics, Paleoclimatology and

Paleogeography of Northern Basins of Brazil. University of California, Santa Barbara, USA. Tese de Doutorado, 586 p.

Castro, D.L. 1999. Modelagem gravimétrica 3-D das bacias rifte do vale do Cariri-NE do Brasil. In: SBG/BA-SE/ABGP, Simpósio Nacional de Estudos Tectônicos, 7, Salvador, Anais, 3:60-62.

Castro, M.A., Reis Neto, J.M., Assine, M.L. 1993. Rochas vulcanogênicas da Formação Guaratubinha–PR. In: SBG, Simpósio Sul Brasileiro de Geologia, 5, Curitiba, Boletim de Resumos Expandidos, p. 144.

Citroni, S.B. 1993. Ambientes deposicionais e significado geotectônico da sedimentação do Grupo Itajaí–SC. Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, São Paulo. Dissertação de Mestrado, 145 p.

Citroni, S.B. 1998. Bacia de Campo Alegre–SC: Aspectos Petrológicos,

Estratigráficos e Caracterização Tectônica. Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, São Paulo. Tese de Doutorado, 185 p.

Coimbra, A.M., Riccomini, C., Sant’Anna, L.G., Valarelli, J.V. 1996.

Bacia de Curitiba: estratigrafia e correlações regionais. In: SBG, Congresso Brasileiro de Geologia, 39, Salvador. Anais, 1:135-137.

Costa, S.A.G., Fragomeni, P.R.P., Fragomeni, M.G. 1975. Projeto Serra do Roncador, Reconhecimento Geológico. Relatório Final. Goiânia, CPRM/DNPM, 3 v (inédito).

Cruz, N.M.C. 1980. Palinologia de sedimentos paleozóicos do Território

Federal de Rondônia. In: SBG, Congresso Brasileiro de Geologia, 31, Camboriú, Anais, 5:3041-3048.

Cruz, W. 1962. Geologia da faixa oeste de José de Alencar, município de Iguatu, Ceará. Recife, Arq. Geol. 3:1-41.

Cunha, P.R.C., Gonzaga, F.G., Coutinho, L.F.C., Feijó, F.J. 1994. Bacia do Amazonas. Boletim de Geociências da PETROBRAS, 8(1):47-5.

Dardenne, M.A, Schobbenhaus, C. 2001. Metalogênese do Brasil.

Brasília, Editora UnB/CPRM, 392 p.

Delgado, I.M., Pedreira, A.J. 1995. Mapa tectono-geológico do Brasil. 1 mapa colorido. Escala 1:7.0.0. Rio de Janeiro, CPRM.

Ebert, H. 1971. O Grupo Guaratubinha no norte do estado de Santa

Catarina. In: SBG, Congresso Brasileiro de Geologia, 25, São Paulo, Anais, 146-175.

Eiras, J.F., Becker, C.R., Souza, E.M., Gonzaga, J.E.F., Silva, L.M., Daniel,

L.M.F., Matsuda, N.S., Feijó, F.J. 1994a. Bacia do Solimões. Boletim de Geociências da PETROBRAS, Rio de Janeiro, 8(1):17-45.

Eiras, J.F., Kinoshita, E.M., Feijó, F.J. 1994b. Bacia do Tacutu. Boletim de Geociências da PETROBRAS, Rio de Janeiro, 8(1):83-89.

Emery, D., Myers, K.J. (eds.). 1996. Sequence Stratigraphy. Osney Mead,

Oxford: Blackwell Science, 297 p.

Fambrini, G., Janikian, L., Paes-de-Almeida, R., Fragoso-Cesar, A.R.,

Fonseca, A.R. 2002. Seqüências da Formação Santa Bárbara (Neoproterozóico I-Cambriano Inferior) na sub-bacia Camaquã Central, RS. In: SBG–Núcleo Nordeste, Congresso Brasileiro de Geologia, 41, João Pessoa, Anais, p. 660.

Feijó, F.J., Souza, R.G. 1994. Bacia do Acre. Boletim de Geociências da

PETROBRAS, Rio de Janeiro, 8(1):9-16.

Fernandes, L.A., Coimbra, A.M. 1998. Estratigrafia e evolução geológica da Bacia Bauru (KS, Brasil). In: SBG, Congresso Brasileiro de Geologia, 40, Belo Horizonte, Anais, p. 101.

Fernandes, L.A., Coimbra, A.M. 2000. Revisão estratigráfica da parte oriental da Bacia Bauru (Neocretáceo). Revista Brasileira de Geociências, 30(4):717-728.

Ferreira, J.B. 1980. Dicionário de Geociências. Ouro Preto, Fundação

Gorceix, 550 p.

Fragoso-César, A.R.S., Paes-de-Almeida, R., Pelosi, A.P.M.R., Janikian,

L., Fambrini, G.L. 2002. Grupo Camaquã (Neoproterozóico IEopaleozóico): a cobertura anorogênica do Escudo Gaúcho no Rio Grande do Sul. In: SBG–Núcleo Nordeste, Congresso Brasileiro de Geologia, 41, João Pessoa, Anais, p.307.

Fuck, R.A., Marini, O.J., Trein, E. 1967. A Formação Guaratubinha. Bol. Paran. Geociênc., 23-25: 237-255.

I. Bacias Sedimentares Paleozóicas e Meso-Cenozóicas Interiores83

Fúlfaro, V.J., Landim, P.M.B. 1973. Interpretação do tectonismo cratônico: o cráton brasileiro e a Bacia Sedimentar do Paraná. In: SBG, Congresso Brasileiro de Geologia, 27, Aracaju, Resumos das Comunicações, 187-188.

Ghignone, J.I. 1972. Ensaio de paleogeologia do Nordeste e as seqüências sedimentares. In: SBG, Congresso Brasileiro de Geologia, 26, Belém, Anais, 3:21-28.

Ghignone, J.I. 1979. Geologia dos sedimentos fanerozóicos do estado da Bahia. In: Inda, H.A.V. (org.). Geologia e Recursos Minerais do Estado da Bahia: textos básicos. Salvador, SME/CPM. 1:23-117.

Ghignone, J.I., Couto, E.A., Assine, M.L. 1986. Estratigrafia e estrutura das bacias do Araripe, Iguatu e Rio do Peixe. In: SBG, Congresso Brasileiro de Geologia, 34, Goiânia, Anais, 1:271-285.

Góes, A.M. 1995. A Formação Poti (Carbonífero Superior) da Bacia do

Parnaíba. Universidade de São Paulo, São Paulo. Tese de Doutorado, 171 p.

Góes, A.M., Feijó, F.J. 1994. Bacia do Parnaíba. Boletim de Geociências da PETROBRAS, Rio de Janeiro, 8(1):57-67.

Góes, A.M., Rossetti, D.F. 2001. Gênese da Bacia de São Luís–Grajaú,

Meio-Norte do Brasil. In: Rossetti, D.F., Góes, A.M., Truckenbrodt, W. (eds.). O Cretáceo na Bacia de São Luís–Grajaú. Belém, Museu Paraense Emílio Goeldi, 15-29.

Góes, A.M., Coimbra, A.M., Nogueira, A.C.R. 1997. Depósitos costeiros influenciados por tempestades e marés da Formação Poti (Carbonífero Inferior) da Bacia do Parnaíba. In: Costa, M.L., Angélica, R.S. (coord.). Contribuições à Geologia da Amazônia. Vol. 1. Belém, FINEP/SBG-NO, 285-306.

Góis, J.R. 1990. A Formação Camarinha. In: IGc-USP, Reunião

Internacional do Projeto 270 – Picg, 2, São Paulo. Guia da Excursão, 24-29.

Gomes, F.A. 1968. Fossas tectônicas do Brasil. Anais da Academia

Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, 40:255-71.

Gomes, H.A. (org.). 2001. Geologia e recursos minerais do Estado de

Pernambuco. Brasília: CPRM, 198 p.

Guerreiro, M.G.S., Silva, J.M.R. 1976. Projeto Guaraí–Conceição,

Relatório Final. Belém: DNPM/UFPA. (inédito).

Hasui, Y., Abreu, F.A.M., Silva, J.M.R. 1977. Estratigrafia da faixa de dobramentos Paraguai–Araguaia no centro-norte do Brasil. B. Inst. Geoc. USP. São Paulo, 8:107-118.

Jordan, T. 1995. Retroarc Foreland and Related Basins. In: Busby,

C.J., Ingersoll, R.V. (eds.). Tectonics of Sedimentary Basins. Cambridge, Blackwell Science, 331-362.

Kearey, P., Vine, F.J. 1996. Global Tectonics. 2.ed. Osney Mead.

Blackwell, 3 p.

Kingston, D.R., Dishroon, C.P., Williams, P.A. 1983. Global basin classification system. AAPG Bulletin, 67:2175-2193.

Klein, G.V. 1995. Intracratonic Basins. In: Busby, C.J.; Ingersoll, R.V. (eds.). Tectonics of Sedimentary Basins. Cambridge: Blackwell Science, p. 459-478.

Lacerda Filho, J.V., Rezende, A., Silva, A. 1999. Geologia e Recursos

Minerais do Estado de Goiás e Distrito Federal. Mapa Geológico do Estado de Goiás e Distrito Federal Escala 1:500.0. Goiânia: CPRM, Convênio CPRM/METAGO/UnB. Programa Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil–PLGB. 1 CD-ROM.

Leonardi, G., Carvalho, I.S. 2002. As pegadas de dinossauros das bacias Rio do Peixe, PB. In: Schobbenhaus, C., Campos, D.A., Queiroz, E.T., Winge, M., Berbert-Born, M. (eds.). Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. Brasília, DNPM/CPRM. 540 p. Disponível em: http://www.unb.br/ig/sigep/sitio026/sitio026.htm

Mabesoone, J.M. 1994. Sedimentary Basins of Northeast Brazil. Recife,

UFPE, (Publicação Especial, 2).

Mabesoone, J.M., Campanha, V.A. 1973/1974. Caracterização estratigráfica dos grupos Rio do Peixe e Iguatu. Estudos Sedimentológicos, 3/4:21-41.

Magnavita, L.P., Sanches, C.P., Silva, R.R. 1998. Guidebook to the

Recôncavo rift, Brazil. In: AAPG, International Conference & Exibition, Rio de Janeiro. Field Trip Guide, 69 p. Disponível em CDROM.

Maia, R.G.N. 1980. Projeto Surumu. Relatório Final. Manaus: DNPM/

CPRM, v.1. (Inédito).

Maia, R.G.N., Godoy, H.K., Yamaguti, H.S., Moura, P.A ., Costa, F.S.F.,

Holanda. M.A., Costa, J.A. 1977. Projeto Carvão no Alto Solimões, Relatório Final. Manaus: DNPM/CPRM, 11v. (Inédito).

Marzolli, A., Renne, P.R., Picirillo, E.M., Ernesto, M., Bellieni, G., Min,

A. 1999. Extensive 200-Million-year-old continental flood basalts of the Central Atlantic Magmatic Province. Science, 284:616-618.

Mello, C.L., Sant’anna, L.G., Bergqvist, L.P. 2002. Sítio Paleontológico de Fonseca, Minas Gerais (Vegetais Fósseis do Terciário Brasileiro). In: Schobbenhaus, C., Campos, D.A., Queiroz, E.T., Winge, M., Berbert-Born, M. (eds.). Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. Brasília, DNPM/CPRM. 540 p. Disponível em: http://www.unb.br/ ig/sigep/sitio086/sitio086.htm

Melo, M.S., Riccomini, C., Hasui, Y. Almeida, F.F.M. 1985. Geologia e evolução do sistema de bacias tafrogênicas continentais do sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Geociências, São Paulo, 15(3):193- 201.

Menezes Filho, N.R., Santos, R.A., Souza, J.D. 1988. Mapa Geológico da Folha de Jeremoabo (SC.24-Z-A-I) e de Santa Brígida (SC.24-X-CV): Estados da Bahia e Sergipe. Escala 1:100.0. Brasília: DNPM/ CPRM, 144 p.

Milani, E.J. 1997. Evolução tectono-estratigráfica da Bacia do Paraná e seu relacionamento com a geodinâmica fanerozóica do Gondwana sul-ocidental. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Tese de Doutorado, 2 volumes.

Milani, E.J., Ramos, V.A. 1998. Orogenias Paleozóicas no Domínio

Sul-ocidental do Gondwana e os Ciclos de Subsidência da Bacia do Paraná. Revista Brasileira de Geociências, 28(4):473-484.

Milani, E.J., Zalán, P.V. 1998. Brazilian Geology Part 1: the Geology of Paleozoic Cratonic Basins and Mesozoic Interior Rifts of Brazil. In: AAPG, International Conference & Exhibition, Rio de Janeiro. Short Course Notes.

Milani, E.J., Zalán, P.V. 1999. An outline of the geology and petroleum systems of the Paleozoic interior basins of South America. Episodes, 2:199-205.

Milani, E.J., Thomaz Filho, A. 2000. Sedimentary Basins of South

America. In: Cordani, U.G., Milani, E.J., Thomaz Filho, A. Campos, D.A. (eds.). Tectonic Evolution of South America. Rio de Janeiro, 31st. IGC, 389-449.

Minioli, B., Ponçano, W.L., Oliveira, S.M.B. 1971. Extensão geográfica do vulcanismo basáltico do Brasil meridional. Anais da Academia Brasileira de Ciências, 43:433-437.

Montes, A.S.L., Frota, G.B., Moreira, J.M.P., Menezes Filho, N.R., Almeida.

V.J. 1974. Projeto Centro-Oeste de Mato Grosso. Relatório Final. Folha Juruena SC.21-Y. Goiânia: CPRM, 5v., v.1.

Moraes, J.F.S., Figueiroa, I. (orgs.). 1998. Paulistana, folha SC.24-V-

A, estados do Piauí, Bahia e Pernambuco. Brasília: CPRM, Programa Levantamentos Geológicos Básicos do Brasil – PLGB.

Moro, R.P.X., Bonacim, E.A. Soares, P.C. 1994. Geologia da Bacia de

Moro, R.P.X. 2000. Propostas de Origem, Evolução e Contexto da Bacia da Formação Camarinha – Transição Neoproterozóico-Eocambriano – do Estado do Paraná. Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo, São Paulo. Tese de Doutorado, 157 p.

Moura, P., Wanderley, A. 1938. Noroeste do Acre: reconhecimentos geológicos para petróleo. B. Serv. From. Prod. Mineral, Rio de Janeiro. 26:1-16.

Nilsen, T.H., Sylvester, A.G. 1995. Strike-Slip Basins. In: Busby, C.J.,

Ingersoll, R.V. (eds.). Tectonics of Sedimentary Basins. Cambridge, Blackwell Science, 425-457.

Parte I – Geologia84

Nunes, K.C. 1993. Interpretação Integrada da Bacia do Parnaíba com

Ênfase nos Dados Aeromagnéticos. In: SBGf, Congresso Internacional da Sociedade Brasileira de Geofísica, 3, Rio de Janeiro, Anais,152- 157.

Paim, P.S.G., Leipnitz, I.I., Rosa, A.L.Z., Rosa, A.A.S. 1997. Preliminary report on the occurrence of Chancelloria sp. in the Itajaí Basin, southern Brazil. Revista Brasileira Geociências, 27(3):303-308.

Paz, J.D.S., Rossetti, D.F. 2001. Reconstrução paleoambiental da

Formação Codó (Aptiano), borda leste da Bacia do Grajaú, MA. In: Rossetti, D.F., Góes, A.M., Truckenbrodt, W. (eds.). O Cretáceo na Bacia de São Luís–Grajaú. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi,7- 100.

Peate, D.W., Hawkesworth,C.J., Mantovani, M.S.M. 1992. Chemical stratigraphy of the Paraná lavas (South America): classification of magma types and their spatial distribution. Bulletin of Volcanology, 5:119-139.

Pedreira, A.J. 1995. Observações sobre os ambientes de sedimentação e tectônico do Grupo Estância e da Formação Palmares. Salvador, CPRM. Relatório de Viagem 02/95. Não publicado.

Pedreira, A.J. 2000. Estudo das Bacias Sedimentares, regiões de Alta

Floresta, Matupá e Serra do Cachimbo. Salvador, CPRM, Relatório de viagem ao PROMIN Alta Floresta. Não publicado.

Pedreira, A.J., Bahia, R.B.C. 2000. Sedimentary basins of Rondônia

State, Brazil: response to the geotectonic evolution of the Amazonic craton. Revista Brasileira de Geociências, 30 (3):477-480.

Pelosi, A.P., Fragoso-César, A.R., 2002. Síntese geológica da Formação

Maricá, Neoproterozóico I do Rio Grande do Sul. In: SBG–Núcleo Nordeste, Congresso Brasileiro de Geologia, 41, João Pessoa, Anais, p. 329.

Petersohn, E. 2002. Correlação faciológica entre as rochas vulcanoclásticas do Grupo Castro (PR) e das bacias Guaratubinha (PR) e Campo Alegre (SC). Curitiba: PIBIC/CNPq, 28 p. Não publicado.

Pinto Filho, F.P., Freitas, A.F. de, Melo, C.F. de, Romanini, S.J., 1977.

(Parte 7 de 8)

Comentários