5

  1. LINUX

O Linux foi, originalmente, escrito por Linus Torvalds do Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Helsinki, Finlândia, com a ajuda de vários programadores voluntários através da Usenet (uma espécie de lista de discussão existente desde os primórdios da Internet).

Há cerca de 40 anos os computadores eram bem diferentes do que temos hoje, tanto em tamanho como na parte operacional. Os computadores ocupavam uma sala inteira e cada um tinha o seu sistema operacional. Os softwares eram customizados para servir a um propósito específico, se rodavam em um sistema não rodavam em outro. Os usuários e administradores tinham muito trabalho para operá-los.

Foi pensando em uma solução para resolver a incompatibilidade de softwares que em 1969 um grupo de projetistas da Bell Labs criou um novo sistema simples e sofisticado que possuía código reciclável e linguagem C. Esse novo sistema foi chamado de UNIX. Apesar desse avanço, para se ter contato com esse sistema era preciso estar em uma universidade, trabalhar pro Governo ou em uma grande corporação, pois o Unix só rodava em mainframes e minicomputadores.

Com o crescimento do processamento dos PCs, em 1990, Torvalds teve a idéia de desenvolver um sistema totalmente compatível com o UNIX original e que rodasse nos PCs da época. Torvalds trabalhou no desenvolvimento do Linux, a partir do Minix, um UNIX comercial, e criou um sistema ainda melhor. O Linux foi registrado na GLP (General Public License), para não se fechar o código derivado do projeto. Várias pessoas, depois de o conhecerem pela Internet, passaram a contribuir para que ele se tornasse um sistema barato, funcional, atualizado e com vários aplicativos como ele é hoje.

Para que uma pessoa possuísse um sistema operacional no nível dos UNIX comerciais, como o Minix, era preciso um alto poder aquisitivo ou máquinas adequadas para rodá-los. O Linux era uma alternativa barata e funcional, já que para rodar boa parcela dos UNIX comerciais era preciso máquinas RISC e para o Linux era preciso no mínimo um Intel 386.

Entre as distribuições mais conhecidas do Linux temos Debian, Redhat, SUSE, Caldera e Slackware. Cada uma é adequada a determinado propósito.

Aprender a lidar com o Linux, basicamente, equivale a aprender a lidar a nível básico com um Unix comercial.

Dentre as principais características do Linux temos:

  • Multitarefa (várias aplicações podem ser realizadas ao mesmo tempo);

  • Multiusuário (vários usuários podem utilizar o sistema ao mesmo tempo);

  • É gratuito, possui atualizações frequentes e é desenvolvido, voluntariamente, por programadores experientes e colaboradores que visam á constante melhoria do sistema;

  • Convive harmoniosamente no mesmo computador com outros sistemas operacionais;

  • Não exige um computador potente para rodar;

  • Não é necessária licença para seu uso;

  • Maior estabilidade um relação ao Windows;

  • Maior confiabilidade;

  • Não precisa ser reinicializado após a instalação de programas ou configuração de periféricos;

  • Acessa discos formatados por outros sistemas operacionais;

  • Suporte a linguagens de programação;

  • Não existem vírus no Linux;

  • Roda aplicações do Windows através do WINE;

  • Ambiente Shell;

  • Suporte a diversos dispositivos e periféricos disponíveis no mercado;

  • Código fonte aberto; isso significa que se você for um programador, pode modificá-lo para se adequar a necessidades específicas, algo impossível de se conseguir com o Windows;

  • Possui pacote de aplicativos ou utilitários denominado BrOffice, contendo Writer, Calc, Impress, Base, entre outros.

As três partes principais que compõe o Linux são: o kernel, o shell e os aplicativos:

  • Kernel é o núcleo do sistema e é responsável pelo gerenciamento de memória, gerenciamento de processos, suporte ao sistema de arquivos, periféricos e dispositivos. Pode ser compilado para se adequar ao tipo de máquina;

  • Shell é a ligação entre o usuário e o sistema. Ele traduz os comandos digitados pelo usuário para a linguagem utilizada pelo kernel e vice-versa. Sem o shell a interação entre o kernel e o usuário seria bastante complexa. Também é uma linguagem de programação completa. O Bourne Shell e o C Shell são os mais comumente usados;

  • Aplicativos incorporam novas funcionalidades ao sistema. É por meio delas que é possível a implementação de serviços necessários ao sistema. Podem ser divididos em aplicações do sistema e aplicações do usuário. Aplicações do sistema são necessárias para fazer o sistema funcionar, como init e syslog, por exemplo, enquanto aplicações de usuários são as voltadas para a realização de tarefas do usuário; entre elas poderíamos citar: editores de texto, navegadores e programas de e-mail.

  1. SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE WINDOWS E LINUX

Semelhanças:

  • Rápida alternância de usuários

  • Windows: Vários usuários podem acessar suas próprias contas sem ter de fechar os aplicativos dos outros usuários ou reinicializar o computador.

  • Linux: Possui sistema compartilhado que identifica o usuário por meio de senha e login desde que foi desenvolvido. Permiti acesso a arquivos e configurações de ambiente.

  • Design visual novo e simplificado

  • Windows: Design limpo e simples destaca os recursos para ser acessado facilmente.

  • Linux: Diversas maneiras de configurar o Linux (recurso criado entre 1994 e 1995). Há inúmeros recursos de interface gráfica semelhantes ao Windows. Existe o Star Office (com editor de texto e planilha, entre outros), gerenciador de arquivos, browser, gerenciador de janelas ( permite duas janelas abertas na mesma máquina). Compatível com ICQ.

  • Áudio e vídeo

  • Windows: Windows Media Player para Windows XP oferece um local único e fácil de usar para tocar DVDs, organizar músicas, gravar CDs e muito mais.

  • Linux: KDE Media Player que permite tocar MP3, MPEG, ADI, Wave, DIV ( formato de vídeo com qualidade DVD).

  • ICQ(programa de comunicação instantânea pela Internet)

  • Windows: Windows Messenger permite a comunicação em tempo real. Você pode ver quem está on-line e optar por conversar por meio de mensagens de texto, voz ou vídeo.

  • Linux: Compatibilidade para ICQ e permite bate-papo entre usuários do Windows.

  • Edição de imagens em vídeo

  • Windows: Windows Movie Maker permite capturar, editar, organizar e compartilhar filmes domésticos gravados em câmera de vídeo digital ou analógica.

  • Linux: Mainactor- programa que permite editoração de vídeos e áudios e captura imagens de câmeras de vídeo.

  • Imagens

  • Windows: Minhas imagens é o lugar para guardar fotografias digitais. Nessa área dá para organizar, visualizar e até mesmo encomendar impressão de fotografias por meio de um serviço da Internet.

  • Linux: Não possui serviço de compras de fotos pela rede, mas isso pode ser implementado. Mas há sites que já oferecem esse serviço.

  • Navegadores

  • Windows: Internet Explorer 6.

  • Linux: Mozila e Nescape, entre outros.

  • Assistência Remota

  • Windows: Permite a um amigo ou profissional de suporte, que também use o XP, controlar seu computador remotamente para demonstrar um processo ou ajudar a resolver um problema.

  • Linux: O sistema permite essa interação desde que foi desenvolvido. O usuário pode controlar a máquina de um amigo.

  • Restauração do Sistema

  • Windows: A Restauração do Sistema monitora as alterações de arquivos de sistema. Se houver alguma falha no computador, dá para restaurar o estado anterior do sistema sem perder dados.

  • Linux: Num sistema de rede onde há servidor ligado a máquinas. Esses micros não têm disco rígido, portanto, não perdem informações no caso der uma pane.

  • Assistente de Configuração de Rede

  • Windows: O Assistente de configuração de Rede facilita a instalação de uma rede doméstica e permite aos computadores compartilhar impressoras, dispositivos, arquivos e uma conexão com a Internet.

  • Linux: Ambiente de compartilhamento é integrada ao sistema operacional desde que ele foi desenvolvido.

Diferenças:

  • Windows: Software Proprietário (o uso é restrito a licença).

  • Linux: Software Livre (você pode compartilhar à vontade).

  • Windows: tem uma opção o Windows.

  • Linux: tem mais de Distros ou pacotes de distribuição.

  • Windows: requer hardware tope de linha.

  • Linux: funciona desde de computadores Petium-100 até os modernos Quad-Cores ou ainda Clusters de supercomputadores.

  • Windows: é menos usado em servidores e mais usado em desktops.

  • Linux: é mais usado em servidores e menos usado em desktops.

  • Windows: exige mais reboots e reformatações devido à instalação de novos programas e à instabilidades do sistema e aquelas induzidas por vírus.

  • Linux: foi projetado para não necessitar de reboots (quando instala um programa não precisa reiniciar a máquina) e muito menos reformatações periódicas.

  • Windows: tornou-se padrão na era dos 32 bits.

  • Linux: esta a caminho de se torna o padrão na era de 64 bits.

  • Windows: não dá muita margem ao usuário para que esse adquira um profundo do sistema, e nem o usuário vai conseguir muita vantagem se tentar fazer isso pois o sistema é fechado.

  • Linux: dá total liberdade ao usuário para que este obtenha total conhecimento do sistema de forma a adéqua-lo às suas necessidades específicas, podendo modificá-lo á vontade e ir fundo em suas entranhas para ter certeza de que o sistema o obedece 100%.

  • Windows: é desenvolvido por um núcleo limitado de técnico, em ambiente privado corporativo, na forma de uma empresa privada tradicional do século 20.

  • Linux: e outros sistemas operacionais Open-Source (código aberto) é desenvolvido por um número ilimitado de colaboradores, a chamada comunidade global de software livre, apoiada na Internet.

Comentários