(Parte 1 de 6)

FACULDADE SÃO MIGUEL

BACHARELADO EM NUTRIÇÃO

MINERAIS

Professora Orientadora: Ms Larissa de Andrade Viana

Monitoras: Fabiana Gomes

Fernanda Felix da Silva

RECIFE, 2010

MINERAIS

Os Minerais são uma grande classe de micronutrientes, sendo em sua maioria considerados essências. São tradicionalmente divididos em macrominerais (elementos de volume) e microminerais (elementos-traço) que são os necessários em pequenas quantidades diárias (miligramas ou microgramas), para manutenção da normalidade metabólica das células.

Biodisponibilidade

Com exceção do ferro heme, os elementos as absorvidos no estado iônico, ou seja, os elementos que permanecerem ligados a moléculas orgânicas ou outros não estão biodisponivel e as eliminados nas fezes.

Após serem absorvidos na superfície da mucosa (borda em escova), devem se transferir através do citosol das células de absorção antes de serem transportados através da membrana basolateral (serosa) para o sangue. Esta saída do processo absortivo requer um mecanismo de transporte ativo. Ex: transferrina.

Muitas moléculas nos alimentos influenciam a biodisponibilidade, seja por intensificar ou inibir a absorção. Ex: ascorbato intensificador do ferro não heme. A biodisponibilidade pode ser influenciada também por fatores fisiológicos, (acidez gástrica), homeostase e estresse (que afetam a função do TGI).

Interação Mineral – Mineral.

Os minerais podem ter interações negativas com outros minerais, afetando sua absorção, transporte e armazenamento. Ex: a absorção de zinco é reduzida pela suplementação com ferro não-heme.

Funções:

Os elementos minerais têm muitos papeis essenciais como:

  • Regulam as atividades de muitas enzimas;

  • Mantém o equilíbrio ácido-base e a pressão osmótica;

  • Facilitam a transferrina, pela membrana, de nutrientes essenciais e outras molécula;

  • Mantém a irritabilidade nervosa e muscular.

Macrominerais:

São essências para os seres humanos adultos em quantidade de 100 mg/dia ou mais, são: Cálcio, Fósforo (fosfatos), Magnésio, Enxofre (sulfato), Sódio, Cloro e Potássio. Com Exceção do enxofre, estes minerais são encontrados tipicamente no estado iônico como componentes inorgânicos no corpo.

1. Cálcio

E mineral mais abundante do organismo, constitui cerca 1,5 a 2% do peso corporal e 39% dos minerais do corpo humano. Aproximadamente 99% do cálcio esta presente nos ossos e dentes, (por isso a importância do cálcio na alimentação da criança, para a formação óssea e dos dentes). O 1% restante do cálcio esta presente no sangue e fluido extras celulares e dentro das células de todos os tecidos, o qual regula varias funções importantes.

Absorção, Transporte, Armazenamento e Excreção.

O cálcio é absorvido por todas as partes do intestino delgado, porém a absorção mais rápida após uma refeição ocorre no duodeno onde uma meio acido (ph<7) prevalece. A eficiência de absorção e de 10 a 60%, dependendo da disponibilidade do mineral na dieta, e de características individuais.

O cálcio é absorvido por dois mecanismos:

  1. Transporte ativo- É um mecanismo (principalmente no duodeno e jejuno proximal) saturável, é controlada pela ação da 1,25-diidroxivitamina D ou vitamina D. (A vitamina D aumenta a captura de cálcio na borda em escova da célula da mucosa intestinal e estimula a produção de proteínas ligadoras de cálcio). Esse mecanismo se torna muito mais importante quando a ingestão de cálcio é baixa e as necessidades não estão sendo atendidas.

  2. Transferência passiva- Mecanismo não saturável (sem limites) e independente de vitamina D, ocorre ao longo de todo o intestino delgado (quando grandes quantidades de cálcio são consumidas em uma única refeição).

Entre os fatores que influenciam a absorção do cálcio positivamente, podem-se citar a vitamina D, a acidez da matéria digestiva, a presença de lactose, a proteína, o fosfato na alimentação e a necessidade orgânica de cálcio.

Entre os fatores que influenciam negativamente a absorção de cálcio, podem-se destacar situações onde o acido gástrico se encontra diminuído, a presença na alimentação de fibra dietética, de acido oxálico e de acido fítico (o espinafre, a acelga, folha da beterraba e o ruibarbo contem estes dois ácidos).

O cálcio é eliminado do corpo através da urina, fezes e suor. As quantidades normalmente excretadas são: perdas de urina, 100 a 200 mg/dia; perda fecal, 100 a 200 mg/dia; perda no suor, 16 a 24 mg/dia.

Funções

A ingestão adequada é necessária para permitir ganhos ótimos na massa e densidade ósseas nos anos pré-puberais e da adolescência.

Quantidades adicionais de cálcio são recomendadas para atender as necessidades da gravidez e lactação. Construção e manutenção de ossos e dentes.

Influencia as funções de transporte das membranas celulares.

O cálcio ionizado inicia a formação de um coagulo sangüíneo pela estimulação de tromboplastina das plaquetas sangüíneas.

Ingestões Dietéticas de Referência

Idade/

Grupo Etário

Cálcio

(mg/dia)

Bebês

0 - 6 meses

7 - 12 meses

210

270

Crianças

1 - 3 anos

4 - 8 anos

500

800

Sexo Masculino

9 - 13 anos

14 - 18 anos

19 - 30 anos

31 - 50 anos

51 - 70 anos

>70 anos

1.300

1.300

1.000

1.000

1.200

1.200

Sexo Feminino

9 - 13 anos

14 - 18 anos

19 - 30 anos

31 - 50 anos

51 - 70 anos

>70 anos

1.300

1.300

1.000

1.000

1.200

1.200

Grávidas

≤ 18 anos

De 19 - 30 anos

De 31 - 50 anos

1.300

1.000

1.000

Lactantes

≤ 18 anos

De 19 - 30 anos

De 31 - 50 anos

1.300

1.000

1.000

Fontes Alimentares e Ingestão:

As hortaliças de folhas verdes escuras, como couve, folhas de mostarda e brócolis; as sardinhas, salmão enlatado, moluscos e ostras são boas fontes de cálcio. A soja, tofú, Paes e produtos de trigo preparados com propionato de cálcio são boas fontes. E o leite e seus derivados.

Deficiência:

Alterações cardiovasculares (incluindo hipotensão, arritmias, insuficiência cardíaca, parada cardíaca) e neuromusculares (fraqueza, espasmos musculares, hiper-reflexia, convulsões, tetania e paretesias), e doenças ósseas (como osteoporose).

Excesso:

Uma ingestão muito alta de cálcio (2000 mg ou mais por dia) é causa potencial de hipercalcemia. Pode levar a calcificação excessiva em tecidos moles, especialmente os rins, alem de problemas cardiovasculares e neurológicos. Sintomas gastrintestinais também podem estar presentes.

2. Fósforo

O fósforo constitui aproximadamente 1% do peso corporal do ser humano. Cerca de 90% do fósforo encontra-se nos ossos. O restante do fósforo orgânico relaciona-se a uma serie de funções metabólicas, sendo metade dessa quantidade encontrada na musculatura. O fósforo, assim como o cálcio, esta sob influencia da vitamina D e do hormônio paratireoidiano.

Absorção, Transporte, Armazenamento e Excreção.

A maioria dos fosfatos é absorvida no estado inorgânico. O fosfato organicamente ligado é hidrolisado no lúmen intestinal e liberado como fosfato inorgânico, principalmente pela ação da fosfatases pancreáticas ou intestinais. Sua absorção é estimulada pela presença de vitamina D. a eficácia de absorção é de 60 a 70% nos adultos.

Aproximadamente 90% do fósforo absorvido são secretados por via renal, sendo essa excreção mediada pelo paratormônio. A excreção fecal de fosfato pode ser melhor reguladora e fornecer uma maneira de eliminar parte do fosfato excessivo quando os níveis de PTH são elevados.

Funções.

O fósforo participa de várias funções essenciais do corpo. O acido desoxirribonucléico (DNA) e o acido ribonucléico (RNA) são baseados no fosfato. O fósforo relaciona-se intimamente a mineralização óssea e dos dentes, mas também têm um papel estrutural ao nível de célula, notadamente nos fosfolipídios, constituintes das membranas celulares.

O fosfato participa de numerosas atividades enzimáticas e, sobretudo tem um papel fundamental para a célula como fonte de energia sob a forma de ATP (adenosina trifosfato). É graças ao fosfato que a célula pode dispor de reservas de energia. Alem disso é importante na absorção e transporte de nutrientes, na regulação da atividade protéica e no balanço ácido-base.

Como parte dos fosfolipídios, o fósforo esta presente em cada membrana celular do corpo. As reações do fosforilação e desfosforilaçao controlam varias etapas na ativação e desativação de enzima citosólicas pela fosfatases.. o sistema de tampão do fosfato é importante no fluido intracelular e túbulos renais, onde o fosfato funciona na excreção do íon hidrogênio.

Os íons fosfato combina-se com íons de cálcio para formar hidroxiapatita, a principal molécula inorgânica presente nos dentes e ossos. O mineral ósseo, não o mineral dental, fornece íons fosfatos por meio de regulação homeostática de cálcio sérico pelo PTH.

Ingestões Dietéticas de Referência

Idade/

Grupo Etário

Fósforo

(mg/dia)*

Bebês

0 - 6 meses

7 - 12 meses

100

275

Crianças

1 - 3 anos

4 - 8 anos

460

500

Sexo Masculino

9 - 13 anos

14 - 18 anos

19 - 30 anos

31 - 50 anos

51 - 70 anos

>70 anos

1.250

1.250

700

700

700

700

Sexo Feminino

9 - 13 anos

14 - 18 anos

19 - 30 anos

31 - 50 anos

51 - 70 anos

>70 anos

1.250

1.250

700

700

700

700

Grávidas

≤ 18 anos

De 19 - 30 anos

De 31 - 50 anos

1.250

700

700

Lactantes

≤ 18 anos

De 19 - 30 anos

De 31 - 50 anos

1.250

700

700

Obs.: Os valores em negrito são as recomendações nutricionais (RDA).

Outros valores (não negrito) são ingestões adequadas (AI)

Fontes Alimentares e Ingestões

Em geral as boas fontes de proteínas também são boas fontes de fósforo. Carne, peixes e ovos são excelentes fontes. O leite e seus derivados são boas fontes, assim como as nozes e leguminosas, cereais e grãos.

Quantidade significativa de fósforo também podem ser encontrados em bebidas carbonatadas (refrigerantes gaseificados) na forma de fosfato.

Deficiência

Considerando que o fosfato é muito encontrado na natureza, a deficiência de fósforo é rara, e geralmente tem causas múltiplas: diminuição do aporte na nutrição parenteral exclusiva, alcoolismo crônico, jejum prolongado (idosos), perdas de origem digestiva ou precipitação por antiácidos gástricos em tratamentos prolongados...

Os sintomas resultam principalmente da síntese diminuída de trifosfato de adenosina (ATP) e de outras moléculas orgânicas de fosfato. Ocorrem anormalidades neurológicas, renais e outras.

Excesso

Seu excesso pode causar uma mobilização exagerada do cálcio ósseo, com aumento dos riscos de osteoporose nas mulheres durante a menopausa.

Essa hipótese, porem, necessita de estudos que a comprovem, mas mostra uma vez mais a necessidade de um aporte equilibrado dos diversos minerais e oligoelementos.

3. Magnésio

O magnésio é o segundo cátion intracelular mais abundante (após o potássio) no corpo. O organismo do ser humano adulto contém aproximadamente 28g de magnésio, dos quais cerca de 60% se encontram nos ossos, 26% nos músculos e o restante nos tecidos moles e fluidos corporais.

Cerca de metade do magnésio no plasma é livre, aproximadamente um terço está ligado à albumina e o restante está ligado à citrato, fosfato ou outros ânions.

Absorção, Transporte, Armazenamento e Excreção

O magnésio pode ser absorvido ao longo de toda a extensão do intestino delgado, mas a maior parte da absorção ocorre no jejuno. A eficiência de absorção é de 35 à 45%.

(Parte 1 de 6)

Comentários