GUIA Técnico Ambiental de Indústria de Cerâmica - série P L

GUIA Técnico Ambiental de Indústria de Cerâmica - série P L

(Parte 3 de 9)

China Espanha Itália Brasil Indonésia

Esta produção vem crescendo significativamente nos últimos dois anos, atingindo a marca de 58 .000m em 005, sendo que o volume de exportações (atualmente em torno de 0 milhões de m ) tem acompanhado esta tendência, como ilustrado na figura .

Figura – dados nacionais de produção, vendas e exportação – MI m

Dentro do país, o Estado de São Paulo é responsável por cerca de 0% da produção de pisos e revestimentos cerâmicos, sendo o pólo de Santa Gertrudes o maior centro cerâmico das Américas. Responsável por uma produção de cerca de 0 milhões de m /ano em mais de 0 unidades industriais distribuídas em municípios, o pólo concentra em Santa Gertrudes, Rio Claro e Cordeirópolis a maior atividade. A localização privilegiada, devido ao fácil acesso por rodovias, a proximidade dos grandes centros consumidores, o abastecimento da região por gás natural e a abundância de argila são os fatores que possibilitam esta concentração industrial no local.

De acordo com a ABC - Associação Brasileira de Cerâmica (w.abceram.org.br/asp/ abc_ 8 .asp), o Setor Cerâmico Brasileiro não dispõe de dados estatísticos sobre indicadores de desempenho, ferramentas indispensáveis para o acompanhamento do desenvolvimento e da competitividade, entre outros fatores. Essa deficiência de dados dificulta a obtenção de um panorama mais amplo desse importante setor industrial.

73 Produção Vendas MI Exportações

2. Descrição dos Processos Produtivos

O termo cerâmica é derivado do grego “keramos”, que significa “terra queimada” e é usado para designar materiais inorgânicos, obtidos a partir de compostos não metálicos e solidificados por processo de queima.

Dentre as várias matérias-primas utilizadas em sua composição a principal é a argila, material natural, terroso e fino, que ao ser misturado com a água adquire plasticidade e pode ser moldado de acordo com o produto pretendido.

caulim, talco, dolomita, carbonato de cálcio e bentonita

Além das argilas existem outros materiais cerâmicos que, misturados a elas, produzem as chamadas massas ou pastas cerâmicas, cada qual com características específicas, como os anti-plásticos, que reduzem o encolhimento das argilas quando secam, ou os fundentes, que abaixam a temperatura de vitrificação da massa. Além destes materiais, podemos adicionar à massa outros ingredientes como quartzo, feldspato,

Os processos de fabricação empregados pelos diversos segmentos cerâmicos assemelham-se entre si parcial ou totalmente, podendo diferir de acordo com o tipo de peça ou material desejado. De um modo geral, a manufatura de produtos cerâmicos compreendem as etapas de: • Preparação da matéria-prima e da massa;

• Formação das peças;

• Tratamento térmico;

• Acabamento.

Ainda, na fabricação de muitos produtos, estes são submetidos às etapas de esmaltação e decoração.

Considerada a necessidade de se conhecer o processo produtivo para a proposição de melhorias ambientais para o setor de cerâmica branca e de revestimento, este capítulo aborda as principais características e etapas de fabricação de seus produtos. Para tanto, segue a apresentação de um fluxograma genérico das etapas produtivas, incluídos os principais aspectos ambientais de cada etapa, seguido da descrição de cada uma delas. Posteriormente, são apresentados fluxogramas que trazem detalhes dos processos específicos de cerâmica de pisos e revestimento (via seca e úmida), isoladores elétricos, louça sanitária e louça de mesa.

Processo Produtivo Principal

Figura – fluxograma genérico do processo produtivo das indústrias cerâmicas

Extração de Matérias-Primas

Matérias- Primas

Produtos Auxiliares Energia Água

Preparação de matérias-prima

Produção de moldess

Formação de peças

Secagem

Controle Poluição do ar

ReciclagemCorante Fritas

Auxiliares de queima

Combustíveis

Preparação de esmaltes

Armazenamento de combustíveiss

Tratamento superficial

Queima

Acabamento

Tratamento de efluentes

Ruído Vibração

Emissões atmosféricas

Resíduos

Efluentes líquidos

Produto

Transporte e estocagem de matérias-primas

2.1 Principais Etapas do Processo Produtivo 2.1.1 Preparação da matéria-prima, estocagem e transporte para o processo.

Na indústria cerâmica tradicional, grande parte das matérias-primas utilizadas é natural e obtida por mineração. Desta forma, a primeira etapa de redução de partículas e de homogeneização das matérias-primas é realizada na própria mineração, sendo que após esta fase a matéria-prima ainda deve ser beneficiada (desagregada ou moída), classificada de acordo com a granulometria e muitas vezes também purificada na indústria cerâmica.

O transporte de matérias-primas da mineração para o processamento é realizado por via rodoviária ou ferroviária, porém, dependendo de suas características e de seu grau de processamento, podem ainda permanecer estocadas em pátios a céu aberto, para maturação, por cerca de seis meses. Durante esse tempo, ocorre a decomposição da matéria orgânica presente na camada de solo, tornando a matéria-prima mais pura e homogênea para entrada no processo.

Em alguns casos são utilizados armazéns para as matérias-primas, que são subdivididos em boxes, silos de armazenamento e secagem.

Figura e 5 – Estocagem de matérias-primas

A transferência destas matérias-primas para o processo é feita por meio de gruas, correias transportadoras, elevadores de cubeta, transportadores helicoidais, transportadores pneumáticos e esteiras, de acordo com as características do material, como gra-nulometria, resistência ao atrito e ao escoamento, temperatura, quantidade e espaço disponível, e outros.

O processo de fabricação, propriamente dito, tem início somente após essas operações. 2.1.2 Preparação da massa

As massas ou pastas cerâmicas são constituídas a partir da composição de duas ou mais matérias-primas, além de aditivos e água.

Dessa forma, uma das etapas fundamentais do processo de fabricação de produtos cerâmicos é a dosagem das matérias-primas e aditivos, que deve seguir com rigor as formulações de massas previamente estabelecidas. As matérias-primas devem ser adicionadas em proporções controladas, bem misturadas e homogeneizadas, de modo a conseguir a uniformidade física e química da massa.

(Parte 3 de 9)

Comentários