Fisiologia do Sistema Reprodutor

Fisiologia do Sistema Reprodutor

(Parte 2 de 2)

múltiplas lesões microcirculatórias

desenvolvimento de aterosclerose, cardiopatia coronária grave e

5 – Hormônio Paratireóideo, Calcitonina, Metabolismo do Cálcio e Fosfato, Vitamina D, Ossos e Dentes

A fisiologia dos hormônios paratireóideo e calcitonina está estreitamente relacionada ao metabolismo do cálcio e do fosfato, às funções da vitamina D e à formação dos dentes e ossos. As principais fontes de cálcio na dieta são o leite e seus derivados, que também são grandes fontes de fosfato. O fosfato também está presente em muitos outros alimentos como as carnes.

O cálcio é mal absorvido pelo tubo intestinal e o fosfato, na maioria das vezes, é bem absorvido. A vitamina D exerce potente efeito no aumento da absorção de cálcio pelo tubo intestinal e também tem efeitos importantestanto sobre a deposição óssea como sobre a reabsorção óssea. Quando a concentração de íons cálcio no líquido extracelular cai abaixo do normal, o sistema nervoso vai-se tornando progressivamente mais excitável, em razão da maior permeabilidade da membrana neuronal.

A hipocalcemia, por conseguinte, causa tetania. Quando o nível de cálcio nos líquidos corporais se eleva acima do normal, o sistema nervoso fica deprimido e as suas atividades reflexas tornam-se lentas. O osso é composto por uma resistente matriz orgânica que é muito fortalecida por depósitos de sais de cálcio. O osso está sendo continuamente depositado pelos osteoblastos e continuamente absorvido pelos osteoclastos. A fratura de um osso ativa ao máximo todos os osteoblastos periósteos e intra-ósseos envolvidos na ruptura.

Normalmente, há quatro glândulas paratireóideas no ser humano, elas estão localizadas atrás da glândula tireóide. Há muitos anos se sabe que o aumento da atividade da glândula paratireóidea causa uma rápida absorção dos sais de cálcio presentes nos ossos, acarretando aumento da concentração de cálcio no líquido extracelular; inversamente, a hipofunção das glândulas paratireóideas causa hipocalcemia, frequentemente acompanhada de tetania. Além disso, o hormônio paratireóideo é importante tanto para o metabolismo do cálcio como para o do fosfato.

A calcitonina, secretada pela glândula tireóide, diminui a concentração sanguínea de íons cálcio. Quando as glândulas paratireóides não secretam o hormônio paratireóideo em quantidade suficiente, os osteoclastos tornam-se quase totalmente inativos. Como consequência, a reabsorção óssea diminui tanto que o nível de cálcio nos líquidos corporais fica reduzido.

O tratamento é feito com paratormônio, vitamina D e cálcio. O raquitismo ocorre principalmente em crianças, como resultado da defici6encia de cálcio ou de fosfato no líquido extracelular. Ordinariamente, entretanto, o raquitismo não se deve à carência de cálcio ou fosfato na dieta, mas sim à deficiência de vitamina D. A osteoporose é a mais comum de todas as doenças ósseas em adultos, especialmente na velhice.

Entre as causas mais comuns de osteoporose encontram-se a desnutrição, a deficiência pós-menopausa da secreção de estrogênios e a idade avançada. As duas anormalidades dentárias mais comuns são a cárie e a má oclusão. A palavra cárie designa uma erosão dos dentes, ao passo que a expressão má oclusão significa que as projeções dos dentes superiores e inferiores não se interdigitam de modo adequado. Há consenso geral por parte dos pesquisadores de que a cárie dentária decorre da ação, sobre os dentes, de bactérias, das quais a mais comum é o Streptococcus mutans.Contudo, essas bactérias dependem muito dos carboidratos para sua nutrição. Os ácidos são os principais responsáveis pela formação das cáries.

(Parte 2 de 2)

Comentários