Atualização sobre hemoglobina glicada (a1c) para avaliação do controleglicêmico e para o diagnóstico do diabetes:aspectos clínicos e laboratoriais

Atualização sobre hemoglobina glicada (a1c) para avaliação do controleglicêmico e...

(Parte 5 de 5)

Laudo laboratorial

O laudo laboratorial deve informar o tipo de material analisado, a metodologia utilizada e o intervalo de referência.

Sugere-se acrescentar no laudo um texto que explique a importância dos pacientes portadores de diabetes em alcançar a meta de 7% (ADA) ou 6,5% (SBD) para A1C, conforme descrito a seguir.

Texto sugerido para expressão de resultados dos testes de A1C

“O método utilizado nesta dosagem de hemoglobina glicada é certificado pelo National Glycohemoglobin Standardization Program – USA (NGSP). A meta a ser alcançada para o efetivo controle do diabetes mellitus deve ser inferior a 7%, conforme a American Diabetes Association ou inferior 6,5% (sem aumentar o risco de hipoglicemia), conforme a Sociedade Brasileira de Diabetes (em adultos)”

6. TENDÊNCIAS

Em setembro de 2007, algumas das mais importantes instituições mundiais ligadas ao estudo do diabetes, a American Diabetes Association - ADA, a European Association for the Study of Diabetes - EASD, a International Federation of Clinical Chemistry and Laboratory Medicine – IFCC e a International Diabetes Federation - IDF, publicaram um documento de consenso acerca da padronização mundial para dosagem da A1C [17].

Neste documento foram aprovadas as seguintes propostas:

• Os resultados da A1C necessitam de uma padronização universal, incluindo a definição de um método de referência e de uma maneira adequada para expressão dos resultados.

• Neste contexto, o método proposto pelo IFCC serviria como âncora para padronização da medida do A1C. Os métodos atualmente disponíveis para uso no laboratório clínico continuariam válidos, porém necessitariam ser referendados pelo método do IFCC.

• A hemoglobina glicada deveria ser expressa universalmente na unidade preconizada pelo IFCC e pelo NGSP:

• Unidade IFCC: mmol de A1C / mol de hemoglobina (mmol/ mol).

• Unidade NGSP: Na forma percentual (%), sendo o valor corrigido pela equação IFCC-NGSP.

• A partir da hemoglobina glicada dosada, deve ser calculado um valor correspondente à glicose média estimada através de uma equação matemática [26,27]. Este resultado de glicose média seria incorporado no laudo do exame, visando facilitar a interpretação clínica do resultado de A1C.

• O grupo de estudo denominado A1c-Derived Average Glucose (ADAG), patrocinado pelo IDF, ADA e EASD, determinou uma fórmula para o cálculo da glicemia média estimada [27]:

Glicose média estimada (mg/dL) = 28,7 x A1C – 46,7,

Posicionamento Oficial 2009 - Aspectos Clínicos e Laboratoriais sendo a equação válida apenas para métodos rastreáveis ao estudo do DCCT.

• Finalmente, o laudo do exame de hemoglobina glicada seria composto por três resultados: A1C na unidade de concentração definida pelo IFCC (mmol/mol), A1C na unidade preconizada pelo NGSP (%) e o valor da glicose média estimada (mg/dL).

O Grupo Interdisciplinar de Padronização da Hemoglobina Glicada é favorável às propostas do documento de consenso acerca da padronização mundial para dosagem da A1C. No entanto, entende que a aplicação integral das propostas aprovadas neste consenso dificulta a consolidação do conceito acerca da importância da hemoglobina glicada entre os médicos e pacientes. Assim sendo, este Posicionamento Oficial sugere aos laboratórios clínicos a manutenção da unidade NGSP nos resultados de hemoglobina glicada, sem a correção pela equação IFCC/NGSP. Já a incorporação do valor da glicose média estimada deve ser estimulada, visando facilitar o entendimento e a interpretação do resultado da A1C.

Referências bibliográficas Aspectos Laboratoriais da A1C

1- Forsman R.W. Why is the laboratory an afterthought for managed care organizations? Clin Chem 1996; 42:813-816.

2- Tests of Glycemia in Diabetes – Position Statement – American Diabetes Association – Diabetes Care 2004;27:S91-S93.

3- Sacks D.B. Carbohydrates. In:Burtis, C.A.; Ashwood, E.R.; Bruns, D.E. 4th ed. Tietz Textbook of Clinical Chemistry and Molecular Diagnostics. St. Louis, Elsevier Saunders 2006. p.837-901.

4- Sacks D.B., Bruns D.E., Goldstein D.E., Maclaren N.K., McDonald J.M., Parrott, M. Guidelines and recomendations for laboratory analysis in the diagnosis and management of diabetes mellitus. Clin Chem 2002;48:436-472.

5- National Glycohemoglobin Standardization Program (NGSP). Factors that interfere with GHB (HbA1c) Test Results. Updated 4/08. Disponível em: http://www.ngsp.org/prog/factors.htm Acesso em 21 de novembro de 2008.

6- Sumita N.M., Andriolo A. Importância da hemoglobina glicada no controle do diabetes mellitus e na avaliação de risco das complicações crônicas. J Bras Patol Med Lab 2008; 4:169-174.

7- Sumita N.M., Andriolo A. Importância da determinação da hemoglobina glicada no monitoramento do paciente portador de diabetes mellitus. J Bras Patol Med Lab 2006; 42, editorial.

8- Andriolo A., Vieira, J.G.H. Diagnóstico e acompanhamento laboratorial do diabetes mellitus. In: Andriolo A. (org.). Guias de medicina laboratorial e hospitalar / medicina laboratorial. 1.ed. São Paulo, Manole, 2008; p.37-42.

9- Grupo Interdisciplinar de Padronização da Hemoglobina Glicada - A1C. Hemoglobina Glicada. Posicionamento Oficial (Versão 2003). A importância da hemoglobina glicada (A1C) para a avaliação do controle glicêmico em pacientes com diabetes mellitus: aspectos clínicos e laboratoriais. Disponível em: http://www.sbpc.org.br/profissional/noti-

Posicionamento Oficial 2009 - Aspectos Clínicos e Laboratoriais cia.diverso.php?id=8&tp=3. Acesso em 21 de novembro de 2008.

10- Grupo Interdisciplinar de Padronização da Hemoglobina Glicada - A1C. Hemoglobina Glicada. Posicionamento Oficial (Versão 2004). A importância da hemoglobina glicada (A1C) para a avaliação do controle glicêmico em pacientes com diabetes mellitus: aspectos clínicos e laboratoriais. Disponível em: http://www.sbpc.org.br/profissional/noticia.diverso.php?id=5&tp=3 Acesso em 21 de novembro de 2008.

1- Sacks, D.B. Hemoglobin variants and hemoglobin A1C analysis: Problem solved? Clin Chem 2003; 49:1245-1247.

12- Bry, L.; Chen, P.C.; Sacks, D.B. Effects of hemoglobin variants and chemically modified derivates on assay for glycohemoglobin. Clin Chem 2001; 47:153-163.

13- Weykamp, C.W.; Miedema, K.; Haan,T.; Doelman C.J.A. Carbamylated hemoglobin interference in glycohemoglobin assays. Clin Chem 1999; 45:438-440.

14- Khuu, H.M.; Robinson, C.A.; Goolsby, K.; Hardy, R.W.; Konrad, R.J. Evaluation of a fully automated high-performance liquid chromatography assay for hemoglobin A1C. Arch Pathol Lab Med 1999; 123:763-767.

15- Roberts, W.L.; Chiasera, J.M.; Ward-Cook, K.M. Glycohemoglobin results in samples wiht hemoglobin C or S Trait: a comparison of four test systems. Clin Chem 1999; 45:906-909.

16- National Glycohemoglobin Standardization Program (NGSP). IFCC standardization of HbA1C Disponível em: http://www.ngsp.org/prog/ IFCCmain.html. Acesso em 21 de novembro de 2008.

17- American Diabetes Association, European Association for the Study of Diabetes, International Federation of Clinical Chemistry and Laboratory Medicine and the International Diabetes Federation. Consensus Committee. Consensus Statement on the Worldwide Standardization of the Hemoglobin A1C Measurement. Diabetes Care 2007; 30: 2399-2400.

18- Bloomgarden Z.T., Inzucchi S.E., Karnieli E., Le Roith D. The proposed terminology “A1Cderived average glucose” is inherently imprecise and should not be adopted. Diabetologia 2008; 51: 1-1114.

19- National Glycohemoglobin Standardization Program (NGSP). Pur- pose of the NGSP Disponível em: http://www.ngsp.org/prog/index html. Acesso em 21 de novembro de 2008.

20- National Glycohemoglobin Standardization Program (NGSP). List of NGSP certified methods (updated 12/08, listed by date certified). Disponível em: http://www.ngsp.org/prog/index.html Acesso em 21 de novembro de 2008.

21- Chandalia, H.B. and Krishnaswamy, P.R. Glycated Hemoglobin – Current Science 2002; (83)12:1522-1532.

2- DCCT Research Group. Diabetes Control and Complications Trial (DCCT). The effect of intensive treatment of intensive treatment of diabetes on the development and progression of long-term complications in insulin-dependent diabetes mellitus. N Engl J Med. 1993; 329:977-986.

23- UK Prospective Diabetes Study Group: intensive blood glucose control with sulphonylureas or insulin compared with conventional treatment and risk of complications in patients with type 2 diabetes. Lancet 1998; 352:837-853.

24- American Diabetes Association: Standards of Medical Care for Patients With Diabetes Mellitus - Position Statement - Diabetes Care 2002; 25 (Suppl. 1):S33-S-49.

25- Rohlfing C.L., Wiedmeyer H.M., Little R.R., England J., Tennill A., Goldstein, D. Defining the relationship between plasma glucose and HbA1c: Analysis of glucose profiles and HbA1c in the diabetes control and complications trial. Diabetes 2002; 25(2):275-278.

26- Sacks, D.B. Translating hemoglobin A1C into average blood glucose: implications for clinical chemistry. Clin Chem 2008; 54:1756-1758.

27- Nathan, D.M.; Kuenen, J.; Borg, R.;Zheng, H.; Schoenfeld, D.; Heine, R.J. Translationg the A1C assay into estimated average glucose values. Diabetes Care 2008; 31: 1473-1478.

Posicionamento Oficial 2009 - Aspectos Clínicos e Laboratoriais 47

Apoio: A1C 2009-516970

(Parte 5 de 5)

Comentários