3 AULA

Acidente zero! Essa Ø uma meta que deve ser alcançada em toda empresa.

Com a reduçªo dos acidentes poderªo ser eliminados problemas que afetam o homem e a produçªo. Para que isso aconteça, Ø necessÆrio que tanto os empresÆrios (que tŒm por obrigaçªo fornecer um local de trabalho com boas condiçıes de segurança e higiene, maquinaria segura e equipamentos adequados) como os trabalhadores (aos quais cabe a responsabilidade de desempenhar o seu dever com menor perigo possível para si e para os companheiros) estejam comprometidos com uma mentalidade preventiva.

Prevenir quer dizer ver antecipadamente; chegar antes do acidente; tomar todas as providŒncias para que o acidente nªo tenha possibilidade de ocorrer. Para atingir essa mentalidade prevencionista Ø necessÆrio saber ouvir, orientar e estar ciente de que...

Por que prevenir os acidentes? Porque prevenir Ø mais econômico e sensato que corrigir. Nesta aula serªo analisadas as principais medidas preventivas, de alcance individual e coletivo, que visam à proteçªo do trabalhador.

O efeito dominó e os acidentes de trabalho

HÆ muito tempo, especialistas vŒm se dedicando ao estudo dos acidentes e de suas causas. Um dos fatos jÆ comprovados Ø que, quando um acidente acontece, vÆrios fatores entraram em açªo antes.

VocŒ jÆ observou o que acontece quando enfileiramos pedras de um dominó e depois damos um empurrªozinho em uma delas? Todas as demais, na seqüŒncia, acabam caindo, atØ a derrubada da œltima pedra. Podemos imaginar que algo semelhante acontece quando um acidente ocorre.

Prevenir acidentes Ø dever de todos

3 A U L A

Introduçªo

Nossa aula

AULABaptista (1974), afirma que Heinrich, em seu livro Industrial Accident Prevention, que em portuguŒs quer dizer Prevençªo do Acidente Industrial ,

sugere que a lesªo sofrida por um trabalhador, no exercício de suas atividades profissionais, obedece a uma seqüŒncia de cinco fatores:

·hereditariedade e ambiente social ·causa pessoal

·causa mecânica

· acidente

· lesªo

A hereditariedade refere-se ao conjunto de características genØticas, ou seja, transmitidas pelos genes, que passam de uma geraçªo para outra. A cor dos olhos ou o tipo de sangue sªo exemplos de características físicas herdadas geneticamente. Da mesma forma, certas características psicológicas tambØm sªo transmitidas dos pais para os filhos, influenciando o modo de ser de cada um.

VocŒ jÆ notou com que facilidade uma nova moda se espalha e pega? Ora a onda Ø usar cabelos longos, ora usar a cabeça raspada. JÆ houve a Øpoca da minissaia, das roupas hippies e hoje impera a moda do cada um na sua . Esses exemplos servem para ilustrar quanto o ambiente social, formado pelos grupos de pessoas com os quais cada um se relaciona, direta e indiretamente, afeta o comportamento das pessoas.

A causa pessoal estÆ relacionada com a bagagem de conhecimentos e habilidades e com as condiçıes de momento que cada um estÆ atravessando. A probabilidade de envolvimento em acidentes aumenta quando estamos tristes ou deprimidos, ou quando vamos desempenhar uma tarefa para a qual nªo temos o preparo adequado.

A causa mecânica diz respeito às falhas materiais existentes no ambiente de trabalho. Quando o equipamento nªo apresenta proteçªo para o trabalhador, quando a iluminaçªo do ambiente de trabalho Ø deficiente ou quando nªo hÆ boa manutençªo do maquinÆrio, os riscos de acidente aumentam consideravelmente.

Quando um ou mais dos fatores anteriores se manifestam, ocorre o acidente que pode provocar ou nªo lesªo no trabalhador.

O que podemos fazer para evitar que os acidentes ocorram? Exercite sua atençªo. Observe os dominós. Uma maneira Ø controlar os fatores que antecedem o acidente.

ambiente socialcausa pessoalcausa mecânica acidente lesão lesãoacidentecausa mecânicacausa pessoalambiente social

AULANªo Ø possível interferir nas características genØticas de uma pessoa, mas Ø possível influenciar sua conduta proporcionando um ambiente social rico em

exemplos positivos. A educaçªo e o treinamento do trabalhador para o exercício de suas funçıes sªo recursos importantíssimos para reduzir o risco de acidentes.

Um trabalhador que conhece bem o seu trabalho e o desempenha com seriedade, atento às normas de segurança, estÆ muito menos sujeito a um acidente do que um trabalhador desleixado, que nªo mostra preocupaçªo com a qualidade de seu trabalho.

As causas pessoais tambØm podem ser neutralizadas, observando-se a adaptaçªo do trabalhador ao seu trabalho, e proporcionando-lhe cuidados mØdicos e assistenciais adequados.

Mas o fator central, mais próximo do acidente, Ø a causa mecânica! A remoçªo da causa mecânica Ø o fator que mais reduz a probabilidade de um acidente ocorrer.

A prevençªo começa, portanto, pela eliminaçªo ou neutralizaçªo das causas dos acidentes.

Atividades prevencionistas na empresa

Em se tratando de responsabilidade pela segurança na empresa, quem deveria assumi-la? SerÆ que um setor daria conta de tudo que acontece numa empresa? Nªo. Seria um absurdo. A prevençªo de acidentes precisa da colaboraçªo de todos.

É por isso que toda empresa deve ter uma CIPA - Comissªo Interna de

Prevençªo de Acidentes.

O objetivo fundamental da CIPA Ø a prevençªo de acidentes. Sua composiçªo e atuaçªo estªo definidas por legislaçªo específica - a Norma Regulamentadora NR-5, da Portaria nº 3 (27/10/83) do MinistØrio do Trabalho.

A CIPA tem papel importantíssimo porque possibilita a uniªo de empresÆ- rios e empregados para estudar problemas sØrios da empresa e descobrir meios e processos capazes de cercar o local de trabalho da maior segurança possível.

A CIPA pode contribuir para a soluçªo de problemas, com campanhas e observaçıes cuidadosas do ambiente de trabalho, ou seja, as inspeçıes de segurança. As campanhas da CIPA tŒm por objetivo desenvolver uma mentalidade prevencionista entre os trabalhadores.

Nªo basta ser trabalhador. É necessÆrio participar! VocŒ sabe quem sªo os membros da CIPA da sua empresa? VocŒ sabe o que a CIPA anda fazendo? Informe-se sobre as atividades da CIPA. Verifique de que forma vocŒ tambØm pode colaborar. Nªo perca tempo!

Quem procura acha

Quando falamos das atividades prevencionistas, nªo podemos deixar de destacar as inspeçıes de segurança.

VocŒ jÆ observou que alguns colegas de trabalho andam pela fÆbrica, anotando tudo? Sªo os cipeiros (membros da CIPA), fazendo levantamento dos perigos existentes, para impedi-los de virem a se tornar causas de acidentes.

AULAToda inspeçªo segue um ciclo de procedimentos bÆsicos que contribui para a elaboraçªo do mapeamento de riscos, ou seja, uma metodologia de inspeçªo

dos locais de trabalho tornada obrigatória a partir da publicaçªo da Norma Regulamentadora do MinistØrio do Trabalho NR-9, de 17/8/92.

Como jÆ vimos, os acidentes sªo evitados com a aplicaçªo de medidas específicas de segurança, selecionadas de forma a estabelecer maior eficÆcia na prÆtica. As prioridades sªo:

·Eliminaçªo do risco significa tornÆ-lo definitivamente inexistente. Vamos citar um exemplo: uma escada com piso escorregadio apresenta um sØrio risco de acidente. Esse risco poderÆ ser eliminado com a troca do material do piso por outro, emborrachado e antiderrapante.

·Neutralizaçªo do risco o risco existe, mas estÆ controlado. Essa alternativa

Ø utilizada na impossibilidade temporÆria ou definitiva da eliminaçªo de um risco. Vejamos um exemplo: as partes móveis de uma mÆquina polias, engrenagens, correias etc. - devem ser neutralizadas com anteparos protetores, uma vez que essas partes das mÆquinas nªo podem ser simplesmente eliminadas.

·Sinalizaçªo do risco Ø a medida que deve ser tomada quando nªo for possível eliminar ou isolar o risco. Por exemplo: mÆquinas em manutençªo devem ser sinalizadas com placas de advertŒncia; locais onde Ø proibido fumar devem ser devidamente sinalizados.

AULAProteçªo coletiva X proteçªo individual

As medidas de proteçªo coletiva, isto Ø, que beneficiam a todos os trabalhadores, indistintamente, devem ter prioridade, conforme determina a legislaçªo que dispıe sobre Segurança e Medicina do Trabalho.

Os equipamentos de proteçªo coletiva sªo conhecidos pela sigla EPC. Os EPCs devem ser mantidos nas condiçıes que os especialistas em segurança estabelecerem, devendo ser reparados sempre que apresentarem qualquer deficiŒncia.

Veja alguns exemplos de aplicaçªo de EPCs:

·sistema de exaustªo que elimina gases, vapores ou poeiras contaminantes do local de trabalho; ·enclausuramento, isto Ø, fechamento de mÆquina barulhenta para livrar o ambiente do ruído excessivo; ·comando bimanual, que mantØm as mªos ocupadas, fora da zona de perigo, durante o ciclo de uma mÆquina; ·cabo de segurança para conter equipamentos suspensos sujeitos a esforços, caso venham a se desprender.

Quando nªo for possível adotar medidas de segurança de ordem geral, para garantir a proteçªo contra os riscos de acidentes e doenças profissionais, devese utilizar os equipamentos de proteçªo individual, conhecidos pela sigla EPI.

Sªo considerados equipamentos de proteçªo individual todos os dispositivos de uso pessoal destinados a proteger a integridade física e a saœde do trabalhador.

Os EPIs nªo evitam os acidentes, como acontece de forma eficaz com a proteçªo coletiva. Apenas diminuem ou evitam lesıes que podem decorrer de acidentes. Veja um exemplo:

Luís ia derramar metal fundido dentro de um molde, com uma concha. Ele nªo percebeu que havia um pouco de Ægua no fundo do molde. Ao derramar o metal, este reagiu com a Ægua, causando uma explosªo que atingiu o rosto de Luís.

Felizmente Luís estava usando protetor facial. Isso impediu que seu rosto e seus olhos fossem atingidos. Graças ao uso correto do EPI, Luís saiu dessa sem qualquer lesªo.

Existem EPIs para proteçªo de praticamente todas as partes do corpo. Veja alguns exemplos:

·Cabeça e crânio: capacete de segurança contra impactos, perfuraçıes, açªo dos agentes meteorológicos etc.

AULA·Olhos: óculos contra impactos, que evita a cegueira total ou parcial e a conjuntivite. É utilizado em trabalhos onde existe o risco de impacto de estilhaços e cavacos.

·Vias respiratórias: protetor respiratório, que previne problemas pulmonares e das vias respiratórias, e deve ser utilizado em ambientes com poeiras, gases, vapores ou fumos nocivos.

·Face: mÆscara de solda, que protege contra impactos de partículas, respingos de produtos químicos, radiaçªo (infravermelha e ultravioleta) e ofuscamento. Deve ser utilizada nas operaçıes de solda.

·Ouvidos: concha, que previne contra a surdez, o cansaço, a irritaçªo e outros problemas psicológicos. Deve ser usada sempre que o ambiente apresentar níveis de ruído superiores aos aceitÆveis, de acordo com a norma regulamentadora.

·Mªos e braços: luvas, que evitam problemas de pele, choque elØtrico, queimaduras, cortes e raspıes e devem ser usadas em trabalhos com solda elØtrica, produtos químicos, materiais cortantes, Æsperos, pesados e quentes.

AULA·Pernas e pØs: botas de borracha, que proporcionam isolamento contra eletricidade e umidade. Devem ser utilizadas em ambientes œmidos e em trabalhos que exigem contato com produtos químicos.

·Tronco: aventais de couro, que protegem de impactos, respingos de produtos químicos, choque elØtrico, queimaduras e cortes. Devem ser usados em trabalhos de soldagem elØtrica, oxiacetilŒnica, corte a quente etc.

A lei determina que os EPIs sejam aprovados pelo MinistØrio do Trabalho, mediante certificados de aprovaçªo (CA). As empresas devem fornecer os EPIs gratuitamente aos trabalhadores que deles necessitarem. A lei estabelece tambØm que Ø obrigaçªo dos empregados usar os equipamentos de proteçªo individual onde houver risco, assim como os demais meios destinados a sua segurança.

É tarefa do Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT) e da CIPA ou, na falta desses, do empregador, determinar o tipo adequado de EPI em face do risco que irÆ neutralizar e quais as pessoas na empresa que deverªo utilizÆ-los.

O treinamento Ø uma fase importante no processo de utilizaçªo dos EPIs.

Quando o trabalhador recebe instruçıes sobre a maneira correta de usar o EPI, aceita-o melhor. Sendo assim, quando tiver dœvidas sobre a utilizaçªo de um EPI, peça esclarecimentos ao setor de segurança de sua empresa.

Controle e conservaçªo dos equipamentos de proteçªo

Cabe ao setor de segurança da empresa, juntamente com outros setores competentes, estabelecer o sistema de controle adequado.

A conservaçªo dos equipamentos Ø outro fator que contribui para a segurança do trabalhador. Portanto, cada profissional deve ter os seus próprios equipamentos e deve ser responsÆvel pela sua conservaçªo.

Lembre-se: se cada um de nós pensar e atuar com segurança, os acidentes praticamente poderªo ser eliminados. Faça sua parte. Comece refletindo sobre os assuntos apresentados nesta aula. Resolva os exercícios a seguir.

Não é qualquer EPI que atende a legislação e protege o trabalhador.

Apenas aqueles que têm o número do CA e a marca do fabricante gravada no produto é que oferecem proteção efetiva. Cabe ao trabalhador zelar pela própria segurança, recusando os EPIs que não tenham o

CA e a identificação clara do fabricante!

AULAExercício 1 Na mœsica: Para nªo dizer que nªo falei de flores, um verso diz:

Quem sabe faz a hora, nªo espera acontecer. Que associaçªo vocŒ faz desse verso com os assuntos tratados nesta aula?

Exercício 2

As estatísticas mostram que a maior parte dos acidentes ocorre por falhas humanas. Por que, entªo, segundo Heinrich, removendo-se a causa mecânica elimina-se a causa principal dos acidentes?

Exercício 3 Qual o objetivo da CIPA?

Exercício 4 O seu trabalho requer o uso de EPCs ou EPIs? Como vocŒ os utiliza?

Exercício 5

Vamos resolver: escreva o nome de cada EPI na coluna ou linha correspondente.

Exercícios

Comentários