GUIA TÉCNICO AMBIENTALda Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos - SÉRIE P L

GUIA TÉCNICO AMBIENTALda Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos -...

(Parte 2 de 7)

“Preparações constituídas por substâncias naturais ou sintéticas, de uso externo nas diversas partes do corpo humano, pele, sistema capilar, unhas, lábios, órgãos genitais externos, dentes e membranas mucosas da cavidade oral, com objetivo exclusivo ou principal de limpá-los, perfumá-los, alterar sua aparência e/ou corrigir odores corporais e/ou protegê-los ou ainda mantê-los em bom estado”.

Indicadores Econômicos

O setor tem se revelado um dos mais vigorosos do país, com um crescimento médio de 8,2%1 no período 1999-2004, o que é tanto mais notável se forem considerados os baixos índices de crescimento do País entre 2001 e 2003. De uma forma geral, tem havido um considerável aumento de sua competitividade, o que também tem se refl etido positivamente em relação ao nível de emprego. Sobre este aspecto, durante o período 1994-2004 houve um crescimento de 140% das oportunidades de trabalho em atividades ligadas a Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, representando um crescimento médio anual de 9,1%2. O setor cria atualmente oportunidades de trabalho para mais de 2,6 milhões de pessoas.

OPORTUNIDADES DE TRABALHO (‘0)

1994 2004 CRESCIMENTO CRESCIMENTO

1. Crescimento médio defl acionado composto. 2. Fontes: ABIHPEC, ABEVD, FIESP, ABF e IPEA.

Este crescimento pode ser atribuído a uma gama de fatores, como a crescente participação da mulher brasileira no mercado de trabalho, o aumento de produtividade devido a melhorias tecnológicas e uma maior expectativa de vida, que tem levado a uma preocupação crescente com a aparência e um conseqüente aumento no consumo desses tipos de produtos. Em 2003 o Brasil ocupava a sétima posição no mercado mundial de produtos de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos3, estando em quarto lugar em termos de produtos infantis; em quinto em perfumaria e desodorantes; sexto em produtos para cabelo, produtos masculinos e absorventes higiênicos; oitavo em fraldas descartáveis; nono em produtos para o banho e higiene oral; e décimo primeiro em maquiagem e cremes e loções para a pele.

O setor também vem tendo um peso expressivo na balança comercial do País. Entre 2000 e 2004, apresentou um crescimento acumulado de 97,5% nas exportações, ao mesmo tempo em que suas importações diminuíram 24,1%. Se em 1997 havia um défi cit comercial de US$ 163,1 milhões, em 2004 o quadro já era de um superávit de US$ 175,1 milhões. A América do Sul tem sido o principal mercado brasileiro para os produtos do setor, porém, dada a conquista de mercados não tradicionais, a participação das exportações para os países sul-americanos vem se reduzindo nos últimos anos. Vale ressaltar que até 2000 essa participação era superior a 70% e, em 2004, chegou a 56,6%. No ano de 2000, o setor exportou para 9 países e, em 2004, para mais de 130 países.

Canais de Distribuição

Os produtos do setor são distribuídos através de três canais básicos:

• distribuição tradicional, incluindo o atacado e as lojas de varejo • venda direta, evolução do conceito de vendas domiciliares

• franquia, lojas especializadas e personalizadas

Atualmente, existem no Brasil 1.258 empresas de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos. Dessas, 16 são de grande porte, apresentando um faturamento líquido de impostos acima dos R$ 100 milhões. A Figura 1 a seguir ilustra a distribuição das empresas por região/estado no Brasil.

3. Conforme dados do Euromonitor, 2003.

guia técnico ambiental 21 * Fonte: Anvisa – Fev.2005

Figura 1

Distribuição das empresas fabricantes de produtos de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos entre as unidades da Federação.

Capítulo I

Descrição do Processo Produtivo e Principais Aspectos Ambientais

Considerada a necessidade de se conhecer o processo produtivo para a proposição de melhorias ambientais para o setor, neste capítulo são abordadas, de maneira sucinta, as características e etapas de fabricação de produtos, bem como identifi cados os principais aspectos ambientais associados ao desenvolvimento das atividades produtivas.

Segmentos do Setor

De acordo com a defi nição de cosméticos, as preparações têm como fi nalidade: limpar, perfumar, mudar a aparência, proteger, manter em boas condições ou corrigir odores corporais. Dada a diversidade de utilização e de produtos, o setor pode ser subdividido em três segmentos básicos:

• Higiene Pessoal: engloba sabonetes, produtos para higiene oral, desodorantes axilares e corporais, talcos, produtos para higiene capilar e produtos para barbear. Também estão contidos nesse segmento absorventes, papéis higiênicos e fraldas descartáveis. Entretanto, tais produtos não serão contemplados no presente trabalho em função das características diferenciadas de seus processos produtivos.

• Perfumaria: composto pelas águas de colônia, perfumes, extratos e loções pós-barba.

• Cosméticos: constituído por produtos para coloração, tratamento, fi xação e modelagem capilar, maquiagem, protetores solares, cremes, loções para a pele e depilatórios.

Principais Características

Apesar da diversidade, os produtos citados são obtidos por processos fabris caracterizados por:

• Baixo consumo de energia: grande parte dos processos é realizada à temperatura ambiente. Aqueles que necessitam de aquecimento são feitos por curto período de tempo, atingindo uma temperatura máxima de 80° C, em função da característica da maioria das matérias-primas, que se degradam quando expostas a temperaturas superiores. A quase totalidade dos produtos possui seus procedimentos de envase à temperatura ambiente.

• Grande consumo de água: é considerada, em termos de quantidade, como uma das principais matérias-primas na fabricação de produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos. Além da incorporação em muitos produtos, a água também é utilizada em sistemas de resfriamento, na geração de vapor, bem como em procedimentos de limpeza e sanitização de máquinas, equipamentos, tubulações de transferência e mangueiras.

guia técnico ambiental 25

• Produção por batelada: é a produção de forma descontínua (processo pelo qual as matérias-primas adicionadas são convertidas em produto fi nal), em uma determinada quantidade, num prazo de tempo determinado, o que implica variáveis a serem controladas de uma batelada para outra. É utilizada, principalmente, em função da diversidade de produtos e das quantidades necessárias para suprir a demanda de mercado.

Aspectos Ambientais

Segundo o defi nido pela norma NBR ISO 14001 da ABNT, aspecto ambiental “é o elemento das atividades, produtos e/ou serviços de uma organização que pode interagir (alterar) com o meio ambiente de forma adversa ou benéfi ca”. Os aspectos ambientais são constituídos pelos agentes geradores das interações, como, por exemplo, emissão atmosférica, odor, resíduos, consumo de matérias-primas, energia, água, entre outros.

Para fi ns de desenvolvimento deste capítulo, a identifi cação dos principais aspectos ambientais consistiu na determinação, para cada etapa do processo de produção, das diversas entradas e saídas de matéria e/ou de energia.

Etapas do Processo Produtivo

As atividades relacionadas ao recebimento, armazenagem, separação e pesagem de matérias-primas, além de suas análises físico-químicas e organolépticas (para fi ns de controle de qualidade, quando aplicável), ao envase, embalagem, armazenamento e expedição de produto acabado são consideradas comuns na obtenção de todos os produtos, e portanto são apresentadas na forma de um fl uxograma geral.

Devido às diferenças verifi cadas nos processos industriais de cada tipo de produto, as etapas e atividades associadas à produção propriamente dita foram individualmente descritas e representadas em fl uxogramas específi cos, de forma individual ou agrupada, em função das respectivas similaridades fabris.

Processo Produtivo

As etapas e respectivas atividades consideradas comuns à maior parte dos processos produtivos envolvidos compõem o diagrama representado na fi gura 2 (pág. 28), assim como as descrições das etapas produtivas na forma de fl uxogramas (pág.30 a 39).

Etapas Genéricas do Processo Produtivo

• Recebimento de matérias-primas: verifi cação do material recebido, por amostragem e análises. Eventuais desconformidades identifi cadas podem levar à devolução dos compostos aos respectivos fornecedores.

• Armazenagem: estoque de matérias-primas, embalagens para os produtos acabados e demais insumos normalmente recebidos em recipientes retornáveis. Pode haver segregação de produtos, por razões de compatibilidade, bem como necessidade de condições especiais de conservação, como, por exemplo, refrigeração.

• Pesagem e separação de matérias-primas para produção do lote: para cada produto a ser obtido, as matérias-primas são previamente separadas e pesadas de acordo com as quantidades necessárias, e encaminhadas à produção. Os insumos recebidos a granel e estocados em tanques ou silos podem ser conduzidos ao setor produtivo por linhas de distribuição, dependendo do nível tecnológico da empresa.

guia técnico ambiental 27

• Produção: em função da diversidade de produtos e das peculiaridades verifi cadas em seus processos produtivos, para essa etapa foram desenvolvidos fl uxogramas específi cos por tipo ou grupo de produtos que envolvam operações similares.

• Análises: uma vez fi nalizado, o lote produzido é amostrado e submetido a análises físico-químicas e microbiológicas (quando aplicável), e, após atestada sua adequação, este é encaminhado para envase/embalagem. Nos casos em que o produto acabado não está de acordo com os padrões estabelecidos, o lote poderá ser reprocessado a fi m de atender às exigências/padrão de qualidade e reaproveitado na fabricação de outros produtos ou descartado.

• Envase/Embalagem: confi rmada a adequação do produto, o mesmo é acondicionado em recipientes apropriados e identifi cados. Esta etapa engloba o acondicionamento de produtos em frascos (plásticos ou de vidro), sacos, bisnagas ou o empacotamento, no caso de sabonetes, por exemplo. Uma vez embalado, o produto é identifi cado por rótulo ou impressão.

• Armazenamento de produtos acabados: o produto, já acondicionado em embalagem para comercialização, é encaminhado para a área de armazenamento, onde permanece até que seja enviado ao cliente. • Expedição: ponto de saída dos produtos acabados para o comércio.

Matéria-prima e materiaisRECEBIMENTO DE MATÉRIAS-PRIMAS

Materiais de embalagens (caixa de papelão, plástico e tambores) Pallets Energia elétrica Kit emergência

(Parte 2 de 7)

Comentários