(Parte 1 de 6)

Iniciação a Proteção

Petrobras

© SENAI-SP, 2.006

Trabalho editorado pela Escola Antonio Souza Noschese, especificamente para o Curso de Eletricistas, Turma PETROBRAS

SENAI

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial

Escola Antonio Souza Noschese

Av. Almirante Saldanha da Gama, 145

Santos – SP

CEP – 11030 401

Telefone

Telefax

SENAI on-line

(0XX13) 3261-6000

(0XX13) 3261-2394

0800-55-1000

Desenvolvimento

Aprovação

Antonio Carlos S. Pontes da Costa –Técnico de Ensino

Aurélio Ribeiro – Instrutor Orientador

E-mail

Home page

Senai@sp.senai.br

http://www.sp.senai.br

Sumário

Proteção de Sistemas Elétricos - 5

Introdução - 5

Filosofia de Proteção de um sistema de Energia Elétrica - 5

Aspectos considerados na Proteção - 6

Analise da Proteção - 7

Características gerais dos equipamentos de proteção - 7

Características funcionais do releamento - 8

Características dos Relês - 8

Quanto a Forma Construtiva - 9

Quanto ao Desempenho - 9

Quanto as Grandezas Elétricas - 9

Quanto a Temporização

Quanto a Forma de Acionamento - 9

Atuação do relé de proteção - 10

Relés conforme sua construção – 10

Eletromecânico - 10

Estático - 10

Microprocessados - 10

Ação Direta - 10

Subcorrente Primária - 11

Fluidodinâmico - 11

Numeração dos Relés - 11

relé de sobrecorrente - 12

relés eletro-mecânicos - 12

indução eletromagnética - 13

relé de disco de indução por bobina de sombra - 14

ajuste de tempo do relé de sobrecorrente de tempo inverso - 16

ajuste da corrente de atuação do relé de sobrecorrente de tempo inverso - 19

relé de sobrecorrente temporizado com elemento instantâneo - 20

Tipos de Proteção - Aplicação

Reles de Proteção de Sobrecorrente - 22

Relê Primário - 22

Reles Secundários - 23

Funções de Proteção dos Reles de Sobrecorrente - 24

Relê de Proteção Diferencial - 26

Relê Direcional (67) - 28

Relês de Distância - 30

Relé de Subtensão – Relé de Sobretensão – Relé Multifunção - 32

Disparador Capacitivo - 37

Redes de Relés -

Fontes e Sites Consultados -

Este material foi desenvolvido para o Curso de Eletricistas, atendendo especificamente a PETROBRAS, conforme solicitação da Empresa, referente a atividades que serão desenvolvidas pelos profissionais em suas Unidades.

Por se tratar de conteúdos específicos os módulos descritos no Sumário foram extraídos da Intranet entre outras fontes pesquisadas na Internet adequando-os conforme a seqüência de conteúdos.

Proteção de Sistemas Elétricos

Introdução

Todo e qualquer sistema elétrico está sujeito a um defeito transitório ou permanente, apesar das precauções e dos cuidados tomados durante a elaboração do projeto e a execução das instalações, mesmo seguindo as normas mais severas e as recomendações existentes. Esses defeitos poderão ser desastrosos ou não dependendo do sistema de proteção.

Em resumo, os sistemas de proteção podem ser definidos como os sistemas aos quais estão associados todos os dispositivos necessários para detectar, localizar e comandar a eliminação de uma condição anormal de operação de um sistema elétrico.

A eficácia de um esquema de proteção é tanto maior quanto melhor forem atendidos os seguintes princípios:

Filosofia de Proteção de um sistema de Energia Elétrica

Exploração de um sistema de energia elétrica

Em proteção ao intento de garantir economicamente a qualidade do serviço e assegurar uma vida razoável as instalações, os concessionários dos Sistemas de Energia Elétrica defrontam-se com as perturbações e anomalias de funcionamento que afetam as redes elétricas e seus órgãos de controle.

Se admitirmos que, na fixação do equipamento global, já foi considerada a previsão de crescimento do consumo, três outras preocupações persistem para o concessionário.

  1. elaboração de programas ótimos de geração

  2. constituição de esquemas de interconexão apropriados;

  3. utilização de um conjunto coerente de proteções

Estes três aspectos devem ser considerados na análise da proteção

Aspectos considerados na Proteção

Na proteção de um sistema elétrico devem ser examinados três aspectos:

  1. operação normal;

  2. prevenção contra falhas elétricas;

  3. e a limitação dos defeitos devido as falhas

A operação normal presume:

    • inexistência de falhas do equipamento

    • inexistência contra falhas elétricas

    • e inexistência de incidentes ditos “segundo a vontade de Deus”

Sendo pois fútil – se não antieconômico – pensar-se em eliminar por completo as falhas, segundo as estatísticas que apresentamos, providências devem ser tomadas no sentido de prevenção e õu limitação dos efeitos das falhas .

Algumas providências na prevenção contra as faltas são;

    • previsão de isolamento adequado

    • coordenação de isolamento

    • uso de cabos para-raios e baixa resistência de pé de torre

    • apropriadas instruções de operação e manutenção, etc.

(Parte 1 de 6)

Comentários