17.Recuperação de elementos mecânicos

17.Recuperação de elementos mecânicos

(Parte 1 de 2)

17AULA17 A U L A

O dono da fÆbrica QuipapÆ chamou Asdrœbal, um dos melhores mecânicos de manutençªo da empresa, e falou:

- Asdrœbal, tenho em minha casa um torno antigo, daqueles que Santos

Dumont usou para fabricar seu protótipo de aviªo, e gostaria de que vocŒ desse uma olhada para verificar todos os elementos. Tenho um carinho especial pelo torno e gastarei o que for preciso para tŒ-lo funcionando com rendimento pleno. Amanhª ele serÆ trazido para cÆ e conto com a sua dedicaçªo, tÆ?

- Farei o que for preciso, senhor BonifÆcio - respondeu Asdrœbal.

No dia seguinte, Asdrœbal, diante do torno antigo, fez tudo conforme manda as boas normas de manutençªo mecânica e concluiu que seria preciso desmontar aquela antiguidade.

Quando desmontou o velho torno, deparou-se com um eixo trincado e notou a presença de algumas engrenagens desgastadas.

Como Asdrœbal deverÆ proceder para colocar o velho torno em funcionamento?

A recuperaçªo de elementos mecânicos serÆ o tema desta aula.

AnÆlise situacional

Na manutençªo de mÆquinas ou equipamentos, deve-se levar em consideraçªo as solicitaçıes mecânicas atuantes, pois os desgastes, as deformaçıes e mesmo as trincas podem ser causadas por elas.

Em algumas situaçıes, a correçªo de uma falha pode vir a ser desnecessÆria, desde que se constate que ela nªo vÆ comprometer o conjunto em seu funcionamento.

Por exemplo, em equipamentos antigos e superdimensionados, certas falhas nªo prejudicam o conjunto, pois a estrutura desses equipamentos antigos era construída para suportar erros e omissıes do projeto.

Recuperaçªo de elementos mecânicos

AULACompare a robustez e o dimensionamento de uma mÆquina antiga com uma moderna.

A recuperaçªo de um determinado equipamento ou conjunto mecânico tem, como fase preliminar, a decisªo de desmontÆ-lo. Nesse momento, alguns fatores vªo direcionar o mecânico de manutençªo nas tarefas de recuperar, efetivamente, o equipamento. Os principais fatores direcionantes sªo os seguintes: •anÆlise do conjunto;

•anÆlise de cada um dos componentes em termos de desgaste;

•qual a gravidade da avaria;

•quais elementos podem ser aproveitados.

Recuperaçªo de subconjuntos com movimentos

Na recuperaçªo de subconjuntos que possuem movimentos, deve-se levar em consideraçªo dois aspectos: a resistŒncia estÆtica e as condiçıes dinâmicas do conjunto.

Em termos de solicitaçıes dinâmicas, as seguintes características devem ser consideradas: •resistŒncia às vibraçıes, choques, rupturas etc.;

• desbalanceamento

•desgastes provocados pelo atrito, de acordo com as condiçıes operacionais de trabalho.

AlØm dessas características, passam a ser importantes, alØm da escolha do material que as atendam os tratamentos tØrmicos, a geometria das peças, o acabamento superficial e a exatidªo dimensional nas regiıes onde se verifica o movimento relativo entre os componentes do conjunto.

Recuperaçªo de eixos

Os eixos sªo elementos mecânicos sujeitos a solicitaçıes estÆticas e dinâmicas. Para recuperar um eixo, vÆrios parâmetros devem ser definidos. Entre eles, os seguintes sªo muito importantes: •anÆlise das condiçıes de trabalho do eixo, como primeiro passo;

•rotaçıes por minuto ou por segundo que ele executa;

•condiçıes ambientais do meio onde ele se encontra;

•presença eficiente de lubrificaçªo;

•pressıes específicas por ele exercidas ou suportadas.

AULADe posse de todas as características de solicitaçıes e trabalho, a próxima etapa observada na recuperaçªo de um eixo consiste em determinar o tipo de material utilizado na sua recuperaçªo e o processo de recuperaçªo empregado.

A recuperaçªo de um eixo pode ser feita de duas formas: pela construçªo de um eixo novo ou pela reconstituiçªo do próprio eixo danificado.

Construçªo de um eixo novoConstruçªo de um eixo novoConstruçªo de um eixo novoConstruçªo de um eixo novoConstruçªo de um eixo novo Um eixo novo deve ser usinado com sobremetal suficiente para permitir uma retificaçªo das dimensıes desejadas, após o tratamento tØrmico, caso haja necessidade.

Reconstituiçªo de eixos por soldagemReconstituiçªo de eixos por soldagemReconstituiçªo de eixos por soldagemReconstituiçªo de eixos por soldagemReconstituiçªo de eixos por soldagem Para reconstituir eixos pelo processo de soldagem, Ø necessÆrio preparar as juntas, ou seja, chanfrÆ-las. Os rebaixamentos deverªo ser suficientes para o recondicionamento e para os tratamentos tØrmicos prØvios.

A recuperaçªo de eixos por soldagem passa por trŒs fases: •preparaçªo dos eixos;

•escolha do material de adiçªo e do processo de soldagem;

•procedimento de soldagem.

Preparaçªo de eixosPreparaçªo de eixosPreparaçªo de eixosPreparaçªo de eixosPreparaçªo de eixos - A preparaçªo de eixos envolve as seguintes etapas: - Exame da Ærea onde se deu a ruptura.

- Eliminaçªo do material fatigado da Ærea de ruptura.

- Verificaçªo de trincas remanescentes do próprio processo de ruptura ou fadiga.

- Usinagem para preparar as juntas, cujas dimensıes devem estar de acordo com os dados das tabelas a seguir.

AULAO material do pino de guia deve ser igual ao material do enxerto ou, entªo, de aço SAE 1045. O ajuste entre o pino e o eixo deve estar na faixa H6 e H7. Os extremos dos pinos devem ter uma folga de 1,5 m em relaçªo ao fundo do furo.

Escolha do material de adiçªo e do processo de soldagemEscolha do material de adiçªo e do processo de soldagemEscolha do material de adiçªo e do processo de soldagemEscolha do material de adiçªo e do processo de soldagemEscolha do material de adiçªo e do processo de soldagem - O metal de adiçªo deve consistir de um material com elevada resistŒncia mecânica. O eletrodo precisa ter característica superior à apresentada pelo eixo, após a soldagem. O processo de soldagem mais apropriado Ø o elØtrico, com eletrodos revestidos.

Procedimento de soldagemProcedimento de soldagemProcedimento de soldagemProcedimento de soldagemProcedimento de soldagem - O procedimento de soldagem deve abranger as seguintes fases: •efetuar a montagem de forma que as partes unidas possam girar após a soldagem; •estabelecer a temperatura de preaquecimento de acordo com o material a ser soldado; •efetuar a soldagem, mantendo a peça na temperatura de preaquecimento, evitando o superaquecimento que pode levar a deformaçıes. As deformaçıes poderªo ser evitadas desde que se faça uma soldagem por etapas e numa seqüŒncia adequada; •deixar a solda resfriar lentamente para evitar choques tØrmicos;

•realizar tratamentos tØrmicos: normalizaçªo ou beneficiamento.

Salientemos que as peças deformadas nªo devem ser endireitadas em prensas. Se o endireitamento for realizado em prensas, serªo criadas tensıes elevadas na estrutura, com conseqüŒncias imprevisíveis.

Recuperaçªo de eixos por deposiçªo metÆlicaRecuperaçªo de eixos por deposiçªo metÆlicaRecuperaçªo de eixos por deposiçªo metÆlicaRecuperaçªo de eixos por deposiçªo metÆlicaRecuperaçªo de eixos por deposiçªo metÆlica Eixos desgastados pelo trabalho podem ser recuperados pelo processo de deposiçªo metÆlica. É possível fazer essa deposiçªo metÆlica a quente ou por via eletrolítica.

Em ambos os casos, as superfícies a serem recuperadas precisam ser preparadas adequadamente. A cilindricidade e o acabamento dos eixos tem de estar compatíveis com o processo de deposiçªo metÆlica a ser realizado.

No caso de deposiçªo de cromo duro por eletrólise, deve-se retificar a superfície a ser recuperada, para que a película de cromo se deposite de modo regular e uniforme e nªo venha a se romper quando solicitada por pressıes elevadas.

(Parte 1 de 2)

Comentários